Você está na página 1de 70

SUMÁRIO

Funções inorgânicas
Dissociação iónica
Nomenclatura e classificação dos ácidos
Funções inorgânicas

• Dissociação iónica
• Arrhenius realizou numerosas experiências
• relacionadas com a passagem de corrente elétrica
• através de soluções aquosas e, com base nessas
• experiências, formulou a hipótese de que tais
soluções deveriam conter partículas carregadas: os
iões
• A partir disso, ele estabeleceu a teoria da
dissociação iónica.
• De acordo com Arrhenius,
determinadas
substâncias, quando
dissolvidas em água, são
capazes de dar origem a
iões positivos, os catiões,
e a iões negativos, os
aniões. Isso pode ser
verificado,
experimentalmente,
• com uma aparelhagem
bastante simples,
semelhante à
esquematizada ao lado.
• Inicialmente, ele testou a condutividade eléctrica
• dos compostos iónicos, utilizando duas soluções
aquosas:
• uma de sal de cozinha (NaCl) e outra de soda
cáustica
• (NaOH).
• Arrhenius constatou a passagem de corrente
eléctrica em ambos os casos e associou esse fato à
existência de iões livres nas soluções. A esse
fenómeno denominou dissociação iónica.
• A água é uma substância formada por moléculas
polares, cujo pólo negativo está situado no átomo
de oxigénio e o pólo positivo, nos átomos de
hidrogénio.
• Como as partículas com
carga de sinais opostos
se atraem, os pólos
positivos das moléculas
de água exercerão
atracção sobre os iões
Cl– do NaCl, enquanto
os pólos negativos das
moléculas de água
• exercerão atracção
sobre os iões de Na+.
O resultado dessas interacções será a obtenção de
uma solução iónica. As moléculas de água que
envolvem os iões são denominadas água de
solvatação.
A equação que representa esse fenómeno pode ser
dada por:
• Ao testar a condutividade de substâncias moleculares,
como o açúcar (C12H22O11) e o ácido clorídrico (HCl)
em solução aquosa, Arrhenius observou os seguintes
fatos:
• Como a solução aquosa de açúcar não conduz corrente
eléctrica, ele concluiu que nessa solução não existem
iões. Nesse caso, o açúcar somente se dissolveu na
água.
• A condução de corrente eléctrica pela solução aquosa
de ácido clorídrico levou-o a concluir que nela existem
iões livres.
• Como o HCl é um composto formado por moléculas, os
iões devem ter sido formados mediante a quebra
dessas moléculas pela água.
Esse fenómeno é denominado ionização e pode ser
representado pelas equações:
Na verdade, essas equações são uma
representação simplificada. O fenómeno da
ionização ocorre, de fato, através da reacção
entre as moléculas de HCl e de H2O.
• A função da água na dissociação iónica
consiste na separação dos iões já existentes no
aglomerado iónico (retículo cristalino). No
fenómeno de ionização, a água actua como
reagente, constituindo um factor
determinante para a formação de iões.
Nomenclatura e Classificação de
ácidos, bases, sal e óxidos
• ÁCIDO: O sabor azedo é uma das características
comuns aos ácidos, os quais, assim como todas as
substâncias azedas, estimulam a salivação.
• O uso do vinagre ou do suco de limão em saladas
• está associado a esse fato. O aumento da quantidade
de saliva facilita a ingestão.
• Segundo Arrhenius, a definição de ácido é dada por:
Ácido é toda substância que, em solução aquosa,
sofre ionização, liberando como único catião o H+
(H3O+).
NOMENCLATURA DOS ÁCIDOS

