Você está na página 1de 48

ContraCC

ontra
C
ultura

ultura
Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro
Departamento de Ciências Humanas e Educação
1º ciclo de Estudos em Psicologia
Psicologia Cultural
2ºano/2ºsemestre
Vila Real, Maio 2012
Objetivo Compreender o fenómeno da “contracultura”

Enquadramento Expressões artísticas e


Conceptualização
histórico culturais

Cinema, artes plásticas, música

Metodologia Qualitativa Descritiva Reflexiva

Revisão de literatura, análise de filmes e letras de músicas de forma


a descrever, perceber e refletir a contracultura
O que é “Cultura” ?

Conjunto de conhecimento, crenças, arte, moral, leis, costumes, tradições e


todos os outros hábitos e aptidões adquiridos pelos humanos enquanto
membros duma sociedade.

(…) todos los principales sistemas culturales humanos incluyen


prácticas mágicas , religión, valores morales, prácticas de recreo,
de regulación del apareamento, educación, etc (…).
(Spindler, 1987,p.205)

O conteúdo e o modo como essas categorias se associam diferem de cultura para


cultura (a forma de educar os filhos, o casamento, o luto, entre muitos outros).
(Spindler, 1987,)
Dada a sua ambiguidade e subjetividade não há consenso quanto à sua definição

Dif
er
en
te Vários sentidos e
sd
ef
Cultura significados
ini
ç õe (sociedade)
s

Gertz (1978): complexidade de simbolismos compartidos por um dado grupo


social

Santos (1998):tudo o que caracteriza as vivências de um povo em sociedade;


forma de organizar a vida social

Cultural Social

Muitas vezes considerados como sinónimos dada a sua interdependência ( Correia, 2003)
Brunner (2001):” conjunto de ferramentas com
Cultura
técnicas e procedimentos para entender (..) o mundo (…)
e lidar com ele”

“Mente social”

A Psicologia cultural

Narrativa e produção de significados

Mente Cultura

Construtora de
significados. Produtora de
significados.
Elaborar significados

( Correia, 2003)
Psicologia Cultural

Orientação Desempenho
Controlo Emoções
de atividades

O Homem, para além de possuir características gerais, também é fruto do seu


meio, lugares, encontros e tempos distintos
(Geertz, 1978).

“A cultura molda a mente”


(Carvalho, 2003, p. 508)
Folk
Psicologia Cultural

Exploração e conhecimento do mundo real.

Importância do contexto para o desenvolvimento da mente

Local onde
Vontades Objetivos Crenças Expetativas
cresceu

Importantes para o processo de conhecer o mundo

Diferente de pessoa para pessoa


(Correia, 2003)
“ As pessoas são resultado do processo de produção de significados (…)
(Carvalho, 2003, p. 508)

Psicológico Histórico
Cultural Biológico Social

O Homem não é só biológico ou cultural ele é a soma de um todo.

Contracultura
Cultura de oposição à que é imposta pela sociedade

 Movimento cultural
 Forma de expressão
A década de 60

Diversas manifestações contestavam contra as “guerras sem razão”

Vietname Guerra fria

(Boscato, 2006)
A década de 60

Revolução cubana (1960) Fidel Castro assume o poder

Ernesto Guevara (1928-1967)


“ Che” Símbolo da revolução cubana

Ícone de rebelião para a juventude da


contracultura

(Boscato, 2006)
A década de 60

Apelos à paz mas também à revolução.

“ I have a dream”
(M.L. King, 1963)

Luta pelos direitos humanos, pela igualdade e pela paz

Inicio de …

Luta contra o conservadorismo e favorecimento de gestos antissociais

(Boscato, 2006, ; Joy & Goffman, 2004)


A década de 60

No inicio desta década vários países ocidentais dão uma “guinada à esquerda”

Revolução
comportamental

(Joy & Goffman, 2004)

Movimentos civis a favor de …

Igualdade de Igualdade de Relações


raças géneros homossexuais
•Distúrbios; Grupos de jovens Olhar o ser humano como
•Indecisões sociais;
procuraram pilar para a construção de
•Politicas totalitárias uma sociedade
e conservadoras
alternativas

Perante

Contracultura

“Cultura de oposição à que é imposta pela sociedade oficial”


(Bocsato, 2006, p. 5)

(Boscato, 2006)
Contracultura Beat generation

Finais da década de 50

Panóplia de mudanças que levaram a juventude a compreender “o torpor


moral em que viviam”

 Alterações e transformações comportamentais

Reestruturação dos valores morais

( Alemida & Naves,2007,p. 13)


