Você está na página 1de 16

AVALIAÇÃO ECONÓMICA

DE PROJECTOS

Docente: Miguel Massingue, Engº


Electrotécnico, Pós Graduação,
MBA

UEM, Análise Económica de Projectos


Docente: Miguel Massingue
INVESTIMENTOS REAIS E
FINANCEIROS
Investimento é toda a aplicação
financeira com o objectivo de obter
resultados num prazo mais ou menos
longo.
Tipos de aplicações financeiras quanto
ao horizonte temporal:
Investimento (horizonte longo)
Especulação (perspectiva de curto prazo)
INVESTIMENTOS REAIS E
FINANCEIROS
Investimentos financeiros são oriundas
tanto de pessoas singulares como de
organizações, caracterizando-se pela
ausência da dimensão gestão. Ex.:
Depósito bancário
Compra de obrigações
Aquisição de algum lote de acções
INVESTIMENTOS REAIS E
FINANCEIROS
Os Investimentos reais são os que
contêm uma dimensão de capacidade
de gestão e controlo que influenciam a
sua rendibilidade futura.
Podem criar ou destruir valor de acordo
com a capacidade de gestão e controlo
existente
AVALIAÇÃO ESTRATÉGICA
A Avaliação financeira faz-se
comparando os cash-flows (ou fluxos de
caixa) associados a um projecto.
A rendibilidade mínima obtém-se quando
os cash-flows positivos excedem os
negativos com base na mesma taxa que
seria obtida numa aplicação livre de risco
(mais o respectivo prémio para o risco)
AVALIAÇÃO ESTRATÉGICA
Exemplo: Certificado de aforros
Aplicação de capital em poupanças (aforros)
Remuneração do capital ao final do ano: 10%
Investimento Inicial: 1.000.000,00 MT (activos reais, sem risco)
Cash flow no final do ano 1 é igual a C1
C1 = C0 + C0*i = 1.000.000,00 + 100.000,00 = 1.100.000,00 MT

Onde
C0 = Capital inicial
C1 = Capital no final do ano 1
i = Taxa de juro (capitalização)
A remuneração a obter no ano 1, seria o mínimo
exigido pelo investidor para optar pela
aplicação em activos reais.
AVALIAÇÃO ESTRATÉGICA
Exemplo: Certificado de aforros
Aplicação de capital em poupanças (aforros)
• Se obtiver um valor superior está a beneficiar duma
renda económica, que representa a remuneração
acima do normal
• Em regime e concorrência perfeita (grande número
de empresas em concorrência entre si) os lucros
tendem a ser nulos ou seja as rendas económicas
tendem a ser nulas.
• As empresas com resultados persistentemente
abaixo desse mínimo tendem a desinvestir.
AVALIAÇÃO ESTRATÉGICA
A existência frequente de lucros acima do nível mínimo
demonstra que certas empresas possuem capacidade de
praticar preços acima do nível mínimo, sem que os seus
concorrentes possam forçá-las à respectiva redução (quer por
praticarem monopólio, por menores custos de produção e/ou
melhor qualidade que os concorrentes, percebida pelos
clientes, e/ou por estratégia de diferenciação do produto ou
serviço fornecidos)

Na análise da concorrência, segundo Porter (1980), o sector de


actividade é o grupo das empresas que produzem bens que são
substitutos e bastante aproximados entre si.

Maiores lucros nos sectores com maior nível de concentração


(poucas empresas detêm maiores quotas de mercado)
AVALIAÇÃO ESTRATÉGICA
Exemplo: Certificado de aforros
As empresas com maior capacidade
tecnológica e/ou financeira são mais
susceptíveis de contribuir para erguer barreiras
à entrada importantes, incluindo:
Preço predatório, para afastar concorrentes e impedir a entrada
de novos. (pesquisar sobre as 5 forças de Porter)
Publicidade
Domínio de canal
Em consequência, os projectos de investimento susceptíveis
de gerar rendas económicas são os promovidos com base em
clara superioridade no que respeita à inovação, à tecnologia, ao
marketing ou à capacidade financeira.
4- ANÁLISE DE INVESTIMENTOS

ASPECTOS ESTRATÉGICOS DE UM PROJECTO


Um Investimento pode ser visto em três
perspectivas:
 Na Óptica Macroeconómica
 Afecta a procura efectiva (f(taxa de juro, factores de
risco, expectativas dos empresários em relação à
geração de lucros))
 Eficiência marginal do capital x Taxa interna de
retorno)
 Valor de mercado dum activo x Custo de aquisição
do activo
 Politicas económicas para estimular a economia e o
estabelecimento do equilíbrio interno e externo
UEM, Análise Económica de Projectos
Docente: Miguel Massingue
4- ANÁLISE DE INVESTIMENTOS

Na Óptica Empresarial
 Decisão de natureza estratégica
 Afectação de recursos financeiros, humanos e
materiais, para gerar lucros
 A considerar o meio envolvente sob influencia de
politicas económicas
 Sacrifício de recursos no presente com vista a
benefícios potenciais no futuro

UEM, Análise Económica de Projectos


Docente: Miguel Massingue
4- ANÁLISE DE INVESTIMENTOS

ASPECTOS ESTRATÉGICOS DE UM PROJECTO

Um Investimento pode ser visto em três perspectivas:


Na Óptica Empresarial (CONT.)
 Fluxos de capitais: troca de activos entre agentes
económicos
 Analise de Investimento: Verificação da
rentabilidade do capital investido (em comparação
com outras oportunidades de negócios oferecidas
no mercado, considerando um conjunto de
variáveis que incluem: a tecnologia, a procura e a
concorrência, o ambiente macroeconómico)
UEM, Análise Económica de Projectos
Docente: Miguel Massingue
4- ANÁLISE DE INVESTIMENTOS

ASPECTOS ESTRATÉGICOS DE UM
PROJECTO
Na Óptica Socio-Económica
 A rentabilidade privada é secundária
prevalecendo o apuramento de benefícios
sociais
 Novos postos de trabalho
 Redução da poluição
 Efeito - demonstração
UEM, Análise Económica de Projectos
Docente: Miguel Massingue
4- ANÁLISE DE INVESTIMENTOS

ASPECTOS ESTRATÉGICOS DE UM
PROJECTO
Na Óptica Socio-Económica
 Estabelecimento de infra-estruturas básicas:
estradas, pontes, água, etc.
 O impacto das ligações entre os diversos
sectores da economia
 Comparação dos benefícios com os custos
suportados para se apurar a viabilidade
socioeconómica do projecto (análise social,
análise de custo - beneficio a preços de
mercado)
UEM, Análise Económica de Projectos
Docente: Miguel Massingue
4- ANÁLISE DE INVESTIMENTOS

CLASSIFICAÇÃO DE PROJECTOS DE INVESTIMENTO


Poder-se-ão registar os seguintes critérios de
classificação, em função de:
Categoria de recursos utilizados
Dimensão para o meio
Relação com o meio exterior
Relação com a actividade geral da empresa
Efeitos recíprocos de diferentes hipóteses de
investimento
Sequência da série de cash-flows
UEM, Análise Económica de Projectos
Docente: Miguel Massingue
BIBLIOGRAFIA
• Martinez, Norma Rodrigues, Curso de
projectos baseados na metodologia de
Marco Lógic, MICT, 2006
• De Sousa, Patrícia Cristiane, Seminário de
Projectos I,
http://www.ic.ufmt.br:8080/c/document_libr
ary/get_file?
p_l_id=12683&folderId=53266&name=DLF
E-1824.pdf
UEM, Análise Económica de Projectos
Docente: Miguel Massingue

Você também pode gostar