NOVAS TECNOLOGIAS COMO FERRAMENTAS DE INCLUSÃO PARA ALUNOS SURDOS NO SÉCULO XXI

Tatiana Jácome Tork

A EDUCAÇÃO DO SURDO NOS SÉCULOS PASSADOS
‡ Durante a Antiguidade e até por quase toda a Idade Média, os surdos não eram considerados educáveis. ‡ Viviam isolados à margem das sociedades ‡ Relatos antigos referem-se ao surdo apenas pelas histórias milagrosas e inexplicáveis.

‡ O filósofo grego Sócrates perguntou ao seu discípulo Hermógenes: Suponha que nós não tenhamos voz ou língua, e queiramos indicar objetos um ao outro. Não deveríamos nós, como os surdos-mudos, fazer sinais com as mãos, a cabeça e o resto do corpo? Hermógenes respondeu: Como poderia ser de outra maneira, Sócrates? (Cratylus de Plato, discípulo e cronista, 368 a.C.)

a primeira escola pública para surdos "Instituto para Jovens Surdos e Mudos de Paris" fundada por Abade Charles Michel de L'Epée . na França.‡ Surge no século XVI.

Fundou a primeira escola de oralismo puro em Leipzig. inicialmente a sua escola tinha 9 alunos surdos. onde um grande valor era atribuído somente à fala.‡ Samuel Heinicke (1729-1790). . Pai do Método Alemão Oralismo puro iniciou as bases da filosofia oralista. Em 1778 . na Alemanha.

garganta. . dentes e palato. língua. criou um código de símbolos chamado "Fala visível" ou "Linguagem visível". para que os surdos repetissem os movimentos e os sons indicados pelo professor.‡ Professor de surdos. sistema que utilizava desenhos dos lábios. o célebre inventor do telefone Alexander Grahan Bell.

S. pelo professor surdo francês Ernet Hwet.). que veio ao Brasil a convite do Imperador D. hoje é o atual Instituto Nacional de Educação de surdos (I. a história da educação de surdos iniciouse com a criação do Instituto de Surdos-Mudos. Pedro II para trabalhar na educação e surdos .E.N. Fundado em 26 de setembro de 1857.‡ No Brasil.

a maioria dos estudiosos e pesquisadores da área defendem a Língua de Sinais como o meio mais eficaz de aprendizagem .A EDUCAÇÃO DO SURDO NO SÉCULO XXI ‡ Atualmente existem diversos métodos e técnicas pedagógicas para a educação dos surdos. ‡ Apesar de ainda permanecerem práticas como oralismo ou comunicação total.

assim como o ouvinte adquire a oralização ‡ A LIBRAS têm sido o meio mais eficiente para o processo de letramento do surdo .‡ A comunidade surda brasileira utiliza a LIBRAS Língua Brasileira de Sinais para se comunicar ‡ A LIBRAS é considerada a língua natural do surdo por ser adquirida de forma espontânea.

trabalhando com os diferentes usos da escrita na sociedade. ‡ O processo de Letramento é essencial no processo de inclusão do surdo. . ‡ Para Soares (2002). a apropriação da leitura e da escrita e a incorporação das práticas sociais que as demandam denomina-se letramento. letrar significa inserir a criança no mundo letrado. o surdo também precisa da aquisição da língua majoritária do país para ser incluído e sobreviver em meio a uma sociedade ouvinte e oralizada.‡ Além da aquisição da Língua de Sinais. ‡ Para Martins (2003).

A TECNOLOGIA COMO FERRAMENTA DE INCLUSÃO E APRENDIZAGEM .

as experiências demonstram a importância do estímulo visual para a comunicação e a informática fornece instrumentos poderosos que facilitam a autocorreção na construção e ou reconstrução de textos. permitindo ainda o desenvolvimento da autonomia do aluno em situação altamente promovedora de sua criatividade. Informática Educativa na Educação Especial .‡ Para o aluno surdo. 1998). (PINTO.

.‡ O computador está sendo foco de muito estudo na área educacional. como uma ferramenta didático-pedagógica para auxílio no ensino e na aprendizagem escolar.

que domine o entendimento de um maior número de crianças. não estabelecendo apenas um código. Pretende uma linguagem mais universal.‡ De acordo com FLEISCHMANN (2001a): A linguagem do computador facilita e amplia as possibilidades de comunicação entre as pessoas. um desenho para letras. linguagens e culturas . em diferentes tipos de sociedade. .

Algumas formas de utilização serão mais adequadas para o desenvolvimento de certas habilidades.‡ Segundo OLIVEIRA (1997b). Quase toda forma de utilização do computador por parte da criança deverá surtir algum benefício pedagógico. . algumas formas se adaptarão melhor à consecução de outros objetivos educacionais .

. a escola preocupa.‡ a utilização do computador pode ser para fins pedagógicos ou sociais. a escola utiliza o computador como ferramenta independente da abordagem. ‡ Para os fins sociais.se em repassar para os alunos alguns conteúdos tecnológicos. para complementos e sensibilizações disciplinares ou projetos educacionais. ‡ Para o fim pedagógico.

