Você está na página 1de 25

UNITAU

Disciplina de Saúde Coletiva

Aspectos Históricos do
Sistema Nacional de Saúde

Marina Marcos Valadão

2008
SÉCULO XIX
Higiene pública
Era social - teoria miasmática (ruptura
epistemológica com Pasteur e Koch)
Medicalização do espaço urbano
Intervenção no meio e nas instituições:escola,
hospital, quartel etc.
Estado: ações preventivas e coletivas
Benemerência: assistência
1808 – Escola Tropicalista Bahiana
1829 – Soc. de Medicina e Cirurgia do RJ
Virada para o século XX
• Presença da força de trabalho imigrante/
endemias
• 1891 – criação do Serviço Sanitário do
Estado de São Paulo (medidas
bacteriológicas e combate a doenças
endêmicas)
• 1894 – primeiro Código Sanitário do Estado
de SP
• 1904 – Revolta da vacina
Saúde Pública: 1914-30
• Academia Nacional de Medicina: foco na
ampliação da assistência
• Estado: foco no combate às epidemias e
endemias
• Emilio Ribas – SP modelo bacteriológico
campanhista
• 1918 – gripe espanhola / 1920 – febre amarela
• 1920 – criação do Departamento Nacional de
Saúde Pública
• Paula Souza(dec 20): modelo médico-sanitário
Saúde Previdenciária: 1923-30
• Sistema previdenciário brasileiro (crescimento
da massa trabalhadora urbana)
• 1923 – Lei Elói Chaves: criação das Caixas
de Aposentadoria e Pensões por empresas
(reivindicações e pressões das greves - 1917 e
1919)
• 1930 – 30 Caixas (aproximadamente 140.000
trabalhadores)
Saúde Pública: 1930-70
• Políticas de caráter nacional
• 1930 – criação do Ministério de Educação e
Saúde (saúde pública, campanhas e educação
sanitária, serviços de combate às doenças
endêmicas)
• 1942 – criação da SESP (Serviço Especial de
Saúde Pública), para assistência médica aos
trabalhadores da borracha (Fundação
Rockfeler)
• 1953 –criação do Ministério da Saúde
• Postos de saúde / Santas Casas de
Misericórdia
Estado de São Paulo
• Primeira grande mudança: 1967-1970:
departamentos (estrutura vertical)
Ex:lepra, TB, criança etc.

coordenadorias
Ex: saúde da comunidade, saúde mental, ass. hospitalar

implantação da carreira de médico sanitarista


Saúde Previdenciária: 1930-70
• 1930 - criação do Ministério do Trabalho,
Indústria e Comércio e dos Institutos de
Aposentadoria e Pensões (IAPs): o primeiro foi
o dos marítimos.
• Organizados por categorias de trabalhadores
com perda de participação e controle e
centralização político administrativa
• Até 1950- Expansão do sistema (expansão
industrial e urbana)
Saúde Previdenciária: 1930-70
• Novos atores sociais (AMB, empresários, med.
grupo)
• Lei Orgânica da Previdência Social (1960)
• 1967 – Criação do INPS (Instituto Nacional de
Previdência Social) por fusão dos IAPs
Saúde Pública: década de 70
• movimento sanitário
• 1975 – Lei 6229 que criava o SNS sob
comando do MS (discurso institucional) e que
nunca foi implantada
• 1976 – PIASS (Programa de interiorização das
ações de saúde e saneamento): nordeste no
início e após 1979 para o resto do país
• 1978 – Conferência Internacional sobre
Cuidados Primários de Saúde (Alma Ata):
atenção básica – saúde para todos
• 1979 – criação da ABRASCO (Associação
Brasileira de Saúde Coletiva)
Saúde Previdenciária: década de 70
• Consolidação do modelo médico assistencial
privatista - expansão do setor privado
• Criação das bases do complexo médico
industrial direto (empresas de prestação de
serviço de saúde) e indireto (indústria
farmacêutica e de equipamentos)
• Suspensão dos direitos políticos
• Governo financia empreendimentos e compra o
serviço produzido pela rede privada,
remunerando por atividade prestada
Saúde Previdenciária: década de 70
• Criação do MPAS. Centralização e aumento de
gastos com balanço negativo
• 1978: Instituto Nacional de Assistência Médica
e Previdência Social (INAMPS)
• Medidas racionalizadoras, com mecanismos de
controle de contas e suspensão de novos
credenciamentos
Saúde Previdenciária: década de 80
• Prossegue aumento dos gastos e o governo
assume a crise financeira do setor e a sua
insolvência
• Intensificação de medidas racionalizadoras
• Reduz-se a compra de serviços privados e
amplia-se o repasse de verbas para
– setores públicos (Secretarias Estaduais e
Municipais de saúde)
– entidades filantrópicas
– hospitais universitários
Saúde Pública: Década de 80
• Período de grandes transformações estruturais
e de consolidação das forças políticas para a
reforma sanitária
• 1980 - Programa Nacional de Serviços Básicos
de Saúde (Prev-Saúde) - elaborado a partir da
VII Conferência Nacional de Saúde, previa a
criação de um sistema único
• 1981: cerca de 60% dos gastos do INAMPS
foram direcionados para pagamento de
hospitais e laboratórios privados
Saúde Pública: Década de 80
1983: AIS (Pol. Ações Integradas de Saúde)
início do processo de descentralização/
municipalização da saúde
1981: é instituído o CONASP
(Conselho Consultivo de Administração da Saúde Previdenciária)
Saúde Pública: Década de 80
1985 - CONASS (Conselho Nacional de SES)
1986 - VIIIa Conferência Nacional de Saúde
1987: SUDS (Sistema Único e Descentralizado
de Saúde) - propõe transferência de recursos
aos estados e municípios que se propusessem
a criar conselhos de saúde e elaborassem
planos municipais
1988 - CONASEMS (Conselho Nacional de
SMS)
1988 – Nova Constituição
Início da década de 90
• 1990 - Formalização legal e institucional do
SUS: Leis Orgânicas da Saúde

– Lei 8080: dispõe sobre as condições para a


organização e o funcionamento do sistema
de saúde

– Lei 8142: dispõe sobre a participação da


comunidade e das transferências
intergovernamentais de recursos financeiros
na área da saúde
Bibliografia
Gonçalves, E. L. (coord) – Administração de Saúde
no Brasil. São Paulo, Pioneira, !982. Cap 3

Gonçalves, R. B. M. – Tecnologia e organização


social das práticas de saúde. São Paulo,
HUCITEC/ABRASCO, 1994. Cap 3

Mendes, E. V. (org) – Distrito Sanitário: o processo


social de mudança das práticas sanitárias do
Sistema Único de Saúde. 2a ed. São Paulo-Rio de
Janeiro, Hucitec-Abrasco, 1994. cap1
Bibliografia
Merhy, E. E. – A saúde pública como política: um
estudo de formuladores de política. São Paulo,
HUCITEC, 1992. Caps 3, 4 e 5.

COSTA, Ricardo Cesar Rocha da. Decentralização,


financiamento e regulação: a reforma do sistema
público de saúde no Brasil durante a década de
1990. Rev. Sociol. Polit., Curitiba, n. 18, 2002.
Disponível em:
<http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&p
id=S0104-44782002000100005&lng=en&nrm=iso>.
Acesso em: 24 Sep 2007.