Contracultura

Ginsberg, judeu que após a 2ª Grande guerra,defendia a necessidade de uma


mudança social radical

“Pai da Fusão hippie/ nova esquerda


Impulsionador da contracultura

Justiça Liberdade Igualdade

“Peace & Love”


Pa z
Am
or
(Joy & Goffman, 2004)
A contracultura ocupa o seu espaço em qualquer época histórica
(Joy & Goffman, 2004)

A contracultura nasce “ sempre e onde “ membros de uma dada sociedade


optam por se expressar artisticamente, adotam estilos de vida, maneiras de
pensar e de se comportar

Mudança Aprendizagem Dinâmica

Liberdade para o próprio, liberdade de expressão a todos os níveis

O homem como agente da sua


própria mudança

( Timothy Leary, s.d.; cit por Joy & Goffman, 2004,p.9)


Psicologia humanista
Contracultura

Necessidade de uma sociedade justa, mais humana.

Centrada nas necessidades da pessoa

Auto- realização Desejos Expetativas

Abertura nas relações interpessoais, expressão da criatividade e autenticidade


Dinâmica Mudança Abertura

“Metamorfose Ambulante”
(Raúl Seixas, 1973)

“Prefiro ser essa metamorfose ambulante/Eu prefiro ser essa metamorfose


ambulante /Do que ter aquela velha opinião formado sobre tudo (…)/Eu quero
dizer agora o oposto do que eu disse antes/ Eu prefiro ser essa metamorfose
ambulante/Do que ter aquela velha opinião for”
mada sobre tudo (…) /Sobre o que é o amor/ Sobre o que eu nem sei quem
sou / Se hoje eu sou estrela amanhã já se apagou/ Se hoje eu te odeio amanhã
lhe tenho amor /Lhe tenho amor, Lhe tenho horror, Lhe faço amor/ Eu sou um
ator”
( Raúl Seixas,1973).
O Maio de 68 em França

O Maio de sessenta e oito dos jovens não foi um movimento


revolucionário, mas anti- autoritário
França, 1968

Período de prosperidade de euforia de consumo

Contudo
Adivinhava-se já uma sociedade democrata, desumana, triste

Necessidade enorme de
generosidade que não existia na
França de De’ Gaulle que
Juventude francesa preconizava o crescimento para
imitar os países capitalistas

Ó que não era obrigatório, era proibido.


Tudo era tabu

Vestuário Sexo Música rock.

Aspetos considerados como agentes de corrupção da juventude

Jovens contestavam a repressão imposta pelos pais, escola, sociedade


O Maio de sessenta e oito evoca as barricadas, os carros em chamas, a
Sorbonne em folia. Panfletos, cartazes, caricaturas, grafittis, sessenta e
oito suscitou uma panóplia de imagens
Movimento orientado para o sexo livre

Hippie

Contra a guerra do Vietname

Luta pelos direitos civis

Cultura das drogas

 A libertação sexual era, em


muitos casos, o símbolo e o matiz de
outras liberdades exigidas.
Divulgação/popularização dos métodos anticoncepcionais

Maior autonomia dada à


mulher

 Conceitos ligados à sexualidade passaram a ser manipulados de


maneira a incorporarem na máquina de consumo capitalista
Perspetiva transcultural

A relação da sexualidade com a cultura é complexa. Certamente que os aspectos


culturais podem modificar-se dramaticamente, porém, talvez a cultura da
sexualidade seja mais estável do que se suponha. As mudanças recentes, tão
discutidas, talvez não sejam uma “revolução”, como se tem proclamado .

(Gregersen, 1983, cit. por Trevisan, s/d, p.6)


Perspetiva transcultural

(…) os nossos ancestrais exaltavam o sexo não apenas em relação ao nascimento e procriação,
mas como fonte misteriosa – e, neste sentido, mágica – tanto do prazer quanto da vida. (…) Os
mitos e ritos eróticos e pré-históricos não eram apenas expressões de alegria e gratidão pela
dádiva da vida (…) mas também expressões de alegria e gratidão pelas dádivas do amor e do
prazer – particularmente pelo mais intenso dos prazeres físicos, o prazer do sexo.
(Eisler, 1996, cit. por Trevisan, s/d, p.3)

Ars erotica – arte erótica


Vivemos numa sociedade sem erotismo. O sistema permite o sexo quantitativo e
compensador, porém, não prevê a humanização e o sentimento do afeto, que são os
aspetos qualitativos relacionados à atividade. Trata-se de um prazer mecanizado,
compulsivo (Marcuse, 1978, cit. por Trevisan, s/d, p.6)
A arte da Contracultura

