Você está na página 1de 229

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA

Curso: ENGENHARIAS
Disciplina: Administração

Fundamentos de
Administração

Prof.: Nei Garcia Ferreira

UNESP - 2007
Conceitos de administração
 Administração é o ato de trabalhar com e
através de pessoas para realizar os
objetivos tanto da organização quanto de
seus membros.

 Administração é o processo de
 Planejar
 Organizar;
 Dirigir
(Liderar); e
 Controlar.
O uso de recursos a fim de alcançar objetivos.
Processo administrativo
 Planejamento
 Incluidefinir metas, estabelecer a estratégia e
desenvolver planos para coordenar as atividades.

 Exemplo:
 Por que planejar? Quando se achavam numa
bifurcação da estrada, Alice perguntou ao Gato qual
direção seguir, e ouviu outra pergunta: “Para onde
você quer ir?” Quando Alice falou que não importava, o
Gato respondeu apropriadamente, “Então qualquer das
estradas a levará até lá”.
 Para as organizações a analogia é pertinente. Sem
saber para onde se pretende que a organização vá,
“chegar lá” pode ser impossível.
Análise SWOT
 Pontos fortes (estratégicos)
 Recursos internos que estão disponíveis ou coisas
que uma organização faz bem.
 Competência central: uma habilidade
única ou recurso que representa uma
margem competitiva
 Pontos fracos
 Recursos que faltam a uma organização ou
atividades que ela não faz bem.
 Oportunidades (estratégicas)
 Fatores ambientais externos positivos.
 Ameaças
 Fatores ambientais externos negativos.
Processo administrativo
 Organização
 Inclui determinar quais tarefas devem ser
feitas, quem as fará, como elas serão
agrupadas, quem se reportará a quem e onde
se deverão tomar decisões.

 Por que organizar?


 Nós organizamos com o propósito de alcançar
metas e objetivos.
Processo administrativo
 Liderança
 Inclui motivar os funcionários, dirigir as
atividades de outras pessoas, selecionar o canal
de comunicação mais eficiente e solucionar
conflitos.
Gerentes versus líderes
“Nem todos os líderes são gerentes e nem
todos os gerentes são líderes.”
 Gerentes
 Pessoas cuja influência sobre os outros
limita-se à autoridade administrativa
designada de seus postos para recompensar
e punir.
 Líderes
 Pessoas com poder administrativo e pessoal
que podem influenciar outras a executar
ações além daquelas que poderiam ser
determinadas unicamente pela autoridade
(posição) formal dessas pessoas.
Seis particularidades que diferenciam os líderes
dos não-líderes
1. Impulso;
2. Desejo de liderar;
3. Honestidade e integridade;
4. Autoconfiança;
5. Inteligência;
6. Conhecimentos relacionados ao cargo.

Fonte: Reimpresso de “Leadership: Do Traits Really Matter?” by S. A. Kirkpatrick e E. A. Locke by permission of Academy of Management Executive, maio
de 1991, pp.48–60. © 1991 by Academy of Management Executive.
Processo administrativo
 Controle
 O processo de monitorar o desempenho, compará-lo com
as metas e corrigir quaisquer desvios significativos.

O processo de monitoramento das atividades para


garantir que sejam executadas de acordo com o
planejado e corrigir quaisquer desvios significativos.

 Um sistema de controle eficaz assegura que as


atividades sejam concluídas de tal maneira que acarrete
a realização das metas da organização.
Tipos de controle
Cultura organizacional
 Cultura organizacional
 Um sistema de significado compartilhado dentro de uma
organização que determina, em grande parte, como os
funcionários agem.
 Os valores compartilhados se mostram nos elementos
culturais:
 Histórias, rituais, símbolos materiais e linguagem

exclusivos da organização.
 Resulta da interação entre:
 As predisposições e suposições dos fundadores;

 Aquilo que os primeiros funcionários aprendem


subseqüentemente a partir de suas próprias
experiências.
Dez características da cultura organizacional

 Identidade de  Tolerância a riscos;


membro;  Critério de
 Ênfase do grupo; recompensa;
 Foco nas pessoas;  Tolerância a
 Integração da conflitos;
unidade;  Orientação
 Controle; meio/fim;
 Foco nos sistemas
abertos.
Conceitos de administração

 Administração
O processo de fazer com que coisas sejam
feitas, eficazmente e eficientemente, por meio
de pessoas e com as pessoas.
 Eficiência
 Significa fazer a coisa corretamente; refere-se à
relação entre insumos e produtos; procura minimizar
os custos dos recursos.
 Eficácia
 Significa fazer as coisas certas; realização da meta.
Eficiência e Eficácia
Por que estudar administração?
 Embora o processo administrativo seja importante
em qualquer contexto de utilização de recursos, a
razão principal para estudá-la é seu reflexo sobre
o desempenho das organizações.

 O principal motivo para a existência das


organizações é o fato de que certos objetivos só
podem ser alcançados por meio da ação
coordenada de grupos de pessoas.

 Exercício 1
Os Fundamentos da
Administração
História das empresas
 Dividida em seis fases:
 Fase artesanal;
 Fase da transição do artesanato à industrialização;
 Fase do desenvolvimento industrial;
 Fase do gigantismo industrial;
 Fase moderna;
 Fase da incerteza.

 Dividida em três ênfases:


 Ênfase nas tarefas
 Administração científica
 Ênfase na estrutura organizacional
 Teoria Clássica
 Teoria Neoclássica
 Teoria da Burocracia
 Teoria estruturalista
 Ênfase nas pessoas
 Escola das relações humanas
 Teoria do comportamento organizacional
 Teoria do desenvolvimento organizacional
As seis fases da história das empresas

Antiguidade até a pré-


1ª Fase artesanal
Revolução Industrial
Até 1780

Fase da transição
2ª para a industrialização
1ª Revolução Industrial 1780 a 1860

Fase do
Após a 2ª Revolução
3ª desenvolvimento
Industrial
1860 a 1914
industrial
Fase do gigantismo Entre as duas Grandes
4ª industrial Guerras Mundiais
1914 a 1945

Pós-guerra até a
5ª Fase moderna
atualidade
1945 a 1980

6ª Fase da incerteza Momento atual Após 1980


1ª Fase artesanal
 O regime de produção é fundamentado no
artesanato rudimentar nas pequenas oficinas e na
mão-de-obra intensiva e não qualificada na
agricultura.
 Há um predomínio de pequenas oficinas, granjas
e agricultura, com base no trabalho escravo, com
ferramentas toscas.
 Há resquícios ainda do feudalismo, e o sistema
comercial é baseado na antiga tradição das trocas
locais.
2ª Fase da transição do artesanato à industrialização
 É a nascente fase da  Agricultura:
industrialização, da mecanização  Descaroçador de algodão
das oficinas e da agricultura. (1792)
 Mecanização das oficinas:
 Dois grandes expoentes são o  Máquina de fiar (1767)
carvão (fonte básica de energia) e  Tear hidráulico (1769)
o ferro (material básico).  Tear mecânico (1785)
 Os transportes:
 Máquina a vapor e da aplicação da  Navegação a vapor (1807)
força motriz do vapor à produção :  Locomotiva a vapor
as oficinas mecanizadas  Estradas de ferro
transformam-se lentamente em
fábricas e usinas dotadas de
 Comunicação:
enormes e pesadas máquinas, que  Telégrafo elétrico (em 1835)
passam a substituir o esforço  Selo postal ( em 1840)
muscular humano.
3ª Fase do desenvolvimento industrial
 Aço (novo material – substituição do ferro pelo
aço)
 Eletricidade (substituição do vapor pela
eletricidade e pelos derivados do petróleo)
 Motor a explosão e motor elétrico
 Automóvel (1880)
 Avião (1906)
 Telégrafo sem fio
 Telefone (1876)
 Cinema
4ª Fase do gigantismo industrial
 Fase que compreende a grande depressão
econômica de 1929 e crise mundial pro ela
provocada.
 Fases em que as empresas atingem proporções
enormes, atuando em operações de âmbito
internacional e multinacional.
 Transporte se intensifica:
 navegações de grande porte
 Estradas de ferro e rodovias
 Aprimoramento do automóvel e do avião
 Comunicações se tornam mais amplas e rápidas
 Rádio e televisão
5ª Fase moderna
 Separação entre países  Novas tecnologias
desenvolvidos (ou  Televisão em cores
industrializados), os  Som de alta fidelidade
subdesenvolvidos (ou não-  Computador
industrializados) e os países em  Máquina de calcular eletrônica
desenvolvimento.  Transmissão televisão por
 Novos materiais básicos surgem satélite
 Plásticos  Fase em que, ao lado da empresas
 Alumínio multinacionais, surgem e se
 novas fibras têxteis sintéticas
desenvolvem empresas nacionais
de grande porte como:
 Concreto protendido  Petrobrás
 Novas fontes de energias  Votorantim
 Energia nuclear  Construtoras Mendes Júnior e
 Energia solar Camargo Corrêa
 Varig
 Cia Cervejaria Brahma
 Rede Ferroviária Federal
 Bradesco
 Banco Itaú etc
6ª Fase da incerteza
 Carregada de desafios,  Nesta fase, as empresas lutam
dificuldades, ameaças, coações, com escassez de recursos,
contingências, restrições e toda dificuldades na colocação dos
sorte adversidades para as seus produtos ou serviços,
empresas. acirrada concorrência,
dificuldade em entender as
relações do mercado e as ações
 É a fase em que o ambiente
dos concorrentes.
externo se caracteriza por uma
complexidade e mutabilidade
que as empresas não  A maneira tradicional de
conseguem decifrar e interpretar administrar e de fazer as coisas
adequadamente. Assim, ocorre como elas sempre foram feitas
a incerteza por parte das no passado não proporcionará
empresas em relação aquilo que os resultados adequados. Tudo
esta ocorrendo em um futuro mudou. E a administração
próximo ou remoto. também
Principais enfoques da administração

Teoria geral da administração

Enfoque técnico Enfoque comportamental Enfoque sistêmico

Escola clássica Diferenças Pensamento


individuais sistêmico

Taylor
Liderança Estratégia
Fayol
Motivação Ética
Weber
Cultura e clima Reengenharia
Henry Ford
Parte da Teoria
das Organizações Qualidade total
Escolas da qualidade
História das empresas
 Dividida em seis fases:
 Fase artesanal;
 Fase da transição do artesanato à industrialização;
 Fase do desenvolvimento industrial;
 Fase do gigantismo industrial;
 Fase moderna;
 Fase da incerteza.

