Você está na página 1de 148

TRABAHO EM ALTURA

AVISOS IMPORTANTES
•PROIBIÇÕES:
•USO DE CELULAR DENTRO DE SALA;
•CONVERSAS PARALERAS;
•USO DE ÓCULOS DE SOL;
•USO DE BONÉS;
•PROIBIDO FUMAR.
•OBRIGATÓRIO:
•USO DE CALÇA COMPRIDA E SAPATO FECHADO;
•PORTAR DOCUMENTO DE IDENTIFICAÇÃO COM FOTO;
•AVISOS GERAIS, SAÍDAS, BANHEIROS E BEBEDOUROS.
•DO HORÁRIO:
•INÍCIO: 08:00HS
•INTERVALO: 09:30HS, 11:30HS, 13:00HS
•TÉRMINO: 17:00HS
VIDEO INTERAÇÃO 1
Legislação
Legislação
1977 – Foi estabelecia a Lei 6.514 e regularizada na Portaria 3.214/78.

NBR – 15837 – Equipamento de proteção individual contra queda em altura.

2012 – É publicada a Norma regulamentadora número 35.


Cabe ao Empregador

Garantir
• Implementar as NR’s (Normas Regulamentadoras), inclusive as

contratadas;

• Trabalho em Altura – Só após as medidas de proteção desta NR;

• Analisar e, quando aplicável, elaborar e emitir a PT (Permissão de

Trabalho);

• Desenvolver procedimentos operacionais para atividades rotineiras de

trabalho em altura.
Cabe ao Empregador

Assegurar:
• Avaliação prévia – medidas complementares;

• Suspensão de trabalho: situação de risco;

• Trabalho sob supervisão, definida na AR, de acordo com os riscos da

atividade;

• Promover programa de capacitação (Treinamento).


NORMAS APLICAVÉIS A NR 35
Outras Normas regulamentadoras estabelecem outros requisitos que se fazem

necessários ao bom desenvolvimento da Norma Regulamentadora 35:

NR01 – DISPOSIÇÃO GERAL - A observância das Normas Regulamentadoras -

não desobriga as empresas do cumprimento de outras disposições.

NR6 – EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL - todo dispositivo ou produto,

de uso individual utilizado pelo trabalhador, destinado à proteção de riscos suscetíveis

de ameaçar a segurança e a saúde no trabalho.


NORMAS APLICAVÉIS A NR 35
NR 7 – PROGRAMA DE CONTROLE MÉDICO DE SAÚDE

OCUPACIONAL – que tem caráter de prevenção, rastreamento e

diagnóstico precoce dos agravos à saúde relacionados ao trabalho.

NR 9 – PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS – visa à

preservação da saúde e da integridade dos trabalhadores, através do

reconhecimento dos riscos ambientais existentes.


TRABALHO EM ALTURA
TRABALHO EM ALTURA
NR 35 – OBJETIVO
Esta Norma estabelece os requisitos mínimos e as medidas de proteção

para o trabalho em altura, envolvendo o planejamento, a organização e a

execução, de forma a garantir a segurança e a saúde dos trabalhadores

envolvidos direta ou indiretamente com esta atividade.


Estatísticas de Acidente no Brasil

40% dos acidentes


ocorridos ao ano são
devido a quedas de alturas.

80 % dos acidentes
poderiam ter sido
evitados
VIDEO 2
Riscos nos Trabalhos em Altura
Requisitos Mínimos – NR 35
Mais afinal,o que é

trabalho em altura
Considera-se trabalho em
altura toda atividade executa
a partir de 2,00 m (dois
metros) do nível inferior ou
em profundidade. Conforme
NR 35.1.2.
Capacitação
• .
Considera-se trabalhador
capacitado para trabalho em altura,
aquele que foi submetido a
treinamento.
Conteúdo programático deve, no mínimo, incluir:
a) Normas e regulamentos aplicáveis ao trabalho em altura;

b) Análise de Risco e condições impeditivas;

c) Riscos potenciais inerentes ao trabalho em altura e medidas de

prevenção e controle,

d) Sistemas, equipamentos e procedimentos de proteção coletiva,

e) Equipamentos de Proteção Individual para trabalho em altura:

seleção, inspeção, conservação e limitação de uso,

f) Acidentes típicos em trabalhos em altura,

g) Condutas em situações de emergência.


