Você está na página 1de 208

ELÉTRO-HIDRÁULICA BASÍCA

1
• TREINAMENTO DE ELETRO-
HIDRÁULICA BÁSICA

2
Agenda

08 h 30 Início.

Café.

Almoço.

Café.

17 h 30 Término .

3
Apresentação
NOME

FUNÇÃO / EMPRESA

EXPECTATIVA

EXPERIÊNCIA

4
Acordo de Conveniência

5
Segurança

Toda e qualquer manutenção devera ser efetuada com o motor


parado, chave da ignição retirada e chave geral desligada.

6
Segurança

O símbolo ao lado significa: ATENÇÃO!


FIQUE ALERTA! VOCÊ PODE ESTAR
CORRENDO RISCOS!
O símbolo de alerta de segurança identifica
mensagens de segurança importantes em
máquinas, placas de segurança, manuais,
etc. Quando você ver este símbolo, fique
alerta para possibilidade de lesões ou de
morte. Siga as instruções contidas na
mensagem de segurança.

7
Segurança

ATENÇÃO!
O escapamento de fluido hidráulico ou diesel sob pressão pode penetrar na pele
e causar lesões graves, cegueira ou morte.
Vazamentos de fluido, sob pressão, podem não ser visíveis. Use um pedaço de
cartolina ou madeira para encontrar os vazamentos.
Não utilize as mãos diretamente. Use sempre óculos de proteção. Se o fluido
penetrar na pele, este deve ser cirurgicamente removido dentro de poucas horas,
por um médico que esteja familiarizado com esse tipo de procedimento.

8
Segurança e Saúde do trabalho

Ler o Manual do Operador e Serviço

9
• MÓDULO 1: ELETRICIDADE BÁSICA

10
Grandezas Elétricas;
 Tensão
 Corrente Elétrica
 Resistencia Elétrica
 Potência
 Lei de Ohm
Instrumentos de Medição;
Magnetismo;
Componentes Elétricos e Eletrônicos;
 Resistores (fixo e variável)
 Fusível
 Relé
 Interruptores(teclas)
 Diodo
 Solenoide
 Tipos de Sinais
Circuitos Elétricos;
 Série
 Paralelo
 Misto 11
Bateria;
 Função
 Funcionamento
 Testes
Alternador;
 Função
 Funcionamento
 Testes
Motor de Partida;
 Função
 Funcionamento
 Testes

12
CONCEITOS FUNDAMENTAIS

13
Grandezas Elétricas
• Tensão Força

• Corrente Volume

• Resistência Oposição ao fluxo de corrente

• Potência É trabalho realizado por um consumidor.

14
TENSÃO/DDP
• Tensão elétrica ou diferença de potencial (DDP) é a quantidade de
energia utilizada para movimentar uma certa quantidade de carga
elétrica de um ponto a outro. As baterias em geral são fontes
geradores de tensão elétrica.

fonte de fonte de
bateria utilizada nos tratores tensão de tensão de
corrente corrente
contínua alternada
•Símbolo de Grandeza ( E, U ou V)
•Símbolo da Unidade ( V, Volt)

Nome do equipamento de medição de tensão elétrica: Voltímetro


15
CORRENTE ELÉTRICA
• É o fluxo ordenado de elétrons que passa na seção transversal de um
meio condutor em um sentido* por unidade de tempo. A corrente
elétrica possui dois sentidos, o sentido real e o sentido convencional.
O sentido real é do polo negativo para o polo positivo, já o sentido
convencional é do polo positivo para o polo negativo.

CARGA

+ BATERIA -
Área da seção transversal
Sentido convencional

*A corrente contínua caminha em apenas um


sentido, já a corrente alternada caminha ora
em um sentido ora em outro. CARGA

Símbolo de Grandeza ( I ) + BATERIA -


Símbolo da Unidade de Medida ( A, Ampère) Sentido real

Nome do equipamento de medição de corrente elétrica: Amperímetro. 16


RESISTÊNCIA ELÉTRICA
• É a dificuldade ou oposição do fluxo de carga(corrente elétrica) ao
passar por uma carga(resistor) ou pelo próprio condutor. Um resistor
é um componente eletroeletrônico capaz de adicionar resistência ao
circuito.

ou

Símbolos de
resistores

•Símbolo de Grandeza ( R )
•Símbolo da unidade de medida ( Ω , Ohm)

Nome do equipamento de medição de resistência elétrica: Ohmimetro.

17
RESISTÊNCIA ELÉTRICA
• Fatores que influenciam na resistência elétrica de um condutor.

 A natureza do material
 O comprimento do material
 A área do material
 A temperatura do material

Tabela para escolha da bitola do fio:


18
POTÊNCIA ELÉTRICA

• A potência elétrica expressa a relação entre o trabalho realizado e o tempo


gasto para realiza-lo, é a rapidez com que produz trabalho ou a rapidez com que
se gasta energia. Por exemplo considere dois aquecedores de água o
aquecedor A aquece um litro de água em uma hora, enquanto que, o aquecedor
B aquece dois litros de água em uma hora. O aquecedor B é mais potente pois
realiza mais trabalho que o A no mesmo tempo.

• Símbolo de Grandeza ( P )
• Símbolo de Unidade de Medida ( W, Watt )
Instrumento de medição é o wattímetro

19
Tabela para escolha da bitola do fio:

20
21
TABELA DE GRANDEZAS

22
LEI DE OHM

• A lei de Ohm estabelece a relação entre as grandezas elétricas e é


verificada a partir de medições de tensão, corrente e resistência
realizadas em circuitos elétricos simples, compostos por uma fonte
geradora e um resistor.

P= I.E E= R.I
I= P÷E R= E÷I
E= P÷I I= E÷R

23
EXERCÍCIOS

1. Relacione a Grandeza da coluna da esquerda com as características da coluna da


direita:

(1) Tensão Elétrica ( ) É o movimento ordenado dos elétrons


(2) Corrente Elétrica ( ) É medido em Volts
(3) Resistência Elétrica ( ) Símbolo de grandeza letra I
( ) É a força com que os elétrons passam pelo condutor
( ) Sua unidade de medida é o Ohm
( ) É a dificuldade de passagem dos elétrons
( ) É medido em Ampére

24
EXERCÍCIOS
2. Em um automóvel o acendedor de cigarros tem uma resistência de 2,91 Ω, e a
corrente do circuito é de 4,16 A. Qual é a tensão de alimentação do acendedor?
____________________________________________________________________
____________________________________________________________________
____________________________________________________________________
____________________________________________________________________
____________________________________________________________________
3. Em um circuito elétrico alimentado por uma bateria de 12V alimenta uma
lâmpada cuja sua resistência é de 600Ω.Qual é a corrente que circula por esse
circuito?
____________________________________________________________________
____________________________________________________________________
____________________________________________________________________
____________________________________________________________________
____________________________________________________________________
____________________________________________________________________
25
EXERCÍCIOS
4. Em um ventilador interno do veículo, trabalha na velocidade de número 1 com
uma corrente de 5,25A e na velocidade de número 2 com uma corrente de 7,52A .
Qual e a resistência que limita essas correntes na velocidade 1 e 2 sabendo-se que
o ventilador trabalha com uma tensão de 13,7 Volts?
____________________________________________________________________
____________________________________________________________________
____________________________________________________________________
____________________________________________________________________
____________________________________________________________________
____________________________________________________________________

5. Qual é a potência de um alternador de 14V/ 45A ?


_____________________________________________________________________
_____________________________________________________________________
_____________________________________________________________________
_____________________________________________________________________
________________________________________________________________

26
EXERCÍCIOS
6. Qual é o consumo de um motor de partida de 960W/12V ?
__________________________________________________________________
__________________________________________________________________
__________________________________________________________________
__________________________________________________________________
__________________________________________________________________

27
MULTÍMETRO
Informações gerais:
-Exceder os limites máximos deste
equipamento pode ser perigoso,
podendo ocasionar defeitos no
funcionamento do mesmo.
-No caso da medida a ser efetuada for
desconhecida, é aconselhável iniciar
a leitura na escala máxima.
-Evitar a exposição prolongada aos
raios solares, bem como ambientes
úmidos.
-Evitar o contato com poeira e
qualquer espécie de sujeira.

