Você está na página 1de 19

Sexua li dad e da

Pess oa I dos a

Cleilson Teobaldo dos Reis


Psicólogo – CRP 996
Te nha se mpre
prese nte
Tenha sempre presente que a pele se enruga

O cabelo embranquece,

Os dias convertem-se em anos...

Mas o que é importante não muda...

a tua força e convicção não tem idade!


O teu espírito é como qualquer teia de aranha

Atrás de cada linha de chegada, há uma de partida.

Enquanto estiver viva, SINTA-SE VIVA!

Se sentir saudades do que fazia, volte a fazê-lo.

Não viva de fotografias amareladas...

Continue, quando todos esperam que desista.

Não deixe que enferruje o ferro que existe em você.


Faça com que, em vez de pena,
tenham respeito por você.

Quando não conseguir correr


através dos anos, TROTE!
Quando não conseguir trotar, CAMINHE!
Quando não conseguir caminhar,
USE UMA BENGALA!

MAS NUNCA SE DETENHA!!!

(Madre Tereza de Calcutá, apud CARCHENO et alli, 2007)


Prá começo de
convers a.. .
Estudar sobre o Envelhecimento requer um
olhar não somente para as mudanças físicas e
biológicas vivenciadas pelos corpos, mas
também e concomitantemente as mudanças no
que se refere à organização das sociedades, à
construção das relações sociais, às vivencias
afetivas e às experiências em relação a si
próprio e ao mundo.

* E nunca é demais afirmar:


ENVELHECEMOS CONFORME VIVEMOS!
“Cada existência humana é única,
cada homem envelhece de uma
maneira particular. Uns saudáveis,
outros não. Não há velhice e sim
velhices. O envelhecimento deve
ser considerado um processo
tipicamente individual, existencial
e subjetivo, cujas conseqüências
ocorrem de forma diversa em cada
sujeito.”
Braga, Pérola – 2005.
“... O homem se define no mundo objetivo não somente em
pensamento, senão com todos os sentidos. (...) Sentidos
que se afirmam, como forças essenciais humanas (...). Não
só os cinco sentidos, mas os sentidos espirituais (amor,
vontade...)” (Karl Marx, apud BOCK et alli, 1995).

Importante compreender que a vida afetiva nos constitui


enquanto seres humanos, estando presentes em todas as
manifestações de nossa vida, em qualquer tempo e em
qualquer espaço.

“Relação é a base da vida, construímos o


mundo a partir dos laços afetivos”
(Monteiro, 2002)
ALÉM DA PSICOLOGIA, DIVERSAS
OUTRAS ÁREAS DO
CONHECIMENTO BUSCAM
ENTENDER MELHOR AS QUESTÕES
RELACIONADAS À SEXUALIDADE: A
MEDICINA, A BIOLOGIA, A
ANTROPOLOGIA, A SOCIOLOGIA, A
HISTÓRIA. ISSO É SUFICIENTE
PARA SE AFIRMAR O QUANTO O
CONCEITO É COMPLEXO E
DESAFIADOR PARA AS
SOCIEDADES.
Se xuali dade

 Apresentação Heriádina
Se xualid ade
Michaelis: “Conjunto de todos os caracteres
morfológicos e fisiológicos, externos ou
internos, que os indivíduos apresentam,
conforme o sexo a que pertencem”

• Dimensão básica e complexa da vida humana

“... sua compreensão deve se dar em um espaço


historicamente construído. Implica relações postas
socialmente, construídas e reproduzidas pelo sistema
estrutural e conjuntural” (Salimene, 2003).
Se xualid ade
• Envolve portanto:
• Relação com o corpo
• Construções subjetivas e psiquê
• Relação com a sociedade, relação com o outro.

• Revestida de mitos e tabus – controle sobre


os usos dos corpos como forma de reproduzir a
sociedade disciplinar capitalista (Michael
Foucault) – negação do prazer.

• Tornou-se um processo mecânico,vinculado à


genitalidade e à procriação, ao ciclo produtivo-
reprodutivo
Se xualid ade
• Muitas dúvidas!!! Estão presentes em qualquer
geração, das mais novas às mais velhas.

• O desejo de prazer é parte integrante da vida.


É preciso acreditar que podemos exercer a
nossa sexualidade e que ela está viva dentro
de cada um,independentemente da idade.

• Alguns autores afirmam que uma das formas


de se evitar os sintomas provocados pelo
processo de envelhecimento, consistiria, tanto
para os homens quanto para as mulheres, em
continuar as atividades sexuais.
Se xualid ade
• Referenciada socialmente pela jovialidade – um
determinado modo de exercício de sexualidade.

• Coloca em xeque os papéis sociais de


homens e mulheres.
• É preciso coragem para derrubar conceitos e
preconceitos existentes em relação à
Sexualidade no Envelhecimento.

• É preciso também a ampliação do


conhecimento sobre o corpo, para que seja
possível manter o exercício da Sexualidade
sem culpas ou preconceitos.
Se xualid ade
Ciclo da Resposta Mudanças com o
Sexual Envelhecimento
Desejo Fase da Atração, Permanece. Pode até aumentar em
troca afetivo-sexual função da redução de
preocupações familiares e sociais
Excitação Elevação da troca Maior demora para a ereção e
afetivo-sexual: ereção excitação mais rápida devido à
e lubrificação maturidade sexual
Platô Grande nível de Mais longo no homem e mais
excitação curta na mulher
Orgasmo Clímax da relação Praticamente sem alterações
Resolução Relaxamento Relaxamento
(Elaborado a partir de: RISMAN, 1999)
A relação sexualidade e
envelhecimento apresenta-se
como um mito sociocultural e,
mais ainda, de forte
preconceito que impede a sua
visibilidade social.
Como usar uma camisinha depois dos 50
Primeiro, preparar-se para a Depois, selecionar a camisinha
ação

E, finalmente,dar-
lhe uso adequado
Querido, por favor, deixe
disso. Eu sei muito bem
que é sua bengala!!!
Se xualid ade
• Texto “Sexualidade na Terceira Idade”
Indi cações Bibl iográf icas
CARCHENO, H. R. R. et alli. Sexualidade da mulher na terceira idade: a
percepção das mulheres participantes do projeto de extensão “Saúde e
qualidade de vida do idoso” – Emescam. Trabalho de conclusão de curso, curso
de serviço social da Escola Superior de Ciências da Santa Casa de Misericórdia –
EMESCAM, 2007.

FOUCAULT, M. História da sexualidade. Rio de Janeiro : Graal, 1982.

MONTEIRO, D. M. R. Afetividade, intimidade e sexualidade no envelhecimento.


In: FREITAS, E. V. et alli. Tratado de geriatria e gerontologia. Rio de Janeiro :
guanabara Koogan S.A. 2002. p. 943-949

REVISTA SERVIÇO SOCIAL E SOCIEDADE. Velhice e envelhecimento. Ano


XXIV, n.75, set/2003.

VERAS, R. P. Terceira idade: alternativas para uma sociedade em transição.


Rio de Janeiro : Relume-Dumará, 1999.

Obrigado!
ctr.psi@bol.com.br