 Dividida em três ênfases:


 Ênfase nas tarefas
 Administração científica
 Ênfase na estrutura organizacional
 Teoria Clássica
 Teoria Neoclássica
 Teoria da Burocracia
 Teoria estruturalista
 Ênfase nas pessoas
 Escola das relações humanas
 Teoria do comportamento organizacional
 Teoria do desenvolvimento organizacional
Ênfase nas tarefas

Administração científica
Ênfase Teorias administrativas Principais enfoques

Tarefas Administração científica Racionalização do trabalho no nível operacional

Organização Formal;
Teoria clássica
Princípios gerais da Administração;
Teoria neoclássica
Funções do Administrador.

Organização Formal Burocrática;


Estrutura Teoria da burocracia
Racionalidade Organizacional;
Múltipla abordagem:
Organização formal e informal;
Teoria estruturalista
Análise intra-organizacional e análise inter-
organizacional;
Organização informal;
Teoria das relações
Motivação, liderança, comunicações e dinâmica de
humanas
grupo;
Estilos de Administração;
Pessoas Teoria do comportamento Teoria das decisões;
organizacional Integração dos objetivos organizacionais e
individuais;
Teoria do desenvolvimento Mudança organizacional planejada;
organizacional Abordagem de sistema aberto;
Ênfase nas tarefas
 Administração Científica:

 Taylor tinha como preocupação principal tentar eliminar o


fantasma do desperdício e das perdas sofridas pelas indústrias
americanas e elevar os níveis de produtividade por meio da
aplicação de métodos e técnicas da engenharia industrial.

 Até então, a escolha do método de trabalho era confiada ao


próprio operário que se baseava na sua própria experiência
pessoal anterior para definir como iria realizar as suas tarefas. Isso
fazia com que as industrias americanas revelassem uma profunda
disparidade de métodos de trabalho, pois cada operário tinha o
seu esquema pessoal de trabalho, o que dificultava a supervisão,
o controle e a padronização de utensílios e ferramentas de
trabalho.
Ênfase nas tarefas (continuação)
 Taylor procurou tirar do operário o direito de escolher a
sua maneira pessoal de executar a tarefa para impor-lhe
um método planejado e estudado por um profissional
especializado no planejamento das tarefas.

 Essa administração das tarefas se assentava na


organização racional do trabalho do operário que
procurava localizar o método pelo qual o operário poderia
se tornar eficiente.

 Quatro princípios alicerçavam a Administração Científica:


 Princípio do Planejamento;
 Princípio de preparo;
 Princípio do controle; e
 Princípio da execução.
Ênfase nas tarefas (continuação)
 Princípio do Planejamento: substituir no trabalho o critério individual do
operário, a improvisação e a atuação empírica-prática, pelos métodos
baseados em procedimentos científicos. Substituir a improvisação pela
ciência, por meio do planejamento do método.

 Princípio de Preparo: selecionar cientificamente os trabalhadores de


acordo com suas aptidões, prepará-los e treiná-los para produzirem mais
e melhor, de acordo com o método planejado. Além do preparo da mão-
de-obra, preparar também as máquinas e os equipamentos de produção,
bem como o arranjo físico e a disposição racional das ferramentas e dos
materiais.

 Princípio do Controle: controlar o trabalho para se certificar de que o


mesmo está sendo executado de acordo com as normas estabelecidas e
segundo o plano previsto. A gerência deve cooperar com os
trabalhadores, para que a execução seja a melhor possível.

 Princípio da Execução: distribuir distintamente as atribuições e as


responsabilidades, para que a execução do trabalho seja bem mais
disciplinada.
Ênfase nas tarefas (continuação)

 A ênfase nas tarefas é uma abordagem microscópica feita


no nível do operário e não no nível da empresa tomada
como uma totalidade. É uma abordagem mecanicista por
envolver um conjunto de fatores:
 Estudo de tempos e movimentos,
 Seleção científica do operário,
 Aplicação do método planejado racionalmente,
 Medidas para reduzir ou neutralizar a fadiga,
 Estabelecimento de padrões de produção, etc.

 Como se cada um deles contribuísse deterministicamente


para a maximização da eficiência, como se fossem dentes
de uma grande engrenagem
Ênfase na estrutura organizacional
 Teoria Clássica
 Teoria Neoclássica
 Teoria da Burocracia
 Teoria estruturalista
Ênfase na estrutura organizacional
 É a fase em que administrar é sobretudo planejar e
organizar a estrutura de órgãos e de cargos que compõem
a empresa, dirigir e controlar as suas atividades.

 Verifica-se que a eficiência da empresa é muito mais do


que a soma da eficiência dos seus trabalhadores, e que
ela deve ser alcançada Por meio da racionalidade, isto é,
da adequação dos meios aos fins que de deseja alcançar.

 Quatro são as abordagens relacionadas com a estrutura


organizacional:
 Teoria Clássica
 Teoria Neoclássica
 Teoria Burocrática e
 Teoria Estruturalista
Teoria Clássica
 A primeira abordagem nasceu com Henri
Fayol, engenheiro francês que inaugurou a
abordagem anatômica e estrutural da
empresa, substituindo a abordagem
analítica de Taylor por uma abordagem
sintética, global e universal.

 Fayol relacionou 14 princípios básicos que


podem ser estudados de forma
complementar aos de Taylor.
Teoria Clássica
 Divisão do trabalho
 Autoridade e responsabilidade
 Unidade de comando
 Unidade de direção
 Disciplina
 Prevalência dos interesses gerais
 Remuneração
 Centralização
 Hierarquia
 Ordem
 Eqüidade
 Estabilidade dos funcionários
 Iniciativa
 Espírito de corpo
Teoria Clássica
 Para Fayol, toda empresa possui seis
funções básicas a saber:

Funções técnicas.
Funções comerciais.
Funções financeiras.
Funções de segurança.
Funções contábeis.
Funções administrativas.
Teoria Clássica (continuação)

 Funções técnicas.
 relacionadas com a produção de bens ou de serviços da empresa.
 Funções comerciais.
 relacionadas com a compra, venda e permutação.
 Funções financeiras.
 relacionadas com a procura e gerência de capitais.
 Funções de segurança.
 relacionadas com a proteção e preservação dos bens e das pessoas.
 Funções contábeis.
 relacionadas com os investimentos, registros, balanços, custos e
estatística.
 Funções administrativas.
 relacionadas com a integração de cúpula das outras cinco funções. As
funções administrativas coordenam e sincronizam as demais funções da
empresa, pairando sempre acima delas.
Teoria Clássica (continuação)
 As funções administrativas
são as próprias funções do Prever
administrador
Organizar
Funções administrativas
Comandar
Funções técnicas
Coordenar
Funções comerciais
Controlar
Funções financeiras

Funções contábeis
Funções de segurança
Teoria Clássica (continuação)

Visualizar o futuro e traçar o programa de ação Prever


Organizar
Funções administrativas
Comandar
Funções técnicas
Coordenar
Funções comerciais
Controlar
Funções financeiras

Funções contábeis
Funções de segurança
Teoria Clássica (continuação)
Prever
Constituir o duplo organismo material e social
da empresa Organizar
Funções administrativas
Comandar
Funções técnicas
Coordenar
Funções comerciais
Controlar
Funções financeiras

Funções contábeis
Funções de segurança
Teoria Clássica (continuação)
Prever
Organizar
Funções administrativas
Dirigir e orientar o pessoal Comandar
Funções técnicas
Coordenar
Funções comerciais
Controlar
Funções financeiras

Funções contábeis
Funções de segurança
Teoria Clássica (continuação)
Prever
Organizar
Funções administrativas
Comandar
Funções
Ligar, técnicas
unir, harmonizar todos os atos e todos
os esforços coletivos Coordenar
Funções comerciais
Controlar
Funções financeiras

Funções contábeis
Funções de segurança
Teoria Clássica (continuação)
Prever
Organizar
Funções administrativas
Comandar
Funções técnicas
Coordenar
Funções comerciais
Verificar que tudo ocorra de acordo com as
regras estabelecidas e as ordens dadas
Controlar
Funções financeiras

Funções contábeis
Funções de segurança
Teoria Neoclássica
Características

 Asprincipais características da Teoria


Neoclássica são as seguintes:

Ênfase na prática da administração.


