Você está na página 1de 27

TÉCNICO EM AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL

Eletrônica Aplicada a
Sistemas Automatizados

Módulo Introdutório

Instrutor(a): Eng. Eletric. Amanda


M.
 Tensão elétrica -A unidade de medida de tensão é o volt, que é representado
pelo símbolo V. Como qualquer outra unidade de medida, a unidade de
medida de tensão (volt) também tem múltiplos e submúltiplos adequados a
cada situação. Veja tabela a seguir:

Em eletricidade empregam-se mais frequentemente o volt e o quilovolt como


unidades de medida, e em eletrônica as unidades de medida mais usadas são o
volt, o milivolt e o microvolt.
 Corrente - No campo da eletrônica empregam-se mais os termos ampère (A),
miliampère (mA) e o microampère (µA).
 Resistência - A unidade de medida da resistência elétrica é o ohm,
representado pela letra grega Ω (Lê-se ômega).
 Exercícios
Faça as seguintes conversões:
1200 nA = _____ µA 1,65 A = _____mA
3,3kΩ = _____Ω 5,0 µA = _____mA
1,5MΩ = _____Ω 250 µA = _____ nA
0,5 mV = ____ µV 0,03 mA = ____ µA
180kΩ = _____MΩ 0,7V = ____ mV
2,7kΩ= _____Ω 150µV = ____ V
0,15KΩ = _____Ω 1,4V = ____ mV
3,9KΩ = ____MΩ 6200µV = ____ mV
0,0047MΩ = _____Ω 150 mV = ____ V
0,5 A = _____mA 1,65V = ____ mV
680Ω = _____ kΩ 10 mV = ____ V
Potência e energia elétrica

Potência elétrica é a capacidade de realizar o trabalho ou transformar energia


por unidade de tempo; ou seja, a transformação da energia elétrica em outros
tipos de energia, tais como energia calorífica (forno), energia mecânica (motor),
energia luminosa (lâmpada) etc.

Em um resistor, quanto maior for a tensão elétrica aplicada, mais o resistor


tenderá a se aquecer, pois, pela Lei de Ohm, será maior a corrente que circulará
por ele. A potência é proporcional à tensão e à corrente aplicadas a um resistor.
Logo, podemos escrever que:

Potência = Tensão X Corrente


A unidade da potência no sistema internacional é joules por segundo (J/s) ou watts
(W).
Na forma matemática, temos: P = V x I

Onde:
P: potência em watts (W)
V: tensão elétrica em volts (V)
I: corrente elétrica em ampère (A)

A potência em função da resistência e corrente: P = R x I2

A potência em função da resistência e tensão, sendo a unidade da resistência


dada em ohms. P = V2/ R
Exemplo
Um gerador de corrente contínua, com uma tensão de 50V, está fornecendo uma
corrente de 10 A ao circuito externo. Determine a potência, desprezando a
resistência interna do gerador:

P=VxI

P = 50V x 10A

P = 500W
Exercícios

1 - A corrente solicitada por um motor de corrente contínua é de 75A. A tensão


nos terminais do motor é 230 Volts. Qual é a potência de entrada do motor em
KW?

2 - Um gerador de corrente contínua apresenta os seguintes dados entre as


características: 150KW e 220V. Qual é a sua corrente nominal?

3 - Um chuveiro consome 30A para produzir uma potência de 6.500W. Com estes
dados anteriores, qual é a tensão necessária para esta potência?
4 - Um resistor, submetido à diferença de potencial de 15 V, é percorrido por
uma corrente elétrica de intensidade I = 1,4 A. Determine:

a) a potência dissipada por esse resistor;

b) a potência dissipada por esse resistor quando ele é percorrido por uma
corrente de intensidade i = 2,0 A, supondo que sua resistência seja constante.

5 - Ao aplicarmos uma diferença de potencial 22 V em um resistor de 8Ώ, qual


será a corrente elétrica fluindo pelo resistor e a potência dissipada?
Associação de resistores
Associação de resistências é uma reunião de duas ou mais resistências em um
circuito elétrico, considerando-se resistência como qualquer dificuldade à
passagem da corrente elétrica.

