Você está na página 1de 12

Søren Kierkegaard

Søren Kierkegaard
 A VIDA DO FILÓSOFO
Kierkegaard nasceu em 1813 em Copenhague
na Dinamarca. Seu pai seduziu uma jovem
empregada, Anne, pouco antes de sua esposa
morrer. Mais tarde se casou com a moça e
teve filhos com ela, dos quais o último foi
Søren Kierkegaard. A mãe de Søren morreu
com 56 anos, e mais tarde seus dois irmãos
Mikael e Cristine.
Essas fatalidades, alem de marcar
profundamente a vida de Kierkegaard,
aumentou a angustia de seu pai que se julgava
culpado pelos acontecimentos em sua
família.
Søren Kierkegaard
O pai de Kierkegaard blasfemou contra Deus na
sua infância, e na época foi mandado para
Copenhague, pelo seu tio, tornando-se um
rico comerciante de lã.
Atormentado por esse sentimento de culpa, o
pai de Søren impôs ao filho uma formação
religiosa rigorosa.
Kierkegaard considerava-se pecador diante do
olhar de Deus, pois sentia sobre si a
responsabilidade dos pecados de seu pai.
Uma crise obrigou-o a romper o noivado que
durara um ano, com a jovem Regina Olsen.
Apesar de muito apaixonado ele dizia estar
fazendo um grande bem a noiva,
Søren Kierkegaard
Apesar das experiências traumáticas com
o pai e do noivado rompido, vem um
grande período de profundidade
literária. Kierkegaard escreve a partir
de sua experiência pessoal. O filósofo
vive momentos de profunda depressão,
porém, essa energia negativa, se
transforma em inspiração para a
produção literária que aborda tema
diverso da existência humana.
Søren Kierkegaard morreu em 1855 com 42
anos.
Søren Kierkegaard
 PENSAMENTO FILOSÓFICO
Através de suas obras Kierkegaard
estabelece três estágios da
existência humana:
Estágio Estético
Estágio Moral/Ético
Estágio Religioso
Søren Kierkegaard
 Estágio Estético
Kierkegaard diz será predominante
no caráter dos estéticos: o “desejo”.
Quem vive no estágio estético vive o
momento e visa sempre o prazer. Ele
define isso como um estado de
impotência espiritual, que leva o
homem ao desespero, e
conseqüentemente, ao pecado.
Søren Kierkegaard
Estágio Moral/Ético
Em principio, o estágio ético é marcado
essencialmente, por uma vida coerente
governada por normas morais. Kierkegaard
oferece-nos um exemplo, a vida conjugal. O
casamento será um meio pelo qual duas
pessoas fazem uma opção tendo Deus como
testemunha, e são introduzidos na
realidade da vida. O casamento torna-se,
também, um grande risco, porém necessário
para a vida Ética. No pensamento de
Kierkegaard, só o heroísmo aliado a ajuda
de Deus pode salvar a vida conjugal/Moral.
Søren Kierkegaard
 Estágio Religioso
Mas para Kierkegaard o casamento
não pode ser a única solução. Sendo
assim, pode haver uma exceção
incomum, pois aquele que renuncia a
vida conjugal para responder a uma
vocação religiosa, atinge um estágio
de excelência superior à de um
marido perfeito. Entra-se então nos
domínios do estágio religioso.
Søren Kierkegaard
Kierkegaard entendia que os estágios
estéticos e éticos não podiam existir
sem o estágio religioso. Ou seja, o
religioso estava presente tanto no
estético como no ético. O religioso é
um estágio conseqüente, pois é a
partir da desordem dos outros
estágios inferiores que se tem a
possibilidade de encontrar a
realidade superior da vida religiosa.
Kierkegaard x Hegel
Fé x Razão

“Tudo que é real é racional e tudo que é


racional é real”
Hegel.
Søren Kierkegaard
Para Kierkegaard nada pode sair da idéia para
a realidade, mas sim o seu oposto.

Além disso a concepção hegeliana não


consegue compreender a existência do ser
humano, porque para o Kierkegaard nenhum
sistema de pensamento consegue dar conta
da experiência ampla e única que cada
individuo tem ao longo de sua vida.
Søren Kierkegaard