Você está na página 1de 10

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE ANGOLA

INSTITUTO SUPERIOR JOÃO PAULO II (ISUP)


PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM
SERVIÇO SOCIAL E POLÍTICA SOCIAL

Disciplina: ESTADO E POLÍTICA SOCIAL


Ano: 1º

Ano lectivo: 2021/2022

Tema 1: ESTADO COMO ACTOR FUNDAMENTAR


INTEGRANTES DO GRUPO
• ALBERTO CHALO JOVETA
• MARIA E. CARDOSO
• NEUSA KAPACETE
• PEDRO DAMBI CASTEIRO
• TÂNIA DOMINGOS
ÍNDICE

1.Teoria do Estado
2.Estado moderno
3.Tipos de Estado
4.Conclusão
5.Referências bibliográficas
INTRODUÇÃO

A história da humanidade é testemunha da existência de


muitos Estados que surgiram na Terra há mais de seis mil
anos. Estes se distinguem pelas formas de governo, pelo
regime político, pelo território, número de habitantes, pelo
nível de desenvolvimento cultural e socioeconómico. Por
exemplo: na antiguidade e na Idade Média, o Estado era
interpretado no espírito teológico. Nota-se nas civilizações
antigas, como a do Egito, o faraó, era considerado deus, e
declarava-se a obediência absoluta. O representante do
Catolicismo, Tomás de Aquino (1226-1274), filósofo e teólogo
medieval, apelava à obediência ao Estado porque este é de
obediência divina.
TEORIA DO ESTADO

A vida de cada pessoa decorre num determinado espaço ou


território devidamente delimitado com uma determinada
organização estatal. Cada pessoa e a sociedade sentem a actividade
do Estado que se estende a todas esferas social, quer na esfera
pública quanto na esfera privada. Ao serviço do Estado estão
numerosos grupos de pessoas que formam o sistema político do
Estado.
Segundo Aristóteles (2010:56), a origem do Estado é natural, por
isso, o homem é um animal político. Os homens unem-se para
formar a sociedade não em virtude de um pacto, mas
instintivamente, porque de outro modo não poderiam satisfazer a
todas as suas necessidades físicas e intelectuais.
Para Lakatos e Marconi (2014: 189) o Estado é uma nação
politicamente organizada. È constituído, portanto, pelo povo,
território e governo.
ESTADO MODERNO

 A nível da sociologia, foram dois grandes nomes que


contribuíram de maneira concisa para o estudo do Estado: Karl
Marx e Max Weber.
A Teoria marxista
A Teoria weberiana
A primeira teoria defendia que o Estado é um instrumento de
domínio de uma classe social sobre a outra.
A segunda teoria defendia que o Estado contemporâneo como
uma comunidade humana que, dentro dos limites de um
terminado território, a noção do território corresponde a um
dos elementos essenciais do Estado. (Weber, 1967 apud Sell,
2006:119).
TIPOS DE ESTADO
Segundo Sell (2006:122), o Estado surge como uma construção
artificial pela qual um determinado povo, unido por uma
tradição cultural comum e ocupando determinado território,
concebe um centro organizador da vida social.
Pode-se identificar quatro momentos básicos no trajecto
histórico do poder estatal na chamada primeira modernidade.
Estes tipos ideais são:
a) Estado Absolutista;
b) Estado liberal-democrático (direitos civis, políticos, sociais);
c) Estado totalitário (fascismo, o nazismo e stalinismo do
século XX) e
d) Estado de bem-Estar social (Thomas Marshall, ele surgem os
direitos sociais)
CONCLUSÃO

A República popular de Angola, instalou o Estado marxista-lenista até


1991, mas com o fim da guerra civil e com o multipartidarismo, o
país tornou-se um Estado democrático de direito. Nos termos da
Constituição, no seu artigo 2ª, a República de Angola é um Estado
democrático de direito que tem como fundamento a soberania
popular, o primado da Constituição e da lei, a separação, o
pluralismo de expressão e de organização política e a democracia
representativa e participativa. No seu ponto 2, o país promove e
defende os direitos e liberdades fundamentais do homem, quer
como indivíduo quer como membro de grupos sociais organizados, e
assegura o respeito e a garantia da sua efectivação pelos poderes
legislativo, executivo e judicial, seus órgão e instituições, bem como
por todas as pessoas singulares e colectivas.
Referência bibliográfica

• Aristóteles (2010) Política; São Paulo: Martin claret


• Giddens, A. (2009) Sociologia, 7ª edição, Fundação Calouste Gulbenkian,
Lisboa.
• Gúsbaski, E. F e Iurlov, F. N e Belov, G (1988) Que é o Estado? Edições
progresso, Impresso na U.R.S.S
• Lakatos, E. M e Marconi, M. A (2014) Sociologia Geral, 7ª Edição, Editora
Atlas S.A, São Paulo.
• Lallement, M (2008) História das ideas sociológicas: das origens a Max
Weber, 4ª Edição Petrópolis, Rio de Janeiro.
• Mondin, B. (1981) Curso de Filosofia. Os Filósofos do Ocidente, vol. 1 –
Paulus, São Paulo.
• Sell, C. E. (2006) Introdução à sociologia política; Rio de Janeiro : editora
vozes.
MUITO OBRIGADO
PELA ATENÇÃO

Você também pode gostar