35.3.3 O empregador deve realizar treinamento
periódico bienal e sempre que ocorrer quaisquer
das seguintes situações:

a) Mudança nos procedimentos, condições ou operações de trabalho;

b) Evento que indique a necessidade de novo treinamento;

c) Retorno de afastamento ao trabalho por período superior a noventa dias;

d) Mudança de empresa.
Saúde e Segurança no
Trabalho em Altura
35.4.1.2 Cabe ao empregador avaliar o estado de saúde
dos trabalhadores que exercem atividades em altura,
garantindo que:

a) os exames e a sistemática de avaliação sejam partes integrantes do


Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional - PCMSO, devendo
estar nele consignados;

b) a avaliação seja efetuada periodicamente, considerando os riscos


envolvidos em cada situação;

c) seja realizado exame médico voltado às patologias que poderão originar


mal súbito e queda de altura,considerando também os fatores
psicossociais.
Algumas patologias que
poderão originar
mal súbito e queda de altura:
 Epilepsia

 Vertigem e tontura
 Distúrbios do equilíbrio e deficiência da estabilidade postural
 Alterações cardiovasculares
 Diabetes Mellitus
 Acrofobia(fobia de altura)
35.4.1.2.1 A aptidão para trabalho em altura deve ser
consignada no atestado de saúde ocupacional do
trabalhador.
VIDEO 3
PLANEJAMENTO DO TRABALHO
EM ALTURA
ANÁLISE DE RISCO

 Análise de Risco é importante para determinação de uma série de

medidas de controle e prevenção de riscos, antes do início dos

trabalhos, permitindo revisões de planejamento em tempo hábil

com maior segurança, além de definir responsabilidades no que

se refere ao controle de riscos e permissões para o trabalho.


Todo trabalho em altura deve ser precedido de uma
APR (Análise Preliminar de Riscos) considerando:

O isolamento e a sinalização no entorno da área de trabalho;

O local em que os serviços serão executados e seu entorno – Inspeção e

check list;
Todo trabalho em altura deve ser precedido de uma
APR (Análise Preliminar de Riscos) considerando:

O estabelecimento dos sistemas e pontos de ancoragem;

A seleção, inspeção, forma de utilização e limitação de uso dos sistemas de

proteção coletiva e individual,

O risco de queda de materiais e ferramentas;

Os trabalhadores simultâneos que apresentem riscos específicos;

O atendimento aos requisitos de segurança e saúde contidos nas demais normas

regulamentadoras;

As condições meteorológicas adversas;


EXEMPLO DE PONTO DE
ANCORAGEM.
VIDEO 4.1
VIDEO 4.2
A PT é uma permissão , por escrito, que autoriza o inicio

dos trabalhos, tendo sido avaliado os riscos envolvidos nas atividades.

 Deve ser emitida e aprovada por responsável pela autorização da

permissão,

 Disponibilizada no local da execução da atividade, ao final encerrada e

arquivada de forma a garantir sua rastreabilidade,

 Deve ter sua validade limitada à duração da atividade, restrita ao turno

de trabalho, podendo ser revalidada pelo responsável pela aprovação

nas situações em que ocorram mudanças nas condições estabelecidas

ou na equipe de trabalho.
VÍDEO 5
Condições Impeditivas
ao Trabalho em Altura

• Trabalhador sem treinamento

• Condições Meteorológicas adversas

• Falta de AR ou PT

• Falta de EPI

• Falta de pontos de ancoragem

• Falta de supervisão
VÍDEO 6.1
VÍDEO 6.2
Acidentes Típicos no
Trabalho em Altura
Falta de Proteção Coletiva
Condições inseguras de trabalho
Contato acidental com a rede elétrica
Trabalhador não apto para trabalho em altura
(Problemas de saúde)
Sono
Cansaço
Embriaguez e uso de drogas
Medidas Preventivas Contra
Acidentes de Trabalhos em Altura
35.4.2 - No planejamento do trabalho devem ser adotadas, de acordo

com a seguinte hierarquia:

a) medidas para evitar o trabalho em altura, sempre que existir meio

alternativo de execução;

b) medidas que eliminem o risco de queda dos trabalhadores, na

impossibilidade de execução do trabalho de outra forma;

c) medidas que minimizem as consequências da queda, quando o risco

de queda não puder ser eliminado.


Hierarquia do Controle
Contra Queda

Trabalhar na altura do
chão
Eliminar

Restringir o acesso –
Prevenir Usar EPC

Proteger Amenizar os danos da


queda – Usar EPI/EPC
O que seria
Como evitar acidentes?
EPI - Equipamento
de
Proteção Individual
6.4 Atendidas as peculiaridades de cada

atividade profissional, e observado o

disposto no item abaixo:

6.3 A empresa é obrigada a fornecer aos

empregados, gratuitamente, EPI adequado

ao risco, em perfeito estado de

conservação e funcionamento conforme

Anexo I desta NR.


