Você está na página 1de 19

“As coisas que não existem são mais bonitas”

Porque “as coisas que não tem nome


são mais pronunciadas por crianças”?

A maior riqueza do ser humano é sua incompletude!

Manoel de Barros, poeta do Pantanal


CÍRCULOS DE APRENDIZAGEM PERMANENTE

Qual a OPÇÃO POLÍTICA de EDUCAÇÃO emerge deste DESENHO ?


Quando ELA É VÁLIDA e quando ela NÃO É A MELHOR estratégia ?
CÍRCULOS DE APRENDIZAGEM PERMANENTE

Qual a OPÇÃO POLÍTICA de EDUCAÇÃO emerge deste DESENHO ?


Quando ELA É VÁLIDA e quando ela NÃO É A MELHOR estratégia ?
CÍRCULOS DE APRENDIZAGEM PERMANENTE

APROPRIAR-ME
DO QUE EU SEI
VIVENCIAR
O QUE SINTO

POSICIONAR-ME SOBRE
O QUE ACREDITO

CONSTRUIR UMA POSTURA POLÍTICA


INDIVIDUAL E COLETIVA
CÍRCULOS DE APRENDIZAGEM PERMANENTE

EDUCAÇÃO e INCLUSÃO

PAULO FREIRE BOAVENTURA S. SANTOS


Educar e educar-se Produção de não-existência

Como num ciclo, a renovação é fundamental,


para isso, para ser PERMANENTE, um processo deve
FORMAR e INCLUIR constantemente
CÍRCULOS DE APRENDIZAGEM PERMANENTE

Paulo Freire: “educar e educar-se...

... é tarefa daqueles que sabem que pouco sabem, e


por isso sabem que sabem algo e podem assim
chegar a saber mais, em diálogo com aqueles que,
frequentemente, pensam que nada sabem, para que
estes, transformando seu saber que nada sabem em
saber que pouco sabem, possam assim, igualmente,
chegar a saber mais”.
CÍRCULOS DE APRENDIZAGEM PERMANENTE

Boaventura: mecanismos de exclusão

“... o que não é científico é ignorante...”


“... o desenvolvimento é um caminho único...”
“... hierarquia para ‘desigualizar’ as pessoas...”
“... valorização do global em detrimento do local...”
Coletivo Educador Ambiental de Campinas
Formação de Educadores Ambientais Populares
Dez 2004 – Dez 2008 ...
COEDUCA

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO

Ação Sócio-Educativa (Articulada)


(formação dos Coletivos Locais)

Núcleo Básico/Opcional/Específico
(Vivência de itens de Cardápio)

Espaços de Diálogos
(Vivência de itens de Cardápio)

Experiências em outros Grupos


Coletivo Educador Ambiental de Campinas
Formação de Educadores Ambientais Populares
Dez 2004 – Dez 2008 ...
COEDUCA

AÇÕES

DIÁLOGO SABERES

GRUPOS

Indicadores
Sustentabilidade
ARTE
Duração
Coletivo Educador Ambiental de Campinas
Formação de Educadores Ambientais Populares
Dez 2004 – Dez 2008 ...
COEDUCA

Fase 1 (1º sem 2007)

- “Re-Conhecendo Campinas”,
- “Caminhos” ampliar as capacidades de
expressão e de percepção - (ampliar os
contatos com as artes)
- “Troca de experiências” (perceber que
todos são educadores e educandos)
- “Aprofundamento Conceitual”
- Início do Mapeamento dos Territórios
Coletivo Educador Ambiental de Campinas
Formação de Educadores Ambientais Populares
Dez 2004 – Dez 2008 ...
COEDUCA

Fase 2 (2º sem 2007)

- Vivência de vários Itens de Cardápio


- Imersões conceituais e de trocas entre
coeducandos
- Elaboração dos Projetos de Ação Sócio-
Educativa, junto com as comunidades
Coletivo Educador Ambiental de Campinas
Formação de Educadores Ambientais Populares
Dez 2004 – Dez 2008 ...
COEDUCA

Fase 3 (1º sem 2008)

- Vivência de vários Itens de Cardápio


- Imersões conceituais e de trocas entre
coeducandos
- Realização dos Projetos de Ação Sócio-
Educativa, junto com as comunidades
Coletivo Educador Ambiental de Campinas
Formação de Educadores Ambientais Populares
Dez 2004 – Dez 2008 ...
COEDUCA

Fase 4 (2º sem 2008 em diante)

- Apoio aos Coletivos Locais


- Fortalecimento das ações já realizadas
- Construir a “sustentabilidade” das
ações
Coletivo Educador Ambiental de Campinas
Formação de Educadores Ambientais Populares
Dez 2004 – Dez 2008 ...
COEDUCA
Coletivo Educador Ambiental de Campinas
Formação de Educadores Ambientais Populares
Dez 2004 – Dez 2008 ...
COEDUCA
Coletivo Educador Ambiental de Campinas
Formação de Educadores Ambientais Populares
Dez 2004 – Dez 2008 ...
COEDUCA
Coletivo Educador Ambiental de Campinas
Formação de Educadores Ambientais Populares
Dez 2004 – Dez 2008 ...
COEDUCA
Coletivo Educador Ambiental de Campinas
Formação de Educadores Ambientais Populares
Dez 2004 – Dez 2008 ...
COEDUCA