Você está na página 1de 72

Avaliação Psicopedagógica - TDAH

Instrumentos e Técnicas

Alessandra Soares Barbosa de


Oliveira
Psicóloga - Neuropsicóloga - Pedagoga - Psicopedagoga
CRP 04/59919
alessandraneuropsi2020@gmail.com
Insta – Alessandra S. B. Oliveira
Aula 1
CONCEITOS E OBJETIVOS DA AVALIAÇÃO
PSICOPEDAGÓGICA
Avaliação Psicopedagógica

• O psicopedagogo tem como objetivo principal correlacionar as alterações observadas


no comportamento da criança com possíveis áreas envolvidas, realizando,
essencialmente, um trabalho de investigação da aprendizagem e de possíveis
diagnósticos com percepção clínica e pedagógica e propor soluções, intervenções e
adaptações necessárias . Utilizando a observação, tarefas, testes e escalas
específicas.

A partir da Avaliação é possível:


• Compreender o funcionamento dos processos cognitivos, emocionais e
comportamentais da criança.
• Comparar os desempenhos nas tarefas realizadas com crianças da mesma idade,
sexo e nível escolar e também com o próprio desempenho.
O que norteia os pedidos de avaliação:
 Auxílio diagnóstico
• Identificação e delimitação do quadro.
• Qual o problema e como ele se apresenta e o quanto existe de disfunção.
• Diagnóstico diferencial

 Prognóstico:
• Estabelecer o curso da disfunção e o impacto que uma desordem terá a
longo prazo.
• Mapear forças e fraquezas cognitivas
O que norteia os pedidos de avaliação
 Orientação para o tratamento:
• Pode contribuir para escolhas ou mudanças nas intervenções

 Auxílio para o planejamento da reabilitação:


• Promove um “mapa” para orientar quais funções devem ser reforçadas ou
substituídas por outras.
• Impactos na aprendizagem e na formação do conhecimento
• Propostas pedagógicas para estimulação e adaptações
Procedimentos
 Entrevista inicial e anamnese com os pais/responsáveis
Contato com a escola
Conversa com outros profissionais
Observação comportamental
Questionários e escalas
Aplicação de tarefas e testes
Análise dos testes e integração de resultados (quantitativa,
qualitativa e hipótese diagnóstica)
Devolutiva do relatório e aconselhamento/orientações
Raciocínio Clínico
• Muita cautela ao montar o raciocínio;
• Atenção às queixas e observações comportamentais;
• Conhecimento sobre diagnóstico e critérios (TDAH, Autismo,
Dislexia...)
• Qual ou quais suspeitas?
• Que testes, tarefas devo usar?
• Quais funções cognitivas e aspectos clínicos preciso avaliar?
Domínios Cognitivos
• Processos mentais envolvidos na capacidade de armazenar,
transformar e aplicar o conhecimento. É portanto, constituída de
diversos processos mentais, chamados domínios cognitivos.

Inteligência

Funções Velocidade de
Memória Atenção Linguagem Praxias Percepção
Executivas Processamento
Queixas mais comuns na avaliação da
criança e do adolescente
TDAH
Diagnósticos mais presentes
Avaliação psicopedagógica infantil

 Particularidades:

• Vínculo com a criança– rapport e


confiabilidade
• Importância da investigação em
múltiplos contextos
• Contato com outros profissionais
• Conhecimentos dos possíveis
encaminhamentos
• Formação de redes de profissionais
• Mostrar segurança e flexibilidade
Estatística
População
• Teste é essencialmente uma medida objetiva e
padronizada de uma amostra de comportamento.
(Anastase e Urbina, 1977)

Amostra
 Normas baseadas em uma amostra

 Interpretação com referência na norma:


Uma forma de dar significado ao escore e comparando
com o desempenho que outras pessoas tiveram no
mesmo teste.
Normas americanas X brasileiras
Testes
• Testes são ferramentas padronizadas de observação, as quais foram
validadas para mensuração de um determinado construto e normatizado
para um referencial populacional.

