Você está na página 1de 26

Projeto de Ensino –

Análise Ergonômica do Trabalho.

Prof. Ana Elisa Lavezo


ana.lavezo@ead.cesumar.br 1
Postura

A postura é determinada, geralmente, pela natureza da


tarefa ou do posto de trabalho. As posturas prolongadas
podem prejudicar os músculos e as articulações (DUL;
WEERDMEESTER, 2012, p. 26).

Segundo Abrahão et al. (2009, p. 95), quando se analisa


um posto de trabalho, o principal foco dessa análise
está nos tipos de exigências resultantes da organização
dos postos de trabalho, dos equipamentos e das
ferramentas a serem utilizadas.
2
Trabalho Sentado

TRABALHO SENTADO
No trabalho sentado, no caso da mesa de trabalho,
existem dois fatores importantes que são: a altura da
mesa e a superfície de trabalho.

A altura da mesa tem que ser regulada pela altura dos


3
cotovelos e deve ser determinada após o ajuste da
altura da cadeira.
Trabalho Sentado

As tarefas mais importante, de maior frequência ou com


maiores exigências de precisão, devem ser executadas
dentro da área ótima.
A faixa situada entre a área ótima e aquela de alcance
máximo deve ser usada para colocação das peças a serem
usadas na montagem, ou tarefas menos frequentes e que
exijam menor precisão.

4
MÉTODO DE AVALIAÇÃO - OWAS

• O método de avaliação OWAS (Ovako Working


Posture Analysing System) foi desenvolvido por
três pesquisadores finlandeses (Karku, Kansi e
Kuorinka, 1977).

• Esses pesquisadores começaram sua análise


fotografando as principais posturas encontradas
nas indústrias pesadas (IIDA, 2014).

• Esse método tem o objetivo de avaliar as


atividades que apresentam transporte de carga. 5
MÉTODO DE AVALIAÇÃO - OWAS

Os pesquisadores encontraram 72 posturas


típicas da maior parte das indústrias, que
adaptaram:
 4 posturas de dorso,
 3 posições de braços,
 7 posições de pernas e
 3 situações de cargas
Combinadas, conseguem traçar a maior parte
das posturas observadas nos trabalhadores. 6
MÉTODO DE AVALIAÇÃO - OWAS

• Para a aplicação do método de avaliação de


OWAS, devem ser fotografadas as posturas e
fazer um filme durante a execução das tarefas
para que consigamos os ângulos corretos em
cada posto de trabalho.

O método OWAS é um dos mais simples de observação


da análise postural, pois requer pouco tempo para se
realizar a observação. Ele provou ser bem funcional na
prática de níveis de solo e ser útil nas melhorias do
sistema de trabalho e na prevenção de problemas de7
doenças ocupacionais (Shida e Bento, 2012 apud
KARHU et al., 1981).
MÉTODO DE AVALIAÇÃO - OWAS

Para a obtenção do
grau de severidade,
utilizaremos a tabela
a seguir e a análise
das classes 1 a 4.

8
MÉTODO DE AVALIAÇÃO - OWAS

9
MÉTODO DE AVALIAÇÃO - OWAS

Foram classificadas em cada uma das categorias:


Classe 1: postura normal, que dispensa cuidados, a
não ser em casos excepcionais.
Classe 2: postura que deve ser verificada durante a
próxima revisão rotineira dos métodos de trabalho.
Classe 3: postura que deve merecer atenção em curto
prazo.
Classe 4: postura que deve merecer atenção imediata.
Avaliação do desconforto: “postura normal sem
desconforto e sem efeito danoso à saúde” e “postura
extremamente ruim provoca desconforto em pouco 10

tempo e pode causar doenças”


MÉTODO DE AVALIAÇÃO - OWAS

Classificação das posturas - com a duração das posturas.