. utilizado para identificar todo o arsenal de recursos ou serviços capazes de proporcionar e/ou ampliar habilidades funcionais de pessoas portadoras de necessidades especiais. promovendo sua independência. qualidade de vida e sua inclusão social.TECNOLOGIAS ASSISTIVAS (TA) E AJUDAS TÉCNICAS ‡ TA é um termo ainda novo.

com o objetivo de permitir-lhe superar as barreiras da comunicação e da mobilidade e de possibilidade de sua plena inclusão social. sensoriais ou mentais da pessoa portadora de deficiência. . motoras. parágrafo único. É definida como os elementos que permitem compensar uma ou mais limitações funcionais. em seu artigo 19.‡ Ajudas técnicas está conceituada no Decreto 3298/1999.

ALGUMAS TECNOLOGIAS VOLTADAS PARA A SURDEZ ‡ TDD ou TS .

‡ CD´S E DVD´S .

vezdavoz.com.‡ TELELIBRAS (www.br) .

.

‡ RÁDIO EM LIBRAS .

.

‡ DICIONÁRIO DE LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS .

.

.

.

‡ SOFTWARE BILINGUE PARA SURDOS .

‡ AMBIENTE VIRTUAL E VÍDEO CONFERÊNCIAS .

O IMPLANTE COCLEAR ‡ TECNOLOGIA CRIADO A PARTIR DA ABORDAGEM CLÍNICA-TERAPÊUTICA DA SURDEZ ‡ VISA CORRIGIR A SURDEZ. TRATA-SE DE UMA PATOLOGIA ‡ A COMUNIDADE SURDA QUE DEFENDE A CULTURA E A IDENTIDADE SURDA NÃO ACEITA O IMPLANTE COCLEAR . JÁ QUE DE ACORDO COM A VISÃO A QUAL É INSERIDA.

.

BARTH. Software Descobrindo Emoções : Análise e Desenvolvimento de Modelos Mentais em Sujeitos com Autismo. Geórgia Arioli. Porto Alegre : Mediação. (2001). . (2004). (2005). Leitura e Surdez. (2001). Avaliação da leitura em alunos surdos. Lezi Jacques. Trabalho de Conclusão de Curso. Monografia. Elizabeth Oliveira Crepaldi de. Sérgio Roberto Kieling. Universidade Luterana do Brasil. BIAZÚS. Porto Alegre : Editora da UFRGS. Graduação.REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICA ALMEIDA. São Paulo : Revinter. Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul. Informática na educação: estudos interdisciplinares. Crianças no computador: desenvolvendo a expressão gráfica. Creice. FRANCO. Graduação. FLEISCHMANN. (2000).

Tradução Carlos Irineu da Costa. As tecnologias da inteligência. GÓES. (2002). Márcia. 2ª ed. Protocolo para avaliação de leitura em crianças deficientes auditivas. (1999). O que é o virtual?. Campinas : Autores Associados. Maria Cecília Rafael de. .M. LÉVY. São Paulo : Plexus. (1996). Tradução Paulo Neves. 2ª ed. Linguagem.. (2001).Universidade Federal de São Paulo. Escola Paulista de Medicina .‡ GAROLLA. São Paulo: Editora 34.P. 8ª ed. Pierre. São Paulo : Editora 34. L. ____________. 3ª ed. Surdez e Educação. (1999). B. CHIARI. Mestrado. o futuro do pensamento na era da informática. GOLDEFELD. A criança surda: Linguagem e cognição numa perspectiva sociointeracionista. Dissertação de mestrado.

(2001). SILVA. A informática e os problemas escolares de aprendizagem. Campinas : Graf. Rio de Janeiro : DP&A SIMÕES.ufsm. Disponível em: <http://www. Utilização de novas tecnologias educacionais nas escolas da rede estadual da cidade de Umuarama PR. José Armando. 2002 . Recursos da informática na organização e estruturação de textos escritos por alunos surdos. Informática na educação: novas ferramentas pedagógicas para o professor da atualidade. 4ª ed. ANTUNES.br/ce/revistahttp://www. Oliver. São Paulo: Companhia das letras. Ramon de. (2001). Alba Maria Lemme. VALENTE. WEISS. Sanmya Feitosa. (1998). (2000).pdf> Acesso em: 14/11/2005. Campinas : Papirus. Alfabetização de surdos: Apontando Desafios. Marília da Piedade Marinho. Dissertação de Mestrado em Educação.br/paginas/revista/espaco17/Reflexoes2. UFU.ines. TAJRA. São Paulo: Érica.ufs m.‡ ‡ PINTO. Disponível em: < http://www. Informática Educativa: Dos planos e discursos à sala de aula. Graciela. São Paulo : Plexus. OLIVEIRA. Sandra. (1997). Vendo Vozes: uma viajem ao mundo dos surdos. Viviane Augusta Pires. SACKS. A construção de sentidos na escrita do aluno surdo. 1998.org. Central da UNICAMP. Helenise. (1991). RODRIGUES. Liberando a mente: computadores na educação especial.br/ ce/ cader> Acesso em: 16/03/2005.

1997. ‡ SASSAKI. Disponível em < http://inf.br/artigo_ta.unisinos. R.‡ BERSCH. Disponível em <http://www. K. Rio de Janeiro: WVA.cedionline.com.Desafios e resultados de uma experiência na inclusão digital desurdos. et al. . R.br/~swm/PosterSBIE_2003> Acesso em: 21 abr.Introdução à tecnologia assistiva.html> Acesso em 22 abr.2007.2007. Inclusão: construindo uma sociedade para todos. ‡ SOUZA. C. V.

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful