A vida no campo na segunda metade do século XIX

História e Geografia de Portugal 2010/2011

“Fome? Mas há aqui fome? [...] - Pois está bem de ver, meu senhor, que há aqui na quinta caseiros muito pobrinhos quase todos... (...) Este Esgueira com o rancho de filhos, é uma desgraça... Havia Vossa Excelência ver as casitas em que eles vivem... São chiqueiros.(…)”
Eça de Queiroz, A Cidade e as Serras, século XIX (adaptado)

Índice
Introdução 1 - As principais actividades 2 - A alimentação 3 - O vestuário 4 - A habitação 5 - Os divertimentos Conclusão Bibliografia

Introdução .

• • • • . O vestuário característico. quer no seu diaa-dia quer nos dias festivos. a forma como ocupavam os tempos livres. • As principais actividades praticadas pela gente do campo e a sua ligação à terra. a utilização das diferentes partes da casa. a região. A alimentação. de acordo com a actividade profissional. E por fim.O objectivo desde estudo é conhecer o modo de vida dos camponeses na segunda metade do século XIX. assim como. os materiais utilizados. a época do ano. entre outras. O tipo de habitação.

1 . apanha a lenha. século XIX . Sai de madrugada e volta à noite.As principais actividades "A criança de sete a dez anos já conduz os bois. Tem a altura de uma enxada e a utilidade de um homem. colabora na lavoura. guarda o gado. acarreta." Eça de Queiroz. sacha.

Trabalhavam nos campos na condição de rendeiros (arrendavam terras). contribuía para aumentar os rendimentos e também como apoio à actividade agrícola. O gado era também útil como força de trabalho. em terras das quais não eram proprietários.As principais actividades dos camponeses. fornecendo estrume para “adubar” as terras. criados ou assalariados. . esta última. mas muitas vezes. aquilo que a terra dava não era suficiente para alimentar e sustentar todo o agregado familiar. para puxar o arado. viviam das suas terras. jornaleiros (trabalhavam à jorna/dia). eram a agricultura e a criação de gado. Os pequenos proprietários.

entre outras) e alguns melhoramentos das condições de vida. Destas actividades destacam-se: . a mecanização da agricultura. começavam ao nascer do Sol e só paravam quando ele se punha. eram normalmente de nobres (que tinham conseguido mantê-las) ou de burgueses que as herdavam ou mesmo as compravam ao Estado.As grandes propriedades. Com os progressos na agricultura (alternância das culturas. a verdade é que viver naquela época sendo camponês era ainda muito difícil. isto sempre ao longo do ano. adubos químicos e a selecção de sementes. com as diferentes estações e com as necessidades que as plantações requeriam. de acordo. O horário de trabalho era muito violento.

a sementeira. .

a ceifa. .

.a extração de cortiça.

as vindimas. .

.e a apanha da azeitona.

asseguravam a travessia entre margens. Os que viviam perto dos rios.As povoações localizadas no litoral. dedicavam-se à pesca e à salicultura. junto ao mar. .

queijo. Azeitonas. gordura de porco. III (adaptado) . vol.Alimentação "0 pão e a sopa constituem a parte mais abundante de uma refeição. uma sardinha salgada formam o magro conduto. Geografia de Portugal." Orlando Ribeiro. Apenas na bebida se desforram.2 .

Usos e Costumes Agrícolo-Alentejanos. Silva Picão. Lisboa. típicos de cada região. carne de vaca ou aves. arroz doce e vinho. Exemplo de ementa de uma boda de casamento (Alentejo – século XIX) Sopa de macarrão “Ôlha” acompanhada de carne Arroz com galinha Ensopado Fricassé Coxo frito (guisado de borrego ou de chibo) Salada.Nos dias festivos havia doces. bolos. 1983 (adaptado) . Para as festas religiosas elaboravam pratos mais sofisticados. frutas.

entre outros. as azeitonas. Da dieta do camponês faziam parte. a sua alimentação era feita sobretudo à base do que cultivavam. preparado de legumes ou hortaliças. .sopas de leite. toucinbo ou azeite) gordura. toucinbo ou azeite) Ceia (após o trabalho) .ôlha (cozido de legumes ou hortaliças. queijo. a batata. Exemplo de ementa de refeição do Exemplo de ementa de refeição pessoal de um monte (região de Elvas) : do pessoal de um monte (região de Almoço (às 7 ou 8 horas) . azeitonas.ôlha (cozido migas Jantar (cerca do meio-dia) . preparado com com gordura. azeitonas. de Ceia (após o trabalho) . a sardinha. entre outros. atabefe ou açorda. a carne porco e a sopa de legumes frescos ou secos. de atabefe ou açorda.sopas ou Jantar (cerca do meio-dia) . o arroz. ou seja.sopas ou Elvas) : migas Almoço (às 7 ou 8 horas) .A terra alimentava os camponeses. o pão. ou em alguns casos. queijo.sopas de leite. de produtos que conseguissem adquirir.