Performance of Brazilian children on phonemic and


semantic verbal fluency tasks
Helenice Charchat-Fichman   Rosinda Martins Oliveira 
Andreza Morais da Silva  
Distribuição Desvio Padrão
 Teste X
É uma medida que expressa o grau
Desempenho de dispersão de um conjunto de
dados. Ou seja, o desvio padrão
indica o quanto um conjunto de
dados é uniforme. Quanto mais
próximo de 0 for o desvio padrão,
mais homogêneo são os dados.
Percentil
 Percentil: modo ordinal de apresentação dos escores.
 Indica a porcentagem de pessoas que obtiveram um resultado igual ou inferior a
determinado escore bruto de normatização.
Ex: se escore bruto corresponde ao percentil 60, indica que 60 % das pessoas do grupo
de referência obtiveram um desempenho inferior ao da pessoa.
 De acordo com o manual dos testes, quando não houver sugestão de interpretação,
utilizar a referência abaixo:

Percentil < 25 = inferior


25 < Percentil < 75 = Médio
Percentil > 75 = Superior
Tabela para interpretação em Percentis
Pontuação do Percentil Classificação Interpretação

0a2 Deficitário Prejuízo grave

3a9 Limítrofe Prejuízo moderado

10 a 24 Média Inferior Prejuízo leve

25 a 74 Média Preservado

75 a 90 Média Superior Facilidade

91 a 97 Superior Potencialidade

98 a 100 Muito Superior Alta habilidade


Situação de Testagem
Ambiente Físico
• O local deve ser bem iluminado, silencioso, livre de distrações e
interrupções.
• Mesa deve ser confortável e apropriada ao tamanho do examinando.

Rapport
• Estabelecer e manter o rapport é fundamental para estimular o
examinando a cooperar e se esforçar durante a aplicação.
Situações de Testagem
• Adote uma postura cordial e respeitosa.
• Explique sobre a situação de testagem.
• Forneça as instruções claramente.
• Evite falar a função cognitiva que o teste está avaliando.

Ex: Este é um teste de atenção!

• Domine o instrumento utilizado.


Situação de testagem

• A cadeira deve ser confortável;


• O indivíduo deve ser capaz de se posicionar confortavelmente na
cadeira e alcançar a mesa sem esforços.
• Ter disponível e de fácil acesso os materiais a serem utilizados ou
materiais para reposição
Situação de testagem
• Manter sobre a mesa apenas o material
necessário.
• Manter a caixa e os instrumentos que não estão
sendo utilizados fora da visão do examinando
para que ele se concentre no que está fazendo.
• Proteger o protocolo de registro para que não
seja visto pelo examinando.
• Usar uma prancheta para anotações.
• Informar ao examinando que suas respostas
serão anotadas.
Aula 2
ANAMNESE E
Entrevista Inicial e Anamnese
• O psicopedagogo como um Sono

investigador

Aprendizagem Queixa Alimentação

Comportamento
Entrevista Inicial e Anamnese
• Fase importante da investigação.
• Devem ser buscadas as informações essenciais ao caso.
• Presença somente dos pais e /ou responsáveis.
• Fazer perguntas que sugiram respostas descritivas
Anamnese
1 – Cadastro
• Nome:
• Sexo:
• Data de Nascimento: Idade: ____ meses____
• Escolaridade:
• Escola:
• Nome do pai: idade: _____________ Escolaridade: ______________
• Profissão:
• Nome da mãe: idade: _____________ Escolaridade: ______________
• Profissão:
• Irmãos (idade/sexo)
• Informante:
Anamnese
2 - Queixa principal:
O que trouxe a família e o paciente?
Qual o motivo da solicitação?
Quais alterações cognitivas e /ou comportamentais que originaram a demanda para a avaliação?

