Você está na página 1de 33

BIOSSEGURANÇ

A EM
BIOT ÉR IOS
DEFINIÇÃO

 “Instalações capazes produzir e manter


espécies animais destinadas a servir como
reagentes biológicos em diversos tipos de
ensaios controlados, para atender as
necessidades dos programas de pesquisa,
ensino, produção e controle de qualidade nas
áreas biomédicas, ciências humanas e
tecnológicas segundo a finalidade da instituição”
 Tipo especial laboratório

 atividades perigosas
 cuidados animais

 Biossegurança
INSTALAÇÕES
 Tamanho
 Normas básicas
 Paredes: laváveis
 Janelas: telas; vidros pintados
 Forro: lavável; isolamento
 Piso: lavável; anti-derrapante
 Portas
 Degraus
 Interruptores: protegidos
 Fluxo pessoas
 Ventilação: sistemas adequados
 Ambiente Tº e umidade
luminosidade (duração fotoperíodo, intensidade)
gradiente pressão
ruídos
 Microambiente: gaiolas material confecção
densidade
distribuição espacial
BARREIRAS DE CONTROLE

 Definição

 ISOLADORES
 Sistema fechado alojamento

 ESTANTES VENTILADAS
 Sistema ventilação ar
 MICROISOLADORES
 Gaiolas com tampas-filtro
A- Filtros vidro
B- Filtros poliéster prensado
C- Filtros HEPA

Filtros HEPA

Filtros alta eficiência

Filtros HEPA
CUIDADOS BÁSICOS PARA USO DE
ANIMAIS DE LABORATÓRIO
 ÉTICA E LEGISLAÇÃO
 Considerar a relevância do experimento
 Animais – espécie apropriada; saúde; nº mínimo
 Dor: sedação, analgesia, anestesia; procedimentos
invasivos: anestésico
 Sobrevida cirúrgica: assepsia e prevenção infecções;
cirurgia: inconsciente
 Imobilização física e/ou privação água e alimento:
minimizar desconforto e estresse; período adaptação
 Sacrifício: indolor
 Alojamento adequado
 Pessoas com experiência e treinamento

Manual de Biossegurança – UFRJ. Extraído de “Princípios


éticos na experimentação animal”, Colégio Brasileiro de
Experimentação Animal (COBEA), Brasil.
 Risco infecção  alergias
traumático  infecção
químico
 ALERGIAS
 Hipersensibilidade imediata – contato
 Sintomas: leves / graves
 ZOONOSES
 Animais → homem (tuberculose, raiva, toxoplasmose...)
 ↓ sistema imune, estresse
 Imunização, testes sorológicos
 FÍSICOS / QUÍMICOS
 Treinamento; kits; cuidados manuseio
BIOTÉRIO – UNICAMP.
 Manuais operacionais, treinamento
 Uso animais: padrões regulamento instituição
 Seleção espécies apropriadas
 Padronização animais
 Genética / Sanitária / Nutricional
 Registro acidentes; imunizadas
 Animais que escaparam: eliminação,
incineração, descontaminação
 Animais doentes ou mortos: comunicar;
suspender atividades
 Necrópsia: cabine segurança biológica;
material – sacos plásticos identificados e
incinerados
 Higiene pessoal
 Lavagem mãos / banho / rosto
 Roupa protetora e EPIs
 Jóias e cosméticos
 Instituição – Programa Segurança e Saúde
DESCARTE DE MATERIAIS
 Descontaminar
 Papel, plástico, fichas
 Incineração

 Cama, fezes, ração


 Sacos plásticos identificados – incineração ou outro
 Carcaça
 Maceradores
 Pequeno e médio: saco plástico – lisofórmio – lixo
urbano
 Pequeno e médio: saco plástico – autoclavado
 Incineração – saco plástico

 Material infeccioso
 Sacos plásticos identificados – incineração ou
autoclavagem
 Objetos cortantes
 Recipientesrígidos identificados – incineração ou
autoclavagem – resíduos acondicionado
NÍVEIS DE BIOSSEGURANÇA
 Manipulação animais infectados com agentes que
podem causar ou causam infecções

a) Biossegurança animal nível 1


 Agentes que não causam doenças
 Procedimentos:
 Procedimentos e protocolos devem ser adotados;
procedimentos padronizados
 Pessoas autorizadas, ciente dos riscos, treinadas
 Não comer, beber, fumar, usar lentes, cosméticos,
estocar alimento
 Descontaminação superfícies
 Materiais descarte: recipientes – normas institucionais –
incineração
 Lavagem mãos
 Sinalização risco biológico nas entradas; informações
quanto aos responsáveis e de procedimentos de
entrada e saída da sala
 Controle insetos e roedores
 Equipamentos segurança:
 Avental, uniforme – no recinto
 Protetores faciais, olhos ou máscaras

