Você está na página 1de 38

UNIG

2020/2

Politicas Públicas
e administração
em Odontologia

Prof.ª Dr.ª Mara Rúbea


Tinoco
A Saúde na Constituição de 1988

A constituição de 1988 reconhece


em seu artigo 196 que a “Saúde é
direito de todos e dever do
ESTADO, garantida mediante
politicas econômicas e sociais que
visem a redução do risco de
doença e de outros agravos e ao
acesso universal e igualitário as
ações e serviços para sua
promoção, proteção e
recuperação.
A importância do SUS para população
70 a 75% da população brasileira depende
exclusivamente do SUS (150 milhões de
pessoas) para seus cuidados de saúde.

25 a 30% possuem coberturas privadas,


mas utilizam também o SUS: transplantes,
medicação de alto custo, atendimentos de
emergência, vacinas, tratamento Aids,
entre outros.
Legislação Básica do SUS

Decreto 7508/2011
Lei 8080/90 Dispõe sobre as regiões
de saúde e as Redes de
Saúde na perspectiva Atenção a Saúde - RAS
ampliada e entendida como que são Arranjos
direito; LEI 8080/90
organizativos de ações e
serviços de saúde
Organização e objetivos do articulados de forma
SUS complementar, tendo a
Princípios e diretrizes do Atenção Básica eixo
Base legal central.
SUS;

DEC.
LEI 8142/90
7.508/2011

Lei 8142/90
Dispõe sobre a participação popular na gestão do SUS e sobre as transferências intergovernamentais de recursos
para o SUS.
SUS-Lei 8080
• Conjunto de ações e serviços de saúde, prestados
por órgãos e instituições públicas federais, • Planejamento e assistência às
estaduais e municipais, direta ou indiretamente pessoas por intermédio de ações
de promoção, proteção e
recuperação da saúde, com a
realização integrada das ações
assistenciais e das atividades
preventivas.

Definição Objetivos

Prestação
Organização de serviços
dos serviços pelo setor
privado

• De forma complementar por


• De meio de contrato ou
forma regionalizada e convênios onde prevaleça o
hierarquizada interesse publico.
SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE

Princípios doutrinários
Filosofia do conceito de saúde e da
ideia de direito à saúde.

Princípios organizativos
Orientam a forma como o sistema
deve funcionar.
O Sistema Único de Saúde-Princípios e Diretrizes

Participação Descentralização
Popular e Comando Único

Universalidade
Equidade
Integralidade

Regionalização e
Resolutividade
Hierarquização
Princípios do SUS

UNIVERSALIDADE
Princípios do SUS
Princípios do SUS

Equidade

assegura que a disponibilidade dos serviços de


saúde considere as diferenças entre os diversos
grupos de indivíduos.
Equidade Igualdade

Tratar
Justiça desigualmente os
desiguais
O Desafio da Equidade
O Desafio da Equidade
BRASIL: Um país desigual que escolheu construir um sistema
universal de saúde
Princípios do SUS

INTEGRALIDADE

Entende cada pessoa como um ser indivisível,


bem como as ações de promoção, proteção e
recuperação da saúde.

As unidades prestadoras de serviço também


formam um todo indivisível.
INTEGRALIDADE

A PROMOÇÃO de saúde supõe uma concepção que não restrinja a saúde à


ausência de doença, mas que seja capaz de atuar sobre seus determinantes.
Incidindo sobre as condições de vida da população, extrapola a prestação de
serviços clínico-assistenciais, supondo ações intersetoriais que envolvam a
educação, o saneamento básico, a habitação, a renda, o trabalho, a alimentação,
o meio ambiente, o acesso a bens e serviços essenciais, o lazer, entre outros
determinantes sociais da saúde.
(Pereira et al., 2000).

A PROTEÇÃO da saúde deve limitar a incidência de doença mediante o controle


de suas causas e fatores de risco; envolve medidas de esforços pessoais e
comunitários; a imunização, a pasteurização do leite, a cloração da água, o uso
de preservativos, etc...

Na atualidade, no Brasil, as vigilâncias sanitária, epidemiológica, ambiental, e em saúde do trabalhador


constituem práticas sanitárias que, em seu conjunto, visam promover, prevenir e proteger a saúde da
população.
Princípios Organizativos do SUS
ou Diretrizes

Descentralização e comando único


Regionalização e hierarquização
Participação Popular
Resolutividade
Descentralização e comando único

É entendida como uma redistribuição das


responsabilidades sobre ações e serviços de saúde entre
os vários níveis de governo, a partir da ideia de que
quanto mais perto do problema a decisão for tomada,
mais chance haverá de acerto.

Abre caminho para Municipalização da saúde.