3 – Evolução:
Quando os sinais começaram?
Houve algum evento concomitante com o início dos sintomas?
Como é o histórico escolar? (notas, desempenho, comportamento, em sala, no recreio e aulas
especializadas, socialização)
Perguntar sobre o desempenho em cada série para parametrizar o inicio da percepção das
dificuldades, acentuação das queixas...
A técnica de uma linha do tempo facilita a visualização e descrição do caso.
Anamnese
 4 - História do desenvolvimento
• Idade da mãe quando o paciente nasceu
• Caracterizar acompanhamento pré-natal e possíveis problemas (registrar a
frequência, possível etiologia e em que estágio da gravidez ocorreu,
sangramentos, vômitos, febre, ameaça de aborto ou contrações precoces,
doenças infectocontagiosas, hospitalizações durante a gravidez...)
• Investigar tentativa de abortamento
• Uso de medicamentos
• Uso de álcool, tabaco ou outro tipo de droga (quando e com que
frequência)
• Duração da gravidez em semanas.
Anamnese
Parto:
• Ocorrência de algumas complicações durante o parto;
• Precisou de algum cuidado especial na maternidade?
• Apgar
• Investigar problemas emocionais maternos no parto e uso de medicamentos.
Marcos do desenvolvimento
• Tônus corporal
• Resposta Social
• Andar
• Falar
• Completar frases inteiras
• Realizar autocuidado
Anamnese
 Moradia e ambiente familiar (quarto próprio, espaço para estudos, exposição à
violência, discordâncias em relação a educação da criança).
 Independência (alimentação, trocar de roupa, tomar banho, manipular dinheiro, etc.)
 Estressores importantes pregressos ou atuais:
• Conflitos parentais
• Mudanças de cidade/casa/escola
• Vítimas de maus tratos (físico, psíquico, sexuais, negligência)
• Experiências traumáticas
• Situações de risco social
• Conflitos com a lei
• Uso de substâncias psicoativas
Anamnese
 5 – Outros profissionais:
Quais outros profissionais já foram visitados?
O que fizeram? O que concluíram?
Laudos, relatórios, exames.
• Importante manter contato com os profissionais visitados e usuais do
paciente para discussão de informações necessárias e resultados.
• Perguntar especificamente sobre profissionais como fonoaudiólogo,
psicopedagogo, psicólogo, psiquiatra, neuropediatra, endocrinologista,
oftalmologista, otorrino, nutricionista, geneticista, fisioterapeuta,
terapeuta ocupacional, dentista e pediatra.
Anamnese
 6 - Estado cognitivo geral:
• Alterações cognitivas/comportamentais perceptíveis no dia-a-dia?
• Alterações presentes em outros ambientes sociais frequentados?
• Quais alterações mais frequentes?

 Deixar que expliquem no popular as alterações e/ou dificuldades


apresentadas pelo paciente.
Anamnese
 7 - Estado de saúde básico:
• Quadros clínicos?
• Doenças crônicas ou tratamento contínuo?
• Doenças agudas recentes ou durante o
desenvolvimento?

O estado de saúde geral do paciente é um


importante
influenciador no seu estado cognitivo.
Anamnese
 Sistema sensorial básico:
• Visão
• Audição

Sistema motor básico:


• Membros superiores e tronco
• Fraturas

Alimentação
Sono
8 – Substâncias em uso ou uso pregresso:
• Tabaco
• Álcool
• Drogas Ilícitas:
• Maconha
• Cocaína
• Crack
• LSD
• Etc.

9 – Medicação em uso:
• Para qual quadro;
• Qual a dosagem;
• Efeitos colaterais
• Melhora de sintomas previstos;
• Tempo de uso.
 9 - Exames:
• Tomografia computadorizada do crânio
• Ressonância magnética do encéfalo
• Eletroencefalograma.

 10 – Histórico familiar:
• Doenças genéticas
• Transtornos psiquiátricos
• Doenças neurológicas e neurodegenerativas
• Quadros cardíacos
• Quadros metabólicos (hipo e hipertiroidismo)
Aula 3
ATENÇÃO E FUNÇÕES EXECUTIVAS
TAREFAS,TESTES E ESCALAS
Atenção
Flexibilidade Cognitiva
Controle Inibitório
Velocidade de Processamento
Memória Operacional
Funções Executivas
FUNÇÕES EXECUTIVAS

Processos cognitivos relacionados ao comportamento


intencional e de crucial importância para a nossa
adaptação em diferentes contextos do dia a dia.

Elas envolvem uma série de processos que atuam de


forma paralela e nos permitem identificar objetivos,
selecionar formas de alcançá-los, eleger a melhor
forma e implementá-la.