Reafirmação dos postulados clássicos.
Ênfase nos princípios gerais de
administração.
Ênfase nos objetivos e nos resultados.
Ecletismo (meio-termo) nos conceitos
Teoria da Burocracia
 A segunda abordagem relacionada com a estrutura
organizacional nasceu com Max Weber, sociólogo alemão
considerado o fundador da Teoria da burocracia.
 Para Weber, o termo burocracia não tem o significado
pejorativo de uso popular, mas um significado técnico que
identifica certas características da organização formal
voltada exclusivamente para a racionalidade e para a
eficiência.
 O tipo ideal de burocracia, segundo Weber, apresenta seis
dimensões principais:
 Formalização
 Divisão do trabalho
 Princípio da hierarquia
 Impessoalidade
 Competência técnica
 Profissionalização do funcionário
Teoria da Burocracia (continuação)
 Formalização:
 Todas as atividades da organização são definidas por escrito (rotinas e procedimentos) e
a organização opera de acordo com um conjunto de leis ou regras (regras e
regulamentos,regimento interno, estatutos) que são aplicáveis a todos os casos
individuais, sem exceção
 Divisão de trabalho:
 Cada participante tem um cargo ou posição definidos com esfera específica de
competência, com deveres oficiais, atribuições estritamente especificadas e delimitadas.
 Principio de Hierarquia:
 A burocracia se assenta em uma hierarquia bem definida de autoridade. Cada funcionário
é submetido a ordens impessoais que guiam suas ações de modo a assegurar sua
obediência. Cada função mais baixa está sob controle e supervisão da mais alta,
assegurando unidade de controle: cada funcionário tem apenas um único chefe.
 Impessoalidade:
 O funcionário ideal desempenha com impessoalidade no relacionamento com outros
ocupantes de cargos. A burocracia enfatiza os cargos e não as pessoas que os ocupam,
pois as pessoas entram e saem da organização, mas os cargos permanecem para garantir
sua continuidade e perpetuação.
 Competência Técnica:
 A seleção e escolha dos participantes é baseada na competência técnica e qualificação
profissionais dos candidatos e não em preferências de ordem pessoal. Daí a utilização de
testes e concursos para preenchimento de cargos ou para promoções. O sistema também
prevê carreiras, e as promoções são feitas de acordo com a antiguidade ou mérito
funcional, dependendo sempre do julgamento do superior.
 Profissionalização do Funcionário:
 Os funcionários da burocracia são profissionais, pois são especialistas em face da divisão
do trabalho; são assalariados de acordo com suas funções ou posição hierárquica; seus
cargos constituem a sua principal atividade dentro da organização; são nomeados pelo
superior imediato; seus mandatos são pro tempo indeterminado; seguem carreira dentro
da organização.
Teoria da Burocracia (continuação)

Dimensões da Burocracia Conseqüências Objetivo

Formalização Previsibilidade
do Máxima
Divisão do Trabalho
Comportamento
Princípio da Humano
Hierarquia Eficiência
Impessoalidade Padronização do
Competência Técnica Desempenho da
Profissionalização do dos
funcionário Participantes Organização

As dimensões da burocracia
Teoria Estruturalista
 Desenvolveu-se a partir dos estudos sobre as limitações e
rigidez do modelo burocrático, considerado um modelo
típico de sistema fechado, altamente mecanístico e
fundado em uma “teoria da máquina”, onde a organização
é concebida como um arranjo estático de peças cujo
funcionamento é deterministicamente previsto.

 A partir do modelo burocrático, os estruturalistas


introduziram o conceito de sistema aberto no estudo das
organizações e tentaram compatibilizar as contribuições
clássicas e humanísticas da Teoria da Administração.
Ênfase nas Pessoas
 Escola das relações humanas
 Teoria do comportamento organizacional
 Teoria do desenvolvimento organizacional
Ênfase nas pessoas
 É a fase em que administrar é, sobretudo, lidar
com pessoas.
 Procura enfatizar as pessoas dentro das
empresas, deixando em segundo plano a
estrutura e as tarefas.
 É chamada de abordagem humanística, podendo
ser desdobrada em três escolas ou teorias:
 Teoria das relações humanas
 Teoria comportamental
 Teoria do desenvolvimento organizacional.
Teoria das relações humanas
 As principais contribuições da Teoria das relações
humanas se concentram no esforço pioneiro rumo
à humanização das empresas:
a ênfase na organização informal;
 nos grupos sociais;
 nas comunicações;
 na motivação;
 na liderança;
 nas abordagens participativas e, sobretudo
 na preocupação com a satisfação no trabalho.
Teoria comportamental
 É desenvolvida uma teoria das decisões,
salientando que a decisão é muito mais
importante do que a execução que a
sucede.

 A partir daí as empresas são visualizadas


como sistemas de decisões, onde as
pessoas percebem, sentem, decidem e
agem, definindo seus comportamentos
frente às situações com que se deparam.
Teoria do desenvolvimento organizacional
 O desenvolvimento organizacional nada mais é que
as mudanças que ocorrem dentro de uma
organização.
 Segundo essa teoria aberta, democrática e
participativa, as organizações devem se voltar mais
às pessoas do que às técnicas e recursos para
conseguir uma maior capacidade de realizar as
mudanças necessárias ao desenvolvimento
organizacional.

 Exercício 2
Administração da
Produção
Conceito

 A administração da produção trata da maneira


pela qual as organizações produzem bens e
serviços. Tudo o que você veste, come, senta em
cima, usa, lê ou usa na prática de esportes chega
a você graças aos gerentes de produção que
organizam sua produção.

 Todos os livros que você toma emprestado na


biblioteca, os tratamentos recebidos no hospital,
os serviços esperados das lojas e as aulas na
universidade também foram produzidas.
Ementa
 A importância da Administração da
Produção e operações;
 Papel estratégico da produção;
 A função produção e os objetivos de
desempenho;
 Estratégia da produção;
 O Planejamento da Produção
 Planejamento das necessidades de
materiais - MRP
A importância da administração de produção e
operações

 Segundo Dilworth (1992), existem, no


mínimo, três requisitos básicos para o
sucesso empresarial. A empresa precisa
oferecer um produto (bem ou serviço):

 que seja compatível com suas capacidades e


para o qual existe suficiente mercado;
 com qualidade consistente com o nível de
expectativa e dos desejos de seus clientes;
 a um custo que permita um lucro adequado e
um razoável preço de venda.
A importância da administração de produção e
operações
 A função produção desempenha um papel
importante na consecução dos requisitos citados.
Ela é responsável pelo nível de qualidade dos
produtos e também, tem grande influência sobre
os custos, uma vez que grande parte dos recursos
da empresa estão alocados para a produção de
bens ou serviços.
 Assim, a função produção é responsável tanto
pela qualidade como pela produtividade da
utilização dos recursos destinados à produção do
produto. Ela tem a importante função de tornar a
empresa mais competitiva, portanto, fazendo parte
integrante da estratégia competitiva da empresa.
Modelo de Transformação
Ambiente
Objetivos
Estratégicos
da produção

Input Papel e posição


Estratégia competitiva da
Recursos a de produção
serem produção
transformados

Materiais
Informações
Consumidores
Projeto Melhoria

Bens
INPUT OUTPUT e
serviços

Planejamento
Instalações e controle
Pessoal

Input
Recursos de
transformação Ambiente
Modelo de Transformação
Processamento de materiais:
Processamento
Processamento
de informação:
de consumidor:

Propriedades físicas;
Propriedades informativas;
Propriedades físicas;
Localização; Localização;Localização;
Posse; Posse;
Estocagem (acomodar);
Estocagem Estocagem
Estado fisiológico;
Input Estado psicológico
Recursos a
serem
transformados

Materiais
Informações
Consumidores
Projeto Melhoria
Bens
e
INPUT OUTPUT serviços

Planejamento
Instalações e controle
Pessoal

Input
Recursos de
transformação
Recursos a serem transformados - INPUT
Recursos de transformação - INPUT
Propriedades físicas

Estocagem

Mudança de localização

Mudança de posse
Propriedades informativas – a forma da informação

Mudança de posse

Estocagem de informação
Mudança de localização
Propriedade física Localização

Estado fisiológico Estado psicológico

Estocagem - acomodar
Produtos e Serviços

Bens puros Serviços puros

Tangíveis, estocados, Intangíveis, intransportáveis,


podem ser transportados, não podem ser estocados,
produção precede o produção e consumo
consumo, baixo nível de simultâneos, alto nível de
contato com o consumido e contato com o consumido e
qualidade equivalente. difícil julgar a qualidade.
Hierarquia do sistema de produção
 Uma operação global pode ser considerada uma
(macro) operação enquanto seus departamentos
podem ser considerados (micro) operações.

 Assim uma (macro) operação pode ser composta


de várias (micro) operações dentro do mesmo
modelo "input-transformação-output".

Exercício 3
Ementa
 A importância da Administração da
Produção e operações;
 Papel estratégico da produção;
 A função produção e os objetivos de
desempenho;
 Estratégia da produção;
 O Planejamento da Produção
 Planejamento das necessidades de
materiais - MRP
O Papel da Produção
 Como apoio para a estratégia empresarial;

 Como implementadora da estratégia


empresarial;

 Como impulsionadora da estratégia


empresarial
O Papel da Produção
Ementa
 A importância da Administração da
Produção e operações;
 Papel estratégico da produção;
 A função produção e os objetivos de
desempenho;
 Estratégia da produção;
 O Planejamento da Produção
 Planejamento das necessidades de
materiais - MRP
A função produção e os objetivos de desempenho

 Você desejaria fazer certo as coisas. Isto é, não


desejaria cometer erros. Desejaria satisfazer a
seus consumidores fornecendo bens e serviços
isentos de erro, inadequados a seus propósitos.
Se a produção for bem sucedida em proporcionar
isso, estará dando uma vantagem de qualidade
para a empresa.

Fazer certo as coisas Vantagem em qualidade


A função produção e os objetivos de desempenho

 Você desejaria fazer as coisas com rapidez.


Desejaria minimizar o tempo entre o consumidor
solicitar os bens e serviços e recebê-los. Fazendo
isso, você estaria aumentando a disponibilidade de
seus bens e serviços para os consumidores e
estaria dando à empresa uma vantagem em
rapidez.

Fazer as coisas com rapidez Vantagem em rapidez


A função produção e os objetivos de desempenho

 Você desejaria fazer as coisas em tempo para


manter os compromissos de entrega assumidos
com seus consumidores. Isso pode significar estar
preparado para estimar rigorosamente, uma data
de entrega (ou, talvez, até aceitar a data de
entrega exigida pelo consumidor), comunicá-la
claramente ao consumidor e, depois, entregar,
exatamente, em tempo. Se a produção puder fazer
isso, estará proporcionando aos consumidores a
vantagem de confiabilidade.