Na associação de resistências, é necessário considerar:


a) os terminais, que são os pontos da associação conectados à fonte geradora;
b) os nós, que são os pontos em que ocorre a interligação de três ou mais
resistências;
c) a porção do circuito, que liga dois nós consecutivos é chamada de ramo, ou
braço;
d) a malha, que é o conjunto de ramos que delimitam um percurso fechado.
Além disso, temos de saber também que, apesar do número de associações
diferentes que se pode fazer no circuito, todas podem ser classificadas a partir
de três designações básicas:
a) associação em série;
b) associação em paralelo;
c) associação mista.

 Na associação em série, as resistências são interligadas de forma que haja


apenas um caminho para a circulação da corrente elétrica entre os terminais.
 Associação em Paralelo - Trata-se de uma associação em que os terminais das
resistências estão interligados de forma que exista mais de um caminho para
a circulação da corrente elétrica.
 Associação Mista - É a associação que se compõe por grupos de resistências
em série e em paralelo.
Resistência Equivalente de uma Associação Série

Quando se associam resistências, a resistência elétrica entre os terminais é


diferente das resistências individuais. Por essa razão, a resistência de uma
associação de resistências recebe uma denominação específica: resistência total
ou resistência equivalente (Req).

A resistência equivalente de uma associação depende das resistências que a


compõem e do tipo de associação. Ao longo de todo o circuito, a resistência total
é a soma das resistências parciais.

Matematicamente, obtém-se a resistência equivalente da associação em série


pela seguinte fórmula:
Req = R1 + R2 + R3 + ... + Rn
Para exemplo de associação em série considere uma resistência de 120 Ω e outra
de 270 Ω. Nesse caso, a resistência equivalente entre os terminais é obtida da
seguinte forma:
Req = R1 + R2
Req = 120Ω + 270Ω
Req = 390Ω

Obs.: O valor da resistência equivalente de uma associação de resistências em


série é sempre maior que a resistência de maior valor da associação.
Resistência Equivalente de uma Associação em Paralelo

Na associação em paralelo há dois ou mais caminhos para a circulação da


corrente elétrica.
A resistência equivalente de uma associação em paralelo de resistências é dada
pela equação:
Exemplo

Para obter a resistência equivalente, basta aplicar a equação mostrada


anteriormente, ou seja:
Para associações em paralelo com apenas duas resistências, pode-se usar uma
equação mais simples, deduzida da equação geral.
Tomando-se a equação geral, com apenas duas resistências, temos:

Exemplo : R1 = 1,2kΩ e R2 = 680Ω


Resistência Equivalente de uma Associação Mista

Para determinar a resistência equivalente de uma associação mista, procede-se


da seguinte maneira:
1. A partir dos nós, divide-se a associação em pequenas partes de forma que
possam ser calculadas como associações em série ou em paralelo.
2. Uma vez identificados os nós, procura-se analisar como estão ligados as
resistências entre cada dois nós do circuito. Nesse caso, as resistências R2 e
R3estão em paralelo.

3. Desconsidera-se, então, tudo o que está antes e depois desses nós e examina-
se a forma como R2 e R3 estão associadas para verificar se se trata de uma
associação em paralelo de duas resistências.
4. Determina-se então a Req dessas duas resistências associadas em paralelo,
aplicando-se a fórmula a seguir.

Portanto, as resistências associadas R2 e R3 apresentam 108 Ω de resistência à


passagem da corrente no circuito.
Se as resistências R2 e R3 em paralelo forem substituídos por uma resistência de
108 Ω, identificada por exemplo por RA, o circuito não se altera.

Ao substituir a associação mista original, torna-se uma associação em série simples,


constituída pelas resistências R1, RA e R4.
Determina-se a resistência equivalente de toda a associação pela equação da
associação em série:
Req = R1 + R2 + R3 + ...........Rn

Usando os valores do circuito, obtém-se:


Req = R1 + RA + R4
Req = 560 + 108 + 1200 = 1868 Ω

O resultado significa que toda a associação mista original tem o mesmo efeito
para a corrente elétrica que uma única resistência de 1868 Ω .
Exercícios – Determine as resistências equivalentes dos circuitos

Você também pode gostar