Você está na página 1de 25

Prefeitura Municipal de Florianópolis

Secretaria Municipal de Saúde


Depressão
Depressão
 Doença X Sentimento
 Depressão é uma palavra freqüentemente
usada de forma incorreta para descrever nossos
sentimentos. Todos se sentem "para baixo" de
vez em quando, ou de alto astral às vezes e tais
sentimentos são normais.
 A depressão, enquanto evento
psiquiátrico é doença como outra qualquer,
que necessita tratamento
 Exigir tentativas de reagir, distrair-se,
de se divertir para superar os sentimentos
negativos nem sempre ajuda
 Importante ouvir quem se sente
deprimido e orientar procurar um
profissional quando percebe que não trata-
Depressão
 Associada a piora da qualidade de
vida e à maior morbidade e
mortalidade
 Piora a percepção do individuo quanto
a própria saúde
 Prevalência de 1 – 25% (Steffens, et al.,
2000)
 Mais elevadas em co-morbidades com
doenças clinicas
 Risco de suicídio
Depressão
Os sintomas da depressão são
muito variados, sendo os mais
comuns:
 Perda de energia ou interesse
 Humor deprimido
 Dificuldade de concentração
 Alterações do apetite e do sono
 Lentificação das atividades físicas e
mentais
 Sentimento de pesar ou fracasso
 Os sintomas corporais: sensação de
desconforto no batimento cardíaco,
Depressão
 Períodos de melhoria e piora
são comuns.
 Geralmente tudo se passa

 gradualmente, normalmente não


apresentando todos os sintomas
simultâneos.
 É comum que as pessoas tenham
explicações para o que está
acontecendo com elas, julgando
sempre ser um problema passageiro.
“Eu estou assim por que eu não gosto do meu trabalho,
se não fosse isso eu estaria bem..”
Depressão
Sintomas que podem vir
associados aos sintomas centrais
são: 
 Dificuldade de tomar decisões e

começar a fazer suas tarefas


 Dificuldade de terminar as coisas que

começou
 Irritabilidade ou impaciência

 Inquietação
Depressão
Achar que não vale a pena viver;
desejo de morrer
Chorar à-toa

Pensamentos negativos, pessimismo,


desesperança...
Sentimento de pena de si mesmo e
culpas injustificáveis
Queixas freqüentes

Boca ressecada, constipação, perda de


peso e apetite, insônia, perda do desejo
sexual
Depressão
A identificação da depressão
 Sente-se triste a maior parte do dia quase
todos os dias?
 Não tem tanto prazer ou interesse pelas
atividades que apreciava?
 Movimenta-se mais lentamente que o
habitual ou não consegue ficar parado?
 Sentimentos de desesperança,
desprezando-se como pessoa, se culpando
pela doença ou pelo problema dos outros,
sentindo-se um peso morto na família?
 Pensamentos de suicídio?
 Duração de pelo menos duas semanas?
Rastreamento da Depressão
1. Está se sentindo cansado ou desanimado todos os dias?
2. Está se sentindo triste, deprimido ou pessimista todos os dias?
3. Sente que não aproveita ou perdeu o interesse por coisas que antes
eram agradáveis?

SIM NÃO

Investigar e corrigir doenças físicas

- Exame físico

- Exames complementares
Diagnóstico (TSH,
e gravidade NÃO
hemograma)
SIM
Determinar fatores complicadores
Tratamento
- risco de suicídio

- falta de suporte familiar


Intervenções
Apoio
 Rede Social: Centros de convivência,
propiciando a reinserção social –
grupos de artes, esporte, música,
marcenaria, costura, etc
 Terapia comunitária
Psicossociais
 Grupo de apoio psicológico
 Grupo psicoeducativo para familiares
 Atendimento individual
Medicamentosas
Infância e Adolescência
Infância e Adolescência
 Crianças 0,6 a 1,7% e adolescentes 1,6
a 8%
 Diferenças do quadro em adultos
 Humor deprimido pode equivaler a irritação
 Perda de interesse ou prazer
 Diminuição de energia
 Queda do rendimento escolar
 Ansiedade de separação, fobias,
preocupações somáticas
 Alterações de comportamento
Pós - Parto
Pós-Parto
 Aproximadamente metade das
mulheres são acometidas por
sentimento de tristeza e choro fácil no
pós-parto
 Entretanto, não tem prejuízo na
realização das tarefas de mãe.
 Se inicia nos primeiros dias após o parto
(dois a cinco dias), dura de alguns dias
a poucas semanas
 É de intensidade leve não requerendo
em geral uso de medicações, auto-
limitada
 Suporte emocional, compreensão e
Depressão Pós-Parto
 A depressão pós-parto se iniciada,
ocorre nos primeiros seis meses após o
parto.
 Diagnóstico confundido com cansaço e
desgaste
 Sua manifestação clínica é igual a das
depressões, ou seja, é prolongada e
incapacitante
 Requer tratamento adequado (apoio
psicológico e medicamentos)
Depressão no Idoso
Alterações do
envelhecimento
 Aspectos físicos – necessidade de
aprender a conviver com as limitações
 Aspectos socias
 Mudanças de papéis – família, trabalho e
sociedade
 Falta de papel social - crise de identidade
 Aposentadoria
 Perdas diversas - $, decisão, independência,
autonomia, parentes e amigos
 Diminuição de contatos sociais – distancia, $,
dependência, tempo, violência
Alterações do
envelhecimento
 Aspectos psicológicos
 Dificuldade a se adaptar a novos papéis
 Dificuldade de se adaptar às mudanças
rápidas, que tem efeito dramático nos idosos
 Necessidade de trabalhar perdas orgânicas,
afetivas e sociais
 Baixa auto-imagem e baixa auto-estima
 Falta de motivação e dificuldade de planejar o
futuro
 Confrontação com a sua própria finitude
 Aposentadoria

Depressão no Idoso

 Cerca de 30% da população idosa


apresenta algum tipo de transtorno
mental
 Depressão e demências são os
problemas mentais mais
prevalentes
 Impacto no cuidador
Depressão no Idoso
Apenas 20% dos idosos que procuram o
sistema de atendimento primário são
devidamente diagnosticados e tratados

 Importante investigação ativa


 Cuidar com apresentação diferente – queixas
somáticas
 Elevada freqüência de sintomas somáticos pode
confundir ou sobrepor a doenças preexistentes
 Falta de reconhecimento dos sintomas
depressivos pelo próprio paciente, atribuindo
apenas a doença clínicas
 Preconceito “velho só reclama, coisa de fraco”
 Algumas substâncias podem desencadear
Tratamento

 Estimulação – maneira eficaz de


melhorar a qualidade de vida, a
aceitação, a inserção na família e na
sociedade, promovendo autonomia (não
a dependência)
 Promoção de Saúde no Idoso se constrói
na prática do exercício de direitos,
objetivando a promoção da
longevidade, com qualidade de vida
Depressão
IMPORTÂNCIA DA INTERVENÇÃO DO
ACS
 Ouvir, procurando compreender, sem
julgar ou cobrar reações, e sem cobrar de si
mesmo uma solução para oferecer.
 Identificar junto com a pessoa, um parceiro
(amigo ou família) que possa oferecer apoio.
 Estimular e encaminhar a grupos existentes na
comunidade(centros de convivência, artes,
etc).
 Fomentar com parceiros da comunidade, a
formação de grupos de convivência, que terão
um importante papel na promoção da saúde
OBRIGADA

 Evelyn Cremonesi
Assessora da Saúde Mental
 Email:

evelyncremonesi@yahoo.com.br