Você está na página 1de 15

Massagem Ayurvédica

Prof. Ms. Armando Austregésilo

Apoio Técnico e Científico


Profª. Ft. Andréa Biolcati Falasco
Coordenadora do Curso Superior em Etética e Cosmetologia
Universidade Anhembi Morumbi
Ayurveda
Ayurveda é o nome dado à ciência médica desenvolvida
na India há cerca de 5 mil anos

A medicina ayurvédica é conhecida como a mãe


da medicina, pois seus princípios e estudos foram
a base para, posteriormente, o desenvolvimento
das medicina chinesa, árabe, romana e grega.

Houve um intercâmbio de informações com o


Japão, que tinha a mesma necessidade dos
indianos: criar uma medicina barata para atender
às suas populações muito pobres e gigantescas,
por essa razão existe muito da medicina japonesa
nos conceitos de ayurvédica. As duas
desenvolveram técnicas muito eficientes e de
baixo custo para o tratamento.
Ayurveda

Ayurveda significa, em sancrito: Ciência (veda)


da vida (ayur). Sua filosofia baseia-se nos cinco
elementos que formam toda a manifestação
material do universo. São eles éter, ar, fogo,
água e terra.

Toda a matéria que existe no universo provém


destes 5 elementos, inclusive o corpo humano
(que além da matéria, também é formado por
budhi - discernimento, ahamkara – ego, e manas -
mente.

De acordo com a Ayurveda, quando algum dos 5


elementos está em desequilíbrio no corpo do
indivíduo, inicia-se o processo da doença.
Ayurveda e a doença

A doença, para a Ayurveda, é muito mais que a


manifestação de sintomas desagradáveis ou
perigosos à manutenção da vida.
A Ayurveda, como ciência integral, considera que
a doença inicia-se muito antes de chegar à fase
em que ela finalmente pode ser percebida.
Assim, pequenos desequilíbrios tendem a
aumentar com o passar do tempo, se não forem
corrigidos, originando a enfermidade muito antes
de podermos percebê-la.
Segundo essa tradição, os seres humanos são
influenciados pelos 5 elementos através do dosha
Os doshas

Kapha, regido por terra e água,


Vata, regido por ar e éter,
Pitta, regido por fogo e água.

Todas as pessoas possuem os três doshas, mas


em diferentes proporções.

No momento da nossa concepção a nossa


constituição é definida, isto é, os doshas que
estão presentes em maior quantidade no nosso
organismo.
Sobre os doshas

Kapha – tudo que é relacionado à estrutura, absorção,


retenção, doçura, acolhimento, observação e compreensão.
Corresponde à infância, inicia a formação do indivíduo no
ventre materno. Fase propícia para o aprendizado.
Entretanto, favorece aos desequilíbrios estruturais, como
escolioses, cifoses, mal posicionamento dos pés...

Pitta – metabolismo, máxima produção e realização.


Consolidação de nosso desenvolvimento intelectual,
quando temos força e energia para a competição
profissional ou para a disputa de uma vaga numa
universidade. Corresponde à adolescência, a juventude e o
início da fase adulta. Entretanto neste período podem surgir
desequilíbrios como: artrite reumatóide, acnes, lúpus
eritematoso, gastrites e o auge do surgimento do estresse.
Ainda os doshas

Vata - Corresponde à maturidade e a velhice,


representadas como o ressecamento dos líquidos
articulares, perda da massa óssea, surgimento de rugas,
envelhecimento dos órgãos e tecidos. Por outro lado, fase
mais mental e reflexiva, quando o indivíduo é mais voltado
a temas sutís e religiosos. Surgem os desequilíbrios por
desgaste, como as artroses, osteoporoses, varizes,
insuficiência cardíaca e respiratória. Além das doenças da
mente como a depressão, angústia e mal de Alzheimer.
A Massagem Ayurvédica
é uma vigorosa massagem que estimula os músculos e a circulação,
liberando as toxinas presas aos músculos e aos tecidos.

Através de toques profundos com as mãos, cotovelos e pés,


a massagem Ayurvédica propicia um realinhamento
postural, alívio de tensões (por vezes crônica) no corpo
físico, fortalece o sistema imunológico, e tem efeitos anti-
stresse e antidepressivos.

Contando com alguns alongamentos, proporciona uma


maior flexibilidade do corpo e mobilidade nas articulações,
possibilitando o circuito livre da energia vital.

Tem efeito terapêutico também a nível dos corpos


emocional, mental e espiritual. As emoções, conceitos,
crenças e experiências vivenciadas e contraídas no corpo,
são "tocadas" e liberadas, propiciando um profundo
processo de auto conhecimento e transformação interna e
externa, a partir da consciência corporal.
Os centros energéticos do corpo
Chacras
 As cores podem beneficiar sua vida, segundo a teoria indiana dos chacras:

 Vermelho (chacra básico) - Dá capacidade de realização e vigor.

 Laranja (segundo chacra) - Estimula a alegria e otimismo.

 Amarelo (chacra do plexo solar) - Ativa o centro mental e


aumenta o poder pessoal.
 Verde (chacra cardíaco) - Equilibra a força vital e acalma.

 Rosa (chacra cardíaco) - Incentiva o amor, o carinho e a ternura.