11
MÉTODO DE AVALIAÇÃO - OWAS

Foram classificadas em cada uma das categorias:

Classe 1: postura normal, que dispensa cuidados, a


não ser em casos excepcionais.
Classe 2: postura que deve ser verificada durante a
próxima revisão rotineira dos métodos de trabalho.
Classe 3: postura que deve merecer atenção em curto
prazo.
Classe 4: postura que deve merecer atenção imediata.
12
MÉTODO DE AVALIAÇÃO - OWAS

 Com a severidade de cada membro traçada, é


mais fácil conseguirmos saber como proceder
para evitar futuros danos à saúde do
trabalhador.

 O método de OWAS é uma ferramenta


ergonômica útil para a detenção de posturas
inadequadas.
13
MÉTODO DE AVALIAÇÃO - OWAS

 Durante sua aplicação, é possível determinar


várias posturas que podem levar o trabalhador
ao afastamento, devido a lesões por esforços
repetitivos (SHIDA; BENTO, 2012).

 O método de OWAS possui algumas


desvantagens, que são: poucos tipos de
posturas, limitações quanto ao levantamento
de carga, não avalia a região cervical, punhos
e antebraços e não pode ser utilizado na 14

postura deitada.
Postura Sentada

https://www.youtube.com/watch?v=A9X3akbs3ac

Tempo: 1:13 a 4:13

15
Postura Sentada

16
MÉTODO DE AVALIAÇÃO - OWAS

Para a obtenção do
grau de severidade,
utilizaremos a tabela
a seguir e a análise
das classes 1 a 4.

Dorso = 2
Braço = 1
Pernas = 7 (sentado)
Carga= 1

17
MÉTODO DE AVALIAÇÃO - OWAS

18

RESULTADO = 2
MÉTODO DE AVALIAÇÃO - OWAS

Foram classificadas em cada uma das categorias:

Classe 1: postura normal, que dispensa cuidados, a


não ser em casos excepcionais.
Classe 2: postura que deve ser verificada durante a
próxima revisão rotineira dos métodos de trabalho.
Classe 3: postura que deve merecer atenção em curto
prazo.
Classe 4: postura que deve merecer atenção imediata.
19
Postura Sentada

20
MÉTODO DE AVALIAÇÃO - OWAS

Para a obtenção do
grau de severidade,
utilizaremos a tabela
a seguir e a análise
das classes 1 a 4.

Dorso = 1
Braço = 1
Pernas = 7 (sentado)
Carga= 1

21
MÉTODO DE AVALIAÇÃO - OWAS

22

RESULTADO = 1
MÉTODO DE AVALIAÇÃO - OWAS

Foram classificadas em cada uma das categorias:

Classe 1: postura normal, que dispensa cuidados, a


não ser em casos excepcionais.
Classe 2: postura que deve ser verificada durante a
próxima revisão rotineira dos métodos de trabalho.
Classe 3: postura que deve merecer atenção em curto
prazo.
Classe 4: postura que deve merecer atenção imediata.
23
Postura Sentada

Dimensionamento da Posição Sentada.

• 1-) Regulagem da altura da mesa.


• 2-) Se mesa fixa – Regulagem de altura da cadeira e
regulagem do encosto.
• 3-) Suporte de pé.
• 4-) Regulagem da altura dos braços da cadeira.
• 5-) Regulagem da altura do monitor.
• 6-) Materiais de uso constante dentro da zona ótima de
alcance dos braços.

24
REFERENCIAS BIBLIOGRÁFICAS
• Cardoso Jr., Moacyr Machado. Avaliação Ergonômica:
Revisão dos Métodos para avaliação postural. Revista
Produção, ISSN: 1676:1901, vol. 06, numero 3,
Florianópolis, 2006.

• Couto, Hudson de Araújo. Ergonomia Aplicada ao


Trabalho – Manual Técnico da Máquina Humana.
Volume I, 1ª edição, Belo Horizonte, Editora Ergo,
1995.

• Dul, Jan e Weerdmeester, Bernard. Ergonomia


25
Prática. Tradução de Iida, Itiro, 3ª edição revisada e
ampliada, São Paulo, Editora Blucher, 2012.
Projeto de Ensino –
Análise Ergonômica do Trabalho.

Prof. Ana Elisa Lavezo


ana.lavezo@ead.cesumar.br 26

Você também pode gostar