Artes plásticas: Música: Cinema:


Pop art Rock alternativo opressão e
Intervenção paradigmas
sociais

Este “modo de vida” também foi pautado pelo uso de substâncias alternativas
(cannabis, LSD, peyote)

Estado “zen”, obter outras perceções do mundo


Pop Art

Teve os seus inícios nos E.U.A. e Inglaterra

Estética do consumismo

Baseia-se em aspetos quotidianos e de consumo

Mitos do cinema, música, marcas de produtos


comerciais
Pop Art Andy Warhol
(1928-1987)

Nome de destaque nesta corrente artística em vária áreas

The velvet underground &


Música
Nico

Cinema Ciao Manhatan

Um artista do mais original

Andy Warhol é arte


Pop Art Tom Wesselman
(1931-2004)

Roy Lichtenstein
(1923-1997)
O cinema da Contracultura

Cinema

Transformação da sociedade pela


conscientização Cunho libertário e idealista

 Revolução estética do cinema francês

 Neorrealismo do cinema italiano

 O cinema britânico “desenha” a Europa como


um continente quase de terceiro mundo
Principais argumentos dos filmes

Pobreza

Opressão Social

Recuperação da história dos povos colonizados e oprimidos

Constituição das nações


O som da
Emoções, sentimentos, metáforas,

Contracultura mensagens expressas musicalmente


através das letras das canções

Janis Joplin
(1943-1970)

Freedom's just another word for nothing left to lose,


Nothing don't mean nothing honey if it ain't free, now now.
And feeling good was easy, Lord, when he sang the blues,
You know feeling good was good enough for me,
Good enough for me and my Bobby McGee
Well, I'm standing here, freezing, inside your golden garden
Jimi Hendrix
Uh got my ladder, leaned up against your wall
(1942-1970)
Tonight's the night we planned to run away together
Come on Dolly Mae, there's no time to stall
But now you're telling me...

One pill makes you larger


Jefferson’s airplane And one pill makes you small
(1965) And the ones that mother gives you
Don't do anything at all
Go ask Alice
When she's ten feet tall
And if you go chasing rabbits
And you know you're going to fall
Tell 'em a hookah smoking caterpillar
Has given you the call
Call Alice
When she was just small
Jim Morrison O mito de uma geração
(Oliver Stone, 1991)
( 1943-1971)

People are strange when you're a stranger


Faces look ugly when you're alone
Women seem wicked when you're
unwanted
Streets are uneven when you're down

When you're strange


Faces come out of the rain
When you're strange
No one remembers your name
When you're strange
When you're strange
When you're strange
(The doors, Strange days “People are strange”,1967)

“ There are things known and things


unknown and between them are the doors…”

Jim Morrison
The Beatles

Maiores ícones da contracultura dos anos sessenta, do outro lado do mundo fizeram
furor com as suas roupas, e as suas músicas e letras que falavam sobre amor, LSD, paz,
justiça e o universo de consumo no geral
( Sarmento, 2006)

“I’ll buy you a diamond ring my friend/ if it


makes you feel alright/ ‘Cause I don’t care too much
for money/ Money can’t buy me love”
(Beatles, “Can’t buy me love”, 1964).
Woodstoc
k Durante três dias as pessoas juntaram-se para
ouvir música, abraçar a paz e o amor e mostrar ao
mundo a liberdade.

A contracultura

Manifestação pacífica a favor da


contracultura.

(Bennett, 2004)
Contracultura:
Consumo de substâncias e “as portas da perceção”

Consumo de substâncias
psicoativas na atualidade Casos de polícia

Mercado negro

= Altos riscos envolvidos

Consumo de substâncias
alternativas na década de 60 Estratégias para abrir “as
portas da perceção”

Busca de novas experiências

Especialmente as Forma de conhecer o mundo e


alucinogénias de se relacionar com ele

(Carvalho, 2002)
Consumo de substâncias:
Atualidade vs. Década de 60

Exemplo:
(Carvalho, 2002)

Pai sexagenário Filha adolescente

Filha: “Pai, a professora hoje na escola esteve a falar dos malefícios da


marijuana! Mas isso não é verdade, pois não?
Eu não vejo isso acontecer com o pai e com a mãe quando fumam charros…

Presente

O pai simplesmente sorri Enigma Refletir no passado

O pai é personagem de uma época na qual o uso de substâncias tinha propósitos


muito diferentes dos da atualidade

 Alteração do estado de consciência provocada pela ingestão de certas


Huxley (1894-1963.)
ervas e plantas dando abertura a novas experiências sensoriais
A ideologia Hippie tornou-se velha, no entanto, ainda se mantém viva nos
manuais históricos e nas memórias de muitos dos seus seguidores