Quando o equipamento tem a tecla Power


devemos primeiro selecionar a função
desejada e ligar o equipamento para
aumentar a vida útil do equipamento.

Alicate amperímetro 28
MULTÍMETRO

29
MULTÍMETRO
Medição de Tensão Elétrica (Voltímetro)

30
MULTÍMETRO
Medição de Corrente Elétrica (Amperímetro)

31
MULTÍMETRO
Medição de Resistencia Elétrica (Ohmímetro)

32
RESISTORES
RESISTORES FIXOS
Resistor fixo é aquele no qual o valor de sua resistência não se altera.

Simbologia

Símbolo generalizado – padrão Símbolo generalizado –


Lâmpada
europeu(adotado no Brasil) padrão americano

33
TABELA DE RESISTORES
Faixas

Cor Código Multiplicador

Preto 0 1x

Marrom 1 10 x

Vermelho 2 100 x
[tolerância]
Laranja 3 1000 x
1ª 3ª

Amarelo 4 10000 x
[faixas]
Verde 5 100000 x

Azul 6 1000000 x

Violeta 7 Tolerância

Cinza 8

Branco 9

Tolerâncias 1º dígito
2º dígito
Cor Porcentagem Multiplicador Multiplicador

Dourado +/- 5% 0,01 x

Prateado +/- 10% 0,01 x Exemplo de


resistor

34
TABELA DE RESISTORES

35
EXERCÍCIOS
2. Faça o cálculo dos resistores fixos de acordo com a tabela:
__________________________________
a. Marrom, Preto, Vermelho e Dourado:
_________________________________________________________________
b. Marrom, Preto, Preto e Dourado:_______________________________________

____________________________________________________________________
c. Laranja, Branco, Vermelho, Dourado e Preto:______________________________

____________________________________________________________________
3. Meça os resistores com um ohmímetro e confirme o valor:
 
a.___________________________________________________________________
_____________________________________________________________________
b.___________________________________________________________________
_____________________________________________________________________
c.___________________________________________________________________
____________________________________________________________________
36
RESISTORES VARIÁVEIS

São resistores que podem ter sua resistência modificada por uma
força externa.
Grupos de resistores variáveis:
 De movimento: Potenciômetro e Reostato
 De temperatura: Termistores NTC ou PTC
 De Pressão: Straingauge ou Extensômetro
 De luminosidade: LDR

37
RESISTORES VARIÁVEIS
RESISTORES VARIÁVEIS

Resistor variável é aquele no qual é possível alterar a resistência conforme sua


característica: luminosa, térmica, mecânica, etc.

Símbolo do Símbolo do
potenciômetro Termistor
(resistor de LDR – Light Dependent
ou reostato (resistor Resistor (Resistor
mecânico) temperatura)
dependente
de luz)

38
FUSÍVEL
Função: proteger o circuito de uma sobre corrente,
causando assim prejuízo aos componentes do sistema.

TIPOS MAIS COMUNS DE FUSÍVEIS

Fusível de vidro Simbologia do


fusível
Fusíveis automotivos

ATENÇÃO:
• Nunca faça qualquer reparo no sistema elétrico sem antes desligar o cabo
negativo bateria.

CUIDADO: jamais tente improvisar utilizando objetos metálicos no lugar de fusíveis.


Isto pode causar sérios danos na instalação elétrica e até incêndio.
Quando os fusíveis queimarem com freqüência, EXAMINE a causa do problema. 39
FUSÍVEL

• :: Fusível tipo Lâmina. Este dispositivo tem por finalidade proteger o circuito
contra possíveis sobrecargas.

É o tipo de fusível mais utilizado atualmente. Pode ser encontrado com


valores entre 3 a 30 ampères
• Seu corpo embora seja colorido, possui uma transparência que permite a
visualização do filamento de proteção. Suas áreas de contato são do tipo
terminal de encaixe macho.
• Neste tipo de fusível cada cor representa exatamente o seu valor em
ampères. Veja a tabela abaixo:

40
FUSÍVEL
• É um componente que tem por função proteger a instalação elétrica e impedir,
desta forma, a ocorrência de acidentes. Fundem-se quando a corrente
circulante atinge um limite acima do tolerável, interrompendo (abrindo) o
circuito. Ao dimensionar o fusível, deve-se conhecer a corrente que circulará
no circuito e instalar um fusível com capacidade de 25 a 50% maior.
• Ex. Qual fusível será instalado no circuito?

25% de 8A = 2A 8A + 2A = 10A
48W + 48W = 96W 50% de 8A = 4A 8A + 4A = 12A

I = 96W : 12V
It = 8A Fusível a ser empregado = de 10 a 12A
I = 4A (por lâmpada)
41
EXERCÍCIOS

Para realizarmos a instalação de dois faróis de serviço, sabendo


que cada lâmpada possui 55 watts e que a tensão de alimentação e
de 12 volts, calcule o valor do fusível para o circuito.
__________________________________________________________
__________________________________________________________
__________________________________________________________
__________________________________________________________
__________________________________________________________

42
MAGNETISMO

É o fenômeno que certos materiais tem em atrair materiais ferrosos


Ex: Magnetita (Imã).

ELETROMAGNETISMO
É o fenômeno magnético que tem inicio a partir de uma corrente elétrica.

CAMPO MAGNÉTICO
É o espaço ao redor do imã (eletroímã) que exerce uma força de atração ou
repulsão.

43
RELÉ

• Função: Através de um circuito de baixa corrente fechar um circuito de alta


corrente.

armadura 85 87 87a 85 87
87a
30 NF
contatos
(comum)
87
bobina NA
86 30 86 30

relê de 5 pinos relê de 4 pinos


85
86
Terminais da
bobina

44
RELÉ
• Relé auxiliar

No circuito sem relé, pode ocorrer o superaquecimento da tecla


(interruptor)

45

RELÉ
Relé auxiliar

Com relé, a tecla só aciona o circuito de corrente baixa do relé que vai
ligar o circuito de corrente alta.

46
RELÉ

47
RELÉ

48
RELÉ

 Terminal 30 — Geralmente alimentado com tensão da bateria. Geralmente


protegido por um fusível (B).
 Terminal 86 — Alimentado com tensão da bateria a partir de um interruptor (A)
(chave de ignição, interruptor da luz, interruptor do ventilador, etc.).
 Terminal 85 — Geralmente circuito negativo (terra).
 Terminal 87A — Posição ligada ao terminal 30.
 Terminal 87 — Posição ligada ao terminal 30 mediante o fechamento da bobina
para ligar o consumidor/carga (E) luzes, motor do ventilador, acessórios, etc.).

49
EXERCÍCIOS

50
EXERCÍCIOS

51
EXERCÍCIOS

52
EXERCÍCIOS

53
EXERCÍCIOS

54
TECLA (INTERRUPTOR)

• Função: desligar, ligar ou alterar o estado do sistema para um comando


específico.

simbologia de
interruptor

exemplo de tecla

55
DIODO
Função: Só permite a passagem da corrente elétrica em um único sentido.

Ânodo Cátodo
(+) (-)

Simbologia do diodo

POLARIZAÇÃO INVERSA LED – Light Emitting


POLARIZAÇÃO DIRETA
Diode
(Diodo Emissor de Luz)

i=
i≠0
0 Exemplo de LED
56
TESTE DO DIODO

(Ponteira) (Ponteira)

Fa Fa
ixa ixa
i nd ind
ica ica
Multímetro ção Multímetro ção
.563 .OL

57
SOLENÓIDE
Função: gerar um campo magnético ao seu redor, fazendo assim da bobina um imã.

simbologia da solenoide
polo norte

polo
exemplo de uma sul
solenoide
exemplo teórico de uma
solenoide

58
SOLENÓIDE

59
sensor
Função: Um sensor é um dispositivo que responde a um estímulo físico/químico
de maneira específica e mensurável analogicamente.

