Você está na página 1de 32

V ENCONTRO REGIONAL DE

EDUCAÇÃO

“APRENDER NO ALENTEJO”

ACTIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR NO ALENTEJO


O CASO DE MARVÃO
UM MODELO DE COOPERAÇÃO

UNIVERSIDADE DE ÉVORA

6 DE JUNHO DE 2008
1.APRESENTAÇÃO

Pedro Alexandre Ereio Lopes Sobreiro

Vice-Presidente do Município de Marvão

Responsável pelo Pelouro da Educação


por delegação de competências
2.Caracterização do Concelho
2.Caracterização do Concelho
2.Caracterização do Concelho

Área: 154,9 km2


População: 3.739 habitantes
2.Caracterização do Concelho

Dinâmica demográfica no último século


2.Caracterização do Concelho
3. Caracterização do Parque Escolar
3.1 Centro Infantil de St.º António das Areias
3.2 EBI/JI Dr. Manuel Magro Machado

(ampliação)

Plano dos Centenários

Edifício da Telescola
Capacidade e taxa de ocupação

Ano Lectivo N.º de Salas N.º de Alunos Capacidade Taxa de Ocupação (%)

2007/2008 7 131 175 74,85%


3.2 EBI/JI Ammaia

(edifício principal)

Plano dos Centenários


Capacidade e taxa de ocupação

Taxa de
Ano Lectivo N.º de Salas N.º de Alunos Capacidade
Ocupação (%)
2007/08 12 186 275 67,63%
4. Programa de Generalização do Ensino do
Inglês e de outras Actividades de
Enriquecimento Curricular do 1º Ciclo do
Ensino Básico

Junho de 2006

Despacho do
Ministério da
Educação nº
12.591/06
4.1. O modelo de Marvão

a total interacção e a plena


confiança entre as escolas do
concelho, a autarquia e a equipa
do Ministério da Educação

trabalho em conjunto e afectação ao


programa de todos os recursos,
humanos e materiais disponíveis.
4.1. O modelo de Marvão

O grande trunfo desta gestão integrada das


actividades por parte da Autarquia, em
perfeita sintonia com as escolas é a
possibilidade de unidos podermos
racionalizar e potenciar as nossas mais
valias e contornar, da melhor forma
possível, as nossas dificuldades.
PROCESSO ORGANIZATIVO

A Câmara aguarda a colocação de professores


nos Agrupamentos

rentabilização do corpo docente colocado no


agrupamento

Abertura de concurso para conseguir


os dinamizadores necessários
O PROCESSO SÓ É POSSÍVEL, SE EXISTIR

TOTAL SINTONIA
ARTICULAÇÃO
PROXIMIDADE
CÂMARA
MUNICIPAL
MARVÃO

EBI EBI
DR. MANUEL

MAGRO MACHADO
AMMAIA
4.2 As actividades

Ensino do Inglês
Ensino da Música

Actividade Física e
Desportiva
4.3 As Infra-estruturas

Piscina Municipal Coberta


4.4 Gestão Financeira

No ano lectivo 2007/2008, o programa envolveu 104


alunos, o que perfez um total de 26.000€, que
correspondia nas duas escolas na seguinte
proporção:

-15.000€ para os 60 alunos da EBI c/JI Ammaia

- 11.000€ para os 44 alunos da EBI c/JI Dr. Manuel


Magro Machado de S. A. Areias.
4.4 Gestão Financeira

As verbas transferidas do Ministério da Educação para este


programa são aplicadas sobretudo no pagamento das
horas aos dinamizadores, na proporção estabelecida
legalmente; e na aquisição de equipamentos que
permitam potenciar a dinamização.
4.4 Gestão Financeira

ENSINO DO INGLÊS
4.4 Gestão Financeira
ENSINO DA MÚSICA
4.4 Gestão Financeira

AQUISIÇÃO DE NOVOS MATERIAIS

EBI
AMMAIA

4 Computadores de última geração (um por sala)


Impressora laser
que irão servir as salas do 1º Ciclo
investimento total que ronda os 3 mil euros
4.4 Gestão Financeira

AQUISIÇÃO DE NOVOS MATERIAIS

EBI
DR. MANUEL

MAGRO MACHADO

Aquisição de equipamentos lúdicos


(escorrega e baloiço)
investimento que também supera os 2.900 euros
4.5 Dificuldades

- Conseguir os dinamizadores certos

- Falta de espaço e de infra-estruturas


adequadas

- Insuficiência de verbas para cobrir todas as


necessidades (transportes, por.ex.)

- Falta de compreensão de muitos pais que não


valorizam o esforço e trabalho de todas as
partes envolvidas, insistindo na ideia de que
estas actividades são de menor importância

- Melhoria da comunicação com e dentro dos


agrupamentos
4.6 Vantagens

- Ao assumirmos a gestão integrada passamos a


controlar todo o processo e a poder optar a
qualquer momento pelos caminhos que nos
parecem mais adequados

- Temos a possibilidade de fidelizar os


dinamizadores que se destacaram pelo seu
desempenho e que revelam uma excepcional
adaptação e dedicação à escola e ao concelho
4.7 Reuniões

PROMOVENDO A PROXIMIDADE E A CUMPLICIDADE

4.7.1. Presença nas Reuniões de SUPERVISÃO

4.7.2. Colaboração nas Visitas de Acompanhamento e


atenção aos relatórios de monitorização
5. Conclusão
Apesar deste Programa não constituir uma revolução
em termos de ensino, sobretudo em escolas e em
concelhos que já dinamizavam por sua conta e
risco, há mais de 10 anos, algumas destas
actividades, sou da opinião que deu um enorme
contributo na sistematização e na articulação da
oferta no período para além do bloco curricular.
Ajudou, sem dúvida alguma, a fazer chegar a mais
alunos, com mais e maior qualidade, uma
significativa oferta educativa complementar.

O que me parece de realçar é que se o programa é


de aplicar e é no interesse dos nossos alunos,
nada mais nos resta do que nos esforçarmos
diariamente para aplicá-lo o melhor que
podemos, fazendo os ajustes necessários, por
forma a que as crianças possam dai retirar o
melhor aproveitamento possível.
MUITO OBRIGADO
PELA VOSSA ATENÇÃO