As substâncias não perderam as suas propriedades, e a busca de estados


alterados de consciência acompanha o homem ao longo da história

cont
u do

Houve necessidade de elaborar


leis e impor limites
Por outro lado não podemos esquecer…

Inúmeras personalidade elaboraram obras primas sobre o efeito de alucinogénios

Baudelaire (1860), Os paraísos artificiais, no qual relata as suas experiências com consumo de ópio
e haxixe
Fernando Pessoa (1888-1935), com o consumo de ópio mostrou-nos uma realidade paralela
Huxley (1894-1963), The doors of perception e The psichadelyc experience, consumo, uso e
valores do LSD
Jim Morrison ( 1943-1971), mostrou-nos a vertente do rock psicadélico e tornou-se num mito de
gerações
The Beatles (1968), “Lucy in the sky with diamonds”, hino ao LSD
Bob Dylan (1965) escreveu uma letra para o seu “dealer” de marijuana. Essa
música ainda hoje é um hino de marca deste cantor

Mr. Tambourine
man
The birds, 1965
Hey ! Mr Tambourine Man, play a song for me
I'm not sleepy and there is no place I'm going to
Hey ! Mr Tambourine Man, play a song for me
In the jingle jangle morning I'll come followin' you.
Then take me disappearin' through the smoke rings of my mind
Down the foggy ruins of time, far past the frozen leaves (…)
Let me forget about today until tomorrow.
Reflexão final

Contracultura

Movimento social e cultural com destaque na década de 60

Estilo de mobilização e contestação social através de protestos ( música,


arte,cinema,moda)

Valores nucleares, da época, e tradições da sociedade são altamente


questionados.

Ênfase para a mudança e para o abraçar de novas experiências

No geral, caracteriza-se pela adoção de formas de estar e viver


Novas
Contracultura
Liberdades

 Liberdade para expressar o seu potencial,


valorização da criatividade e originalidade

 Liberace para criar o seu próprio Self

 Maior abertura nas regras e na imposição


de hierarquias

 Liberdade para se expressar.

Abertura aos movimentos contraculturais que


surgiram posteriormente
Atualmente, e devido à situação política e económica que se vive na Europa, e
na generalidade do mundo, observa-se, novamente, o aparecimento de
movimentos e manifestações a apelar pela mudança; massas de pessoas que se
unem para lutar pela mudança.
Bibliografia

Alemida,M.I.M., & Naves, S.C. (2007). Porque não? Rupturas e continuidades da contracultura. Rio de janeiro: Viveiros
de Castro Editoras.

Bennett, A. (2004). Remembering Woodstock. Burlington: Ashgate

Boscato, L.A.L. (2006). Vivendo a sociedade alternativa: Raúl Seixas no panorama da contracultura jovem. Tese de
doutoramento não publicada. USP.

Carvalho, C. (2003). Contracultura, drogas e mídis. XXV congresso Brasileiro de Ciências da comunicação. Salvador da
Bahía, Brasil.

Correia, M.B.D.C. (2003). A constituição social da mente: (re)descobrindo Jerome Brunner e construção de
significados. Estudos de Psicologia, 8 (3), 505-513.

Geertz, Cl. (973). El impacto del concepto de cultura en el concepto de hombre . La interpretación de las culturas.
Barcelona: Gedisa

Joy, D., & Goffman, K. (2004). A contracultura através dos tempos.Rio de Janeiro : Ediouro publicações

Kruger, C. (2010). Impressões de 1968: contracultura e identidades. Acta Scientiarum: Human and Social Sciences, v.
(32), 139-145. Doi: 10.4025/actascihumansoc.v32i2.7926

Laranjeira, A.S. (2011) . Subculturas e estilos de vida na literatura pop contemporânea. XII Congresso Internacional da
ABRALIC, Centro, Centros – Ética, Estética, – Curitiba, Brasil

Nery, E. S. (s.d.). Doidões: psicodelismo e drogas na arte de Raul Seixas dos anos 1970

 
Prysthon, A. (2007). Cinema e periferia: constituição de um campoTrabalho apresentado no III ENECULT – Encontro de
Estudos Multidisciplinares em Cultura. Faculdade de Comunicação/UFBa, Salvador-Bahia-Brasil
Spindler, G.D.(1987) La transmision de la cultura.

Trevisan, R. (s/d). A sexualidade humana: uma visão histórico-social

Você também pode gostar