 Azul-claro (chacra da garganta) - Facilita a auto-expressão e


 tranqüiliza.
 Índigo (chacra do terceiro olho) - Atua na criatividade, promove a
 intuição e estimula a memória.

 Violeta (chacra da coroa) - Purifica e aumenta a conexão espiritual.


A Prática:

Posicione a pessoa em decúbito ventral, no chão, por sobre


um tatame ou colchonete. Para esta prática de massagem
torna-se necessário para quem recebe, o uso de pouca
vestimenta e é também imprescindível a utilização pelo
terapeuta de óleo ou creme adequados.
O terapeuta posiciona-se corretamente ao lado do cliente e
realiza a unção de toda a região dorsal do cliente, incluindo
os membros superiores e inferiores.
Ainda a prática:

(Região Dorsal Posterior)


Primeira Manobra
Neste momento, inicia-se a primeira manobra com as mãos
espalmadas por sobre a região sacral. No nível psíquico,
efeitos terapêuticos estão acontecendo por sobre o
primeiro e segundo centros psíquicos, conhecidos por
Muladhara Chakra e Swadisthana Chakra.
Ainda a prática:

Segunda Manobra
O terapeuta continua a massagem realizando
movimentos deslizantes com a palma da mão por toda a
extensão das costas, começando na região dorsal até
atingir a região próxima ao pescoço e vértebras cervicais.

Terceira Manobra
Na seqüência, é realizada a manobra, com os polegares,
por sobre a musculatura paravertebral, paralelamente à
coluna vertebral, partindo da região lombosacral em
direção às vértebras cervicais. No nível psíquico, efeitos
terapêuticos estão acontecendo por sobre o terceiro
centro psíquico - Manipura Chakra.
Ainda a prática:

Quarta Manobra
Agora o terapeuta deve fazer abertura da escápula com os
MMSS do paciente estendidos ao longo do corpo. Primeiro
deve realizar uma ligeira massagem com as pontas do
polegar ao redor da escápula para aquecer os tecidos.
Depois deve posicionar a ponta dos dois polegares no
centro da curvatura da escápula, fazer uma ligeira pressão
no bordo interno da escápula, procurando introduzir ao
máximo os dedos no espaço.
Ainda a prática:

(Trações Musculares)
Primeira Manobra de Tração
Deve-se realizar o alongamento dos músculos gastrocnêmios com auxílio
do antebraço. O terapeuta apoia a perna do paciente em sua perna, segura
com uma das mãos o joelho e com o antebraço faz o deslizamento que
percorre toda a panturrilha, do joelho em direção ao calcanhar. Esse
movimento é realizado diversas vezes. Deve-se realizar uma pressão no
início média e depois mais vigorosa para atingir as camadas mais
profundas.

Segunda Manobra de Tração


O terapeuta fica de joelhos atrás do paciente, no centro das pernas. Em
seguida segura na região anterior do pé, guiando o MI do cliente, com
flexão do joelho, até que o calcanhar encoste na região glútea. A outra
mão do terapeuta estabiliza a pelve do outro lado evitando compensações,
realizando assim alongamento da musculatura extensora do joelho.
Quando a extensão estiver no ponto máximo, o terapeuta mantém esta
posição por alguns segundos e realiza a rotação do joelho, mantendo-o em
flexão, e rodando a perna lateralmente enquanto fixa o outro lado com a
palma da mão em cima dos glúteos. O ideal é alongar até que o pé do
cliente toque o chão. Realiza-se a mesma manobra do lado oposto.
Ainda a prática:

Terceira Manobra de Tração


Cliente ainda posicionado em decúbito dorsal. O terapeuta eleva o tronco do cliente
que deve manter o máximo possível a cabeça para trás. Essa posição canaliza
energia do 6º Chakra e é ótima para abertura torácica, para o Chakra cardíaco,
Chakra laríngeo e serve também para alongar tendões e músculos.
Quarta Manobra de Tração
O terapeuta, posicionado acima da cintura do cliente, que está com o queixo no chão
e com os braços ainda estendidos, soltos e relaxados, passa a segurar o dorso da
mão do cliente, em seguida procura levar o braço do cliente para frente, em direção
a cabeça até o limite máximo, alongando.
Quinta Manobra de Tração
Manobra de tração para abertura torácica, liberação de escápulas e alongamentos de
toda musculatura da coluna:
O terapeuta solicita ao cliente que mude lentamente de decúbito ventral para
decúbito dorsal e que se sente com a coluna , mmii em extensão e semi-abertos e
braços voltados para trás. A seguir o terapeuta senta-se atrás do paciente e ambos
seguram-se nos punhos. O terapeuta apoia os seus pés nas costas do cliente e
procura introduzi-los nas escápulas e, gradativamente, vai estirando os pés ao
mesmo tempo que traciona os braços do cliente para trás. Os pés deverão entrar
progressivamente sob as escápulas. A tração deve ser máxima, para que possa abrir
o tórax, a região da garganta e corrigir a coluna, o cliente deve olhar o máximo para
cima e para trás. O terapeuta solicita que ele mantenha o corpo solto, o abdome
relaxado, a respiração livre e que respire abdominalmente. Esta posição deve ser
mantida por alguns segundos, por pelo menos três respirações completas, e aos
poucos o terapeuta deve afrouxar a tração, sem soltar os braços do cliente, para
iniciar uma nova posição.