Você está na página 1de 31

Motor de Indução

Controle de velocidade e
características de partida

Jim Naturesa, Joubert Junior


e Carlos Mariotoni
Corrente de partida
 A corrente de partida de um motor de indução
trifásico pode ser de 8 a 10 vezes maior do que
a corrente nominal.
 Partida direta.
 A partida direta pode levar a uma elevada queda
de tensão no sistema de alimentação da rede.
 O sistema de proteção (cabos, contatores,
disjuntores) deverá ser sobre dimensionado,
ocasionando um custo elevado.

2
Corrente de partida
 Partida indireta.
 Para a partida indireta podem ser
utilizados os seguintes métodos:
 Chave estrela-triângulo;
 Chave compensadora ou
autotransformador;
 Chave de partida estática ou soft-start;
 Inversor de freqüência.

3
Chave estrela-triângulo
 Os motores devem ter no mínimo seis bornes
de ligação.

 A partida estrela-triângulo poderá ser utilizada


quando a curva de conjugado (torque) do motor
for suficientemente elevada para poder garantir
a aceleração da máquina com corrente
reduzida.

 Na ligação em estrela , o conjugado fica


reduzido entre 25 a 33% do conjugado de
partida na ligação triângulo.

4
Chave estrela-triângulo

5
Chave Compensadora (Autotransformador)

 A chave compensadora pode ser usada para a


partida de motores sob carga.

 Ela reduz a corrente de partida, evitando uma


sobrecarga no circuito.

 A tensão na chave compensadora é reduzida


através de autotransformador que possui
normalmente taps de 50, 65 e 80% da tensão
nominal.

6
Autotransformador

7
Autotransformador - Característica torque
versus velocidade

8
Exemplo

9
Exemplo

10
Soft-Starter
 O soft-starter utiliza um conjunto de pares de
tiristores para o processo de aceleração.

 No final do período de partida, a tensão atinge


seu valor pleno após uma aceleração suave ou
rampa ascendente.

 Além da vantagem do controle da tensão


durante a partida, a chave eletrônica apresenta,
também, a vantagem de não possuir partes
móveis.

11
Inversor de freqüência
 Com a utilização de um inversor podemos
alterar a velocidade de um motor de indução
sem comprometer seu torque de saída.

 Acionamentos de freqüência variável podem


influenciar positivamente a vida útil de um
motor, por exemplo, velocidades baixas
significam uma menor fadiga nos rolamentos,
ventoinhas e elementos girantes.

 A partida suave elimina os altos esforços nos


enrolamentos do estator e nas barras do rotor.

12
Inversor de freqüência
 Devem ser verificadas alguns aspectos
importantes com relação aos inversores:
 Harmônicas;
 Faixa de velocidade e
 Aspectos na partida.

13
Inversor de freqüência
 A distorção harmônica é a combinação da
tensão (ou corrente) fundamental com
componentes de freqüência múltipla inteira.

 Normalmente é causada por dispositivos não-


lineares de conversão, como ponte de
retificadores, compensadores controlados a
tiristores etc.

 Os efeitos das harmônicas geradas pelo


acionamento podem afetar a operação, vida útil
e desempenho do motor e da instalação
elétrica.
14
Inversor de freqüência – distorções harmônicas

15
Inversor de freqüência – distorções harmônicas

16
Faixa de velocidade
 Os dados reais de carga devem ser fornecidos
para os fornecedores de motores a fim de
assegurar-se que o motor será capaz de partir
e acelerar a carga e funcionar dentro do limites
especificados de temperatura e sob condições
de operação.

 Na maioria das aplicações com velocidade


variável, a máxima velocidade de operação é
ou está perto da rotação nominal de um motor
padrão conectado diretamente à rede.

17
Faixa de operação
 A mínima velocidade de operação deve ser
especificada na folha de dados da máquina,
tendo em vista que o sistema de refrigeração
do motor está ligado intimamente à sua
rotação.

 Operação à velocidade crítica (ressonância)


pode resultar em níveis de vibração altos que
podem levar à falha por fadiga dos
componentes do acionamento.

18
Aspectos na partida
 Um aspecto positivo na operação de motores com
acionamento é a partida suave.

 A maioria das aplicações são projetadas para manter a


relação V/Hz constante, mantendo assim o fluxo
eletromagnético no entreferro do motor uniforme. Logo
nas baixas freqüências a tensão também será baixa.

 Durante as partidas o acionamento controla a tensão e


freqüência para permitir que o motor trabalhe próximo
do escorregamento e fluxo nominais e esteja operando,
na porção estável da curva torque versus rotação.

19
Curva V / Hz

20
Curva V / Hz

21
Curva V / Hz

22
Curva torque versus rotação com inversor de
freqüência

23
Quadro resumo

24
Seleção e aplicação dos motores de
indução trifásicos
 Devem ser levados em consideração alguns aspectos
importantes para a seleção de um motor de indução,por
exemplo:

 A) Conjugado de partida: é necessário que o


conjugado do motor seja sempre superior ao conjugado
da carga.

 B) Conjugado de aceleração: o conjugado do motor


deve ser sempre maior que o conjugado de carga, em
todos os pontos entre zero e a rotação nominal.

25
Seleção – conjugado de aceleração

26
Seleção
 C) Conjugado nominal: o conjugado requerido
para o funcionamento normal de uma máquina
pode ser constante ou variável.

 D) Características da rede de alimentação:


devem ser verificados a tensão de alimentação
do motor, a freqüência nominal e o método de
partida.

 E) Característica do ambiente: verificar


altitude, temperatura e atmosfera ambiente.

27
Seleção
 F) Características construtivas: dimensões do
motor e do ambiente (lembre-se que um motor
de indução de alto rendimento possui um
volume maior), potência (verificar se o motor
está em HP ou CV), rotação, fator de serviço,
sentido de rotação.

 G) Características da carga: tipo de


acionamento (transmissão direta, correia etc),
regime de funcionamento (número de partidas
por hora) e correta escolha do óleo lubrificante
para os mancais.
28
Seleção - Resumo
 O motor deve:

 I) Acelerar a carga com tempo curto para que o


acionamento não venha a danificar as características
físicas da máquina (isolamento);

 II) Funcionar no regime especificado sem que a


temperatura de suas diversas partes ultrapasse a classe
de isolamento;

 III) Funcionar com carregamento acima de 75% para não


comprometer o rendimento, FP e os custos.

29
Seleção - Resumo (comparação entre máquinas)

30
Referências
Centro de Treinamento Weg. Características e especificações de
motores de alta tensão WEG – DT-6.

Deckmann, S. Avaliação da Qualidade de Energia Elétrica. Apostila


de curso. Faculdade de Engenharia Elétrica e de Computação –
UNICAMP.

Sen, P. Principles of Electric Machines and Power Electronics.


John Wiley & Sons.

Toro, V. Fundamentos de Máquinas Elétricas. Editora LTC.

Yamayee, Z & Bala, J. Eletromechanical Energy Devices and Power


Systems. John Wiley & Sons.

31