Você está na página 1de 14

ECONOMIA A

Resumos 10º ano


26/11/2021
O OBJETO DA CIÊNCIA ECONÓMICA E
O PROBLEMA ECONÓMICO

• Ao contrário dos recursos, que são escassos, as necessidades humanas são múltiplas
e ilimitadas.
• Esta relação entre a quantidade de recursos disponíveis e as necessidades que é
possível satisfazer com esses recursos define uma situação de escassez, ou seja,
resulta do facto de as necessidades serem ilimitadas perante os recursos disponíveis,
que são escassos, constituindo o principal problema económico.
• Face a esta situação de escassez, torna-se necessário realizar escolhas sobre como
utilizar os recursos escassos, para satisfazer as necessidades humanas ilimitadas.
• É precisamente sobre o problema da escolha que se debruça a economia,
constituindo este o objeto de estudo desta ciência.
ESCOLHA E CUSTO DE OPORTUNIDADE

• É necessário escolher entre diferentes alternativas, o que significa que para


satisfazer uma necessidade se tem de sacrificar outra necessidade, implicando
sempre um custo.
• Quando um índividuo ou sociedade têm de escolher entre consumir ou
produzir, estão a abandonar uma opção, o que se traduz num custo de
oportunidade. Deste modo, este custo corresponde à opção que se sacrificou
para consumir ou produzir outra coisa.
AGENTES ECONÓMICOS

• Agente económico é qualquer individuoou entidade que intervém na atividade económica,


exercendo pelo menos uma função económica.
• Famílias-consomem bens e serviços
• Empresas-produzem bens e serviços
• Estado-redistribui o rendimento e produz bens não comercializáveis
• Resto do Mundo-realiza operações económicas entre países
• Microeconomia-estuda os agentes económicos como unidades individuais e as suas interações
no mercado
• Macroeconomia-estuda os agentes económicos como agregados, tipificando o seu
comportamento como grandes unidades
A ATIVIDADE ECONÓMICA

• Conjunto de procedimentos que têm por finalidade a obtenção dos bens e dos
serviços necessários à satisfação das necessidades dos indivíduos
• Economia Circular-visa a valorização dos recursos, principalmente os
renováveis e recicláveis
• As atividades que integram a atividade económica são: produção; distribuição;
redistribuição e utilização dos rendimentos
• Distribuição: salários; lucros; rendas e juros
NECESSIDADE: NOÇÃO E
CLASSIFICAÇÃO

• Uma necessidade corresponde a um estado de carência que sentimos e que desejamos


ver satisfeito
• Necessidades - Satisfeitas através da utilização de bens – Consumo
• Utilidade é a aptidão de que os bens se revestem para satisfazer as nossas necessidades
• Multiplicidade-são múltiplas, variadas e ilimitadas
• Saciabilidade-a intensidade da necessidade diminui à medida que a satisfazemos
• Substituibilidade-a satisfação de uma necessidade pode ser realizada através da
utilização de bens diferentes
• Variação no tempo e no espaço-as necessidades apresentam uma certa relatividade
CLASSIFICAÇÃO DAS NECESSIDADES

• Necessidades Primárias: O que é indispensável


• Necessidades Secundárias: O que é necessário
• Necessidades Terciárias: O que é supérfluo
• Esta classificação das necessidades reveste-se, no entanto, de um carácter relativo, pois o
que alguns anos era considerado luxo pode constituir hoje uma necessidade secundária
• Necessidades individuais: Aquelas cuja a satisfação é algo pessoal e varia de pessoa para
pessoa
• Necessidades coletivas: As que derivam do facto de vivermos em sociedade
• Associados à satisfação das necessidades: desigualdades e esgotamento dos recursos
CONSUMO

• O consumo consiste no ato de utilizar um bem com vista a satisfazer uma


necessidade.
• O consumo é um ato económico, pois é através da sua concretização que podemos
satisfazer as múltiplas necessidades que sentimos.
• Através das escolhas que fazemos, vamos dando indicação aos produtores sobre as
nossas preferências, incentivando ou desincentivando a oferta desse bem.
• Ao nível macroeconómico, um aumento do consumo reflete-se num acréscimo do
investimento, da produção e do emprego e num crescimento de toda a economia.
• Já quando o consumo diminui, verifica-se um abrandamento ou uma redução do
investimento, da produção e do emprego, e a economia entra num período de
abrandamento.
• Assim, podemos afirmar que o consumidor desempenha um papel fundamental na
dinamização da atividade económica.
CONSUMO

