Você está na página 1de 5

A gastrite é a inflamação da mucosa

gástrica, esofágica ou duodenal, e


pode acometer os três tecidos de uma
única vez, causando muito
desconforto, como azia (queimação),
dor de leve a intensa, má digestão.

É uma condição muito desconfortável


que pode comprometer a qualidade de
vida e condição nutricional uma vez
que o desconforto causado pelos
alimentos quando consumidos pode
fazer com que a sua ingestão seja
diminuida para evitar que os sintomas
sejam desencadeados.

Normalmente causada pelo excess de


alimentos que irritam a mucosa
gástrica como embutidos, frituras,
gorduras saturadas e alimentos ultra
processados ou excesso de
medicamentos.
O uso de antiácidos ou remédios para
reduzir a acidez se torna frequente,
somente mascarando os sintomas sem
levar ao tratamento da causa.
O objetivo da “dieta para gastrite” é evitar o excesso da produção de secreção
gástrica e, consequentemente a irritação da mucosa gastrointestinal.
 
RECOMENDAÇÕES:
 
 Procure comer em ambiente tranquilo, mastigando bem os alimentos. O
estresse aumenta a produção de ácido no estômago;
 Fazer as refeições em pequenos volumes várias vezes ao dia (5 a 6 refeições
por dia) para não levar ao excesso de produção de ácido ou mesmo demora na
digestão, o que pode agravar os sintomas;
 Se alimentar em pequenas quantidades, aproximadamente de 3 em 3 horas,
evitando grandes períodos de jejum, pois quando estamos em jejum, o ácido
produzido no estômago pode irritar a mucosa;
 Não consumir leite no intuito de aliviar a dor (ou queimação), pois seu
consumo estimula a produção do ácido gástrico, o que intensifica os sintomas.
Algumas pessoas tem a sensação de alívio, mas depois a produção de ácido
aumenta, piorando os sintomas;
 Evitar beber água (e principalmente outros líquidos) durante as grandes
refeições, beba-os 10 minutos antes ou 30 minutos após as mesmas.
 Mastigue bem os alimentos para que a digestão seja bem feita e seu estômago
não tenha que fazer o trabalho dos dentes, produzindo mais ácido para
“quebrar” os alimentos.
ALIMENTOS QUE PODEM SER CONSUMIDOS (lembrando que a
aceitação do alimento é de caráter individual, então caso algum deles cause
desconforto, não consuma)
 
 Pão, torrada, biscoitos tipo crackers integrais
 Arroz (preferir integral bem cozido)
 Massas SEM molhos concentrados ou excesso de óleo ou azeite
 Legumes e Verduras cozidos ou levemente refogados
 Frutas (evite as ácidas, mas se não causarem desconfortos pode
consumir)
 Ovos cozidos ou mexidos sem gordura
 Carne bovina magra, frango e peixe (cozidos, assados ou grelhados)
 Chás de ervas
 Queijos magros

ALIMENTOS QUE DEVEM SER EVITADOS:


 
 Café, mate, chá preto, bebidas alcoólicas, refrigerantes, chocolate,
guaraná natural, temperos industrializados, pimentas e extratos de
tomate, excesso de alho, canela, outros temperos picantes;
 Sucos muito ácidos (laranja, limão, maracujá, abacaxi);
 Preparações à milanesa, frituras, empanados, queijos duros,
maionese, linguiça, mortadela, lombo, carne seca, bacon e
pastelarias;
 Fast food de modo geral;
 Gorduras de modo geral.
Todo alimento que causar desconforto, evite;
 
Carne vermelha e feijões, são alimentos de difícil
digestão, então evite combinar em uma mesma refeição.
 
A mastigação é uma etapa fundamental para
proporcionar menos trabalho ao estômago, reduzindo o
excesso da produção de ácido.

Evite fumar! Os componentes do


cigarro aumentam a secreção de
ácido no estômago e ainda trazem
inúmeros outros prejuízos!

Chá de Espinheira Santa é uma excelente opção


para ajudar na melhora dos sintomas pois ajuda a
reduzir a inflamação da mucosa sem comprometer
a absorção de nutrientes, que pode ser prejudicada
com o uso prolongado de medicamentos.
Consuma 2 x ao dia na proporção de uma colher
de chá cheia para cada xícara de água. Ferva a
água, coloque a erva e desligue o fogo deixando
repousar por 10 minutos. Coe e beba nos
intervalos das refeições.

Você também pode gostar