Curiosidade .

com/ .blogspot. revelador da sua condição social e das suas origens rurais ou citadinas.3 . o local tradicional para o convívio e o encontro social. propício ao cruzamento dos mais diversos estratos sociais em torno de uma devoção religiosa comum. rico nos pormenores.” http://trajesdeportugal. e ainda são.O vestuário “As romarias eram. Eram o evento ideal para cada romeiro exibir o seu melhor trajo.

Apanhadeira de azeitona – usa por baixo saiote amarelo com barras de cetim. o clima ou a actividade profissional. meias de lã de ovelha. meias de algodão. Na mão direita a foice para ceifar o cereal. meias luvas nas mãos. sapato ou bota de bezerro. saia de chita e presa à cintura que desce quando termina o trabalho. escolhiam os melhores fatos para usar. Alguns exemplos: • Ceifeiro – usa chapéu de palha por vezes com lenço de assoar por baixo por causa do suor. lenço na cabeça.Consoante a zona do país. o vestuário também mudava. blusa de flanela. calça de pano. xaile de lã atado atrás. camisa de linho ou de tecido riscado. Cesto para azeitona. • . Nos dias festivos. botas de bezerro untadas com sebo para ficarem mais maleáveis.

saia interior de flanela bordada. camisa de chita. ainda podemos ver alguns desses trajes em grupos folclóricos. . calção de pano branco. bota grossa de cabedal untada com sebo. lenço de lã. Meias de algodão. lenço ao pescoço. galocha de couro cru. Lavrador – calça e colete preto. Nos nossos dias. Cesto de vime. casaquinho de chita estampado. Sacho ao ombro.Lavadeira – uma saia barrada ou riscada e avental de lã de ovelha ou riscado.

sem reboco. para o fumo e para a gente." Eça de Queiroz. século XIX (adaptado) . um postigo no alto. com um vago telhado de telha musgosa e negra. o do Esgueira era de grossa pedra solta. para a luz. A Cidade e as Serras. e a rude porta que servia para o ar.4 – A habitação "Como todos os casebres da serra.

serviam de dormitório aos rapazes. com cobertura em colmo. . Os palheiros destinados ao gado e ao armazenamento do feno. pois apenas dormiam na minúscula casa de habitação as raparigas e a mãe. Era prática comum criar-se dúzias de filhos em acanhados espaços nestas construções tradicionais. A população residente dedicava-se particularmente à agricultura e pastorícia. construíam-se casas em granito ou xisto.No norte do país.

Os fiadeiros eram serões animados por cantares e danças.Na tradicional casa de lavradores. estas casas eram usadas para a realização dos fiadeiros (preparação da lã de ovelha para posterior fiação). em algumas zonas do país. Nas últimas décadas do século XIX. o piso superior era destinado à habitação e o piso inferior às cortes dos animais (loja). servindo de pretexto para o namoro dos jovens. .

as portadas coloridas.Na arquitectura tradicional do Algarve. com tecto cónico de colmo. as frescas açoteias e o branco da cal nas paredes. as casas tradicionais eram feitas de pedra ou terras barrentas e de formato circular. predominam as chaminés decoradas. Na serra. .

galinheiro. casa de fogo. tem um pátio normalmente aberto: a casa de habitação reúne à sua volta um conjunto de dependências específicas à atividade da família. De todas as dependências (forno. pocilga. fornalha. entre outros) só os estábulos e respectivos palheiros podem pertencer ao edifício principal. .A casa rural da região sul.