Capacita-nos a monitorar comportamentos


implementados ao longo do tempo, avaliando sua
eficácia, modificando-o ou interrompendo-o no caso
de necessidades de ajuste.
Testes e Tarefas - Psicopedagogo

• EOCA
• Caixa Lúdica
• Caixa Sensorial
• Caixa Motora
• Tarefas e testes executivos ( Stroop, FAS,
Torre de Londres, Trilhas, TAC/Seabra)
• Escalas (SNAP-IV, ETDAH Infantil)
Caixa Lúdica
Sugestões de brinquedos:
• De montagem, empilhagem
• Carrinhos pequenos , aviões, caminhões
• Brinquedo tipo lego
• Brinquedos estilo pião, piano musical
• Bonecos de personagens
• Bonecos de família/feltro
• Jogos de tabuleiro e estratégicos
Caixa sensorial
Caixa Motora
Stroop Test – Versão Victória

• O Stroop Test foi desenvolvido por Stroop em 1935 e possui várias


versões, entre elas, a versão Victoria, criada por Perret em 1974.
• A vantagem dessa versão é sua aplicação rápida e o fato de ser bastante
sensível a distúrbios do Lobo Frontal.
Stroop Test – Versão Victória

• Ele se propõe a medir a facilidade, com que uma pessoa pode


mudar seu ponto de vista, conforme vão mudando as exigências e
controlar uma resposta habitual, em favor de uma resposta não
usual.

Avalia: Atenção, resistência à interferência, impulsividade, é um


teste frontal (executivo). Avalia também a flexibilidade do
pensamento. É um teste bastante sensível a distúrbios do lobo
frontal.

• O teste consiste, na apresentação de três cartelas, em que o


paciente deverá dizer o nome das cores o mais rápido que puder.
Stroop Test – Versão Victória
• Informe ao paciente que se caso errar e perceber que errou corrigir na hora, e
seguir em frente.
• Se perceber o erro depois que passou a palavra, não volte para corrigir. Apenas
siga em frente.
• Se o paciente pular para a coluna errada, redirecione e continue.
• Começar a marcar o tempo assim que terminar de dar as instruções.
• Marcar o tempo separadamente para cada cartela e mesmo que o paciente erre
não desligar o cronômetro.
• Os erros corrigidos na hora pelo paciente são considerados acertos.
Stroop Test – Versão Victória
• Administração: Tempo total aproximadamente cinco minutos 
• 1a Cartela (cartela dos XXX)

“Fale para mim, o nome dessas cores o mais rápido que você puder.
Comece aqui na parte superior esquerda e vá seguindo as fileiras da
esquerda para a direita”. (O examinador deve mostrar a direção da leitura
para o paciente).

• OBS: marcar o tempo de cada cartela separadamente e anotar. Os


resultados devem ser comparados na tabela própria de acordo com a
idade do examinando.
Stroop Test – Versão Victória
• 2a Cartela (cartela das palavras nunca, cada)
“Dessa vez, quero que diga o nome das cores em que as palavras estão escritas o
mais rápido que você puder. Comece na parte superior esquerda e vá seguindo.
(Se for necessário pode dizer para nomear a cor em que as palavras estão
escritas).

3a Cartela (cartela que está escrito o nome das cores)


“Diga o mais rápido que você puder, o nome das cores em que as palavras estão
escritas”, não leia as palavras diga a cor em que estão escritas, seguindo a mesma
ordem da esquerda para a direita.
Trilhas
SEABRA
TAC – Teste de Atenção por Cancelamento
Torre de Londres
PROLEC – provas de avaliação dos
processos de leitura

Este instrumento é composto por 10 exercícios


e visa avaliar os diferentes processos e
subprocessos que interferem na leitura para
poder determinar os casos de dificuldades em
sua aprendizagem e ainda, quais são
responsáveis por essas dificuldades.
PROLEC – provas de avaliação dos processos de leitura