Fazer as coisas em tempo Vantagem em confiabilidade


A função produção e os objetivos de desempenho
 Você desejaria estar preparado para mudar o que
faz, isto é, estar em condições de mudar ou de
adaptar as atividades de produção para enfrentar
circunstâncias inesperadas (um consumidor
mudando de idéia ou, talvez, consumidores além
do esperado exigindo seus serviços) ou porque os
consumidores exigem tratamento exclusivo, de
maneira que a variedade de bens e serviços
produzidos precisa ser ampla o suficiente para
satisfazer a todos eles. Estar em condições de
mudar rapidamente para atender às exigências
dos consumidores dá à empresa a vantagem de
flexibilidade.

Mudar o que se faz Vantagem em flexibilidade


A função produção e os objetivos de desempenho

 Você desejaria fazer as coisas o mais barato


possível, isto é, produzir bens e serviços a custo
que possibilite fixar preços apropriados ao
mercado e ainda permitir retorno para a
organização. Alternativamente, se for uma
organização que não visa o lucro, fazer as coisas
baratas significa dar bom valor aos pagadores de
impostos ou aos mantenedores da operação.
Quando a organização procura fazer isso, está
proporcionando vantagem de custo a seus
consumidores
Fazer as coisas mais barato Vantagem em custo
A função produção e os objetivos de desempenho

fazer certo as coisas vantagem em qualidade

fazer as coisas com rapidez vantagem em rapidez

fazer as coisas em tempo vantagem em confiabilidade

mudar o que se faz vantagem em flexibilidade

fazer as coisas mais barato vantagem em custo

Exercício 4
Ementa
 A importância da Administração da
Produção e operações;
 Papel estratégico da produção;
 A função produção e os objetivos de
desempenho;
 Estratégia da produção;
 O Planejamento da Produção
 Planejamento das necessidades de
materiais - MRP
O processo administrativo
Objetivos da
empresa

o que há no análise ambiental análise o que temos na


ambiente? organizacional empresa?

oportunidades, ponto fortes e


ameaças, pontos fracos,
restrições, Recursos
coações e disponíveis,
contingências capacidade e
habilidade

Estratégia
empresarial
o que fazer?
Estratégia de produção

Estratégia
do negócio

Estratégia Estratégia Estratégia Estratégia Estratégia


de P&D de de de de RH
Marketing produção finanças

Estratégia
Estratégia Estratégia
de produção
de produção de produção
das (micro)
das (micro) das (micro)
operações
operações operações

Exercício 5
Ementa
 A importância da Administração da
Produção e operações;
 Papel estratégico da produção;
 A função produção e os objetivos de
desempenho;
 Estratégia da produção;
 O Planejamento da Produção;
 Planejamento das necessidades de
materiais - MRP
Níveis de Planejamento

Planejamento Estratégico Longo Prazo

Planejamento Agregado Médio Prazo

Programação da produção Curto Prazo


Níveis de Planejamento

Planejamento Agregado Médio Prazo

As entradas do planejamento agregado são as decisões do


planejamento estratégico, tais como nível da capacidade disponível,
nível de estoques, força de trabalho, subcontratação e decisão de
atendimento.

A saída do planejamento agregado é um conjunto de parâmetros que


indicam para cada período do horizonte de planejamento:

nível de estoque ou pedidos pendentes;


disponibilidade da força de trabalho;
quantidade de admissão e de demissão;
quantidade de subcontratação;
quantidade de produto acabado;
quantidade de falta, se prevista
Planejamento Agregado Médio Prazo

Variáveis Custos
Estoque Armazenagem – Capital de giro investido

Atraso no atendimento Perdas de vendas e danos na imagem – perdas de


clientes

Admissão Recrutamento – Seleção – Admissão – Treinamento


– Turnos adicionais

Demissão Demissão – Perda de confiabilidade

Hora extras Horas extras

Ociosidade Sub-ocupação da mão-de-obra

Sub-contratação Custo adicional da produção sub-contratada –


Controle da produção sub-contrarada

Políticas de mercado Propaganda e campanha promocional


Níveis de Planejamento

Programação da produção Curto Prazo

Tipos de Produção Modelos de Planejamento Modelos de Programação

Contínua Planejamento Agregado Balanceamento de Linha

Intermitente Sequenciação

Grandes Projetos Planejamento e Programação em Redes


Ementa
 A importância da Administração da
Produção e operações;
 Papel estratégico da produção;
 A função produção e os objetivos de
desempenho;
 Estratégia da produção;
 O Planejamento da Produção;
 Planejamento das necessidades de
materiais - MRP
Planejamento das necessidades de materiais - MRP

 O MRP calcula, a partir das necessidades


do produto final e das estruturas de
produtos, as necessidades de itens de
demanda dependente, ou seja,
componentes e materiais. A estrutura do
produto descreve todas as relações entre
os itens de demanda independente e seus
componentes, formando uma estrutura em
forma piramidal.
MRP
Estrutura Lapiseira

Corpo Corpo da
Presilha Miolo Guia Tampa
externo ponteira

Plástico Corante Capa Miolo


Borracha Grafite Tira
ABS azul borracha interno

Fio
Tira Mola
borracha

Corpo
miolo

Plástico
ABS

Corante
preto

Suporte
Garra

Capa
Garra

Garra
0. Lapiseira P207
MRP .1 corpo externo 207
..2 plástico ABS
..2 corante azul
.1 presilha de bolso
.1 miolo
..2 borracha
...3 fio de borracha
..2 capa de borracha
...3 tira 0,1mm
..2 miolo interno 207
...3 mola
...3 corpo do miolo
....4 plástico ABS
....4 corante preto
...3 suporte da garra
...3 capa da garra
...3 garras
..2 grafite 0,7mm
.1 corpo da ponteira
Lista indentada .1 guia da ponteira
.1 tampa
..2 tira 0,1mm
Item Quantidade Comprado/produzido

MRP Lapiseira P207 1000 Produzida


Corpo externo 207 1000 Produzido
Presilha de bolso 1000 Comprado
Miolo 207 1000 Produzido
Corpo da ponteira 1000 Comprado
Guia da ponteira 1000 Comprado
tampa 1000 Produzido
Plástico ABS 10kg Comprado
Necessidades brutas de
Corante azul 10g Comprado
materiais
Tira 0,1mm 2kg Comprado
Borracha 1000 Produzido
Capa da borracha 1000 Produzido
Miolo interno 207 1000 Produzido
Grafite 0,7mm 4000 Comprado
Fio de borracha 20m Comprado
Tira 0,1mm 2kg Comprado
mola 1000 Comprado
Corpo do miolo 1000 Produzido
Suporte da garra 1000 Comprado
Capa da garra 1000 Comprado
Garras 3000 Comprado
Plástico ABS 7kg Comprado
Corante preto 50g Comprado
Item Tempo de obtenção Comprado/produzido
(em semanas)

MRP Lapiseira P207 1 Produzida


Corpo externo 207 2 Produzido
Presilha de bolso 1 Comprado
Miolo 207 1 Produzido
Corpo da ponteira 2 Comprado
Guia da ponteira 1 Comprado
Tampa 1 Produzido
Plástico ABS 1 Comprado
Necessidades brutas de materiais
Corante azul 2 Comprado
Tira 0,1mm 1 Comprado
Borracha 1 Produzido
Capa da borracha 1 Produzido
Miolo interno 207 3 Produzido
Grafite 0,7mm 2 Comprado
Fio de borracha 1 Comprado
Tira 0,1mm 1 Comprado
Mola 1 Comprado
Corpo do miolo 2 Produzido
Suporte da garra 2 Comprado
Capa da garra 3 Comprado
Garras 1 Comprado
Plástico ABS 1 Comprado
Corante preto 2 Comprado
corpo pont.
LT = 2

ABS 10g guia


LT = 1 LT = 1

corpo externo
LT = 2

Cor. azul 0,01g Pres.


LT = 2 LT = 1

Tira 2g tampa lapiseira


LT = 1 LT = 1 LT = 1

capa Garra Fio bor. borracha


LT = 3 LT = 1 LT = 1

ABS 7g Mola
LT = 1 LT = 1 Miolo interno
LT = 3

Corpo miolo miolo


LT = 2 LT = 1

Cor preto0,05g Garra 3 Tira 2kg capa bor


LT = 2 LT = 1 LT = 1

suporte garra Grafite 4


LT = 2 LT = 2

11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21
Lapiseira

Corpo Corpo da
Presilha Miolo Guia Tampa
externo ponteira

Plástico Corante Capa Miolo


Borracha Grafite Tira
ABS azul borracha interno

Fio
Tira Mola
borracha

Corpo
miolo

Plástico
ABS

Corante
preto

Suporte
Garra

Capa
Exercício 6 Garra

Garra
Administração Mercadológica -
Marketing
Livro Texto

 Cobra, Marcos Henrique Nogueira


Marketing Básico: uma perspectiva brasileira,
Atlas, 1997.
 Kotler, Philip

Administração de marketing: análise,


planejamento, implementação e controle,
Atlas, 1998.
As perguntas mais freqüentes dos profissionais de
marketing
 Como identificar e escolher o(s) segmento(s) de mercado
correto(s)?
 Como diferenciar nossas ofertas?
 Como responder a clientes que compram com base em preço?
 Como competir contra concorrentes que têm custo e preços
mais baixos?
 Até que ponto podemos customizar nossa oferta para cada
cliente?
 Como construir marcas mais sólidas?
 Como reduzir o custo de aquisição de clientes?
 Como manter a fidelidade de nossos clientes por mais tempo?
 Como saber quais clientes são os mais importantes?
 Como estabelecer múltiplos canais e gerenciais o conflito de
canais?
As Marcas Mais Valorizadas do Mundo
em US$ bilhões, fonte: Folha de São Paulo de 24/04/07

 GOOGLE – 66,43 (valorizou 77 % último ano)


 GE – 61,88
 MICROSOFT – 54,95
 COCA-COLA – 44,13
 CHINA MOBILE – 41,21
 MARLBORO – 39,17
 WAL-MART – 36,88
 CITI – 33,71
 IBM – 33,57
 TOYOTA – 33,43
Fatores que influenciam a estratégia de marketing da empresa
MACRO-AMBIENTE