5 – Os divertimentos “Nos dias de mercado e de feira. e que vão dar às vilas e cidades. Vol. as primeiras horas da manhã animam-se de gente." Orlando Ribeiro. vender ou simplesmente fazer-se encontrada num lugar de convívio. Geografia de Portugal. III . usando os seus melhores trajos. que vem comprar.

já as mulheres optavam pela fonte ou o rio. lavavam a roupa. Até ao final do século XIX. ou fabricada artesanalmente.As crianças divertiam-se com bonecos feitos por elas próprias. Alguns lugares de convívio social eram as tabernas. aí sabiam-se as últimas novidades da terra. Também “armavam aos pássaros”. a maioria dos brinquedos era fabricada em casa. . onde os homens se reuniam à tarde. onde juntas.

muitas vezes. procissões. . que eram. como as vindimas. subir ao mastro. o jogo da barra. As festas eram normalmente em honra de um santo padroeiro (cada povoação tinha um).O divertimento estava associado às festas religiosas. mas também com os trabalhos agrícolas. feiras e o povo divertia-se com bailes e jogos tradicionais da sua região. como por exemplo: o chinquilho. Nessas alturas faziam-se romarias. acompanhados por cânticos ao desafio. o jogo das bilhas e do fito ou malha. as ceifas e as desfolhadas.

por alguém instruído. Era sempre um momento de grande emoção. Havia terras onde era hábito os serões de leitura. da aldeia. que consistiam na leitura da correspondência recebida. ou loja.Fernando Pessoa. . a maioria da população era analfabeta. era a tenda. sendo que. que tinha como função principal fornecer produtos. freguês habitual dos estabelecimentos “Vale do Rio”. Outro lugar escolhido para “pôr a conversa em dia”.

Conclusão .

quer estivesse a viver no campo. •Os que viviam no campo. •As habitações variavam consoante a zona. ou aos trabalhos agrícolas (vindimas. trabalhavam em terras que não eram suas. dedicavam-se maioritariamente à agricultura. •O povo levava uma vida de trabalho e muita miséria. •A vida social nos campos. ceifas.•A vida não era fácil na segunda metade do século XIX. •A alimentação era simples e deficiente. desfolhadas…). . apesar do progresso tecnológico. no entanto. limitava-se sobretudo às festas religiosas. vivendo miseravelmente e trabalhando muito. quer estivesse na cidade.

.

canalblog. Santillana Constância.5.htm www.pt/sev/hgp/13. 2005 . 6º ano.com/ http://www. Texto Editores. Rodrigues. Fátima. Arinda. Dias. 2005 Silva. História e Geografia de Portugal – 6º ano . vol I. Ana Rodrigues. Francisco.pt Oliveira. História e Geografia de Portugal A Grande Viagem. João Alves.ribatejo. Cantanhede.rcts.Bibliografia http://postaisportugal.eb23-cmdt-conceicaosilva.

3/00244 ./. /.5. 4:4.43889.../0....0/4#4 :974:. 09:7.3/4!0884.-09. 6:0.-00.70.4/45. 6:093.7.23.3.47.43.:F23897:J/4 803/46:0 ..843/007. 170:H8.. 57.903/./48089. 07.14730..073.E-944880708/009:7.47708543/H3.4241:34573.0-/.. 7.802570:22420394/07.07574/:948  .9077.-9:.407.545:.02/.  /. 547.078.203948 '.1.708.2.

:84 .43.

390.4.48.-.2 80 2..2039.84..8 .3407.3/42:94 W.7...08803./.4384.407..8 .:4  ...8 .43./097.0734.03/42807.. 8084-709:/48 1089.479.394 97.348.:9:7.8 4:.7.-.3.20390.28:.508..234.0880./0/48F.34O../.. W.0390 W8.40.86:03407.-.W.-9.020390 097..8  ......:2..254 /0/.8 /0814.01.7. ./.3/2.08...402:9./. 34039..2 029077.254 6:07089..7J..80:3/.4 W 54.-..1E..7/45747088490.4897.28F7./0 W 86:0.2548 29.  6:07089.825080/01..2.87048./.209.

.

995.-47.1.

.

 .85479:.3.42..-4 .5489.

995.

.

98 59.0. 7.43. 0- ..4 8..2/9 .

80.

5.

.3.  . E92.34 $.43893.    . .7.8.4 89O7./0!479:.39.30/0  7.02  .07.#4/7:08 #4/7:08 73/.3/0'.1..0047. 3.3./0 !479:.1.0047.  92  7-.4  %094/94708   $.904 59 .8 44.08 89O7.39. .34 .

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful