Você está na página 1de 21

CRIMES CONTRA SAÚDE

PÚBLICA

ART. 267 A 285 CP


EPIDEMIA

Art. 267 – Causar epidemia mediante a
propagação de germe patogênico

Objeto jurídico – saúde pública

Sujeito ativo – qq pessoa

Sujeito passivo – coletividade

Elemento subjetivo – dolo de perigo

Consumação – com efetiva instalação da
epidemia

Tentativa admite

Tipo objetivo – causar (provocar, produzir)
mediante propagação( espalhar , multiplicar) de
germe patogênico

Resultado morte – causa de aumento – crime
hediondo

Epidemia culposa - § 2º
Infração de medida sanitária
preventiva

Objeto jurídico – saúde pública

Sujeito ativo – qq pessoa

Sujeito passivo – coletividade

Elemento subjetivo – dolo de perigo

Consumação – com a conduta

Tentativa – admite conduta comissiva

Tipo objetivo- infringir (transgredir, violar)
determinações – norma penal em branco
OMISSÃO DE NOTIFICAÇÃO DE
DOENÇA

Objeto jurídico – saúde pública

Sujeito ativo –médico – crime próprio

Sujeito passivo – coletividade

Elemento subjetivo – dolo de perigo

Consumação – com a não comunicação

Tentativa- não admite

Tipo objetivo – deixar de denunciar – omissivo
próprio – norma penal em branco
Envenenamento de água potável, ou
de substância alimentícia ou
medicinal

Objeto jurídico – saúde pública

Sujeito ativo – qq pessoa

Sujeito passivo – coletividade

Elemento subjetivo – dolo de perigo

Consumação – com o efetivo envenenamento

Tentativa – admite

Tipo objetivo – envenenar (colocar veneno –
substância que altera ou destrói as funções
vitais)
Corrupção ou poluição de água
potável


Objeto jurídico – saúde pública

Sujeito ativo – qq pessoa

Sujeito passivo – coletividade

Elemento subjetivo – dolo de perigo

Consumação – com poluição ou corrupção
da água potável

Tentativa – admite

Tipo objetivo – corromper(estragar,
apodrecer) poluir (sujar, profanar) água
potável – destinada a alimentação da
coletividade

Tornando-a:

imprópria ao consumo (não potável)

Nociva a saúde (potencialmente lesiva a
saúde)

Resultado morte ou lesão corporal – art.
285CP
Atividade de Fixação


Pode o delito de epidemia ser omissivo?
Justifique.

Tipifique a conduta do sujeito que concede alta
a paciente portador de doença contagiosa
provocando a contaminação de um numero
indeterminado de pessoas.

O dispositivo 268 do CP é norma penal em
branco? Justifique.

Em caso de revogação da norma
incriminadora (determinação do poder
público) aplica-se a regra geral da
retroatividade da norma mais benéfica?
Explique

Qual o sujeito ativo do crime do art. 269?

É necessário que o agente seja médico do
paciente portador da doença cuja notificação é
compulsória para caracterização do crime do
269?

Se o agente envenena água potável e
posteriormente entrega ao consumo responde
pelas duas condutas? Justifique

Quais as causas de aumento aplicáveis ao
crime em análise?

Trace a distinção entre imprópria para o
consumo e nociva a saúde

JURISPRUDÊNCIA

“Não estabelecendo a lei forma culposa, não
pratica o crime do art. 268 do CP o
comerciante, que, negligentemente, deixa sem
proteção contra insetos e poeiras produtos
alimentícios de imediato consumo, como pães,
biscoitos...”(TACRIM-SP)

Omissão de notificação de doença – Febre
tifóide – imputação a farmacêutico - “ A
denúncia à autoridade pública de doença cuja
notificação é compulsória só é exigível ao
médico e não também ao farmacêutico”
(TACRIM_SP)

Réu que mistura à água de poço determinada
porção de formicida – Eliminação pretendida da
amante- “ Se o propósito de matar for o móvel
que levou o réu a envenenar a água, o delito
perpetrado deixa de ser o art. 270 para se
firmar no art. 121 CP” (TJ-SP)
JURISPRUDÊNCIA

“Não estabelecendo alei forma culposa, não
pratica o crime do art. 268 do CP o comerciante,
que, negligentemente, deixa sem proteção contra
insetos e poeiras produtos alimentícios de
imediato consumo, como pães,
biscoitos...”(TACRIM-SP)
FALSIFICAÇÃO, CORRUPÇÃO,
ADULTERAÇÃO OU ALTERAÇÃO DE
SUBST. ALIMENTÍCIA OU PRODUTOS
ALIMENTÍCIOS


Objeto jurídico – saúde pública

Sujeito ativo – qq pessoa

Sujeito passivo – coletividade

Elemento subjetivo – dolo de perigo

Consumação – com falsificação,corrupção
adulteração ou alteração

Tentativa – admite

Tipo objetivo – falsificar (alterar com
fraude) corromper (estragar, apodrecer)
adulterar (modificar para pior) alterar
(modificar)l – subst. alimentícia ou produto
alimentíco destinado ao consumo da
coletividade

Um agente “A” adulterou refrigerante,
tornando-o nocivo à saúde, mantendo em
depósito para venda. Tudo comprovado por
laudo. O irmão do agente, sem saber, nem
podendo saber da alteração, passou a
vender caixas deste produto, em seu
estabelecimento comercial. As condutas
descritas seriam tipificadas? Como? Caso
alguém tivesse falecido por ter consumido o
refrigerante, como seria solucionado o caso?
Falsificação, corrupção, adulteração
ou alteração produto destinado a fins
terapêuticos ou medicinais


Objeto jurídico – saúde pública

Sujeito ativo – qq pessoa

Sujeito passivo – coletividade

Elemento subjetivo – dolo de perigo

Consumação – com falsificação,corrupção
adulteração ou alteração

Tentativa – admite

Tipo objetivo – falsificar (alterar com
fraude) corromper (estragar, apodrecer)
adulterar (modificar para pior) alterar
(modificar)l – produto destinado a fins
terapêuticos ou medicinais destinado ao
consumo da coletividade

Crime hediondo lei 8072/90

§ 1º , B – figura equiparada

§ 2 º – modalidade culposa

ART. 285 CP – Art. 258 – resultado morte ou
lesão corporal

Tipifique a conduta do médico que fabrica e
vende no hospital determinado medicamento
clandestino, ou seja, sem o devido registro.
O medicamento não é nocivo à saúde