MACRO-AMBIENTE
TENDÊNCIAS TENDÊNCIAS

POTENCIAIS

AMBIENTE AMBIENTE
ECONÔMIC TECNOLÓGI
O CO
FORNECEDORES CONCORRENTES CLIENTES

A B

F
C

E
AMBIENTES D
DEMOGRÁFIC AMBIENTES
DISTRIBUIDORE
O E SÓCIO- POLÍTICO E
S
CULTURAL LEGAL
PRODUTOS
SUBSTITUTIVOS

54
Forças ambientais

Demográfica

Político-legal Econômica

Tecnológica Sociocultural

Natural
Ambiente demográfico
FOCO

ANÁLISE DE TENDÊNCIAS RELATIVAS A CARACTERÍSTICAS DE


POPULAÇÕES E MATÉRIAS PRIMAS QUE POSSAM TER
IMPLICAÇÕES NO DIRECIONAMENTO DAS ATIVIDADES FUTURAS DA
EMPRESA

 Crescimento da população  Graus de instrução


 Composição etária da  Padrões familiares
população  Movimentações
 Mercados étnicos geográficas da
população
Ambiente econômico
FOCO

ANÁLISE DE TENDÊNCIAS DAS VARIÁVEIS ECONÔMICAS QUE AFETAM


FUNDAMENTALMENTE A DEMANDA E A OFERTA DE PRODUTOS E
SERVIÇOS NOS MERCADOS EM QUE A EMPRESA ATUA OU PRETENDE
VIR A ATUAR.

$ Poder de compra
$ Distribuição de renda
$ Poupança
$ Endividamento
$ Disponibilidade de crédito
FOCO Ambiente sociocultural
ANÁLISE DE TENDÊNCIAS RELATIVAS E CRENÇAS BÁSICAS, VALORES, NORMAS E
COSTUMES SOCIAIS NAS SOCIEDADES COM AS QUAIS A EMPRESA INTERAGE, DE
FORMA A PERCEBER SITUAÇÕES QUE POSSAM AFETAR O DESENVOL-VIMENTO
FUTURO DA EMPRESA.

Visões de si mesmas

Visões das outras pessoas

Visões das organizações

Visões da sociedade

Visões da natureza

Visões do universo
Ambiente natural

Escassez de
matérias-primas

Aumento do
custo da energia

Pressões
antipoluição

Mudança no papel
dos governos
FOCO Ambiente tecnológico
ANÁLISE DE TENDÊNCIAS RELATIVAS AO CONHECIMENTO HUMANO QUE
POSSAM INFLUENCIAR A EMPRESA (OU TORNAR OBSOLETOS) O USO DE
DETERMINADAS MATÉRIAS-PRIMAS E INSUMOS OU O EMPREGO DE
DETERMINADOS PROCESSOS OPERACIONAIS E GERENCIAIS.

Aceleração do
ritmo das mudanças

Oportunidades para a
inovação

Variações nos
orçamentos de P&D

Regulamentação da
mudança tecnológica
FOCO Ambiente político-legal
ANÁLISE DE TENDÊNCIAS RELATIVAS A LEIS, CÓDIGOS,
INSTITUIÇÕES GOVERNAMENTAIS E CORRENTES IDEOLÓGICAS
QUE POSSAM AFETAR A EMPRESA.

Aumento da lesgislação
que regulariza os
negócios

Crescimento de grupos
de interesse especiais

Exercício 7
O que é administração de marketing?

Administração de marketing é a arte e


a ciência da escolha de mercados-alvo
e da captação, manutenção e fidelização
de clientes por meio da criação, da entrega
e da comunicação de um valor
superior para o cliente.
Estados de demanda

Negativa Inexistente Latente

Em declínio Irregular

Plena Excessiva Indesejada


Quem faz o Marketing???
 Demanda negativa: os consumidores não gostam do produto e podem até mesmo
pagar para evitá-lo;

 Demanda inexistente: os consumidores não conhecem o produto ou não estão


interessados nele;

 Demanda latente: os consumidores compartilham uma forte necessidade que não pode
ser satisfeita por nenhum produto existente no mercado;

 Demanda em declínio: os consumidores começam a comprar o produto com menos


freqüência ou deixam de comprá-lo;

 Demanda irregular: as compras dos consumidores podem ser sazonais ou variar de


acordo com o mês, a semana, o dia ou o horário;

 Demanda plena: os consumidores compram adequadamente todos os produtos


colocados no mercado;

 Demanda excessiva: há mais consumidores interessados em comprar o produto do


que produtos disponíveis;

 Demanda indesejada: os consumidores se sentem atraídos por produtos que têm


conseqüências sociais indesejadas.
Estrutura de fluxos em uma moderna economia de troca
Dimensões do marketing holístico
Os 4Ps do mix de marketing
Estratégia de mix de marketing

Exercício 8
Mix de marketing e os clientes

4Ps 4Cs
 Produto  Clientes (solução para)
 Preço  Custo (para o cliente)
 Praça  Conveniência
 Promoção  Comunicação
O que é pesquisa de marketing?

É a elaboração, a coleta, a análise e


a edição de relatórios sistemáticos
de dados e descobertas relevantes
sobre uma situação específica de
marketing enfrentada por uma empresa
Tipos de institutos de pesquisa de marketing

Institutos de
pesquisa de
Institutos de
marketing
Institutos de pesquisa de
especializados
pesquisa marketing
em determinados
customizada
tipos de
serviços
O processo de pesquisa de marketing
Etapa 1

 Definição do problema
 Definição das alternativas de decisão
 Definição dos objetivos da pesquisa
Etapa 2

Fontes de Abordagens de
dados pesquisa

Instrumentos de Plano de
pesquisa amostragem

Métodos de
contato
Abordagens de pesquisa

Pesquisa por observação

Pesquisa de grupo de foco

Levantamentos

Dados comportamentais

Pesquisa experimental
Sessão de grupo de foco
Instrumentos de pesquisa

Questionários
Pesquisa qualitativa
Instrumentos mecânicos
O certo e o errado dos questionários

 Certifique-se de que as  Evite perguntas hipotéticas


perguntas não sejam  Não use palavras de som
tendenciosas ambíguo
 Faça perguntas simples  Use faixas de valores para
 Faça perguntas específicas perguntas delicadas
 Evite jargões  Cetifique-se de que as
 Evite palavras sofisticadas múltiplas escolhas não se
 Evite palavras ambíguas sobreponham
 Evite perguntas que incluam
 Inclua o item “outros” em
perguntas com respostas
uma negação
predefinidas
Tipos de pergunta – Dicotômica

Para programar esta viagem, você ligou pessoalmente para a


American?
 Sim  Não

Tipos de pergunta – Múltipla escolha

Com quem você está viajando neste vôo?


 Ninguém
 Cônjuge
 Cônjuge e filhos
 Apenas filhos
 Colegas de trabalho/Amigos/Parentes
 Estou participando de uma excursão
Tipos de pergunta – Escala Likert
As companhias aéreas menores geralmente oferecem melhores
serviços que as grandes.
 Discordo totalmente
 Discordo
 Não concordo nem discordo
 Concordo
 Concordo totalmente

Tipos de pergunta – Diferencial semântico


American
Grande ……………………………...……………..…….Pequena
Experiente………………….………….………...… Inexperiente
Moderna………………………..…………...……. ..…Antiquada
Tipos de pergunta – Escala de importância

Para mim, a comida servida a bordo é _________:


 Extremamente importante
 Muito importante
 De alguma importância
 Pouco importante
 Totalmente sem importância

Tipos de pergunta – Escala de classificação


A comida servida pela American é ________.
 Excelente
 Muito boa
 Boa
 Razoável
 Ruim
Tipos de pergunta – Escala de intenção de compra
Se um serviço de Internet a bordo estivesse disponível em um vôo
longo, eu __________:
 Certamente usaria
 Provavelmente usaria
 Não tenho certeza se usaria
 Provavelmente não usaria
 Certamente não usaria

Tipos de pergunta – Completamente não estruturada

Qual sua opinião sobre a American?


Tipos de pergunta – Associação de palavras

Qual é a primeira palavra que lhe vem à mente quando ouve:


Companhia aérea ________________________
American _______________________________
Viagem _________________________________

Tipos de pergunta – Complemento de frase

Quando escolho uma companhia aérea, o que mais pesa na minha


decisão é _________________________________________________
_________________________________________________________
_________________________________________________________
_________________________________________________________
_________________________________________________________
Tipos de pergunta – Complemento de história

“Voei pela American há alguns dias. Notei que as partes externa e


interna da aeronave ostentavam cores muito vivas. Isso suscitou os
seguintes pensamentos e sentimentos em mim…” (Agora complete a
história.)

Tipos de pergunta – Complemento de figura


Pesquisa qualitativa

Observação direta

Fotograma

Acompanhamento do consumidor

Diário de anotações

Entrevistas com usuários extremos

Análises de narrativas

Grupos não focados


Instrumentos mecânicos

Galvanômetros

Taquistoscópios

Câmeras oculares

Audímetros

GPS
Plano de amostragem

 Unidade de amostragem: quem será pesquisado?


 Tamanho da amostra: quantas pessoas devem ser
entrevistadas?
 Procedimento de amostragem: como os entrevistados
devem ser selecionados?
Amostras probabilística e não probabilística

Probabilística
 Amostra aleatória simples Não probabilística
 Amostra de
 Amostra aleatória
conveniência
estratificada
 Amostra de
 Amostra por agrupamento
julgamento
 Amostra por quotas
Métodos de contato

Questionário por correio

Entrevistas por telefone

Entrevistas pessoais

Entrevistas on-line
Características da boa pesquisa de marketing

 Método científico
 Criatividade
 Métodos múltiplos
 Interdependência de modelos e dados
 Valor e custo das informações
 Ceticismo saudável
 Marketing ético
Indicadores de marketing

Externos Internos
 Conscientização  Conscientização das

 Participação de mercado
metas
 Compromisso com as
 Preço relativo
metas
 Número de reclamações 
Suporte ativo
 Satisfação do cliente  Adequação de recursos
 Distribuição  Desejo de aprender
 Número total de clientes  Disposição para mudar
 Fidelidade  Liberdade para falhar
 Autonomia
 Qualidade relativa
 Satisfação relativa dos
percebida
funcionários
Exercício 9
Administração de Pessoal
Administração dos recursos humanos (ARH)

 A função administrativa que se preocupa em


obter, treinar, motivar e conservar
funcionários competentes.
 Balancear a oferta de funcionários com a demanda
por funcionários;
 Combinar os talentos e habilidades dos funcionários

com aquilo que a organização requer;


 Criar um ambiente de trabalho que fomente elevado

desempenho do funcionário;
 Atender as necessidades salariais e de benefícios

dos funcionários.
Processo de
administração
estratégica de
recursos
humanos
Planejamento de emprego
 O processo pelo qual a administração se
certifica de possuir o número e os tipos
certos de pessoas nos lugares certos, na
hora certa, que são capazes de ajudar a
organização a atingir suas metas.
 Passos do processo de planejamento:
1. Avaliar os recursos humanos atuais;
2. Avaliar as necessidades futuras de recursos
humanos;
3. Desenvolver um programa para atender essas
necessidades.
Avaliação do funcionário
 Relatório do inventário de recursos humanos
 Um relatório listando o nome, educação,
treinamento e outras informações sobre cada
funcionário da organização.
 Análise de cargo
 Uma avaliação dos tipos de habilidades,
conhecimento e capacidades necessários para
executar de maneira bem-sucedida cada tarefa
na organização.
Componentes da análise de cargo
 Descrição do cargo
 Uma declaração escrita daquilo que o detentor do cargo
faz, como deve ser feito e por que deve ser feito.
 Tarefas, obrigações e responsabilidades que
a tarefa requer.
 Especificação do cargo
 Uma declaração das qualificações mínimas aceitáveis
que o detentor do cargo deve possuir para realizar
determinada tarefa de maneira bem-sucedida.
 Conhecimento, habilidades e capacidades
exigidas do funcionário.
Recrutamento e seleção
 Recrutamento
O processo de localizar, identificar e atrair
candidatos capazes.
 Processo de seleção
O processo de triagem dos candidatos a
emprego para assegurar que os mais
apropriados sejam contratados.
Fontes tradicionais de recrutamento

 Buscas internas;
 Anúncios;
 Referências de funcionários;
 Agências públicas de emprego;
 Agências privadas de emprego;
 Escolas;
 Temporários;
 Arrendamento de funcionários e
fornecedores independentes.
Opções de redução de quadro

 Demissão;
 Demissão temporária;
 Transferências;
 Cargas reduzidas de
trabalho semanal;
 Aposentadoria
antecipada;
 Compartilhamento
de empregos.
Resultados da decisão de seleção
Termos de seleção
 Confiabilidade
O grau segundo o qual um mecanismo de
seleção mede a mesma característica
consistentemente (estabilidade).
 Exemplo: uma pessoa obtém, de maneira
consistente, notas quase idênticas no mesmo exame.
 Validade
A relação comprovada entre um dispositivo de
seleção e algum critério relevante
(correlatividade).
 Exemplo: superior desempenho no trabalho e uma
pontuação correspondentemente alta num teste de
emprego.
Mecanismos de seleção
 Testes escritos
 Bateriasde testes de inteligência, aptidão,
capacidade e interesse.
 Testes de simulação do desempenho
 Dispositivos
de seleção que se baseiam em
comportamentos reais no trabalho; centros de
amostragem e avaliação do trabalho.
Mecanismos de seleção (cont.)

 Entrevistas
 Eficaz,
se for realizada corretamente.
Tipos de entrevista:
 Não-estruturada;
 Estruturada.
Tendenciosidades potenciais em entrevistas
 Um conhecimento anterior sobre o candidato gerará
uma tendenciosidade na avaliação do entrevistador.
 O entrevistador tende a manter um estereótipo daquilo
que seria um bom candidato.
 O entrevistador tende a favorecer os candidatos que
compartilham de suas próprias idéias e atitudes.
 A ordem na qual os candidatos são entrevistados
influenciará as avaliações.
 A ordem na qual as informações são solicitadas
durante a entrevista influenciará as avaliações.
 Informações negativas recebem um peso
indevidamente alto.
Tendenciosidades potenciais em entrevistas
(cont.)
 O entrevistador pode tomar uma decisão relativa á
adequabilidade do candidato logo nos primeiros quatro
ou cinco minutos da entrevista.
 O entrevistador pode esquecer grande parte da
entrevista poucos minutos após o seu término.
 A entrevista é especialmente válida para determinar a
inteligência, o nível de motivação e as habilidades
interpessoais de um candidato.
 Entrevistas estruturadas e bem organizadas são mais
confiáveis do que as desestruturadas e
desorganizadas.
Dispositivos de seleção
 Previsão realista do cargo (PRC)
 Fornecer informações positivas e negativas a
respeito do trabalho e da organização durante a
entrevista de emprego.
Orientação ao funcionário
 Orientação
 A apresentação de um novo funcionário ao trabalho
e à organização.
 Objetivos da orientação
 Reduzir a ansiedade inicial que todos os novos
funcionários sentem quando começam emum novo
emprego;
 Familiarizar
os novos contratados com o emprego,
com a unidade de trabalho e com a organização
como um todo;
 Facilitar a transição de “estranho” para “de casa”.
Treinamento
 Treinamento de funcionários
 Trata-se de uma experiência de aprendizagem,
em termos de que procura uma mudança
relativamente permanente dos funcionários, de
tal forma que sua capacidade de desempenho
no trabalho melhore.
 Modificar habilidades, conhecimento, atitudes ou
comportamento;
 Modificar aquilo que os funcionários sabem, a forma
como trabalham ou suas atitudes em relação ao
trabalho, colegas de trabalho, gerentes e a
organização.
Quando o treinamento é necessário?
Métodos comuns de treinamento

 Métodos de treinamento no cargo


 Rotatividade de cargos;
 Tarefas de suplente.
 Métodos de treinamento fora do cargo
 Palestras em sala de aula;
 Filmes e vídeos;
 Exercícios de simulação;
 Treinamento vestibular.
Administração de desempenho

 Sistema de administração do
desempenho
O processo de estabelecer padrões de
desempenho e avaliar o desempenho com o
propósito de chegar a decisões de recursos
humanos objetivas e fornecer documentação
para as ações do pessoal de apoio.
Métodos de avaliação individual
 Avaliações narrativas
 Dissertação escrita;
 Incidentes críticos.
 Escalas de classificação objetiva
 Classificar
um indivíduo em função de cada fator
de desempenho no trabalho, de acordo com
uma escala incremental.
 Escalas de classificação gráfica;
 Escalas de classificação baseadas no

comportamento (ECAC)
Métodos de avaliação individual (cont.)
 Avaliação em 360 graus
 Um dispositivo de avaliação que procura retorno
(feedback) de uma grande variedade de fontes
sobre a pessoa que está sendo classificada.
 APO
 Os funcionários são avaliados em termos de
quão bem executam um conjunto específico de
objetivos determinados considerados cruciais
para a conclusão bem-sucedida de suas tarefas.
Métodos de comparação direta

 Classificação por ordem grupal


 Exige que o avaliador coloque os
funcionários numa classificação específica,
como, por exemplo “os primeiros 20%”.
 Abordagem de classificação individual
 Exige que o avaliador simplesmente liste os
funcionários na ordem do mais bem-
colocado para o mais mal-colocado.
Métodos de comparação direta (cont.)

 Abordagem de comparação por pares


 Cada funcionário é respectivamente
comparado com cada um do grupo de
comparação, e então é classificado ou como
o membro mais forte ou como o mais fraco
da dupla.
 A cada funcionário é atribuída uma
classificação resumida baseada no número
de pontuações mais altas obtidas.
Métodos de avaliação do desempenho
MÉTODO VANTAGEM DESVANTAGEM
Dissertação escrita Simples de usar Mede mais a habilidade em escrever do
avaliador do que o desempenho
real do funcionário
Incidentes críticos Exemplos variados Consome tempo; falta de
baseados no comportamento quantificação
Escalas de Proporciona dados quanti- Não proporciona uma profunda
classificação tativos; consome menos avaliação do comportamento no
gráfica tempo do que outros métodos cargo
ECAC Focaliza comportamentos Consome tempo; difícil de
específicos e mensuráveis elaborar medidas
Múltiplas pessoas Compara os funcionários Difícil de manejar com um
um com o outro número grande de funcionários
APO Focaliza as metas finais; Consome tempo
voltado para os resultados
Avaliação de 360°l Mais completo Consome tempo
Quando o desempenho é menor do que
o esperado
 Impedimentos ao desempenho
 Habilidadesem descompasso;
 Treinamento inadequado;
 Problemas pessoais do funcionário.
 Disciplina
 Ações praticadas por um gerente para aplicar
padrões e regulamentos de uma organização.
 Aconselhamento ao funcionário
 Um processo idealizado para ajudar os
funcionários a superar problemas relacionados
ao desempenho.
Desempenho importa sim

Source: Dilbert reprinted by permission of United Features Syndicate, Inc.


Remuneração e benefícios
 Administração de salários
 Determinar uma estrutura de remuneração eficaz no custo
que atraia e mantenha funcionários competentes, forneça
incentivo para que trabalhem dedicadamente e assegure que
os níveis salariais sejam percebidos como justos.