• Para efeito de nomenclatura, os ácidos são


divididos em dois grupos:
• • Ácidos sem oxigénio: hidrácidos;
• • Ácidos com oxigénio: oxiácidos.
• 1. Hidrácidos: ácidos sem oxigénio.
• Seus nomes são dados da seguinte maneira:
• Ácido + nome do elemento + -ídrico
• EXEMPLOS:
2. Oxiácidos: ácidos com oxigénio.
Uma das maneiras mais simples de dar nome a
esses ácidos é a partir do nome e da
fórmula dos ácidos-padrão de cada família.
A partir dessas fórmulas e de acordo com a
variação do número de átomos de oxigénio,
determinam-se as fórmulas e os nomes de
outros ácidos, com o uso de prefixos e sufixos.
Observe:
• Alguns ácidos de um mesmo elemento
têm os prefixos de seus nomes atribuídos
em função de seu grau de hidratação:
SUMÁRIO
• Classificação dos ácidos
• Grau de ionização dos ácidos
• Bases. Nomenclatura e Classificação.
CLASSIFICAÇÃO DOS ÁCIDOS
• Além da classificação baseada na presença de
oxigênio na molécula, os ácidos podem
• ser classificados segundo outros critérios:
1- Número de hidrogénios ionizáveis
• Em função do número de iões H+ ou H3O+
liberados por molécula ionizada, os ácidos
• podem ser assim classificados:
Nos hidrácidos, todos os hidrogénios presentes
nas moléculas são ionizáveis.
Nos oxiácidos, são ionizáveis somente os
hidrogénios ligados a átomos de oxigénio
(O).
• Assim, em soluções aquosas, os ácidos
podem liberar um ou mais iões H+ para
cada molécula de ácido ionizado, e
cada ião H+ liberado corresponde a
uma etapa de ionização.
• Veja, por exemplo, a ionização do
H2SO4:
2- Grau de ionização
• Grau de ionização de um ácido (α) é a relação
entre o número de moléculas ionizadas
• e o número total de moléculas dissolvidas. Para
o cálculo dessa relação, usamos a seguinte
expressão:
• Veja o exemplo:
• De cada 100 moléculas
de HCl dissolvidas, 92
moléculas sofrem
ionização:
Para comparar os graus de ionização (α),
devemos medir a condutibilidade das
soluções aquosas dos ácidos:
Os hidrácidos mais conhecidos são assim
classificados:
A força dos oxiácidos pode ser determinada
pela diferença (x) entre o número de
átomos de oxigénio e o número de átomos
de hidrogénio ionizáveis.
• BASES: Uma das características das bases é
• seu sabor adstringente, que “amarra” a
• boca.
• Se entrarmos em uma caverna e sentirmos
• cheiro de amónia, podemos afirmar que tal
caverna é habitada por morcegos. A amónia —
• única base volátil — é liberada das excreções
• desses animais.
• Base é toda substância que, em solução aquosa,
sofre dissociação, liberando como único
• tipo de anião o OH–.
NOMENCLATURA DAS BASES
• Para a nomenclatura das bases, pode-se utilizar a
seguinte regra:
• Hidróxido de .........(nome do catião)…
• Hidróxido de sódio: catião: Na+ (sódio)+anião:
OH– (hidróxido) Na+OH– ⇒ NaOH
• Hidróxido de cálcio: catião :Ca2+ (cálcio)+ anião :
OH– (hidróxido) Ca2+(OH–)2 ⇒ Ca(OH)2
• Hidróxido de alumínio: catião : Al3+ (alumínio) +
• anião : OH– (hidróxido)
• Al3+(OH–)3 ⇒ Al(OH)3
• Quando um mesmo elemento forma catião com
diferentes electrovalências (cargas),
• acrescenta-se ao final do nome, em algarismos
romanos, o número da carga do ião. Outra
maneira de dar nome é acrescentar o sufixo -oso
ao ião de menor carga, e -ico ao ião de maior
carga.
• Ferro:
• Fe2+: Fe(OH)2 — hidróxido de ferro II ou
hidróxido ferroso
• Fe3+: Fe(OH)3 — hidróxido de ferro III ou
hidróxido férrico
CLASSIFICAÇÃO DAS BASES