• O consumo corresponde à parte do rendimento de que as famílias dispõe (ou seja, o


rendimento disponível) que é gasto na aquisição de bens e serviços. A outra parte é aplicada
em poupança.
• O consumo é também um ato económico, constituindo um importante indicador de bem-
estar de uma população, num determinado momento.
• Quando escolhemos consumir bens com menor impacto ambiental, estamos a consumir de
forma responsável e a dar claros sinais aos produtores de que as preocupações ambientais
devem ser integradas no ciclo produtivo dos bens.
• Estamos igualmente a consumir de forma responsável quando escolhemos bens em que, no
seu processo produtivo, não se recorreu ao trabalho infantil, ao trabalho escravo ou ao
trabalho desenvolvido em condições desumanas, sem respeito pelos direitos humanos.
TIPOS DE CONSUMO

• Consumo intermédio: quando o bem é utilizado para produzir outros bens, quer
desaparecendo no ciclo produtivo quer sendo incorporado noutros bens (as empresas
efetuam consumos intermédios)
• Consumo final: quando a utilização do bem permite a satisfação direta da necessidade,
implicando a destruição imediata do bem (as famílias efetuam consumos finais)
• Consumo individual: quando o uso de um bem ou serviço por uma pessoa impede o seu
uso por outras pessoas em simultâneo. O consumo individual satisfaz necessidades
individuais.
• Consumo coletivo: quando é efetuado para satisfazer necessidades coletivas.
• Consumo privado: aquele que é efetuado pelas famílias na satisfação das suas
necessidades
• Consumo público: aquele que é afetuado pelas Administrações Públicas no desempenho
das suas funções
FATORES QUE INFLUENCIAM O
CONSUMO

• Rendimento das famílias; preços; moda e publicidade; dimensão e composição


da família; inovação tecnológica
• O consumidor age com racionalidade, procurando construir escolhas que se
adequem ao seu rendimento e lhe proporcionem o máximo de satisfação.
• Estrutura do consumo é a forma como os consumidores/famílias repartem o seu
rendimento pelos diversos consumos
• O INE procede ao agrupamento desses diversos consumos em doze classes de
bens, uma vez que existe uma certa regularidade (ou padrão de consumo)
COEFICIENTE ORÇAMENTAL

• Coeficiente orçamental é o peso que cada classe de despesa ocupa no total das
despesas de consumo das famílias
• Coeficiente Orçamental = Valor da despesa efetuada
X100
Total das despesas de consumo
• Lei de Engel: À medida que o rendimento das famílias aumenta, o peso das
despesas em alimentação no total das despesas de consumo vai baixando,
aumentando por sua vez o peso de outras despesas, nomeadamente as
destinadas a lazer, recreação e cultura.
SOCIEDADE DE CONSUMO

• Consumismo: corresponde a comportamentos de consumo irracional e impulsivo, sem


critérios e alheio a preocupações ambientais.
• Verifica-se que na sociedade atual em que vivemos, o consumo deixou de ter a
característica de assegurar a sobrevivência e passou a ser um fim em si mesmo, isto é,
consumir por consumir
• Nesta sociedade, que designamos por sociedade de consumo, o consumo tornou-se
insaciável, no sentido em que satisfaz necessidades insaciáveis, pois, logo que se obtém
um qualquer bem, o desejo de obter outro torna-se incontrolável. O ato de consumir
tornou-se algo insaciável. Mais do que bens consomem-se experiências.
• Verifica-se nesta sociedade o consumo de massas; a omnipresença do consumo; o primado
do Ter sobre o Ser e a redução de vida dos produtos
• Consequências: Endividamento e sobre-endividamento da famílias e Degradação do
ambiente e esgotamento de recursos naturais
CONSUMERISMO

• Consumo impulsivo-quando se consome para obter prazer imediato


• Consumo compulsivo-quando o ato de consumo se torna uma dependência
• Consumerismo refere-se a uma atitude contrária ao consumismo,
caracterizando-se por um consumo consciente, responsável, controlado e
crítico, em que o consumidor reflete sobre as consequências económicas,
sociais e ambientais do ato de consumir
• DECO- Assosiação Portuguesa para a Defesa do Consumidor
• CEC Portugal-Centro Europeu do Consumidor Portugal

Você também pode gostar