 Fatores que influenciam os níveis salariais


 Trabalho do funcionário;
 Tipo de negócio;
 Ambiente ao redor do trabalho;
 Localização geográfica;
 Níveis de desempenho e tempo de serviço do funcionário.
Benefícios
 Benefícios ao funcionário
 Recompensas não-financeiras designadas a
melhorar a vida dos funcionários.
Tipos de benefícios
 PrevidênciaSocial;
 Seguro desemprego e INSS;
 Pagamento de horas não-trabalhadas;
 Seguro de vida e de invalidez;
 Programas de aposentadoria;
 Planos de saúde.
Diversidade na força de trabalho
 Melhorando a diversidade na força de
trabalho
 Amplie a rede de recrutamento para
aumentar o pool de candidatos.
 Assegure que o processo de seleção não
seja discriminatório.
 Ajude os novos funcionários a assimilarem a
cultura da empresa.
 Realize orientações especializadas e
workshops para novos funcionários.
Relações trabalhistas e sindicais
 Cooperação trabalho-administração
 Envolve esforços mútuos da parte de um sindicato e da
administração de uma organização.
 Esforços bem-sucedidos para aumentar a produtividade,
melhorar a qualidade e diminuir os custos exigem envolvimento
e compromisso do funcionário.
 Os sindicatos de trabalhadores passaram a reconhecer
que podem ajudar mais seus afiliados cooperando com
a administração do que lutando contra ela.

Exercício 10
Administração financeira
ou
Gestão financeira
Conceitos
 Todo negócio envolve três atividades
financeiras principais que determinam o
êxito ou fracasso da empresa e servem de
base a avaliação dos gerentes:

 Lucro Lucro;
 – realização das metas de lucro, por meio
da efetivação das vendas e do controle das
 Fluxo de caixa – geração de caixa a partir do
 lucro Fluxo de caixa;
e de outras fontes e aplicação de caixa nas
despesas;
Saúde financeira – decisão sobre a estrutura
melhores
 alternativas;
financeira da empresa e controle da situação
Saúde Financeira.
financeira.
 FLUXO DE CAIXA:

 O que é?:

 É a diferença entre as entradas e as saídas


de dinheiro:
 Provenientes das vendas e
 Consumidas nas operações.
 SAÚDE FINANCEIRA:

 O que é?:

 É a situação financeira da empresa;


 O que pode ser feito e
 Investimento;
 Refinanciamento.
 A consecução desses objetivos financeiros
dependem do bom desempenho de todas as funções
gerenciais.

 Os gerentes são pagos para desenvolver:


 novos produtos e serviços,
 expandir mercados,
 aumentar a produtividade,
 antecipar mudanças,
 adaptar as empresas às novas tecnologias,
 desenvolver estratégias nítidas contratar e motivar pessoas,
exercer opções difíceis,
 resolver problemas,
 arbitrar conflitos de interesse entre os diferentes detentores de
interesses da empresa.
GESTÃO FINANCEIRA

Gestão Financeira dentro da empresa,


não é só o contas a pagar e a receber,
mas sim, o todo, o processo completo.
 As informações financeiras fundamentais de uma
empresa são encontradas nas demonstrações
financeiras.

 Esses relatórios são preparados a partir do banco de


dados contábeis e dos registros das operações que por
sua vez dependem do sistema contábil.

 O banco de dados contábil e o registro das operações


devem ser completos, exatos e atualizados, exigências
muito rigorosas que impõem um ótimo sistema contábil.
Contabilidade

 Instrumento de análise e projeções

 Registra os fatos

 Apura os resultados

 Balanço Patrimonial:

 Fotografia da empresa em determinado momento – estático

 Bens, direitos, obrigações e PL


Contabilidade

 VISÃO MODERNA:

 Empresa

 Organismo vivo, dinâmico, em ambiente de constantes


mudanças;

 Cresce, desenvolve, aumenta “patrimônio” criando


riquezas para o país e emprego paras os cidadãos;

 Necessidade e interesse de instrumental que permita


avaliação.
Contabilidade

 ENFOQUE DINÂMICO:

 Instrumental de análise
 acionistas

 financiadores

 empregados

 fornecedores

 clientes

 governo
CONCLUSÃO

 O perfil financeiro das empresas resulta:

 Jogo de fatores – internos e externos

 Tipo de atividade

 Estilo de gestão – nível de risco

 Conjuntura econômica do país - localização

Exercício 11
Administração de
materiais
A função da administração de materiais
 O objetivo principal de uma empresa é, sem
dúvida, maximizar o lucro sobre o capital investido,
sejam em fábricas, equipamentos, financiamentos
de vendas, reserva de caixa ou em estoques. Para
atingir o máximo lucro, ela deve usar o capital para
que não permaneça inativo.

 O importante é otimizar (aperfeiçoar) esse


investimento em estoque, aumentando a eficiência
de planejamento e controle e minimizando as
necessidades de capital para o estoque.
A função da administração de materiais
 organização
 Uma tradicional organização de um sistema
de materiais pode ser dividida nas seguintes
áreas de concentração:
 Controle de estoques;
 Compras;
 Almoxarifado;
 Planejamento e controle da produção;
 Importação;
 Transportes e distribuição
Controle de estoques
 O estoque é necessário para que o
processo de produção/vendas da empresa
opere com um número mínimo de
preocupações e desníveis. Os estoques
podem ser de: matéria-prima, produtos em
fabricação e produtos acabados. O setor de
controle de estoque acompanha e controla o
nível de estoque e o investimento financeiro
envolvido.
Compras
 O setor de compras preocupa-se sobremaneira
com o estoque de matéria-prima e de todos os
insumos necessários para sua produção ou
comercialização. É da responsabilidade de
compras assegurarem que as matérias-primas,
material de embalagem e pecas exigidas pela
produção estejam à disposição nas quantidades
certas, nos períodos desejados, nas finalidades
corretas e com o menor preço. Compras não
somente é responsável pela quantidade e pelo
prazo, mas precisa também realizar a compra em
preço mais favorável possível, já que o custo
desses insumos é componente fundamental no
custo do produto.
Almoxarifado
 O almoxarifado/armazém/deposito é o
responsável pela guarda física dos materiais
em estoque, com exceção dos produtos em
processo. É o local onde ficam
armazenados os materiais, para atender a
produção e os entregues pelos fornecedores
Planejamento e controle da produção (PCP)
 O PCP é o responsável pela programação e
pelo controle do processo produtivo. Em
algumas empresas ele não se encontra
subordinado à área de materiais, e sim à de
produção. Atualmente, porém, já se
encontra em evolução a idéia de que o PCP
deve ficar subordinado à área de materiais.
Importação
 Todo processo de importação também
compreende a realização de uma compra, só que
no exterior. Devido ao excesso de legislação muito
especializada e por ser uma atividade compradora,
o setor de importação subordina-se à área de
materiais. Ele é responsável por todo o processo
de importação de mercadorias, inclusive o
desembaraço aduaneiro e, em alguns casos,
também acompanha e realiza o processo de
exportação, que é uma venda; não realiza a
venda, e sim o processo legal administrativo da
exportação.
Transporte e distribuição
 A colocação do produto acabado nos
clientes e as entregas das matérias-primas
na fábrica são de responsabilidade do setor
de transportes e distribuição. É nesse setor
que se coordena a administração da frota de
veículos, e/ou onde também são
contratadas as transportadoras que prestam
serviços de entrega e coleta
Suprimentos

PCP Compras Transportes/


Distribuição

Importação
Estoques

Almoxarifado
Sistema de controle de estoque
 Os sistemas de controle de estoques, são
basicamente:
01- Sistema de estoque Mínimo
02- Sistema de renovação periódica
03- Sistema de estocagem para fins
específicos

 Podem ser usados juntos ou separados. Deverá


ser feita uma análise para saber qual o sistema
mais eficiente, dependendo de cada tipo de
material, dos juros sobre o capital investido em
estoques, as despesas de armazenamento e o
custo de aquisição dos materiais
Sistema de estoque mínimo

 Separa o lote em duas partes, uma para ser


utilizada totalmente até a data de
encomenda de um lote de reposição e outra
para ser utilizada entre a data de
encomenda e a data de recebimento do lote
de reposição.
Sistema de renovação periódica

 Consistem em fazer pedidos para reposição


dos estoques em intervalos de tempo
estabelecidos para cada item. A quantidade
a ser comprada em cada encomenda é tal
que somada com a quantidade existente em
estoque seja suficiente para atender a
demanda até o recebimento da encomenda
seguinte.
Sistema de estoque para fins específicos
 Apresentam duas subdivisões:

 1-) Para atender a uma programação de produção,


(é utilizada em industrias que podem prever com
antecedência de vários meses, os níveis de
produção do tipo contínuo ou semi - contínuo).

 2-) Para atender especificamente a uma ordem de


produção, ( é o método empregado nas industrias
do tipo intermitente fabricação sob encomenda) é
justificado no caso de materiais especiais que são
necessários esporadicamente, ou a intervalos de
tempos muito longo.
Classificação ABC
 A CLASSIFICAÇÃO ABC, ou também conhecida como
CURVA ABC, é sem duvida um dos instrumentos
importantes para o administrador de materiais na gestão
dos materiais nas empresas.

