Você está na página 1de 43

Vulcanismo Oceânico Intraplaca

Ilhas Oceânicas e “seamounts”


Comumente associados com hot spots

Figure 14-1. After Crough (1983)


Ann. Rev. Earth Planet. Sci., 11, 165-
Tipos de Magmas OIB
Duas series de magmas principais
● Série Tholeiitica (tipo dominante)
✦ Basalto toleiitico de ilhas oceanicas parental, ou OIT
✦ Similar ao MORB, mas com algumas Diferenças
químicas e mineralógicas = Hawaii
● Série Alkaline (subordinada)
✦ Basalto alcalino Parental de ilhas oceânicas, ou OIA
✦ Duas principais sub-séries alcalinas
▲ Insaturados em silica

▲ Altamente supersaturados em silicia (serie menos

comum) = Ilhas Canárias, Tristão da Cunha,


Azores
O Hawaii
Padrão cíclico da história eruptiva
● Estágio Pré-construção do edíficio
vulcânico predomina rochas alcalinas e
variaveis, mas é rapidamente coberto por
massivo escudos toleiticos
2. Estágio construção do edíficio vulcânico
inicia-se com enorme quantidade de
basalto tholeiitico – produz 98% da lava
total
Hawaii
3. Diminuição da atividade mais alcalina,
episodica, e violenta (Mauna Kea, Hualalai,
and Kohala). Lavas são também mais
diversas, com a maior proporção de liquidos
differentiados.
4. Um longo periodo de dormência, seguido por
um estágio post-erosional tardio.
Caracterizado por magmas fortemente
alcalino and silica-undersaturated magmas,
incluindo alcali basaltos, nefelinitos, melilitos
basaltos, and basanitos = dois últimos 1-2 %
da lava total
Evolução em Series
Toleiitico, alcaline, e fortemente alcaline

Figure 14-2. After Wilson (1989)


Igneous Petrogenesis. Kluwer.
● Alcalinidade é altamente variavel
● Alcalis são elementos incompativeis, não afetado por
menos do 50% cristalização fracionada rasa, isto
também reforça a existência de distintas fontes
mantelicas ou diferentes mecanismos de geração
Table 14-4. Alkali/silica ratios (regression) for selected
ocean island lava suites.

Island Alk/Silica Na2O/SiO2 K2O/SiO2


Tahiti 0.86 0.54 0.32
Principe 0.86 0.52 0.34
Trinidade 0.83 0.47 0.35
Fernando de Noronha 0.74 0.42 0.33
Gough 0.74 0.30 0.44
St. Helena 0.56 0.34 0.22
Tristan da Cunha 0.46 0.24 0.22
Azores 0.45 0.24 0.21
Ascension 0.42 0.18 0.24
Canary Is 0.41 0.22 0.19
Tenerife 0.41 0.20 0.21
Galapagos 0.25 0.12 0.13
Iceland 0.20 0.08 0.12
Elementos Traços
● Os elementos traços LIL (K, Rb, Cs, Ba, Pb2+ e Sr)
são incompativeis e são todos enriquecidos em
magmas OIB com respeito aos MORBs
● As razões de elementos incompativeis tem sido
empregadas para distinguir entre reservatórios fonte

✦ N-MORB: a razão K/Ba é alta (usualmente > 100)


✦ E-MORB: a razão K/Ba é em torno de 30’s
✦ OITs variam de 25-40, e OIAs são maiores do 20’s

Assim todos parecem ter fontes distintas


Elementos Traços
● Elementos HFS (Th, U, Ce, Zr, Hf, Nb, Ta, and Ti)
também são incompativeis, e são enriquecidos em
● OIBs > MORBs
● As razões destes elementos também são usadas para
distinguir fontes mantélicas
✦ A razão Zr/Nb

▲ N-MORB geralmente bem alta (>30)

▲ OIBs são baixas (<10)


REEs

Figure 14-2. After


Wilson (1989) Igneous
Petrogenesis. Kluwer.
REE data for oceanic basalts

increasing incompatibility
Figure 10-13a. REE diagram for a typical alkaline ocean island basalt (OIB) and tholeiitic
mid-ocean ridge basalt (MORB). From Winter (2001) An Introduction to Igneous and
Metamorphic Petrology. Prentice Hall. Data from Sun and McDonough (1989).
Note que os toleitos de ilhas oceânicas
(representados pelos exemplos de Kilauea e
Mauna Loa) superpõe com MORB e não se
parece com E-MORB
Os basaltos alcalinos tem inclinação mais
acentuada e maior enriquecimento em LREE,
embora algums plotam-se dentro do campo
supeiror do MORB
Note também que os HREEs pesados são mais
fracionados nas amostras de OIB (quando
comparados com os padrões de plano do HREE
em N- e E-MORB). Isto indica que a granada
foi a fase residual
Esta fussão tem de ser segregada de um manto
a profundidades > 60 km
REEs
La/Yb (REE inclinação) correlato com o grau de
insaturação em silica nos OIBs
✦ Magmas Altamente insaturatedos : La/Yb > 30