TIPOS DE SENSORES
TIPOS DE SINAIS

• DIGITAL;
• ANALÓGICO;
mecânico
• SINAL PULSANTE
• PWM; ultrassônico

Indutivos

capacitivo

60
ELEMENTOS ELÉTRICOS DE
ENTRADA DE SINAL – SENSORES
SENSOR CAPACITIVO
• Detecta todos os tipos de materiais

SIMBOLOGIA

61
ELEMENTOS ELÉTRICOS DE
ENTRADA DE SINAL – SENSORES
SENSOR ÓPTICO
• Detecta materiais reflexivos

SIMBOLOGIA

62
ELEMENTOS ELÉTRICOS DE
ENTRADA DE SINAL – SENSORES
SENSOR INDUTIVO
• Detecta somente materiais metálicos

SIMBOLOGIA

63
Sensor de pressão do óleo do motor

Ex: Pulverizador

Ex: Trator

64
Sensor de nível de combustível

Ex: Pulverizador

Ex: Trator

65
SINAL ANALÓGICO
Sinal analógico é um tipo de sinal contínuo que varia em função do tempo.
A representação de um sinal analógico é uma curva.

ECU-2
Sensor de nível de combustível
do pulverizador
Pinagem:
1. Alimentação
2. Terra

Especificação:
0,01V = Tanque cheio = 2Ω ± 0,5
Gráfico de um analógico 0,51V = Tanque vazio = 77Ω ± 2
66
• SINAL DIGITAL
São sinais que representam dois estados lógicos apenas, “0” e
“1”. Também são conhecidos por “high” e “low”.

+
+

ECU-1
ECU-1

Estado lógico “0” ou Gráfico de um sinal digital


Estado lógico “1”
“low” - desligado
ou “high” - ligado

Exemplo de sinais digitais:


•Sensor de proteção da
bomba;
•Chaves em geral;
•Luzes;
•Nível do taque de produto;
•Saídas para solenoides, etc.
Sensor de pressão do óleo
do motor
67
SINAL PULSANTE - FREQUÊNCIA

Uma mudança rápida, passageira na amplitude de um sinal de um valor


básico para um mais alto ou mais baixo.

Exemplo de sinais pulsantes:


•Sensor de roda;
•RPM;
•Fluxômetro.

Sensor de rotação da enfardadora

Ex: Pulverizador
68
SINAL PWM

A modulação por largura de pulso (MLP) - mais conhecida pela sigla


em inglês PWM (Pulse-Width Modulation) - de um sinal ou em fontes de
alimentação envolve a modulação de sua razão cíclica (duty cycle) para
transportar qualquer informação sobre um canal de comunicação ou controlar o
valor da alimentação entregue à carga.

69
CIRCUITO ELÉTRICO
O circuito elétrico é caminho por onde passam os elétrons, um circuito
elétrico simples é formado por uma fonte geradora (bateria), condutores
(fiação/chicote) e resistores (lâmpada/motores).

1º - Bateria: gera a energia eletromotriz para movimentar as cargas


elétricas
2º - Condutor: Permite a transmissão da corrente elétrica
3º - Resistores: realizam o consumo da corrente elétrica e o convertem
em outra
Circuito forma
em de energia(térmica, mecânica, etc).
aberto

Um circuito está aberto quando em um ponto do mesmo existe uma


interrupção da corrente elétrica, fazendo com que o circuito fique
incompleto.
Circuito em curto

O circuito está em curto quando por algum motivo em um ponto do


mesmo existe uma passagem ou desvio da corrente elétrica, fazendo com
que o circuito fique em curto.

70
Tipos de Circuitos

Circuito em Série

Circuito em Paralelo

Circuito Misto
71
CIRCUITO EM SÉRIE
• Características:
 A corrente que passa por todos os resistores é a mesma.

 A tensão se divide proporcionalmente para cada resistor.

 A resistência equivalente é a soma de todas as resistências parciais.

R3 R4
R2

R5
R1

E = 12 [V]

DIAGRAMA ELÉTRICO LIGAÇÃO EM Representação gráfica de um circuito em


SERIE Série

Fórmula :
Onde:
Re = Resistência equivalente [Ohm - Ω]
q
72
CIRCUITO EM PARALELO
• Características:
 A corrente se divide proporcionalmente aos resistores.

 A tensão fornecida é sempre a mesma para cada resistor.


 A resistência equivalente é o inverso da soma dos inversos de cada
resistor.
E = 12
[V]

Representação gráfica de um
circuito em Paralelo
Fórmula :
Diagrama elétrico ligação em
Paralelo Onde:
= Resistência equivalente [Ohm - Ω]
73
CIRCUITO MISTO

 Para cálculo de resistência equivalente, corrente e tensão nos resistores


deve-se tomar mais cuidado, pois as regras dos dois tipos de circuitos são
aplicáveis neste tipo de circuito. Deve-se saber analisá-lo para obter os
valores corretamente.

𝑅1 𝑅2
E = 12 [V]

𝑅3

𝑅5 𝑅4

74
EXERCÍCIOS
4. Utilizando os três resistores monte um circuito em série e faça o cálculo
primeiramente no papel e logo em seguida monte o circuito com os resistores e
confirme o valor utilizando o ohmímetro:
_____________________________________________________________________
_____________________________________________________________________
_____________________________________________________________________
_____________________________________________________________________
_____________________________________________________________________
5. Utilizando os três resistores monte um circuito em paralelo e faça o cálculo
primeiramente no papel e logo em seguida monte o circuito com os resistores e
confirme o valor utilizando o ohmímetro:
_____________________________________________________________________
_____________________________________________________________________
_____________________________________________________________________
_____________________________________________________________________
_____________________________________________________________________

75
EXERCÍCIOS

3. Assinale (V) verdadeiro e (F) falso de acordo com as características do circuito:


a. No circuito em série a tensão se divide proporcionalmente entre os resistores. ( )
b. No circuito em paralelo a corrente que passa pelos resistores são iguais. ( )
c. No circuito em série a corrente que passa por todos os resistores é a mesma. ( )
d. No circuito em paralelo a tensão fornecida é igual em todos os resistores. ( )
4. Monte um circuito em série e um em paralelo utilizando os componentes disponibilizados
e faça as medições de tensão corrente e resistência:
Série:__________________________________________________________________________
_______________________________________________________________________________
_______________________________________________________________________________
_______________________________________________________________________________
Paralelo:_______________________________________________________________________
_______________________________________________________________________________
_______________________________________________________________________________
_______________________________________________________________________________
_______________________________________________________________________________
_

76
EXERCÍCIOS
4. Calcule a resistência equivalente no circuito:

_________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________
____________________________________________________________________
77
EXERCÍCIOS
4. Calcule a resistência equivalente no circuito:

_________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________
____________________________________________________________________
78
BATERIA
A bateria é um acumulador de energia química que se transforma em energia elétrica
quando solicitada, na bateria os matérias ativos reagem quimicamente sempre que
forem ligados os consumidores de energia nos terminais.

É uma associação de acumuladores ligados em série e cada elemento da bateria


fornece uma tensão de 2,1 volts, e consequentemente uma bateria de seis elementos
fornecerá 12,6 volts.

Uma bateria tem excesso de elétrons em seu terminal negativo e falta de elétrons no
terminal positivo.

polo positivo
os eletrodos
estão ligados
polo entre si para
negativo aumentar a
tensão Bateria utilizada nos
tratores AGCO
caixa da separadores
bateria divisor de
elementos 79
BATERIA
Função:

 Fornecer energia para o motor de partida;


 Suprir a demanda de energia quando o alternador estiver na sua produção
máxima;
 Fornecer energia para os componentes elétricos e eletrônicos quando o motor
estiver desligado (parado);
 Serve como estabilizador para o sistema eletroeletrônico.

polo positivo
os eletrodos
estão ligados
polo entre si para
negativo aumentar a
tensão

caixa da separadores
bateria divisor de Bateria utilizada nos
elementos tratores AGCO

80
CONSTRUÇÃO DA BATERIA
Componentes:

Caixa;
Celulas;
 Placas positivas = Pb02 = Perióxido de chumbo = marrom
 Placas negativas = Pb = Chumbo esponjoso = cinza
 Separador
 Envelope

Eletrólito;
 36% H2so4 = Ácido súlfurico
 64 % = Água destilada

Terminais;
 Positivo
 Negativo

81
Solução Ácida (Ácido Sulfúrico)
Composta por 36 % de ácido sulfúrico e 64 % de água destilada .
Essa solução é indispensável às reações químicas que poderão
ocorrer.

O O
O
Pb H
O
H H S H Pb
O
O O Pb
O

H H

O Pb
O O
H H
Pb
H Pb
O O S H
O
O O
H H
Ácido Sulfúrico Placa (-)
Água
Placa (+)

82
RESERVA DE CAPACIDADE – RC

• Reserva de capacidade ou RC é o tempo que a bateria pode alimentar os


acessórios de um carro quando o gerador do carro deixa de funcionar por
algum tipo de defeito.

Componentes Elétricos: Bateria de 60Ah:


• Injeção Eletrônica
• Faróis RC 100 minutos
• Rádio
• Desembaçador
• Limpador de Pára-Brisa

83
Características Elétricas

CAPACIDADE EM 20 HORAS
Definição:
A bateria plenamente carregada é descarregada com
corrente constante de 0,05A até uma tensão final de 10,5V
à temperatura ambiente.
O valor é expresso em Ah.

100Ah = 5A corrente constante de descarga


20h
 
Se a bateria levar 20h para sair 12,6V e chegar a 10,5V, ela tem 100Ah.
Mais de 20h, bateria de maior capacidade (Ah).
Menos de 20h, bateria de menor capacidade (Ah).

Fonte: Heliar Johnson Controls 84


Características Elétricas – CCA
CCA (COLD CRANKING AMP)
Corrente de Partida a Frio

Descarga Rápida a -18ºC

Objetivo:
Avaliar o desempenho de partida da bateria à baixas temperaturas.
O sistema elétrico como um todo, requer maior energia para partida a baixas
temperaturas, exigindo mais da bateria.
O teste determina a capacidade da bateria fornecer a corrente / tensão
especificada.

É quanto a bateria consegue fornecer de energia (corrente) a -18 0C durante


30 segundos, e a tensão no final da descarga deve ser maior ou igual a
7,20 V, de acordo com a norma SAE.

Fonte: Heliar Johnson Controls 85


- Indicador de Carga
O indicador de carga funciona como um densímetro.

 Verde: 65% ou + carregada

 Preto: Abaixo de 65% carregada

 Amarelo: Nível baixo de eletrólito

86
Fonte: Heliar Johnson Controls
Testes do Veículo
Valores Máximos - Fuga de Corrente
Corrente de Fuga Máxima:
Capacidade da Bateria:
(mA) (A)

até 45Ah 20 0,020


de 50Ah até 70Ah 40 0,040
de 75Ah até 90Ah 70 0,070
de 100Ah até 200Ah 280 0,280

Consumo aproximado
de alguns
componentes
eletrônicos do
veículo:

Fonte: Heliar Johnson Controls 87


INSTRUÇÕES DE INSTALAÇÃO DA
BATERIA
Desmontagem:
1 – Retire a embalagem plástica da bateria.
2 - Desligue a ignição e os equipamentos elétricos do veículo.
3 - Desconecte o cabo negativo (-).
4 - Desconecte o cabo positivo (+). Marque os terminais, de modo que você possa
identificá-los quando os for reconectar.
5 - Retire o suporte da bateria antiga.
6 - Limpe os terminais dos cabos e os bornes da bateria. Isto pode ser feito utilizando-se
uma escova de aço ou latão e água quente.

Montagem:
1 - Coloque a bateria em seu suporte e fixe-a firmemente, utilizando o dispositivo de
fixação do trator.
2 - Conecte primeiro o cabo positivo (+).
3 - Em seguida conecte o cabo negativo (-). Passe um pouco de vaselina industrial nos
terminais, para protegê-los contra corrosão.
88
CONDIÇÕES DE TESTE DA BATERIA
Teste Condições Leitura
Carga da * Motor Parado
de 12,5 à 13,5 V
Bateria * Ignição e consumidores elétricos desligados
* Motor parado.
Consumo de
* Ligar todos os consumidores elétricos: faróis, acima de 11 V
energia
desembaçador, luzes internas e os demais.

* Motor parado.
Fuga de * Desligar o cabo positivo do voltímetro no terminal da bateria
corrente da e manter o negativo ligado. máximo de 0,1 V
bateria * Percorrer com o terminal do cabo desligado toda a parte
externa da bateria, inclusive perto das tampas dos vasos.

Carga do * Motor funcionando.


máximo de 14,8 V
alternador * Todos os consumidores de energia desligados.
Regulador de * Motor funcionando em marcha lenta.
mínimo de 12,4 V
voltagem * Ligar todos os consumidores de energia.
* Com o motor parado.
* Anotar o valor da tensão elétrica da bateria.
Consumo do * Desligar a alimentação da bobina de ignição. mínimo de 9,6 V
arranque * Retirar o relê ou o fusível da bomba de combustível DURANTE A PARTIDA
(injeção).
* Acionar o arranque por 10 segundos.
a tensão elétrica deverá
Capacidade de voltar a ser a mesma ou
* Pare de acionar o arranque e fique observando o voltímetro.
regeneração estar bem próxima da
* Depois de alguns segundos:
da bateria existente no início do
teste.

89
TIPOS DE LIGAÇÕES ENTRE
GERADORES/BATERIAS
LIGAÇÃO EM SÉRIE

3V
3V 3V

2 Ah 2 Ah 2 Ah

9 V [Volts]
2 Ah [Ampères-hora]

A ligação em série das baterias permite um aumento da tensão final,


somando-se as tensões de cada bateria. Já a capacidade de carga elétrica
final se mantém o valor nominal de uma bateria apenas.

Obs. É importante neste tipo de ligação as baterias estarem ligadas com


os seus polos invertidos, por exemplo, o polo negativo de uma estar
conectado com o polo positivo da outra, para que não ocorra diminuição da
tensão resultante .

90
TIPOS DE LIGAÇÕES ENTRE
GERADORES/BATERIAS
LIGAÇÃO EM PARALELO

3V 3V 3V
2 Ah 2 Ah 2 Ah

3 V [Volts]
6 Ah [Ampères-hora]

A ligação em paralelo das baterias iguais permite a saída triplicada da


capacidade de carga elétrica, pois soma-se as capacidades de cada bateria. Já a
tensão de saída mantém-se o valor nominal de uma bateria apenas.

Obs. É importante neste tipo de ligação as baterias serem iguais para evitar
fuga de carga, caso as baterias tenham capacidade de carga elétrica diferente
isso ocorrerá, descarregando as baterias.

91
CÁLCULO PARA CORRENTE
ELÉTRICA EM CARGA RÁPIDA

Pegar o valor nominal da bateria e dividir por 3.

Ex:

Bateria de 150 Ah:

Ah =
3

150 = 50 A
3

92
CÁLCULO PARA CORRENTE
ELÉTRICA EM CARGA LENTA

Pegar o valor nominal da bateria e dividir por 10.

Ex:

Bateria de 150 Ah:

Ah =
10

150 = 15 A
10

93
CÁLCULO PARA TEMPO DE CARGA

TABELA DE ESTADO DE CARGA DE UMA BATERIA EXEMPLO DE CÁLCULO:


TENHO UMA BATERIA COM CAPACIDADE
VOLTS DENSIDADE ESTADO DA CARGA NOMINAL IGUAL A 50 Ah.
12,7 1265 100% SEI QUE O ESTADO DE CARGA DA BATERIA É DE
50%, E PRETENDO CARREGA-LA COM UMA
12,4 1225 75% CORRENTE DE 10 A.

12,2 1190 50% FÓRMULA:


12,0 1155 25%
11,9 1120 0%
T= (100 – EC ) X CB X 1,5 =
100 X CC

COM BASE NA TABELA: ONDE :

T= Tempo de carga em horas


EC= Estado de carga da bateria em %
CB= Capacidade nominal da bateria em Ah.
(100 – 50 ) X 50 X 1,5 = 3h 45 min CC= Corrente de carga em Ampéres
T=
100 X 10
94
ALTERNADOR
Característica: Transforma energia mecânica em energia elétrica.

Função: carregar a bateria e fornecer corrente elétrica para o sistema


enquanto o motor está em funcionamento.

suporte
rotor de ímãs
permanentes
suporte

polia

regulador de
tensão
placa retificadora

estator

95
FUNCIONAMENTO DO ALTERNADOR

No momento em que a chave de ignição é ligada, o rotor do alternador


atráves de sua bobina, recebe da bateria corrente elétrica também
conhecida como corrente de pré-exitação.
Essa corrente circula pela bobina existente no rotor produzindo em suas
garras um campo magnético (pólos magnéticos). Quando se dá partida no
motor, o alternador começa a girar acionado por uma correia. No movimento
de rotação, as linhas magnéticas atravessam as bobinas de fio de cobre
existentes no estator. Neste momento, o estator começa a gera tensão
elétrica que será retificada para poder carregar a bateria e a ser utilizada
pelos consumidores do sistema.

Componentes:

 Rotor
 Estator
 Conjunto retificador
 Regulador de tensão
 Carcaça
 Rolamentos
 Polia

96
Identificação dos pinos do alternador

Conta Giros do Motor (ALT-01)


Conta Giros do Motor (ALT-01)
O sinal de RPM provem do próprio
alternador, sua conexão é um pino roscado
M5.

Terminais:
W - Sinal do Alternador
B+ - Positivo bateria
B- - Negativo
D+ - Diodo excitação (lâmpada painel)

97
Testes
• Regulador de Tensão ou Voltagem:
• Com o motor ligado, aguarde até que a corrente esteja abaixo de 5A;
• Verifique a tensão indicada na saída do alternador;
• Esta tensão deve estar entre 13,5 V e 14,5 V p/ veículos 12V e entre 27,0 V
e 29,0 V para sistemas 24V;
• Caso o valor obtido estiver fora desta faixa, o regulador deve ser
substituído.

• Regulador abaixo de 13,5 V (ou 27,0 V), bateria se descarrega


• Regulador acima de 14,5 V (ou 29,0 V), bateria apresenta sobrecarga.

Descarregada OK Sobrecarga

13,5 V 14,5 V
27,0 V 29,0 V

Carga da Bateria no veículo:

98
MOTOR DE PARTIDA
Função: acionar o motor do automóvel até que este tenha condições de
funcionar sozinho logo após fica inoperante até a próxima partida.

99
FUNCIONAMENTO DO MOTOR DE
PARTIDA

Ao girar a chave de partida, energiza-se a bobina do solenoide montando


sobre o motor de partida. O núcleo móvel se desloca para frente, realizando 2
operações, simultaneamente:
1- Desloca-se o pinhão sobre a cremalheira do volante do motor;
2- Fecha os contatos (ver ponte de contatos nas figuras), transferindo a
elevada corrente proveniente da bateria diretamente para o motor.
A corrente chega até o solenoide através de um cabo grosso, conectado à um
dos bornes frontais. Com o deslocamento do núcleo móvel do solenoide, a ponte
de contatos promove a ligação elétrica entre os bornes, transferindo a corrente às
sapatas polares do motor, acionando-o. Como o engrenamento do pinhão já foi
realizado, ocorre o giro do motor a combustão.
Solta-se a chave de partida, o motor elétrico cessa a força, o núcleo móvel do
solenoide retorna por ação das molas e o pinhão é recolhido.

100
• MÓDULO 2: HIDRÁULICA BÁSICA

101
CONCEITOS FUNDAMENTAIS

102
Hidráulica

HIDRÁULICA = derivado do grego “hydro” = água e “aulos” = tubo ou condutor.


A hidráulica é a ciência que estuda o comportamento dos fluidos sob pressão,
sendo o mais comum os óleos em geral.
HIDROSTÁTICA = derivado do grego “hydro” = água e “statikós” = imóvel. A
hidrostática é a ciência que estuda os fluidos em repouso.

HIDRODINÂMICA = derivado do grego “hydro” = água e “dynamis” = poder,


força. A hidrodinâmica é a ciência que estuda o comportamento dos fluidos em
movimento.

HIDRÁULICA

HIDROSTÁTICA HIDRODINÂMICA
103
Conceitos

• Hidráulica (do grego):


– Hydra: Água
– Aulos: Cano
• Estudo das Características e do uso de fluidos
confinados.
• Sistema Estático:
– Energia Potencial
– Baixa Velocidade, Alta Pressão (até 1000 bar)
• Sistema Cinético:
– Energia Cinética
– Alta Velocidade, Baixa Pressão (até 180 km/h)

104
Princípios da Hidráulica
1. Líquidos não tem forma própria em si.

2. Líquidos são praticamente incompressíveis

105
• Lei de Pascal

106
Princípio de Pascal
• A pressão exercida em um ponto qualquer
de um líquido estático é a mesma em todas
as direções e exerce forças iguais em áreas
iguais.

107
Princípio de Pascal
Líquidos transmitem pressões aplicadas em todas as
direções, e agem com mesma força em ângulos retos para
todas superfícies.
Líquidos sob pressão seguem a trajetória da menor
resistência.

108
Princípio de Pascal
• Conservação de energia

109
Princípio de Pascal
• Princípio da Prensa Hidráulica

110
Lei de Pascal

111
Força
•  

112
Área de um Cilindro
•  

113
Pressão
• Pressão é o resultado da resistência ao fluxo
hidráulico

114
Pressão
1atm = 1,033 3 kgf/cm2
• Pressão é o resultado 1atm = 1,013 4bar
1atm = 14,697 PSI (Ibf/pol2)
da resistência ao fluxo 1atm = 760 mmHg

hidráulico. 1kgf/cm2
1kgf/cm2
=
=
0,967 7 atm
0,980 7 bar
1kgf/cm2 = 14,223 PSI (Ibf/pol2
1kgf/cm2 = 736 mmHg
• Unidade padrão: BAR 1bar = 0,986 7 atm
1bar = 1,019 6 kgf/cm2
1bar = 14,503 PSI (Ibf/pol2)
1bar = 750 mmHg
• Para efeitos de estudo 1 PSI = 0,068 0 atm

adotaremos: 1 PSI
1 PSI
=
=
0,070 3 kgf/cm2
0,068 9 bar
– 1 kgf/cm = 1 bar
2
1 PSI = 51,719 mmHg

115
Converter

4kgf/cm² = _______psi

2 bar = ______psi

290 psi = _____bar

3 atm= ______mmhg

3 atm=_______kgf/cm2

100 mmhg=______bar.

116
Lei de Pascal - Cálculos
• Complete a tabela

Diâmetro do
Área Pressão Força
Cilindro
7,62 cm 140 Kgf/cm²
8,89 cm 140 Kgf/cm²
7,62 cm 168 Kgf/cm²
7,62 cm 9850 kgf
8,89 cm 9850 kgf
8,89 cm 6500 kgf

117
FLUÍDOS HIDRÁULICOS

FLUIDO = é qualquer substância capaz de deformar-se continuamente e


assumir a forma do recipiente que a contém. Como o presente trabalho trata
apenas de circuitos hidráulicos, o fluido que nos interessa é o óleo hidráulico.
.

PRINCIPAIS FUNÇÕES:
•Transmitir energia;
•Lubrificar partes móveis;
•Vedar folga entre componentes;
•Trocar calor.

TIPOS:
• ÓLEO MINERAL (Derivado de petróleo)- Para máquinas e equipamentos que
trabalham em temperatura ambiente.
• FLUÍDOS RESISTENTES AO FOGO (Sintéticos)- Para máquinas e
equipamentos que trabalham a quente. Ex. siderúrgica.

118
Funções do Fluído Hidráulico
Transmitir energia
A baixa compressibilidade do óleo permite a transmissão
de energia (0,5% do volume a 70 bar de pressão)

119
Funções do Fluído Hidráulico
Lubrificar
O fluido hidráulico deve formar uma película
entre as superfícies evitando que haja contato
metal com metal, amenizando o desgaste e a
geração de calor pelo atrito.

120
Funções do Fluído Hidráulico
Vedar
Alguns componentes tem a vedação feita pelo
próprio óleo nas folgas entre as partes móveis,
como um carretel, por exemplo.

121
Funções do Fluído Hidráulico
Resfriar
O fluido hidráulico dissipa o calor gerado pelo
atrito e pela pressão através do reservatório.

122
Funções do Fluído Hidráulico
Limpar
O óleo retira as partículas resultantes de
desgastes para o reservatório.

123
Composição de um Fluído

124
Aditivos

125
Viscosidade de um Fluído
Viscosidade é simplesmente a "espessura" do fluido
em uma determinada temperatura. Todos óleos de
petróleo tendem a ficar fino com o aumento da
temperatura, e engrossar com a diminuição da
temperatura.
Se a viscosidade está muito baixa, a possibilidade
de vazamento em juntas e vedações é elevada.
A viscosidade tem uma influência na capacidade do
fluido de lubrificar peças móveis.

126
VISCOSIDADE

É a resistência de um fluido ao escoamento.

Principal influenciador: Temperatura.

A B

25°C

O óleo B é mais viscoso que o óleo A.

IV- Índice de Viscosidade

127
Viscosidade

• OS VALORES DE VISCOSIDADE DOS ÓLEOS SÃO OBTIDOS EM


LABORATÓRIO, ATRAVÉS DE UM APARELHO CHAMADO
VISCOSÍMETRO.

• TRATA-SE DE UM TESTE PADRONIZADO ONDE É MEDIDO O TEMPO


QUE UMA CERTA QUANTIDADE DE FLUIDO LEVA PARA ESCOAR
ATRAVES DE UM PEQUENO TUBO (CAPILAR) A UMA TEMPERATURA
CONSTANTE.

128
Filtro de óleo hidráulico

• Um micrômetro é um submúltiplo do metro, unidade de comprimento do 


Sistema Internacional de Unidades. É definido como 1 milionésimo de metro (1
× 10-6 m). Equivale à milésima parte do milímetro e sua abreviatura é µm. O 
caractere µ é a letra grega.

• "O termo micron está em grego e o seu plural de acordo com a gramática
grega é micra e não microns, de forma que quando você for se referir a
quantidades maiores do que 1 micron (seja lá qual for a unidade de medida)
você deve utilizar o termo micra ao invés de microns."

129
Filtro de óleo hidráulico

130
131

• ELEMENTOS DO SISTEMA

HIDRÁULICO
132

• ELEMENTOS DO SISTEMA

HIDRÁULICO
Reservatório Hidráulico:

FINALIDADES:

•ARMAZENAR O FLUÍDO
•PERMITIR A INSPEÇÃO DO FLUÍDO
•SEPARAR CONTAMINANTES SÓLIDOS
•DISSIPAR CALOR DO FLUÍDO
•SEPARA O AR DO FLUÍDO
•ABSORVER A EXPANSÃO TÉRMICA DO
FLUÍDO
•PERMITIR A MONTAGEM DE
COMPONENTES

133
Fonte: Parker Hannifin Ind. Com. Ltda.
Reservatório Hidráulico:

TIPOS:

•ATMOSFÉRICO: Reservatório hidráulico para armazenagem de fluídos à pressão atmosférica.

•PRESSURIZADO: Reservatório hidráulico fechado para armazenagem de fluídos, acima da pressão


atmosférica.

•SELADO: Reservatório hidráulico para armazenagem de fluídos isolados das condições atmosféricas.

DEVE DISPOR:

•CAPACIDADE DE ARMAZENAMENTO DE FLUÍDO DE 3 VEZES A VAZÃO DE BOMBEAMENTO POR


MINUTO.
•VOLUME DE EXPANSÃO MÍNIMO DE 10%.
•PLACAS DEFLETORAS ( CHICANAS ).
•FILTRO DE RESPIRO.
•BOCAL DE ABASTECIMENTO.
•ABERTURA PARA LIMPEZA E INSPEÇÃO.

134
BOCAL DE ENCHIMENTO COM RESPIRO

Local por onde o ar atmosférico entra no reservatório

135
FILTRAGEM DO ÓLEO

• Simbologia do
Filtro de óleo
Hidráulico

Fonte: Parker Hannifin Ind. Com. Ltda.


136
Tipos de Filtros

Construção típica da fibra de vidro grossa (100x)

Construção típica da fibra de vidro fina (100x)

Fonte: Parker Hannifin Ind. Com. Ltda. 137


Localização dos Filtros
Filtro de Sucção Filtro de Pressão Filtro de Linha de Retorno

138
Símbolos hidráulicos
Bombas Motores

Vazão fixa
Unidirecional

Vazão fixa
Bidirecional

Vazão variável
Unidirecional

Vazão variável
Bidirecional

Fonte: Parker Hannifin Ind. Com. Ltda. 139


BOMBAS
Função: converter energia mecânica em hidráulica, inserindo fluido hidráulico no
sistema a uma vazão constante ou variável.

SIMBOLOGIA:
TIPOS DE BOMBAS DE
DESLOCAMENTO POSITIVO

 Manual;
bomba de
 Engrenagem,
engrenagem
 Parafuso;
 Palheta e
 Pistão (radial e axial)
bomba
manual
bomba parafuso

bomba de bombas de pistão


palhetas bomba de
radial
pistão axial 140
Instalação da Bomba

• Antes de conectar quaisquer mangueiras na bomba, encha todos os


pórticos com óleo do sistema limpo para fornecer a lubrificação inicial.

• Retorno o parafuso da válvula de alivio, ante de dar partida no motor diesel.

• Depois de conectar as mangueiras e montar a bomba, faça a funcionar pelo


menos dois minutos sem carga e a um baixo RPM (650 no mínimo). Durante
este período de amaciamento, a unidade deve operar livremente e não
desenvolver uma quantidade excessiva de calor. Se a bomba funcionar
corretamente, a velocidade e pressão podem então ser aumentadas para os
ajustes normais de operação.

141
BOMBA DE ENGRENAGENS DE
DENTES EXTERNOS
A bomba é quem determina a vazão máxima em um circuito hidráulico.

Exemplo: uma bomba de 40cc


que gira a 2000 rpm tem uma
vazão máxima de 8000cc
ou 80 lpm

SIMBOLOGIA:

142
Como Funciona uma Bomba
de Engrenagem

143
PRINCÍPIO DE FUNCIONAMENTO

144
BOMBA DE ENGRENAGENS

145
O termo “Carcacear”

O termo “Carcacear” significa que: Em uma bomba de


engrenagens, fazendo com que as engrenagens internas raspem
na carcaça arrancando o filme de óleo de vedação, causando
desgaste acentuado, diminuindo a vazão e consequentemente a
pressão.

146
BOMBA DE ENGRENAGENS DE
DENTES INTERNOS

SIMBOLOGIA:

Fonte: Parker Hannifin Ind. Com. Ltda. 147


BOMBA DE PALHETAS

SIMBOLOGIA:

Fonte: Parker Hannifin Ind. Com. Ltda. 148


BOMBA DE PALHETAS

149
BOMBA DE PISTÕES

150
BOMBA DE PISTÕES

151
BOMBA DE PISTÕES

VAZÃO (L/min)

RESERVATÓRIO

BOMBA

152
O termo hidrostático

• O termo hidrostático significa que o circuito é fechado, ou seja, bomba,


válvulas, filtros e motores. Portanto não é adequado chamar de bomba
hidrostática e sim circuito hidrostático.

• O nome correto da “bomba hidrostática” é bomba de pistões.