Instruções
• Aplicação: individual
• Âmbito de Aplicação: segundo ao quinto ano do ensino fundamental.
• Duração: Não tem tempo prefixado
• Análise: As provas são analisados por pontuação e por série escolar.
• Material: Manual, folha para registro, caderno de provas.
• Versão reduzida: Provas 2, 5,7, 10
Escalas

• SNAP IV
• ETDAH crianças
Fluência Semântica
(Categoria Animais)
Fluência Semântica - Animais
Fluência Semântica - Animais
Avalia:
Cão
Égua
A produção e fluência da linguagem por Gato
categoria semântica, atenção sustentada, Pato
organização, estratégia e perseveração. Baleia
Elefante
Girafa
Rinoceronte
A fluência por categoria semântica, está Jacaré
associada às áreas temporais mesiais. Tartaruga
Zebra
Veado
F.A.S – Fluência Fonêmica
FAS – Fluência Fonêmica
• Instruções:

Pedir ao paciente para falar, durante 1 minuto, palavras começadas com a letra F, vale
qualquer palavra, menos nomes próprios e palavras derivadas (para pacientes com
pouca escolaridade, dar as instruções com outras palavras ), fale o mais rápido Que
você puder, eu falo a hora de parar. Fazer a mesma coisa com a letra A e a letra S.

• Tempo: 1 minuto para cada letra.

• Escore: somar o número de palavras corretas em cada letra. Somar o total obtido
em todas as letras e observar a tabela própria.
FAS – Fluência Fonêmica
F A S
• O FAS é um teste executivo, muito
Faca Amor Sapo
sensível para disfunção frontal, Feliz Azedo Suor
especialmente a esquerda. Ele avalia Fazenda Amora Sujo
linguagem (fluência fonêmica), avalia funil Antigo simples
Ajudar
também: planejamento, organização, Amigo
julgamento, atenção sustentada.
Fluência Semântica - Animais
• Instruções: Pedir ao examinando que fale todos animais que
conseguir lembrar . Vale qualquer tipo de bicho.

• Tempo: um minuto é contado a partir do final do comando.

• Escore: O escore corresponde ao número de animais lembrados no


período de um minuto. Ver tabela própria.
Fluência Semântica - Animais
• Quando são lembrados animais cuja denominação de gênero é
semelhante como (por ex. gato e gata), um deles não é pontuado,
mas quando a denominação é diferente como (por ex. cavalo e
égua), ambos são pontuados.

• É pontuada a denominação genérica de subcategorias de animais,


por exemplo: peixe ou pássaro, mas se forem seguidas de
exemplos da classe como: tubarão, baleia, cancela a subcategoria
peixe e considera os exemplos que são em maior quantidade,
beija-flor, bem-te-vi, sabiá, cancela a subcategoria pássaro e
considera os exemplos.
Aula 4
DEVOLUTIVA E ORIENTAÇÕES
Relatório Psicopedagógico
• É um documento conciso, minucioso e abrangente, que busca relatar,
analisar e integrar os dados colhidos no processo de avaliação tendo
como objetivo apresentar possibilidades diagnósticas e/ou
prognóstico, para subsidiar ações, decisões ou encaminhamentos
Estrutura

1. Identificação
2. Descrição da demanda
3. Métodos e técnicas utilizadas
4. Conclusão
5. Orientações para a família
6. Orientações para a escola
7. Encaminhamentos e solicitações
8. Proposta de Intervenção
Estrutura
• Identificação: Descrição dos dados básicos do avaliado.
• Descrição da demanda: Motivos, queixas ou problemáticas
apresentadas, esclarecendo quais ações, decisões ou
encaminhamentos o Laudo deverá subsidiar.
• Métodos e técnicas utilizadas: Descrição dos recursos utilizados e dos
resultados obtidos.
• Conclusão: Síntese do diagnóstico e/ou prognóstico da avaliação
realizada e/ou encaminhamentos, necessariamente relacionados à
demanda.
Materiais para orientações e Intervenções

• Cartilhas da GLIA e PEARSON


• Manual de Diagnóstico – DSM 5
• Leis de adaptações nos diagnósticos – Sites do ministério da educação
governo estadual/federal
• Literatura atualizada sobre Psicopedagogia
Obrigada!!!

Você também pode gostar