VÍDEO 6.3
O que devo fazer quando receber os
Equipamentos de Proteção Individual?
1. Verificar se possuem C.A (Certificado de Aprovação);
2. Verificar se possuem descosturas ou furos.

E se não estiver em conformidade?


 Não assine o documento,

 Comunique ao Téc.Segurança do Trabalho,

 Encarregado (Superior Imediato).


Cabe aos colaboradores
• Zelar pela sua segurança/saúde e de outras pessoas afetadas por

suas ações ou omissões,

• Cumprir e colaborar com a implementação da norma.

Direito de recusa: O trabalhador tem direito de recusar-se a expor-se

a uma situação que dentro de seu entendimento haja exposição de risco

de vida de si próprio ou terceiros.


A recusa pelo
empregado da não
utilização do EPI, é
passível da
aplicação de
penalidades por
parte da empresa,
conforme Art. 482,
Cap. 05 da CLT (ato
de indisciplina).
EPI - Equipamento
de
Proteção Individual
EPC - Equipamentos
de
Proteção Coletiva
EPC
Tela Tapume Cerquite Guarda Corpo
EPC
EPC
EPI – EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL
PARA TRABALHO EM ALTURA
Cinturão de segurança tipo paraquedista:

É essencial o ajuste do cinturão ao corpo do empregado para garantir a correta


distribuição da força de impacto e minimizar os efeitos da suspensão inerte.
ABNT NBR – 15836 – Otimizar a adaptação do cinto à morfologia do usuário mediante
qualquer meio adequado, como fivelas de ajuste ou uma variedade suficiente de tamanhos"
(NBR 15836, 4- 1 ) . O cinturão pode ser ajustado pelas fivelas dentro de certos limites, a
partir dos quais, cumpre selecionar o tamanho de cinturão adequado ao porte físico do
trabalhador.
CINTO DE SEGURANÇA FROUXO – FOLGADO OU
MAL AJUSTADO

  Os cintos de segurança tipo paraquedista podem


ser muito perigosos se não forem perfeitamente
ajustados ao corpo, coisas impactantes podem
acontecer.

Os riscos vão desde lesões na coluna vertebral em


função da distribuição irregular do impacto em
caso de queda até lesões no saco escrotal, em
caso de queda do trabalhador.
LESÕES CAUSADAS PELO AJUSTE INCORRETO DO
CINTO DE SEGURANÇA
Como se Utiliza o Cinto de Segurança???
1º passo 2º passo
3º passo 4º passo
5º passo 6º passo
Estes modelos de talabarte não atendem como
sistema de retenção de quedas.
Estão destinados exclusivamente ao
posicionamento.
7 CONCIENTIZAÇÃO DO USO DE EPI
Cuidado com
as
Cordas de Segurança
Cuidado com
as
Cordas de Segurança

Sempre que os equipamentos apresentarem

Defeito os mesmos devem ser substituídos.


Deformações em Cabos de Aço
Sistemas de Nós
Existem diversos tipos de nós, porém abordaremos os
mais utilizados para o em trabalho.

 NÓ DIREITO;
 NÓ OITO DUPLO;
 NÓ DIREITO SIMPLES;
Nó Volta do Fiel.
: NÓ DIREITO
Por padrão, geralmente as equipes de resgates e trabalho
em altura utilizam nó em oito duplo de ligação da corda com
a ancoragem por unir todas estas características.
NÓ OITO DUPLO
Por padrão, geralmente as equipes de resgate e trabalho
em altura utilizam nó oito duplo como nó de ligação da
corda com a ancoragem por reunir todas estas
características.
NÓ DIREITO SIMPLES
Recebe o nome em função do seu formato . Além de ser
utilizado como nó de arremate, é útil para que o cabo não
escorregue de uma polia ou guia.
NÓ VOLTA DO FIEL
Nó inicial ou final de amarras. Não corre
lateralmente e suporta bem a tensão. Permite
amarrar a corda a um ponto fixo.
Pontos de Ancoragem
18.15.56.2 Os pontos de ancoragem devem:
a) estar dispostos de modo a atender todo o perímetro da edificação;
b) suportar uma carga pontual de 1.500 Kgf (mil e quinhentos quilogramas-
força);
c) constar do projeto estrutural da edificação;
d) ser constituídos de material resistente às intempéries, como aço inoxidável
ou material de características equivalentes.