153
O termo hidrostático

154
155
156
Instrumentos de medição
Fluxômetro – mede a quantidade de liquido que passa por um
circuito (LPM)

157
Instalação Fluxômetro em bomba de engrenagem

Lembrando que para fazemos os teste de VAZÃO na parte hidráulica temos que
lembrar de itens importantes (medir vazão):

• Temperatura do óleo hidráulico: Conforme manual de reparação


• Rotação do motor diesel: especificada pelo fabricante.
• Nível de óleo hidráulico.
Válvula de
Fluxômetro Vazão

Devemos ir fechando a válvula de vazão ate próximo do valor de


ajuste da Válvula de alivio

OBS. Para medir o fluxo de óleo, sempre instale filtros novos e originais.
158
Instalação do Fluxômetro em bomba de
pistão.
Lembrando que para fazemos os teste
de VAZÃO na parte hidráulica temos que
lembrar de itens importantes (medir
vazão):
• Temperatura do óleo hidráulico:
recomendada.
• Rotação do motor diesel:
recomendada.
• Nível de óleo hidráulico.

Devemos ir fechando a válvula


de Vazão ate próximo do
valor de ajuste da Válvula de
alivio.

OBS. Para medir o fluxo de óleo,


sempre instale filtros novos e
originais.

159
CAVITAÇÃO – DEFINIÇÃO

Cavitação e areação são anormalidades que acontecem nas bombas


hidráulicas devido a erros de concepção (projeto), montagem, manutenção e
falta de troca do filtro de sucção.

Cavitação é a presença de espaços vazios (vácuo) no fluido devido a deficiência


de alimentação da bomba. Como o fluido vaporiza no vácuo e submetido a
pressão implodem provocando arranque de material das partes rodante da
bomba. As crateras formadas tem a superfície da cor do material.

Fonte: Parker Hannifin Ind. Com. Ltda. 160


CAVITAÇÃO – CAUSAS PROVÁVEIS:
• - Fluído muito viscoso;

• - Rotação da bomba acima do recomendado;

• - Ø da tubulação de sucção insuficiente;

• Comprimento da tubulação de sucção demasiada;

• Filtro de ar do reservatório entupido

• Altura de sucção acima do permitido;

• - Filtro de sucção saturado;

• - Respiro do reservatório obstruído impossibilitando a entrada de


pressão atmosférica no interior do reservatório.

Fonte: Parker Hannifin Ind. Com. Ltda. 161


AERAÇÃO – DEFINIÇÃO:

 Aeração é à entrada de ar no sistema através da sucção da bomba.

 O ar retido é aquele que está presente no líquido, sem estar dissolvido no


mesmo.

 O ar está em forma de bolhas.

 Se ocorrer de a bomba arrastar fluído com ar retido, as bolhas de ar terão,


mais ou menos, o mesmo efeito da cavitação sobre a bomba. Contudo,
como isso não está associado à pressão de vapor, vamos nos referir a esta
ação como sendo uma pseudocavitação.

Fonte: Parker Hannifin Ind. Com. Ltda. 162


AERAÇÃO – CAUSAS PROVÁVEIS:

 Baixo nível de óleo no reservatório;

 Conexão de sucção mal apertada;

 Óleo hidráulico de má qualidade;

 Falta de aditivo antiespumante no fluido;

 Tubulação de retorno próximo a de sucção;

 Tubulação de retorno acima do nível do fluido;

 Falta de chicana no reservatório;

 Formação de vórtice (rode moinho)no reservatório.

163
Instrumentos de medição de 164
Pressão

Manômetro – Mede a pressão no


circuito.
Motores Hidráulicos
1 – Definição:

Transformam energia hidráulica em energia mecânica, gerando


trabalho, com movimento rotativo

• Geram Rotação

• Suportam Pressão, proveniente da carga.

• Alguns tipos de motores de pistões apresentam elevada


eficiência tanto em baixa como em alta rotação

165
Motores Hidráulicos
• Durabilidade de um Motor Hidráulico
É afetado pela baixa eficiência volumétrica da bomba
ou término da vida da mancalização.

Eficiência x Desgaste
• Contaminação
• Viscosidade incorreta
• Cargas excessivas
• Reversões Bruscas
• Rotações inadequadas
• Aplicação inadequada
• Cavitação / Aeração

166
MANÔMETRO TIPO TUBO DE BOURDON

SIMBOLOGIA
1- A pressão provoca a
distensão do tubo de
Bourdon

2-Esta distensão do
tubo de Bourdon
movimentará
proporcionalmente o
ponteiro através do
mecanismo
coroa/engrenagem

167
MANÔMETRO DE BOURDON
Elemento elástico
SIMBOLOGIA:

Extremidade móvel

Braço de
articulação

Batente interno
Ponteiro

Conexão

O interior de um
manômetro tipo Exemplo de um
Bourdon manômetro tipo
Bourdon

Função: aferir a pressão efetiva no local. 168


MANÔMETRO DE BOURDON

169
Pressão Excessiva e Picos de Pressão

Pressão Excessiva
 Procedimentos Preventivos:
 Correta Regulagem da Pressão de Alívio
 Eliminar / Minimizar “Cargas Excessivas” através de:
 Correta Aplicação e Operação do Equipamento
 Treinamento, Conscientização e Comprometimento das Pessoas
envolvidas com:
 Operação
 Aplicação
 Manutenção

170
Pressão Excessiva e Picos de Pressão

Picos de Pressão
Definição:
Elevação repentina e excessiva da pressão, durante um breve intervalo de
tempo ( tempo requerido para a abertura da válvula de alívio) durante o
qual o sistema fica sujeito ao Choque Hidráulico.

171
Pressão Excessiva e Picos de Pressão

Picos de Pressão

Origens:
• Operação Incorreta
• Picos de fim de curso.
• Embuchamentos / reversão de motores
• Cilindros de giro
• Cargas Externas
• Parada Brusca de Movimentos
• Válvula de alívio com resposta inadequada.

172
Pressão Excessiva e Picos de
Pressão

Picos de Pressão

Efeitos:
 Trinca / Ruptura da Carcaça
 Quebra da Ponta de Eixo
 Danos aos Mancais (Rolamentos / Buchas)

173
ATUADORES
Função: Os atuadores hidráulicos convertem a energia hidráulica em
energia mecânica, sendo esta energia rotativa e linear.

LINEARES
: Quais são os teste que podemos fazer em cilindro?

Cilindro de
Cilindro de dupla Cilindro com Cilindro com dois
simples ação
ação haste dupla amortecedores
com retorno por
reguláveis
ROTATIVOS: mola

Motor hidráulico Motor hidráulico Motor hidráulico Motor


com com com sentido oscilante
deslocamento deslocamento duplo de rotação
fixo variável 174
Símbolos de válvula direccional

Válvulas básicas

2 posições

3 posições

4 posições

Posições fixas Infinitas posições

Vias e fluxo
4 portas 5 portas

Fluxo Tande Fechado


Fechado

Fluxo Fluxo aberto Fluxo

Fluxo cruzado Fluxo duplo Fluxo fechado

Fonte: Parker Hannifin Ind. Com. Ltda. 175


Símbolos hidráulicos

Fonte: Parker Hannifin Ind. Com. Ltda. 176


VÁLVULAS DE CONTROLE DE PRESÃO

177
VÁLVULAS DIRECIONAIS

SIMBOLOGIA DESIGNAÇÃO COMPOSIÇÃO

A
3/2 3 vias e 2 posições – NF

o número de retângulos
P T
indicam a quantidade de
posições da válvula
A

2/2 2 vias e 2 posições - NA


P

A B

4/2 4 vias e 2 posições

P R

178
VÁLVULAS DIRECIONAIS

SIMBOLOGIA DESIGNAÇÃO COMPOSIÇÃO


A
3/2 3 vias e 2 posições –
NA

P T

A
2/2 2 vias e 2 posições -
NF

ONDE:

As setas
Representa o
representam o
bloqueio do Representam as
fluxo de óleo fluxo posições
179
VÁLVULAS DIRECIONAIS

2/2 VIAS N.F

180
VÁLVULAS DIRECIONAIS

P T
3/2 VIAS N.F

181
VÁLVULAS DIRECIONAIS

A B

P T

4/2 VIAS N.A

182
Válvulas direcionais

183
184
185
186
VÁLVULA REGULADORA DE FLUXO
Função: Reduzir a vazão em uma linha do sistema.

B A B

Simbologia
A

187
VÁLVULA DE RETENÇÃO
Função: Impedir o fluxo de óleo em um determinado sentido.

Simbologia

188
Válvulas de Pressão:
A Válvula pode Assumir Várias Posições, entre os Limites de Totalmente
Fechada a Totalmente Aberta

•LIMITADORAS DE
PRESSÃO.
•REDUTORAS DE PRESSÃO.
•DESCARGAS DE BOMBAS.
•SEQÜÊNCIA
OPERACIONAL.
•CONTROLADORAS DE
CARGA.
•CONTROLADORAS DE
CHOQUE

Totalmente Fechada Totalmente Aberta

Simbologia

189
VÁLVULA REGULADORA DE PRESSÃO, DE
ALÍVIO OU DE SEGURANÇA

Função: Limitar a pressão do sistema a um valor constante.

Simbologia

190
ACUMULADOR
Função: Acumular pressão hidráulica, uma vez que esta pressão pode
ser liberada para ser convertida em energia hidráulica caso ocorra queda
de pressão no sistema.

Os acumuladores são
basicamente de 3 tipos:
•carregados por peso,
•carregados por mola,
•hidropneumáticos.

Fonte: Parker Hannifin Ind. Com. Ltda. 191


SIMBOLOGIA DE ACUMULADORES

Acumulador por Acumulador por gás Acumulador por


Acumulador por Acumulador por gás
peso com pistão gás (genérico)
mola com membrana

Recomendações como devemos trabalhar com o sistema que trabalha com


acumuladores:
Nunca trabalha com as haste em finais de cursos.
Exemplo : Levantar um implemento em final curso e manter, ou baixar totalmente
o implemento.

Fonte: Parker Hannifin Ind. Com. Ltda. 192


ACUMULADOR
Função: Acumular pressão hidráulica, uma vez que esta pressão pode ser
liberada para ser convertida em energia hidráulica caso ocorra queda de
pressão no sistema.

SIMBOLOGIA DE ACUMULADORES

bexiga

fluxo de
Acumulador tipo fluido
diafragma Acumulador tipo
Acumulador por gás Acumulador por
bexiga gás (genérico)
com membrana
Algumas dessas funções são:
• Manter a pressão do sistema;
• Desenvolver o fluxo no sistema;
• Absorver choques no sistema;
• Absorver o aumento da pressão causado pela expansão térmica;
• Emergência para manter a pressão do sistema ou movimentar o atuador.
Fonte: Parker Hannifin Ind. Com. Ltda. 193
Acumuladores carregados por peso
Um acumulador carregado por peso aplica uma força ao
líquido por meio de carga com grandes pesos. Como os
pesos não se alteram, os acumuladores carregados por
peso são caracterizados pela pressão, que é constante
durante todo o curso do pistão.

Os pesos utilizados nos acumuladores podem ser feitos


de qualquer material pesado como: ferro, concreto, ou
mesmo água (acondicionada).

Uso em equipamento agrícola são mínimos por causa


dos pesos.

Fonte: Parker Hannifin Ind. Com. Ltda. 194


Acumuladores carregados a mola

Um acumulador carregado por mola consiste em:


Carcaça de cilindro, pistão móvel e mola. A mola aplica a força ao pistão, o
que resulta na pressão do líquido. Conforme o líquido é bombeado para
dentro do acumulador carregado por mola, a pressão no reservatório é
determinada pela taxa de compressão da mola. Em alguns acumuladores
deste tipo, a pressão da mola pode ser ajustada por meio de um parafuso de
regulagem, trabalhando assim com uma pressão variável. Os acumuladores
carregados por mola são mais flexíveis do que o tipo carregado por peso.
Eles são menores e podem ser montados em qualquer posição.
195
Fonte: Parker Hannifin Ind. Com. Ltda.
Acumuladores hidropneumáticos
• O acumulador hidropneumático é o tipo mais comum de acumulador usado
na hidráulica industrial. Esse tipo de acumulador aplica a força do líquido
usando um gás comprimido, que age como mola, trabalhando também com
uma pressão variável.
• Por se tratar de um gás inerte o nitrogênio não oferece perigo com relação as
explosões originadas de uma pressão excessiva e consequentemente
aumento de temperatura, além de ser compatível com diversos tipos de
elastômeros do elemento flexível.

• Os acumuladores hidropneumáticos estão divididos nos tipos:


• pistão,
• diafragma e bexiga.
• O nome de cada tipo indica a forma de separação do líquido do gás.

Nota: Em todos os casos de acumuladores hidropneumáticos de aplicação


industrial, o gás usado é o nitrogênio seco. Ar comprimido não pode ser
usado por causa do perigo de explosão, devido a mistura vapor ar óleo.

Fonte: Parker Hannifin Ind. Com. Ltda. 196


Acumuladores tipo pistão

O acumulador tipo pistão consiste de carcaça e


pistão móvel.
O gás que ocupa o volume acima do pistão fica
comprimido conforme o líquido é inserido com
força na carcaça.
Quando o acumulador fica cheio, a pressão do
gás se iguala à pressão do sistema.

Fonte: Parker Hannifin Ind. Com. Ltda. 197


Acumuladores tipo diafragma

O acumulador do tipo diafragma


geralmente tem uma forma esférica
divida em dois hemisférios de metal,
que são separados por meio de um
diafragma de borracha sintética.
O gás ocupa uma câmara e o líquido
entra na outra.

Fonte: Parker Hannifin Ind. Com. Ltda. 198


Acumuladores tipo bexiga

O acumulador tipo balão consiste de uma


bexiga de borracha sintética dentro de
uma carcaça de metal. A bexiga é enchida
com gás comprimido.
Uma válvula do tipo assento, localizada no
orifício de saída, fecha o orifício quando o
acumulador está completamente vazio e
evita que a bexiga seja extrudada para o
sistema.

Fonte: Parker Hannifin Ind. Com. Ltda. 199


TUBULAÇÕES HIDRÁULICAS
TIPOS:

•Rígidas (tubos de aço sem costura);

•Flexíveis (mangueiras de borracha com reforço).

Fonte: Parker Hannifin Ind. Com. Ltda.


200
TUBULAÇÕES HIDRÁULICAS

Fonte: Parker Hannifin Ind. Com. Ltda. 201


Mangueiras

MANTER SEMPRE OS
MESMO DIÂMETRO DAS
MANGUEIRAS E
CAPACIDADE DE
PRESSÃO.

Mangueira: mede-se pelo diâmetro


interno real.

As mangueiras hidráulicas tem o diâmetro interno padronizado por “BITOLA” em


função de 1/16” da polegada, por tanto quando encontrar a marcação -6 significa
6/16” que é igual a 3/8” que corresponde ao diâmetro interno da mangueira.
202
Tipos de fluxos

Laminar: as camadas de fluido se deslocam paralelamente umas às outras.


Nesse tipo de fluxo, a velocidade do fluido aumenta na medida em que se
afasta das paredes do tubo, ou seja, a velocidade máxima é atingida pela cama
central do fluido.

Turbulento: as camadas de fluido se deslocam de maneira aleatória, umas em


relação às outras

203
A Mudança na Direção do
Fluido gera Calor
• Em uma linha de fluxo de fluido há
geração de calor sempre que o fluido
encontra uma curva na tubulação.

• O fator gerador do calor é o atrito


provocado pelo choque das
moléculas que se deparam com o
obstáculo da curva.

• Dependendo do diâmetro do cano,


um cotovelo de 90° pode gerar tanto
calor quanto vários metros de cano.

204
EXEMPLO DE CIRCUITO HIDRÁULICO

1. _________________________

2. _________________________

3. _________________________

4. _________________________

5. _________________________

6. _________________________

7. _________________________

8. _________________________
9
9. _________________________
205
• Duvidas

• Sugestões

207
Obrigado

Instrutor: Thiago Luiz de Paiva Gonçalves

E-mail: Thiago.goncalves@sp.senai.br

208
VAZÃO (L/min)

RESERVATÓRIO

BOMBA

209

Você também pode gostar