Aos Municípios cabe, portanto, a maior responsabilidade


na implementação das ações de saúde diretamente
voltados para os seus cidadãos.
Descentralização e comando único

Govern
o
federal

Responsabilidad
e distribuída

Govern Governo
o municipa
estadual
l
Descentralização

MUNICÍPIO
Regionalização e Hierarquização
Regionalização Hierarquização

Área geográfica limitada


AT

AS

Distribuição da população

AB

Acesso aos serviços de saúde


Regionalização
ATENÇÃO PRIMÁRIA A SAÚDE OU ATENÇÃO BÁSICA

A Atenção Primária à Saúde (APS) é o PRIMEIRO NÍVEL DE ATENÇÃO em saúde e


se caracteriza por um conjunto de ações de saúde, no âmbito individual e
coletivo, que abrange a promoção e a proteção da saúde, a prevenção de
agravos, o diagnóstico, o tratamento, a reabilitação, a redução de danos e a
manutenção da saúde com o objetivo de desenvolver uma atenção integral que
impacte positivamente na situação de saúde das coletividades.
Trata-se da PRINCIPAL PORTA DE ENTRADA do SUS e do centro de comunicação
com toda a REDE DE ATENÇÃO DOS SUS, devendo se orientar pelos princípios
da universalidade, da acessibilidade, da continuidade do cuidado, da
integralidade da atenção, da responsabilização, da humanização e da equidade.
Ministério da Saude,2020
Hierarquização

Os serviços de Hospital
saúde são divididos

Contra - Referência
em níveis de
complexidade

Referência
clínicas de clínicas de
crescente; especialidade
especialidade
Utiliza-se um fluxo
de referência e
Unidades Unidades Unidades Unidades
contra referencia;
Básicas Básicas Básicas Básicas
os serviços devem
estar disponíveis
mais próximos do Regionalização e
cidadão; Hierarquização
Hospital

Contra - Referência
Referência
clínicas de clínicas de
especialidade especialidade

Unidades Unidades Unidades Unidades


Básicas Básicas Básicas Básicas
REGIÕES DE SAUDE E REDES DE ATENÇÃO A SAUDE
DECRETO 7508/2011
REGIÕES DE SAUDE E REDES DE ATENÇÃO A SAUDE
DECRETO 7508/2011
REGIÕES DE SAUDE E REDES DE ATENÇÃO A SAUDE
DECRETO 7508/2011
REGIÕES DE SAÚDE E REDES DE ATENÇÃO A SAÚDE(Decreto 7.508/11)

Região de Saúde Redes de Atenção a saúde


ESPAÇO GEOGRÁFICO contínuo constituído por Organização do sistema regional , que deve
agrupamentos de Municípios limítrofes, delimitado a manter serviços de diversos níveis de
partir de identidades culturais, econômicas e sociais e complexidade técnico-sanitária, garantindo
de redes de comunicação e infraestrutura de transportes robustez tecnológica à rede mediante o
compartilhados, com a finalidade de integrar a somatório de serviços dos entes federativos.
organização e o planejamento de ações e serviços de Serviços que se espraiam no sentido de
saúde. permitir que diversos municípios deles se
utilizem e outros que devem se concentrar
Cabendo ao Estado a instituição da região de saúde, em para ganhar escala. Em geral, os serviços de
comum acordo com os municípios, será necessária a menor densidade tecnológica, como os de
existência de um mínimo de ações e serviços de: atenção primária à saúde, devem ser
I – atenção primária; dispersos; ao contrário, os serviços de maior
II – urgência e emergência; densidade tecnológica, como hospitais,
III – atenção psicossocial(CAPS) unidades de processamento de exames de
IV – atenção ambulatorial especializada e hospitalar; e patologia clínica, equipamentos de imagem
V – vigilância em saúde. etc. tendem a ser concentrados.
REGIÃO
REDES DE ATENÇÃO A SAUDE DE SAÚDE
RAS

Promoção
Proteção
Diagnostico Tratamento
Níveis de cuidado
Integralidade
Atenção
quaternária
Níveis de atenção ou Atenção
densidade tecnológica terciaria
Atenção
Atenção secundaria
primaria
Participação Popular no SUS(lei 8142)

Conferências de saúde
Conferências de Saúde
(Federal,Estadual,Municipal )
São as instâncias máximas de formulação e
deliberação de políticas de saúde, devendo
ocorrer periodicamente e definir as Governo
P
prioridades e linhas de ação sobre a saúde. A
R
Trabalhadores da
I Usuários saúde
T
Conselhos de saúde A 50% Prestadores de
Tem representação paritária de usuários, R serviços
governo, profissionais de saúde e I
A
prestadores de serviços, com poder 50%
deliberativo, fiscalizador e caráter
permanente. Conselhos de Saúde
(Federal,Estadual,Municipal )
Resolutividade

Resolutividade
É o entendimento de que quando um indivíduo
busca o atendimento ou quando surge um
problema de impacto coletivo sobre a saúde, o
serviço correspondente esteja capacitado para
enfrenta-lo e resolvê-lo até o nível de sua
complexidade
Financiamento do SUS
Lei nº 141, de 2012- Emenda Constitucional 29

ESTADO 12%

UNIÃO
MUNICIPIO (Federal)
15% VARIAÇÃO
DO PIB

FINANCIAMENTO
SUS
Quem comanda o SUS- Gestão

Esfera

Municipal Estadual Federal

Promoção
Coordenação Liderança dos
serviços de
Integração e promoção ,proteção
desenvolvimento dos e recuperação
serviços municipais

Proteção

Formulação
Recuperação coordenação e
controle da Politica
Nacional de Saúde
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

PEREIRA, I. M. T. B., PENTEADO, R. Z., MARCELO, V. C. Promoção de


saúde e educação em saúde: uma parceria saudável. O mundo da
saúde, ano 24, v.24, n.1, p.39-44, 2000.

SANTOS,L.Região de saúde e suas redes de atenção: modelo organizativo-


sistêmico do SUS. Ciênc. saúde colet. 22 (4) Abr. 2017 .Disponível em: https://
doi.org/10.1590/1413-81232017224.26392016 acesso em 20/08/2020
DÚVIDAS ?????

Você também pode gostar