• As bases podem ser classificadas segundo três


critérios:
1- Número de hidroxilos
• Em função do número de grupos OH–
liberados por fórmula, as bases podem ser
• classificadas como:
• Veja alguns
exemplos de
equações de
dissociação de
bases:
A única base que não apresenta metal em sua
fórmula é o hidróxido de amónio (NH4OH), que
existe apenas em solução aquosa e, portanto, é
uma base solúvel. O hidróxido de amónio pode
ser obtido borbulhando-se gás amónia (NH3)
em água, onde ocorre a ionização do gás.
A força ou o grau de dissociação
A força das bases pode ser relacionada com a sua
solubilidade: quanto maior for a solubilidade de
uma base, maior será o seu grau de dissociação e
ela será considerada uma base forte. No entanto, se
a base for pouco solúvel, o seu grau de dissociação
será menor e ela será considerada fraca.
• O hidróxido de amónio (NH4OH), que é uma base
proveniente de substância molecular — a amónia
(NH3(g)) — e não de metal, contraria essa regra,
pois, embora se dissolva facilmente em água, ela
apresenta um grau de ionização muito pequeno.
Logo, o hidróxido de amónio é a única base solúvel
e fraca.
• Assim, temos: Bases fortes: LiOH, NaOH, KOH,
RbOH, CsOH, Ca(OH)2, Sr(OH)2, Ba(OH)2.
• • Bases fracas: NH4OH e bases dos demais metais.
SUMÁRIO
• Sais e óxidos
SAIS
Os sais geralmente apresentam sabor salgado e são sólidos, pois são compostos
iónicos.
Para muitas pessoas, a palavra sal está associada apenas ao conhecido “sal de
cozinha”, e, por esse motivo, relacionam sal à cor branca. No entanto, os sais
podem ser encontrados em diferentes
cores.
Segundo Arrhenius Sal é toda substância
que, em solução aquosa, sofre dissociação,
liberando pelo menos um catião diferente de
H+ e um anião diferente de OH– ou O2–.
NOMENCLATURA DOS SAIS
A nomenclatura dos sais é obtida a partir
da nomenclatura do ácido que originou o
anião participante do sal, pela mudança
de sufixos. Assim, temos:
Para determinar os nomes dos sais,
pode-se utilizar o seguinte esquema:
Nome do sal+nome do anião +de+nome do
catião
Pode-se também formular e dar nomes aos
sais de outra maneira. Para tanto, devese
consultar tabelas de catiões e aniões. Nas
tabelas a seguir, apresentamos alguns deles:
• Vejamos alguns exemplos de como utilizar as
tabelas:
• 1. Determinação da fórmula a partir do nome do
sal.
• Exemplo: carbonato de cálcio anião: carbonato
— CO₃²¯ e catião: sódio — Na⁺
Exemplo: carbonato de cálcio anião:
carbonato — CO₃²¯ e catião: sódio —Na⁺
Assim, o nome do sal é sulfato de ferro III ou
sulfato férrico.

• CLASSIFICAÇÃO DOS SAIS


• A natureza dos iões
• • Sal neutro: é um sal cujo anião não possui
hidrogénio ionizável (H+) e também não
• apresenta o anião OH–. Exemplos: NaCl, BaSO4.
• • Hidrogeno-sal ou sal ácido: é um sal que
apresenta dois catiões, sendo um deles o
• H+ (hidrogénio ionizável), e somente um anião.
• Hidróxi-sal ou sal básico: é um sal que apresenta
dois aniões, sendo um deles o OH– (hidroxilo), e
somente um catião.
• Na nomenclatura desses sais, devem-se indicar a
presença e a quantidade de grupos OH–, de
maneira semelhante aos sais que apresentam
grupos H+. Assim, temos:
• A solubilidade em água
• Em termos práticos, esse é o critério mais
importante para a classificação dos sais.
• A tabela a seguir indica a solubilidade em água (a
25 ºC e 1 atm) das substâncias.
APLICAÇÕES DE ALGUNS SAIS
• Cloreto de sódio — NaCl
• É obtido pela evaporação da água do mar. É o
principal componente do sal de cozinha, usado
na nossa alimentação.
• No sal de cozinha, além do NaCl, existem outros
sais, como os iodetos ou iodatos de sódio e
potássio (NaI, NaIO3; KI, KIO3), cuja presença é
obrigatória por lei. Sua falta pode acarretar a
• doença denominada bócio, vulgarmente
conhecida como papo.
• O sal de cozinha pode ser utilizado
• na conservação de carnes, de
pescados e de peles. Na Medicina,
é utilizado na fabricação do soro
fisiológico, que consiste numa
solução aquosa com 0,92% de
NaCl. No combate à desidratação,
é um dos componentes do soro
caseiro: uma mistura de meio copo
de água, uma colher de açúcar e
duas colheres de sal de cozinha.
• O cloreto de sódio é a principal
matéria-prima do processo de
produção da soda cáustica (NaOH).
Fluoreto de sódio — NaF
O fluoreto de sódio é usado como anticárie, pois inibe a desmineralização dos dentes,
tornando-os menos susceptíveis à cárie.