35.5.4 Quanto ao ponto de ancoragem, devem ser tomadas as seguintes


providências:
e) ser selecionado por profissional legalmente habilitado;
f) ter resistência para suportar a carga máxima aplicável;
g) ser inspecionado quanto à integridade antes da sua utilização.
Aplicabilidade do Trabalho em Altura e
Seus Fatores de Risco
Aplicabilidade do Trabalho em Altura e
Seus Fatores de Risco
 Estabilidade e solidez do local,

 Plataforma Molhada,

 Mal súbito e outros fatores pessoais do colaborador,

 Desorganização,

 Içamento de materiais e ou Queda de ferramentas,

 Ofuscamento de visão provocados por reflexos de raios solares,

 Sapatos inadequados ou sujos de óleos ou graxas.


PLATAFORMAS

DE

TRABALHO
ESCADAS
TRABALHOS EM ALTURA
Escadas:
Limitado aos trabalhos em que não se justifique a utilização
de equipamentos mais seguro.

Nomeadamente:

 Trabalhos com risco reduzido,


 Trabalhos de curta duração,
 Trabalhos/locais com características que não podem ser
alteradas.
TRABALHOS EM ALTURA
Escadas:

Posição incorreta,
Altura insuficiente,
Melhor Opção: Andaime.
TRABALHOS EM ALTURA
Escadas:

As escadas só são permitidas em

telhados se engancharem numa

viga ou forem amarradas.

 Trabalhadores devem utilizar

cintos.
TRABALHOS EM ALTURA
Escadas:

 Verificar o estado da escada antes de sua utilização,


 Degraus,
 Sistema que impede a abertura da escada,
 Base anti – derrapante.
TRABALHOS EM ALTURA
Escadas:

 As escadas com vários segmentos devem ser utilizadas de


modo a garantir a imobilização do conjunto dos segmentos.
 As escadas móveis devem ser imobilizadas antes de sua
utilização.
 As escadas suspensas devem ser fixas de forma segura de
modo a evitar que se desloquem ou balancem.
TRABALHOS EM ALTURA
Escadas:
Bases estáveis:

Base de apoio Base de apoio


presa direita

Uso incorreto das escadas: Sobre, paletes, bobinas, tijolos, empilhadores,


carrinhos, baldes, escavadoras, plataformas elevatórias, andaimes – torres.
TRABALHOS EM ALTURA
Escadas:
Ângulo de inclinação:
¼ do tamanho da
escada.

As escadas utilizadas
como meio de
acesso devem
ultrapassar
ao menos um metro
da base.
TRABALHOS EM ALTURA
Escadas:
Formas de acesso
TRABALHOS EM ALTURA
Escadas:

Corpo paralelo à escada, três pontos de contato.


Escadas (Fixação)

As escadas simples devem ser amarradas para que se mantenham


estáveis.
ESCADAS 8
ANDAIMES
Andaime Suspenso 9
ANDAIMES CUIDADO:
Os andaimes devem ser dimensionados e construídos (montados)

de modo a suportar, com segurança as cargas de trabalho a que

estarão sujeitos.

O piso de trabalho dos andaimes deve ter forração completa,

antiderrapante, ser nivelado e fixado de modo seguro e resistente.

Devem ser tomadas precauções quanto a montagem e

desmontagem e movimentações próximas as redes elétricas.


ANDAIMES CUIDADO:

É proibido a utilização de escadas sobre o piso dos andaimes.

Os andaimes devem dispor de guarda – corpo e rodapé.

O acesso aos andaimes devem ser feitos de maneira segura.


ANDAIMES CUIDADO:
Montagem e Desmontagem

 Isolar toda área durante a montagem e desmontagem,

sinalizando com placas e fita de segurança.

 Não improvisar recursos aos andaimes.

 Sempre certificar – se que a área a ser montado o andaime

esteja segura ( Estabilidade e Solides).

 Não montar os andaimes obstruindo hidrantes, válvulas ou rota

de fuga.

 Toda atenção deve ser tomada para áreas próximas as redes elétricas.
ANDAIMES
São construções provisórias auxiliares que possuem
plataformas horizontais elevadas.