✦ OIA: proximo a 12

✦ OIT: ~ 4

✦ Inclinação (+) → E-MORB e todos OIBs ≠ N-

MORB
✦ Inclinação (-) parece se originar no manto

enriquecido inferior
✦ Reservatórios de Fontes profundas = alta % de

fusão parcial pode gerar toleito de uma fonte


enriquecida
Spider Diagramas normalizado ao MORB

Figure 14-3. Winter (2001) An


Introduction to Igneous and
Metamorphic Petrology. Prentice Hall.
Data from Sun and McDonough (1989).
OIBs são enriquecidos em elementos incompativeis sobre os
MORB (valores > 1)

Amplo encurvamento central em que os elementos LIL (Sr-Ba) e


HFS (Yb-Th) aumenta o enriquecimento com o aumento da
incompatibilidade (indo em direção ao Ba e Th)

O padrão que devemos esperar em uma amostra que foi


enriquecida por algum processo de estágio único (como fusão
parcial de um lherzolito) irá preferencialmente concentrar
elementos incompativeis.

O padrão é registrado como uma fusão típica gerada por um


manto não-empobrecido em ambiente intraplaca
Spider-diagramas para basaltos oceanicos

increasing incompatibility
Figure 10-13b. Spider diagram for a typical alkaline ocean island basalt (OIB) and
tholeiitic mid-ocean ridge basalt (MORB). From Winter (2001) An Introduction to Igneous
and Metamorphic Petrology. Prentice Hall. Data from Sun and McDonough (1989).
Geoquímica Isotopica
● Isotópos NÃO fracionam duarante processos
de fusão parcial e fusão fracionada, então
refletem as características da fonte

● OIBs, cujas amostras representam expansaõ


do manto oceânico em locais com minima
contaminação crustal contamination, produz
uma incomparavel evidencia da natureza do
manto
Modelos de Mistura Simples
Binario Ternario
Todas as analises caem entre Todas analises caem
os dois reservatórios como dentrro do trianglo
mistura de magmas determinado pelos três
reservatórios

Figure 14-5. Winter (2001)


An Introduction to Igneous
and Metamorphic
Petrology. Prentice Hall.
Isotopos de Sr - Nd

Figure 13-12. Data from Ito et al. (1987) Chemical Geology, 62, 157-176; and LeRoex et al. (1983) J.
Petrol., 24, 267-318.
Revisão de isotopos de Sr
● 87
Rb → 87Sr λ = 1.42 x 10-11 a
● Rb (pai) conc. em reservatório enriquecido
incompativel)
Reservatório
Enriquecido (+ Rb)
Desenvolve mais
87
Sr decorrer do tempo
● Reservatório
Empobrecido
(Menos Rb)
Desenvolve menos
87
Sr decorrer do tempo Figure 9-13. After Wilson (1989). Igneous Petrogenesis. Unwin
Hyman/Kluwer.
Revisão de isotopos de Nd REE diagram

● 147 Sm → 143Nd λ = 6.54 x 10-13 a Nd Sm


● Nd (filho) → reservatório enriquecido > Sm
● Reservatório Enriquecido

Desenvolve menos
143
Nd decorrer do tempo

Reservatório empobrecido

(Alta Sm/Nd)
Desenvolve alta 143Nd/144Nd
No decorrer do tempo

Figure 9-15. After Wilson (1989). Igneous Petrogenesis. Unwin Hyman/Kluwer.


Isotopos de Nd e Sr de Basaltos
“Mantle Array”
Oceanicos

Figure 10-15 (a) Initial 143Nd/144Nd vs. 87Sr/86Sr for oceanic basalts.
basalts. From Wilson (1989). Igneous
Petrogenesis. Unwin Hyman/Kluwer. Data from Zindler et al. al. (1982) and Menzies (1983).
MORB são o membro final do manto empobrecido
Tahiti, Gough, and Kerguelen são membro final do
manto enriquecido
Array = é uma linha de mistura?
Dois componentes de mistura
Como misturou? Como liquidos?

Alto valores de 87Sr/86Sr e baixo de 144Nd/143Nd são associados com


manto enriquecido
OIBs mostra consideravel variação do que os than MORB

O que isto significa em relação ao manto?


Xenólitos de Kimberlitos Variação muito grande em Sr
Manto Litosférico Sub-continental deve ser altamente
enriquecido em Rb?

Figure 10-15 (b) Initial 143Nd/144Nd vs. 87Sr/86Sr for mantle xenoliths.
xenoliths. From Wilson (1989). Igneous
Petrogenesis. Unwin Hyman/Kluwer. Data from Zindler et al. al. (1982) and Menzies (1983).
µ

Figure 14-6. After Zindler and


Hart (1986), Staudigel et al.
(1984), Hamelin et al. (1986) and
Wilson (1989).
Modelo para magmatismo Oceânico

DM

OIB

EM and HIMU from crustal sources (subducted OC + CC seds)


Figure 14-10. Nomenclature from Zindler and Hart (1986). After Wilson (1989) and Rollinson (1993).
Reservatórios Mantelicos
● DM (Depleted
Mantle- Manto
Empobrecido)
= fonte do
N-MORB
Valores baixos de
87
Sr/86Sr e altos de
144
Nd/143Nd

Figure 14-6. After Zindler and


Hart (1986), Staudigel et al.
(1984), Hamelin et al. (1986) and
Wilson (1989).
2. BSE (Bulk Silicate Earth) ou o Reservatório
Primario Uniforme

Figure 14-6. After Zindler and


Hart (1986), Staudigel et al.
(1984), Hamelin et al. (1986) and
Wilson (1989).
Reflete a assinatura isotopica do manto primitivo como
ele evolui até o presente sem nenhum subsequente
fracionamentp i.e. sem ser empobrecido ou enriquecido
…exatamente como um manto antigo

Vários basaltos oceanicos tem esta assinatura isotópica,


mas não existem dados obtidos que requerem este
reservatório (ele NAO é um membro final da mistura),
mas plota-se dentro o espaço defenido pelos outros
reservatórios
3. EMI = manto enriquecido tipo I tem baixo 87Sr/86Sr
(proximo ao primordial)
4. EMII = manto enriquecido tipo II tem alto 87Sr/86Sr (>
0.720, bem acima de valores de fontes mantelicas

Figure 14-6. After Zindler and


Hart (1986), Staudigel et al.
(1984), Hamelin et al. (1986) and
Wilson (1989).
5. PREMA (PREvalent MAntle)

Figure 14-6. After Zindler and


Hart (1986), Staudigel et al.
(1984), Hamelin et al. (1986) and
Wilson (1989).
Desde que os dados Nd-Sr para OIBs extende-se alem dos valores
primitivos para razões verdadeiramente enriquecidas, deve existir
um reservatório do manto enriquecido

Ambos reservatórios EM tem similar razões de enriquecimento


(baixa) razão de Nd (< 0.5124) Também não há mistura de
membros finais.

PREMA representa uma outra variação restrita de valores isotópicos


que é muito comum em rochas vulcanicas oceanicas

Embora seja plotado no manto array, e pode resultar da mistura dee


fundidos de fontes desde o DM e o BSE, a exist~encia de de
fundidos com a assinatura PREMA sugere que ele deva ser uma
fonte distinta
Figure 14-6. After Zindler and
Hart (1986), Staudigel et al.
(1984), Hamelin et al. (1986) and
Wilson (1989).
Note que todos os dados Nd-Sr podem ser
reconhecidos como uma mistura de três
reservatórios : DM EMI e EMII desde que
os dados estejam confinados nos apices dos
traingulos correspondentes aos três
componentes. Então, qual é a natureza do EMI
e EMII, e por que existe ainda um 6th
reservatorio (HIMU) que parece ser um pouco
diferente do que o manto array?
Isotópos de Pb
Pb poduzido pelo decaimento radiotivo do U &
Th
9-20 238
U → 234U → 206Pb
9-21 235
U → 207Pb
9-22 232
Th → 208Pb

Todos os 3 elementos são LIL


Fracionamento dentro do fundido (ou na fase fluida) no
manto, e migram para cima até ser incorporado na
crosta oceânica ou crosta continental
Pb é muito escarso no manto
✦ Fundidos derivado do Manto são susceptiveis a contaminação de
reservatórios ricos em U-Th-Pb
✦ U, Pb, e Th são concentrados na crosta continental (isotopos de Pb são
altamente radiogenicos)
✦ 204 Pb é não-radiogenico, então 208Pb/204Pb, 207Pb/204Pb, e 206
Pb/204Pb
aumentam com o decaimento de U e Th
✦ Crosta Oceanica tem elevado conteudo de U e Th (comparado ao
manto) como os sedimentos derivados da crosta oceanica e continental
✦ Pb é sensitivo a medição do componente crustal (incluindo sedimentos)
no sistema isotópico no manto
✦ 93.7% do U natural é 238U, então 206Pb/204Pb vai ser mais sensitiva ao
componente de enriquecimento crustal
Figure 14-7. After Wilson (1989)
Igneous Petrogenesis. Kluwer.
Pb/204Pb vs. 206Pb/204Pb para basaltos do oceano Atlantico e
207

Pacifico
Geochron = simultanea evolução de 206Pb e 207
Pb em uma
rocha/reservatório
= linha e, cujo todos os sistemas isotopicos do Pb moderno em um
estágio unico (não perturbado ou reequilibrado), tais como BSE,
são plotados.
NENHUM das vulcânicas oceanicas plotam-se na geochron. Como
tmabém não caem dentro do trinagulo EMI-EMII-DM triangle,
como eles aparecem no sistema Nd-Sr
Logo
Existe um reservatório mantélico diferente : HIMU (alto µ)
proposto para explicar este padrão de enriquecimento em Pb
radiogenico
● µ = 238U/204Pb (usado para avaliar o enriquecimento em U)

● HIMU reservatório que tem muita alta razão 206Pb/204Pb,


sugestiva de uma fonte com alto U, ainda não enriquecido em
Rb, e antiga bastante (> 1 Ga) para desenvolver as razões
isotópicas observadas

● Modelos de HIMU: crosta oceanica subductada e reciclada


(possivelmente contaminada pela agua do mar), perda de Pb do
nucleo para o manto, e remoção de Pb-Rb por fluidos
metassomaticos (mas dificies de se documentar )
● As alta razões de Sr em EMI e EMII também
requerem um alto conteúdo de Rb e um longo
periodo de tempo para produzir o excesso de 87Sr
✦ Esta assinatura é bem correlata com a crosta

continental (ou sedimentos derivadas dela)


✦ Crosta Oceanica e sedimentos são provaveis

candidatos para estes reservatorios.


● Os dados 207Pb/204Pb, especialmente para o
hemisfério norte ~ uma mistura linear entre DM e
HIMU, uma linha chamada o Northern
Hemisphere Reference Line (NHRL)
● Os dados para o hemisfério Sul, particularmente
para o oceano Indiano diverge desta linha, e
parecec incluir um grande componente de EM
(provavel EMII)
Note que o HIMU é também enriquecido em 208Pb, implicando que este
reservatório é enriquecido tanto em Th como em U
Este componente altamente enriquecido em EM foi chamando de componente
DUPAL, dado por Dupré and Allègre (1983), que foram os primeiros a descrever
esta feição

Figure 14-8. After Wilson (1989)


Igneous Petrogenesis. Kluwer. Data
from Hamelin and Allègre (1985),
Hart (1984), Vidal et al. (1984).
● Mapa da distribuição geográfica dos dados isotópicos

Figure 14-9. From Hart (1984) Nature, 309, 753-756.

Contorno das “∆8/4” que é a maneira quantitativa de estimar a distância que


um grupo de dados isotópicos 208Pb and 204Pb plota-se acima da NHRL
Por que esta anomalia de enriquecimento se extende como uma faixa
através do hemisfério sul ao redor de 30o S PERMANECE um mistério
● Reservatórios Isotopicamente enriquecidos (EMI,
EMII, and HIMU) são ferramentas para identificar
processos no manto, e eles correspondem a rochas
crustais e/ou sedimentoss
● EMI (pouco enriquecido) correlato com a crosta
continental inferior ou crostaoceanica
● EMII é mais enriquecido, especiamente em Sr
radiogenico (indicado pelo Rb) e Pb (U/Th parents)
correlatos com a crosta continental superior ou antiga
crosta de ilhas oceanicas
Se os reservatórios EM e HIMU representam crosta continental (ou antiga crosta
oceanica e sedimentoss) eles podem somente ser introduzidos no manto profundo
por subducção e reciclagem
Para permanecer isotopicamente distintos, contudo, eles não podem ser totalmente
rehomogenizados ou re-equilibrated isotopicamente com o resto do manto
A Model for Oceanic Magmatism
Continental
Reservoirs

DM

OIB

EM and HIMU from crustal sources (subducted OC + CC seds)


Figure 14-10. Nomenclature from Zindler and Hart (1986). After Wilson (1989) and Rollinson (1993).

Você também pode gostar