• Nitrato de sódio — NaNO3


Esse sal é conhecido como salitre do Chile,
sendo muito utilizado na fabricação de
fertilizantes (adubos).
A transformação do NaNO3 em nitrato de
potássio (KNO3) permite a fabricação da
pólvora negra, que é um dos explosivos mais
comuns, e cuja composição, nas proporções
adequadas, é:
Sulfato de cálcio — CaSO4
Este sal pode ser encontrado na forma de sal
anidro, ou seja, sem água (CaSO4), ou de
sal hidratado, isto é, com água (CaSO4·2H2O),
sendo essa forma conhecida por gipsita.
ÓXIDOS
Os óxidos são substâncias presentes no nosso dia-
a-dia. Um bom exemplo de óxido
é o gás carbónico, expelido na respiração, principal
responsável pelo efeito estufa.

• Óxidos são compostos binários, ou seja,


formados por dois elementos, sendo o
oxigénio o mais electronegativo entre eles.
NOMENCLATURA DOS ÓXIDOS
Os óxidos formados por ametais ligados a
oxigénio são óxidos moleculares e têm
seu nome estabelecido pela seguinte regra:
Os óxidos formados por metais geralmente são óxidos
iónicos e neles o oxigénio apresenta carga –2. Seu nome é
formado da seguinte maneira:
CLASSIFICAÇÃO DOS ÓXIDOS
Os óxidos são classificados em função do seu
comportamento na presença de água, bases e
ácidos.

Óxidos básicos:
• Óxidos básicos apresentam carácter iónico, em
que o metal terá geralmente “carga” +1 e +2.
• Na2O, BaO
• Esses óxidos reagem com água, originando
bases, e reagem com ácidos, originando
• sal e água.
Óxidos ácidos
• Óxidos ácidos apresentam carácter covalente e
geralmente são formados por ametais.
• EX: CO2, SO2, N2O5
• Esses óxidos reagem com água, produzindo
ácido, e reagem com bases, originando
• sal e água.
Óxidos neutros
• Óxidos neutros são covalentes, isto é, formados por
ametais, e não reagem com água, ácido ou base.
• Os óxidos neutros (também chamados de
indiferentes ou inertes) mais importantes
• são: CO, NO e N2O.
• Óxidos anfóteros
• Óxidos anfóteros comportam-se como óxidos
básicos na presença de um ácido, e como
óxidos ácidos na presença de uma base.
• Os óxidos anfóteros mais comuns são: ZnO e
Al2O3. Existem outros, menos importantes,
• que são formados por metais, como SnO, SnO2,
PbO, PbO2, ou por semimetais,
• como As2O3, As2O5, Sb2O3, Sb2O5.
Óxidos duplos ou mistos
Peróxidos
Os peróxidos mais comuns são formados por
hidrogénio, metais alcalinos e metais
alcalino-terroso

• Peróxidos apresentam em sua estrutura o


grupo (O2)²⁻.
• Os peróxidos mais comuns são formados por
hidrogénio, metais alcalinos e metais
• alcalino-terrosos.
• Peróxido de hidrogénio: H2O2
• É líquido e molecular. Quando dissolvido em água,
origina uma solução conhecida como água oxigenada,
muito comum em nosso quotidiano.
• • Peróxido de metal alcalino
• (MA): MA+2 (O2)2–1 ⇒ MA2O2
• Exemplos: Na2O2, K2O2
• • Peróxido de metal alcalino-terroso
(MAT): MAT2+ (O2)2– ⇒ MATO2
• Exemplos: CaO2, BaO2
• Os peróxidos reagem com a água, produzindo uma
base e água oxigenada, e reagem com os ácidos,
produzindo um sal e água oxigenada.
Os peróxidos reagem com a água, produzindo
uma base e água oxigenada, e reagem
com os ácidos, produzindo um sal e água
oxigenada.

Você também pode gostar