 Instalações:
 Animais: separados das outras áreas
 Portas externas: fechamento automático
 Portas salas animais: fechamento automático, para
dentro
 Paredes, pisos, tetos: fácil higienização
 Janelas(quando presentes): resistentes, vedadas
 Ventilação: P negativa nas salas de animais
b) Biossegurança animal nível 2
 Agentes com riscos de doenças – ingestão,
mucosas ou pele
 Procedimentos:
 Procedimentos e protocolos padrão; procedimentos
situações de emergência
 Pessoas autorizadas, ciente dos riscos, treinadas
 Programa supervisão médica – imunizações e testes
 Adotar manual de biossegurança - treinamento
 Não comer, beber, fumar, usar lentes, cosméticos,
estocar alimento
 Descontaminação rotineira superfícies e equipamentos
 Materiais descarte: recipientes – normas institucionais
– desinfetar superfície - autoclavagem – incineração
 Treinamento para manuseio materiais cortantes;
coletor para estes materiais
 Lavagem mãos
 Sinalização risco biológico nas entradas; informações
quanto aos responsáveis e de procedimentos especiais
para entrada na sala (imunização prévia, uso
máscaras)
 Controle insetos e roedores
 Equipamentos de segurança:
 Uniformes, aventais – no recinto
 Luvas para manuseio materiais infectados
 Quando gerar aerossóis, usar protetores olhos, face e
máscaras com filtros
 Microisoladores, se necessário

 Instalações:
 Animais – separados de outras áreas
 Portas com travamento: limitar acesso
 Portas externas: fechamento automático
 Portas internas: fechamento automático, para dentro
 Paredes, pisos, tetos: fácil higienização
 Janelas(quando presentes): resistentes, vedadas
 Ventilação: exaustão para exterior; P negativa nas salas
de animais
 Lavar gaiolas
 Material infeccioso: autoclavação
 Iluminação adequada
 Pias nas salas de animais – lavagem mãos
c) Biossegurança animal nível 3
 Animais infectados – transmissão; doenças graves
 Procedimentos:
 Procedimentos e protocolos padrão; procedimentos
situações de emergência
 Pessoas autorizadas; aviso riscos
 Programa supervisão médica – imunizações e testes;
programa saúde física ocupacional
 Adotar manual de biossegurança - treinamento
 Não comer, beber, fumar, usar lentes, cosméticos,
estocar alimento
 Descontaminação rotineira superfícies e equipamentos
 Materiais descarte: recipientes – normas institucionais
– desinfetar superfície - autoclavagem – incineração
 Treinamento para manuseio materiais cortantes;
coletor para estes materiais
 Lavagem mãos
 Sinalização risco biológico nas entradas; informações
quanto aos responsáveis e de procedimentos especiais
para entrada sala (imunização prévia, uso máscaras)
 Controle insetos e roedores
 Gaiolas: descontaminação antes da lavagem
 Autoclavagem prévia de todo material de descarte
antes da incineração
 Equipamentos de segurança:
 Macacões ou aventais cirúrgicos transpassados, sobre
os uniformes; acondicionar após retirá-lo e
descontaminar
 Luvas, máscaras, proteção pés
 Barreiras locais: filtros-tampa, microisoladores ou
cabines ventiladas
 Cabine segurança biológica
 Instalações:
 Procedimentos e protocolos padrão; procedimentos
situações de emergência
 Portas com travamento, fechamento chave ou cartão:
limitar acesso
 Portas externas: fechamento automático
 Sala animais: porta dupla; sala de troca e chuveiros
 Portas salas animais: fechamento automático, para
dentro
 Paredes, pisos, tetos: fácil higienização; rachaduras
seladas
 Janelas(quando presentes): resistentes, vedadas
 Ventilação: exaustão ar por ductos da área de animais
para as “contaminadas”; ar de áreas externas para
internas pela passagem em filtros HEPA
 Lavar gaiolas
 Material infeccioso: autoclavação
 Iluminação adequada
 Pias nas salas de animais – lavagem mãos
d) Biossegurança animal nível 4
 Alto risco - doenças graves; risco desconhecido
 Procedimentos:
 Idem 3
 Trabalhar aos pares; gaiolas contenção; animal
anestesiado, etc.
 Segurança instalações: patrulhamento das áreas;
vigilância 24h da entrada e saída do biotério; uso
cartões magnéticos ou códigos digitais
 Entrada e saída: banho e troca de roupa; roupa
esterilizada em autoclave
 Entrada de suprimento e materiais por via autoclave
 Equipamentos segurança:
 Animais alojados em salas experimentais nível 4; ou
gaiolas com tampas-filtro só abertas no fluxo laminar,
ou outro sistema
 Instalações:
 Semelhante ao grupo 3, mas junto com cabines de
proteção