Você está na página 1de 28

c 

 c

c   

 
  ? 

2 
a   
          

            
2

  
 

O tratamento de um dependente
químico, para ser efetivo, deve estar
focalizado nas particularidades de
cada indivíduo, incluindo suas
características cognitivas e de
personalidade.

?   
  
? 

Fonte: uarte et al., 2002 (SE?


c
  



 neuropsicologia avalia a função


cerebral a partir do comportamento
cognitivo, sensorial, motor,
emocional e social do indivíduo
(Lezak, 1992

á   á 
á 
 
!"

#
m Estímulos visuais
complexos (PET

m tivação occipital

Phelps & Mazziota, 1985


a 
  á 


$ %

$

m Tarefa cognitiva:
Wiscsi
 
i
s    

m tivação pré-frontal

Phelps & Mazziota, 1985


c
  


Prejuízos Cognitivos

valiação ?europsicológica:
instrumento eficaz na detecção de
alterações mentais
 
 2



m uxílio iagnóstico
Ex. diagnóstico diferencial

m ndicação de estratégias para tratamento


m ndicação para Tratamento
(reabilitação cognitiva, tratamento psicoterápico e
acompanhamento medicamentoso

m valiar a evolução do paciente no tratamento

Fonte: Cunha, 2002 (SE?


2  
 
m Entrevista

m Observação
ºM 
 ¦  

m Testes
neuropsicológicos

Fonte: Lezak (1995


   


Ferramentas de observação
padronizada

§
ados
§
nterpretação das observações clínicas
Ô& á 


m TE?O
m FU?ES MOTORS
m FU?ES V SU S
m MEMÓR 
m FU?ES EXECUT VS
m PRX  CO?STRUT V
m L ?UEM
m ?VEL ?TELECTUL
   


m c 
Π 

 
 

EXEMPLO

FM

+ 

?C O
* '
è

) (
   


m c  

Π 

 
 

EXEMPLO

FM

 c

?C O
' 
è
,
á 
c 
2  2

c 
2  2


C ?U?C OJE TUO

OJE TUO ?U?C C

?U?C C TUO OJE

TUO OJE C ?U?C

C ?U?C OJE TUO

?U?C TUO C OJE


c 
2  2


MRROM 
UL ROS VERE


UL VERE MRROM ROS

MRROM ROS VERE 


UL

VERE 
UL ROS MRROM

MRROM VERE 
UL ROS

ROS 
UL VERE MRROM
c  

 
 -
 
Ô& á 

 á  



.
 


&

Ô   c



/á0
  

Ô   c
/ác  & á 



Fonte: www.adaoonline.com.br



-  
!
  


  is  i ivc ii


(Solowij, 1998

m Prejuízos em memória, atenção e funções


executivas



-  
!
  


?
syc ic 2

! ci" 
!
  is#s
s
(Pope et al., 2001

m Prejuízos em memória e aprendizagem


m Persistência dos déficits até o 7o. dia de
abstinência
m Sem alterações no 28o. dia*



-  
!
  


i ivc ii " 


! vy
  is#s
s $i
 !
(Solowij et al., 2002

m Prejuízos em memória e atenção


m Quanto maior o uso, piores as alterações
cognitivas



-  
!
  


ds
  
ci iv c s 
!
ij  s
(Bolla et al., 2002

m lterações em atenção, memória (visual e


verbal, destreza manual, velocidade
psicomotora e funções executivas
m Persistência das alterações cognitivas após
1 mês de abstinência
 a  1
2 
    
   !

 á 

 
 
  
!

 
2




    
!
!
ij  s%
i!i
y
i is  i  i s  y  c s
&iy  s (Fried et al., 2002

éficits no Q de abusadores de 5 ou mais


baseados por semana

m 
ys   is#s' i iv
d ici s%W is ? 
  
'ssci i( (Pope et al., 2003
Fumantes de início precoce (antes dos 17
anos com pior Q verbal que os de início
tardia (início aos 17 anos ou posteriormente
c  &  $! 
3
& 
4
  .5

Fonte: London et al., 2000


á  &
m  maconha provoca alterações em várias regiões cerebrais,
predominantemente em córtex pré-frontal, hipocampo e
cerebelo

m Tais modificações no S?C prejudicam diversas


capacidades cognitivas, tais como a atenção, memória,
funções executivas, coordenação motora e provavelmente
a capacidade de tomada de decisões e a inteligência

m á fortes indícios sugerindo que os déficits cognitivos


persistam por pelo menos 1 mês, mesmo após a retirada da
droga

m  possibilidade de recuperação ainda está em estudo. 


reversibilidade das funções cognitivas após a cessação do
uso da c  is deve ser melhor pesquisada,
determinando a extensão dos danos, repercussões na vida
diária e conseqüências em longo prazo.

  6

Contatos:

2 
a