Principais causas de acidentes de trabalho:

Derrubamento ou desmoronamento provocados


pelos seguintes motivos:

 Choque contra as bases de apoio,


 Sobrecargas excessivas,
 Materiais em mau estado,
 Ausência de proteções.
TIPOS DE ANDAIMES
Torre Modular
ou
ANDAIMES / SINALIZAÇÕES
CADEIRA

• A Cadeira Suspensa é um equipamento individual de


acesso rápido e seguro, que permite movimentações
verticais, através do acionamento de manivelas.
Cadeira Suspensa 10.1

Cadeira Suspensa 10.2

Cadeira Suspensa 10.3


Linha de Vida 11
LINHA DE VIDA
São linhas horizontais constituídas de corda ou cabo de
aço, que é fixado nas extremidades dos pontos de
ancoragem, destinadas a dar mobilidade com segurança
a um ou mais trabalhadores que efetuam movimentação
horizontal com risco de queda.
MOVIMENTAÇÃO E SEGURANÇA

Fixação de segurança

Fator Queda

O fator de queda é a relação entre a queda do trabalhador e o

comprimento do talabarte.
FIXAÇAO DO TALABARTE
FIXAÇAO DO TALABARTE
FATOR DE QUEDA
Qual a situação mais correta? Porque?
O trabalhador deve permanecer conectado ao sistema de
ancoragem durante todo o período de exposição ao risco de
queda.
Adotar o uso de Equipamento de
Proteção Individual - EPI
Corda de Posicionamento

• Para facilitar a movimentação

do trabalhador, pode-se

usar uma corda de posicionamento,

• O trabalhador nunca deve soltar

os dois ganchos ao mesmo tempo.


Trabalho Vertical

• É obrigatório o uso de duas cordas:

Corda de trabalho e a corda de segurança.

• As cordas devem ter pontos de amarração

independentes.

• Corda de segurança + Anti – quedas.


Telhados, coberturas e planos inclinados em altura

• Nunca pise diretamente sobre calhas convexas das

telhas;

• Lembre-se que o risco aumenta ao crescer a inclinação;

• Não realize atividade se as condições climáticas não

estiverem favoráveis;
Telhados, coberturas e planos inclinados em altura

• Durante a realização dos trabalhos em telhados deve usar os três

elementos seguintes que são extremamente imprescindíveis para a

segurança de todos.
Emergência

Suspensão inerte é a situação em que um trabalhador permanece


suspenso pelo sistema de segurança, até o momento do socorro.

A necessidade de redução do tempo de suspensão do trabalhador se


faz necessária devido ao risco de compressão dos vasos sanguíneos
ao nível da coxa com possibilidade de causar trombose venosa
profunda e suas possíveis consequências.
Emergência
• Recomenda-se que após o resgate, caso a vítima esteja

consciente e tenha ficado mais de 15 minutos suspensa, ela

não seja deitada imediatamente.

• A conduta ideal é que a mesma permaneça sentada com os

joelhos e pés sendo flexionados durante algum tempo, para

recuperar a circulação sanguínea de modo gradativo, e depois

então seja posicionada deitada.


A queda não é o único perigo
no trabalho em altura.
• Ficar pendurado pelo cinto de segurança gera a suspensão inerte, impede
a circulação do sangue que se acumula nas pernas.
• Se estas não se movem, o sangue fica lá e o coração não consegue
bombear o sangue para a cabeça provocando a intolerância ortostática
que se caracteriza por:
 atordoamento,

 tremor,

 fadiga,

 dor de cabeça,

 Fraqueza

 desmaios.
 Suspensão prolongada pode causar a intolerância ortostática que, por sua vez,

pode resultar em perda de consciência seguida por morte em menos de 30 minutos .


NÃO SABE O QUE FAZER?
Pequenas atitudes podem ajudar a salvar uma vida!!!

Mantenha a calma;
Isole a área;
Afaste os curiosos;
Chame o socorro;
Observe a vítima;
Se não tiver certeza do que está
Não mexa na vítima;
fazendo estas simples ações
Evite que ela se movimente;
podem representar uma grande
Nunca dê nada via oral para
ajuda para salvar a vida de um
uma vítima de acidente.
companheiro.
Situações de
Risco Grave e
Iminente
CUSTO DE UM ACIDENTE 12
Todo trabalho em altura, para que seja
feito com segurança deve começar no
solo.
Você é importante e indispensável
para sua família.
Treinamento Trabalho em
Altura NR 35

CENTRO DE TREINAMENTO PROVIDER


TEL.: (27) 3026-2481
treinamentos@provider-es.com.br

Obrigado!

Você também pode gostar