Você está na página 1de 11

PROTEÍNAS

Albumina do sangue
PROTEÍNAS
 I-Percentagem dos elementos constituinrtes
 As proteínas possuem os elementos constituintes numa
média de:
 C = média 52,5 %
 H = média 6,9 %
 O = média 21,5%
 N = média 16%
 S = média 1,35 %
 O teor médio do elemento N em todas as proteínas de
origem animal é de 16% e por isso pode determinar-se
o teor proteico fazendo a determinação do azoto total
expresso em N pela equação
 Proteína total (g) =Teor em N x100/16 = Teor em
Nx6,25
PROTEÍNAS
 II-Hidrólise ácida
 Por acção de uma solução de ácido clorídrico
5,6N, no intervalo entre 105 ºC-110ºC, as
proteínas sofrem hidrólise libertando os
aminoácidos constituintes.
 Os aminoácidos constituintes são depois
separados por cromatografia troca-iónica e
doseados.
 Por este processo o aminoácido triptofano é
destruído.
 Em vez de se proceder a uma hidrólise total
pode, por este processo, fazer-se uma hidrólise
parcial que permite a determinação da estrutura
da proteína.
PROTEÍNAS
 III-Hidrólise alcalina
 A hidrólise alcalina origina a destruição dos
amnoácidos cisteína, cistina e arginina eracemiza
todos os outros aminoácidos
 IV-Hidrólise enzimática
 As enzimas proteolíticas ou proteínases
catalisam a hidrólise proteicos com libertação ou
de cadeias poliptídicas ou aminoácidos, a 37ºC e
a um pH típico de cada proteína.
 As proteínases são de dois tipos
 1-Endopeptidases
 2-Exopeptidases
PROTEÍNAS
 1-As endopeptidases hidrolisam as
proteínas em polipéptidos de tamanho
variável, actuando em ligações peptídicas
específicas.
 2-As exopeptidases hidrolisam as
proteínas libertando aminoácidos, quer
começando pela extremidade N-terminal
ou C-terminal.
PROTEÍNAS
 V-Reacções químicas resultantes da presença de
certos aminoácidos
 Nos grupos
Acetilação
Fixação de radicais ácidos Benzoilação
Trifluoroacetilação
-NH2
-OH
Acção do ácido iodoacético
-SH Substituição dos H p-cloromercurobenzoato
por radicais alifáticos Dinitrof enilação
ou aromáticos Metilação
Etileno-iminação
-SH-Oxidação
-COOH-Esterificação
-NH2-Desaminação seguida de diazotação
PROTEÍNAS
 O conjunto de reacções químicas permite determinar a
estrutura proteica e estabelecer a relação actividade
fisiológica-estrutura.
 VI-Reacções corada das proteínas
 1-Reacção de biureto
 2-Fixação selectiva de corantes
 2.1 Negro amidado (Amidoschwarz)
 2.2 Azul de bromofenol
 3-Reacção Xantoproteica
 4-Reacção de Millon
 5-Outras
PROTEÍNAS
 DESNATURALIZAÇÃO PROTEICA
 A desnaturalização de uma proteína é a
modificação das suas propriedades físico-
químicas por intermédio dos chamados
Agentes de Desnaturalização.
 Os agentes desnaturalizantes mais comuns
são: calor, radiações ultra-violeta, ácidos,
bases, sais de metais pesados, solventes
orgânicos, ureia e guanidina.
PROTEÍNAS
 Estes agentes destróiem essecialmente as ligações
hidrofóbicas, por pontes de hidrogénio e ligações iónicas
que se estabelecem para originar as estruturas
secondária, terceária e quaternária das proteínas.
 A desnaturalização pode ser:
 1-Reversível
 2-Irreversível
 1-A ribonuclease pode ser desnaturalizada
reversivelmente reduzindo as quatro pontes dissulfureto
por acção da ureia a oito grupos tiol.
 Quando se oxida por meio de oxigénio do ar a enzima
volta a apresentar a sua actividade normal.
PROTEÍNAS
 2-A insulina ao produzir-se a quebra das suas
pontes dissulfureto desnaturaliza-se
irreversivelmente.
 Os principais efeitos da desnaturalização são:
 A) Diminuição da solubilidade no ponto
isoeléctrico
 B) Perda de actividade biológica
 C) Reactividade aumentada dos grupos químicos
que estavam inibidos pela estrutura terceária da
proteína
PROTEÍNAS

D) Aumento dos grupos ionizáveis disponíveis


E) Aumento da rotação da luz polarizada para a
esquerda (levorotação)
F) Aumento da assimetria da ,olécula
G) Aumento da susceptibilidade à hidrólise por
enzimas hidrolíticas
H) Perda de cristabilidade
I) Cisão de ligação por ponte de hidrogénio