Você está na página 1de 98

Controle biológico

de dípteros na
pecuária

Prof. Dr. Magno Borges


Departamento de Biologia Geral
Universidade Estadual de Montes Claros
Unimontes
• Uma maioria silenciosa…
• E uns poucos indomáveis…
Ordem Diptera
Ordem Diptera
• Di=dois; ptera=asa
• Moscas, pernilongos, mutucas,
flebótomos, borrachudos, etc.
• Asas anteriores membranosas e
posteriores atrofiadas, modificadas em
órgãos de equilíbrio denominados
balancins ou halteres.
• Aparelho bucal sugador labial nos adultos
e mastigador nas larvas;
Haltere
Família Muscidae
• Duas subfamílias:
 Muscinae:
aparelho bucal
sugador lambedor.
 Stomoxydinae:
aparelho bucal
sugador pungitivo.
Ciclo
Musca domestica
• Sinantropia: Capacidade
de um inseto de colonizar e
aumentar a sua população
no ambiente do homem,
transmitindo doenças a este
e seus animais domésticos.

 64 spp. de vírus;
 112 spp. de bactérias;
 29 espécies de fungos;
 60 espécies de
protozoários;
 50 espécies de helmintos.
Stomoxydinae

Stomoxys calcitrans
Haematobia irritans
Miíases

“Infestação de vertebrados vivos por larvas de


dípteros que, pelo menos por um certo tempo,
se alimentam dos tecidos vivos ou mortos do
hospedeiro, de suas substâncias corporais
líquidas ou do alimento por ele ingerido.”
Miíase traumática

Miíase furuncular
Família Calliphoridae
Cochliomyia hominivorax
• Principal mosca
causadora de míiases
traumáticas nas
américas;
• Erradicada dos EUA,
México e América
Central;
SHINOHARA, Elio Hitoshi, MARTINI, Marcelo Zillo, OLIVEIRA NETO, Humberto
Gomes de et al. Oral myiasis treated with ivermectin: case report. Braz. Dent. J.,
2004, vol.15, no.1, p.79-81.
Programa de erradicação
da Cochliomya

• Benefícios com a
erradicação:
– EUA: U$ 900 milhões;
– México: U$ 2 bilhões
desde 1991.
Chrysomya
Lucilia
Família Sarcophagidae
Família Oestridae
Dermatobia hominis
Oito dias de
incubação

Período larval: 25 a 60 dias

Copulam nas
primeiras 24
horas

Período pupal: 30 a 32 dias


Forético
Controle biológico (Família Tephritidae)
Controle químico
• Ivermectinas
– Streptomyces avermitilis
Fezes de bovinos tratados com
ivermectina
Resistência
a
inseticidas
Número de artrópodes resistentes a pelo menos
um tipo de inseticida nos últimos 100 anos.
Manejo Integrado de Pragas
• Perdas causadas pelos artrópodes na
produção animal.
• Insetos x inseticidas.
• Visão sistêmica do problema.
• Benefícios à longo prazo.
Limiar de dano econômico
• Integração de todas as técnicas de
controle disponíveis e apropriadas para
manter as populações de pragas abaixo
do limiar de dano econômico, causando o
menor impacto possível ao
agroecossistema.
• Fases do MIP:
 Identificação das espécies de pragas e
inimigos naturais;
 Monitorar destas populações dentro do
agroecossistema;
 Definir o limiar de dano econômico;
 Usar técnicas de manejo apropriadas e
agentes de controle biológico;
 Se necessário, utilizar os pesticidas de
maneira racional e estratégica.
Monitoramento
• O monitoramento das populações
de pragas é a base do MIP.
• Tomada de decisão para
acionamento de medidas de
controle.
• Verificação do resultado das
intervenções.
Armadilhas

Armadilha com
isca atrativa
Armadilha de barreira de vôo
(Malésia)
Monitoramento indireto
“Spot-cards”
Cartões
colantes
Funil de Berlese
Controle físico ou cultural
 Controle da umidade, manejo de
esterco.
 Controle Biológico
 Parasitóides, predadores, patógenos.

• Incrementar a população
nativa;
• Introduzir novas espécies.
Parasitóides
• São especializados na escolha do
hospedeiro;
• São menores que o hospedeiro;
• Os imaturos sempre matam o
hospedeiro;
• A fêmea localiza e analisa o
hospedeiro;
• Parasitam diferentes fases do
hospedeiro.
Espécies de parasitóides de moscas no
Brasil
Muscidifurax spp.
Spalangia cameroni
S. drosophilae
Família Pteromalidae
S. endius
S. nigra
S. nigroaenea
Aphaereta sp.
Família Braconidae Gnatopleura
quadridentata
Família Diapriidae Trichopia sp.
Família Chalcidae Brachymeria sp.
Família Eucoilidae Eucoilidae spp.
Predadores
• Coleópteros, Dermapteros, ácaros e
moscas predadoras.
• Práticas de manejo que favoreçam a
colonização.
Família Tenebrionidae

Alphitobius diaperinus
Coleoptera (Histeridae)
Coleoptera (Staphylinidae)
Insetos da Ordem Dermaptera
(tesourinhas);
• Ácaros das Família
Macrochelidae, Uropodidae e
Parasitidae;
Pseudoscorpionida
Moscas Predadoras

Ophyra
aenescens
Parasitas e Patógenos

Fungo Bactérias
s

Nematóides
• Controle Químico
 Adulticidas;
 Larvicidas;
 Aditivos alimentares;
 Reguladores de crescimento
 Ciromazina
 Seletividade.
Tratado
com
Ciromazin
a
Normal