 Esse instrumento permite aos administradores de materiais


identificar e selecionar os itens que justificam uma atenção
especial no que diz respeito a adoção de TÉCNICAS,
POLÍTICAS, CONTROLES COM MAIOR ACURÁCIDADE,
enfim um tratamento diferenciado dos demais itens, em
função da seu valor relativo acumulado.
Classificação ABC

 Na verdade a CLASSIFICAÇÃO ABC, é uma técnica de


reclassificação dos itens cadastrados no Controle dos Estoques,
onde separa todos os produtos cadastrados, em três grupos,
classificados em classes de importância relativa, sendo:

CLASSE “A”
CLASSE “B”
CLASSE “C”
Classificação ABC
 Após termos familiarizados com os objetivos da
classificação ABC, vamos definir portanto o que
são as classes A B C:

 CLASSE “A” - Serão classificados como


sendo classe “A” os produtos, ou grupo de
produtos , que devem ter um tratamento especial
pôr parte do Administrador de materiais, pois, são
os produtos mais importantes dentro do universo
estudado frente a sua relatividade.
Classificação ABC

 CLASSE “B” - Serão classificados


como sendo classe “B” os produtos, ou
grupo de produtos, com importância
mediana entre as classes “A” e “C”, no
entanto, também receberão pôr parte do
Administrador de materiais um tratamento
diferenciado.
Classificação ABC

 CLASSE “C” - Serão classificados


como sendo classe “C” os produtos, ou
grupo de produtos, com menor importância
relativa diante do universo que esta sendo
estudado, e que justificam pouca atenção,
ou seja, um tratamento diferenciado de
acordo com a sua participação.
Classificação ABC
 Podemos também entender as classes ABC e a
sua importância relativa de acordo com o universo
estudado, em forma de uma tabela, a seguir:
CLASSE % ACUMULADO REFERENTE AO VALOR % ACUMULADO REFERENTE AO
RELATIVO TOTAL DO UNIVERSO NUMERO DE ITENS DO UNIVERSO

“A” ATÉ 70% ATÉ 10%

“B” ATÉ 25% ATÉ 30%

“C” ATÉ 5% ATÉ 60%


Conceito de Curva ABC
Curva de Pareto ou curva ABC ou curva 80-20
100
% acumulada de valor de uso
90

80

70

60

50

40

30

20
Região Região Região
10 A B C
0
25 50 75 100
itens (%)

Poucos Importância Muitos itens menos


Itens média importantes
importantes
PLANEJAMENTO DA CURVA ABC
 Na prática administrativa, quando houver necessidade de
se utilizar desse instrumento da administração de
materiais, deve-se seguir alguns passos importantes para
que o trabalho tenha o sucesso esperado. Vamos elencar
alguns desses, que certamente facilitara o
desenvolvimento e a eficiência de sua utilização:

01-) Identificar a necessidade de realização da classificação


ABC.
02-) Definição dos objetivos.
03-) Verificar disponibilidade dos dados e sua acuracidade.
04-) Efetuar cálculos,
05-) Obter a classificação e determinar as classes.
06-) Fazer analise e concluir o estudo.
07-) Tomar providências e decisões sobre as classes ABC
APLICAÇÃO E MONTAGEM DA CURVA ABC
 Vamos trabalhar com um exemplo pratico
simplificado com apenas 10 itens, ( no entanto
lembro-lhes que o procedimento é valido para
qualquer numero de itens que contenha o universo
a ser estudado.)

 O exemplo que vamos trabalhar é um estudo


referente ao consumo ou demanda de um
determinado período.

 Para a montagem da curva ABC, temos que seguir


um procedimento o qual iniciaremos a seguir:
Primeiro passo – coleta de dados
material consumo preço valor do grau de
anual unitário consumo importância
(unidades) (r$) (r$/ano)
A1 10 600,00 6.000,00 8
A2 100 1.200,00 120.000,00 3
A3 30 2.000,00 60.000,00 5
A4 5 1.000,00 5.000,00 9
A5 1000 410,00 410.000,00 1
A6 40 1.750,00 70.000,00 4
A7 20 200,00 4.000,00 10
A8 50 5.800,00 290.000,00 2
A9 10 2.000,00 20.000,00 6
A10 15 1.000,00 15.000,00 7
 De posse desses dados podemos construir
a curva ABC. É traçado um eixo cartesiano
onde:

 Eixo das Abcissas - É registrado o


numero de itens relacionados ao estudo.
 Eixo das Ordenadas - É registrado a
soma relativa aos valores que estão sendo
estudados, (no nosso exemplo -
CONSUMO).
 A partir daí teremos o gráfico da curva ABC:
Curva ABC
100
% acumulada de valor de uso
90

80

70

60

50

40

30

20
Região Região Região
10 A B C
0
25 50 75 100
itens (%)

Poucos Importância Muitos itens menos


Itens média importantes
importantes
Segundo passo – ordenação dos dados
GRAU material Valor do Valor % relativo %
consumo acumulado acumulado individu
al
1 A5 410.000,00 410.000,00 41 41
2 A8 290.000,00 700.000,00 70 29
3 A2 120.000,00 820.000,00 82 12
4 A6 70.000,00 890.000,00 89 7
5 A3 60.000,00 950.000,00 95 6
6 A9 20.000,00 970.000,00 97 2
7 A10 15.000,00 985.000,00 98,50 1,5
8 A1 6.000,00 991.000,00 99,10 0,6
9 A4 5.000,00 996.000,00 99,60 0,5
10 A7 4.000,00 1.000.000,0 100 0,4
 A curva ABC assim é encontrada e dividida em
três classes, sendo: ABC
CLASSE % relativo do valor acumulado % relativo do numero de itens do estudo

A 70% 20%
B 25% 30%
C 5% 50%

 Portanto os materiais A5 e A8 que são os materiais


classificados na classe A, pôr terem o maior valor relativo,
merecem um tratamento especial na sua administração e
adoção de políticas, e outras decisões sobre o universo
estudado. No entanto os demais materiais das classes B e
C também serão ou terão um tratamento administrativo,
mas esse certamente um pouco diferenciado dos materiais
da classe A
Exercício 12
 Logística

A Logística Empresarial trata de todas


atividades de movimentação e armazenagem
que facilitam o fluxo de produtos desde o ponto
de aquisição da matéria-prima até o ponto de
consumo final, assim como dos fluxos de
informação que colocam os produtos em
movimento, com o propósito de providenciar
níveis de serviço adequados aos clientes a um
custo razoável.
Visão logística
 A abordagem logística tem como função
estudar a maneira como a administração
pode otimizar os recursos de suprimento,
estoques e distribuição dos produtos e
serviços com que a organização se
apresenta ao mercado por meio de
planejamento, organização e controle efetivo
de suas atividades correlatas, flexibilizando
os fluxos dos produtos.
Atividades primárias e de apoio
 Atividades primárias

 Transportes
 Manutenção de estoques
 Processamento de pedidos
Transporte
 É uma das atividades logísticas mais importantes,
simplesmente porque ela absorve, em média, de
um a dois terços dos custos logísticos. É
essencial, porque nenhuma organização pode
operar sem providenciar a movimentação de suas
matérias-primas ou de seus produtos acabados
para serem levados, de alguma forma, até ao
consumidor final.

 Modal rodoviário, modal ferroviário, modal


hidroviário, modal dutoviário, modal aeroviário
Manutenção de estoques
 Para atingir um grau razoável de disponibilidade
do produto em face de sua demanda, é necessário
manter estoques, que agem como amortecedores
entre a oferta e a demanda. O uso de estoques,
como regulador de demanda, resulta no fato de
que, em média, ele passa a ser responsável por
aproximadamente um a dois terços dos custos
logísticos.
 A grande preocupação da administração de
estoques envolve manter seus níveis os mais
baixos possíveis, e ao mesmo tempo prover a
disponibilidade desejada pelos clientes.
Processamento de pedidos
 Sua importância deriva do fato de ser um
elemento crítico em termos de tempo
necessário para levar bens e serviços aos
clientes, em relação, principalmente, à
perfeita administração dos recursos
logísticos disponíveis.
 É também a atividade que dá partida ao
processo de movimentação de materiais e
produtos bem como a entrega desses
serviços.
Atividades de apoio

 Armazenagem
 Manuseio de materiais
 Embalagem
 Suprimentos
 Planejamento
 Sistema de informação
Armazenagem
 É o processo que envolve a administração
dos espaços necessários para manter os
materiais estocados.

 Essa ação envolve fatores como


localização, dimensionamento da área,
arranjo físico, equipamentos de
movimentação.
Manuseio de materiais
 Esta associado com a armazenagem e
também à manutenção dos estoques.
 Essa atividade envolve a movimentação de
materiais no local de estocagem, que pode
ser tanto estoques de matéria-prima como
de produtos acabados.
Embalagem
 Dentro da logística tem como objetivo
movimentar produtos com toda a proteção e
sem danificá-los além do economicamente
razoável
Suprimentos
 É a atividade que proporciona ao produto
ficar disponível, no momento exato, para ser
utilizado pelo sistema logístico.
 É o procedimento de avaliação e da seleção
das fontes de fornecimento, da definição das
quantidades a serem adquiridas, da
programação das compras e da forma pela
qual o produto é comprado.
Planejamento
 Refere-se primariamente às quantidades
agregadas que devem ser produzidas bem
como quando, onde e por quem devem ser
fabricadas.
 É a base que servirá de informação à
programação detalhada da produção dentro
da fábrica.
Sistema de informação
 É a função que permitirá o sucesso da ação
logística dentro de uma organização para
que ela possa operar eficientemente. São as
informações necessárias de custo,
procedimentos e desempenho essenciais
para correto planejamento e controle
logístico.
A Logística e a Estratégia Competitiva
1991 – Guerra do Golfo: importância da logística

 500 mil pessoas;


 500 mil itens de materiais e suprimentos;
 12.000 Km por via aérea,
 2,3 milhões de toneladas via mar.

“...antes da luta em si, uma batalha é ganha ou


perdida pelos serviços de intendência.”
Rommel
Definição Básica de Gerenciamento
Logístico
“A logística é o processo de gerenciar
estrategicamente a aquisição,
movimentação e armazenagem de
materiais, peças e produtos acabados
(e os fluxos de informações correlatas)
através da organização e seus canais
de marketing, de modo a poder
maximizar as lucratividades presente e
futura através do atendimento dos
pedidos a baixo custo.”
Vetores de Direção Estratégica

Vantagem em Produtividade:
 Economia de Escala: diluição do custo
fixo pelo aumento de produção.
 Curva de Aprendizado:relação entre
custo real por unidade e o volume
acumulado.
Vantagem em Valor:
“os clientes compram satisfação.”
Vantagem Competitiva
Vantagem Competitiva através da Logística
A Cadeia de Valor