Você está na página 1de 15

Projeto para uma

Educação Inclusiva
Feito por: Alaide Rebelo
Mestre em Psicologia da Educação
Escola Inclusiva
 É uma instituição de educação para Crianças e Adolescentes, que visa
trabalhar em áreas que são principais para o desenvolvimento socio cognitivo
e emocional, tendo como ferramentas a Educação a Arte e Recreação.

 Propõe se um espaço de preparação para vida, que encoraja os alunos a


construir activamente uma diversidade de percursos, de modo a tornarem-se
profissionais competentes e cidadãos responsáveis.
 O que se propõe neste modelo de educação, é que a escola seja um lugar
seguro, de interação, em que se maximiza as habilidades naturais de cada
aluno, olhando para cada membro de uma turma como uma unidade, única,
especifica e particular e nunca como um grupo de estudantes.

 Defende se também o verdadeiro sentido de inclusão, através da


acessibilidade para as crianças com os mais diferentes tipos de necessidades
especiais, e com as que não estão classificados como especiais por não terem
nenhuma dificuldade do fórum cognitivo e ou físico-motor, mas que também
merecem a mesma atenção e cuidado a sua educação.
 Missão

Oferecer uma educação inovadora para o futuro, que desperta a excelência


humana, que respeita a individualidade, académica e o desenvolvimento de uma
sociedade sustentável.
 Visão

Ser uma Escola de referência pela qualidade em educação cósmica e inclusiva,


reconhecida pelos resultados do processo de ensino – aprendizagem e
desenvolvimento humano.
 Valores

Ética, Relacionamento humano, Respeito à diversidade, Pluralismo de ideias,


Inovação, Criatividade e Sabedoria.
Metodologia
DESENHO UNIVERSAL PARA A APRENDIZAGEM

 O desenho universal para a aprendizagem (DUA), é uma abordagem


curricular que assenta num planeamento intencional, proativo e flexível das
práticas pedagógicas, considerando a diversidade de alunos em sala de aula.
Reconhecendo que a forma como cada aluno aprende é única e singular, uma
abordagem curricular única e inflexível não permite garantir oportunidades
de aprendizagem para todos os alunos.
 O desenho universal para a aprendizagem assenta em três princípios base,
que suportam um conjunto de orientações para tornar as salas de aula mais
acessíveis a todos os alunos:

(i) proporcionar múltiplos meios de envolvimento;


(ii) proporcionar múltiplos meios de representação
(iii) proporcionar múltiplos meios de ação e expressão.
Principio 1
 Proporcionar múltiplos meios de envolvimento (“o porquê” da aprendizagem)

Reconhecendo que os alunos diferem nos seus interesses e na forma como


podem ser envolvidos e motivados para a aprendizagem, os professores
organizam o processo de ensino e aprendizagem equacionando múltiplas
opções para envolver e motivar os alunos.
Principio 2
 Proporcionar múltiplos meios de representação (“o quê” da aprendizagem)
Considerando que os alunos diferem no modo como compreendem a informação, não
existe um meio de representação ideal para todos os alunos.
Cada turma é constituída por alunos que apresentam características diversas,
nomeadamente em termos de background cultural, de compreensão da informação, de
formas privilegiadas para aceder e processar a informação (auditiva, visual, cinestésica),
que traduzem necessidades diferentes de acesso aos conteúdos.
Assim, para tornar a informação acessível, é essencial fornecer múltiplas opções
relacionadas com a representação e apresentação da informação .
Principio 3
 Proporcionar múltiplos meios de ação e de expressão (“o como” da
aprendizagem)
Este princípio pressupõe que os alunos diferem no modo como podem
participar nas situações de aprendizagem e expressar o que aprenderam.
Por exemplo, a realização de atividades de escrita manual para alguns alunos
que apresentem limitações motoras pode constituir uma barreira à sua
participação e aprendizagem.
Assim, é necessário que o professor possibilite a utilização de processos e
meios diversificados que permitam a participação nas situações de
aprendizagem, bem como a manifestação das competências aprendidas.
Recursos específicos de apoio a
aprendizagem e inclusão
 Recursos específicos

As escolas devem mobilizar um conjunto de recursos específicos de apoio à


aprendizagem e à inclusão, nomeadamente, recursos humanos, recursos
organizacionais e recursos específicos existentes na comunidade, a fim de
responder a todos e a cada um dos alunos ao longo do seu percurso escolar,
nas diferentes modalidades de educação e formação.
 Recursos humanos específicos:

 Docentes de educação especial;

 Técnicos especializados;

 Assistentes operacionais (preferencialmente com formação específica).

 Recursos organizacionais específicos:

 Equipa multidisciplinar de apoio à educação inclusiva;

 Centro de apoio à aprendizagem;

 Escolas de referência no domínio da visão;

 Escolas de referência para a educação bilingue;

 Escolas de referência para a intervenção precoce na infância;

 Centros de recursos de tecnologias de informação e comunicação para a educação especial.


Ambientes físicos da escola
 A escola deve estar preparada para receber pessoas com qualquer tipo de
deficiência, seja motora, física ou mental. Dessa forma, o espaço físico também
deve ser inclusivo, por isso se faz necessária a construção de rampas de acesso,
a adaptação de casas de banho e salas de aulas, refeitório e áreas de lazer,
através da instalação de piso tátil e outras ferramentas que facilitem a rotina
desses estudantes.
 Alguns dos espaços necessários são:

 Salas de aulas em formato de grupos de 4;

 Sala de musica, arte, dança;

 Sala de habilidades do dia a dia (imita uma casa);

 Espaços de acolhimento e segurança;

 Sala de tecnologias;

 Espaços de apoio pedagógico e de gestão;

 Refeitório adaptado (cozinha acessível para os alunos);

 Espaços verdes para atividades ao ar livre.


Condições para eficácia da escola

 Garantir o apoio e o envolvimento das lideranças (corpo diretivo da escola);


 Organizar a equipa multidisciplinar de apoio à educação inclusiva e definir o
seu funcionamento;
 Programar reuniões regulares entre os envolvidos, isto é, pais e encarregados
de educação e equipe da escola;
 Determinar mecanismos de avaliação e de monitorização de performance das
equipes;
 Estabelecer parcerias.
Grata pela atenção dispensada

Você também pode gostar