Você está na página 1de 20

NR-35

HIERARQUIA DA
PREVENÇÃO DE QUEDAS
NR-35 TRABALHO EM ALTURA

PREVENÇÃO DE QUEDAS
A FILOSOFIA DA PREVENÇÃO DE QUEDAS DE ALTURA DEVE ATENDER A UMA SEQÜÊNCIA,
PARA OS DIFERENTES GRAUS DE PREVENÇÃO DE QUEDAS.

ELIMINAÇÃO OU REDUÇÃO DO TRABALHAR NA ALTURA DO


ELIMINAR TEMPO DE EXPOSIÇÃO AO RISCO PISO DE REFERENCIA

RESTRINGIR O ACESSO
PREVENIR IMPEDIR A QUEDA USAR EPC

AMENIZAR OS DANOS DA
PROTEGER LIMITAR A QUEDA QUEDA
PROTEÇÃO INDIVIDUAL USO DE EPI’S
NR-35 TRABALHO EM ALTURA

PREVENÇÃO DE QUEDAS
REDUZIR O TEMPO DE EXPOSIÇÃO AO RISCO: TRANSFERIR O QUE FOR POSSÍVEL A FIM DE QUE O
SERVIÇO POSSA SER EXECUTADO NO SOLO, ELIMINADO O RISCO. EX.: PEÇAS PRÉ-MONTADAS E
ATERAÇÕES DE PROJETO E LAYOUT.
NR-35 TRABALHO EM ALTURA

PREVENÇÃO DE QUEDAS
IMPEDIR A QUEDA: ELIMINAR O RISCO ATRAVÉS DA CONCEPÇÃO E ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO
NA OBRA. EX.: COLOCAÇÃO DE GUARDA- CORPO.
NR-35 TRABALHO EM ALTURA

PREVENÇÃO DE QUEDAS
LIMITAR A QUEDA: SE O RISCO DE QUEDA FOR ACENTUADO, DEVE-SE RECORRER A PROTEÇÕES QUE
A LIMITEM. EX.: REDES DE PROTEÇÃO OU TALABARTES.
PROTEÇÃO INDIVIDUAL: SE NÃO FOR POSSÍVEL A ADOÇÃO DE MEDIDAS QUE REDUZAM O TEMPO DE
EXPOSIÇÃO, IMPEÇAM OU LIMITEM A QUEDA DE PESSOAS, DEVE-SE RECORRER A EQUIPAMENTOS
DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL. EX.: CINTO DE SEGURANÇA.
NR-35 TRABALHO EM ALTURA

PA 576 - EXAMES PREVENTIVOS

Exames Admissionais / Periódicos - Obrigatórios


- Audiometria BOA PRÁTICA:
- Acuidade Visual
- Eletrocardiograma Nas Ut’s cuja estrutura possua
- Eletroencefalograma ambulatório médico, realize avaliação de
- Hemograma (Plaquetas, Fator RH, Tipo P.A (Pressão Arterial) antes de executar
Sanguíneo, TGO e TGP) trabalhos em altura.
- Glicemia de jejum
- Fatores Psicossociais
NR-35 TRABALHO EM ALTURA

ALINHANDO CONCEITOS...

2,0 m
1,10 m

Queda de piso de Queda de piso de Queda de altura


mesmo nível nível diferente
NR-35 TRABALHO EM ALTURA

ENTENDENDO UMA QUEDA...


0.3 seg./ 45.72 cm
0.6 seg./ 1.77 m

1 seg./ 4.9 m

2 seg./ 19.6 m
NR-35 TRABALHO EM ALTURA

FATOR DE QUEDA
O fator de queda exprime o grau de gravidade de uma queda.
É a relação entre a altura da queda e o comprimento do talabarte. Quando mais alta estiver
a ancoragem, menor será o fator de queda.

Calcula-se o fator de queda pela equação:

FQ = distância da queda .
comprimento do talabarte
NR-35 TRABALHO EM ALTURA

FATOR DE QUEDA = 0 ou <1


NR-35 TRABALHO EM ALTURA

FATOR DE QUEDA = 0 ou <1


NR-35 TRABALHO EM ALTURA

FATOR DE QUEDA = 1
NR-35 TRABALHO EM ALTURA

FATOR DE QUEDA = 1
NR-35 TRABALHO EM ALTURA

FATOR DE QUEDA = 2
NR-35 TRABALHO EM ALTURA

FATOR DE QUEDA = 2
NR-35 TRABALHO EM ALTURA

Talabarte duplo COM ou SEM absorvedor de energia ?


NR-35 TRABALHO EM ALTURA
Zona livre desimpedida
Exemplo de distância mínima requerida de um talabarte com absorvedor de impacto durante queda em
fator 2

Comprimento do
talabarte +
mosquetões =

Distância mínima requerida = 4,35m


1,15m

Extensão do
absorvedor de
energia = 0,7 m

Distância entre a
fixação do cinto e os
pés do colaborador
= 1,5 m

Distância mínima de
imobilização = 1 m
NR-35 TRABALHO EM ALTURA

Impacto no corpo e no ponto de ancoragem

O corpo
humano não
deve ser
submetido a
uma força
superior a 6 KN

A- 90 Kg, numa queda de 3 m com o cinto conectado a um talabarte SEM absorvedor;


B- 90 Kg, numa queda de 3 m com o cinto conectado a um talabarte COM Absorvedor
NR-35 TRABALHO EM ALTURA

SINALIZAÇÃO E ISOLAMENTO DE ÁREA


TODOS os trabalhos em altura devem ser sinalizados, bem como possuir
isolamento de área (área a ser isolada deve ser definida conforme necessidade e
cenário onde o trabalho é executado). Para trabalhos em telhados com “vão livre”
(ou seja, possuem apenas forro abaixo das telhas e não possuem laje) também
deverá ser aplicada sinalização e isolamento de área no piso inferior de referência.
novembro | 2020

Departamento SMS
2012 – Todos os direitos reservados.
Proibida reprodução total ou parcial sem a autorização da empresa.

Você também pode gostar