Você está na página 1de 32

Reunião Técnica Perícia Médica

Nexo Técnico Epidemiológico


Previdenciário

Março/2007
Nexo Técnico Epidemiológico Previdenciário

Reunião Técnica Perícia Médica

- Conceito de NTEP
- Alterações da Lei 8.213/91 e do Decreto 3.048/99
- Instrução Normativa
- Procedimentos de perícia médica relacionados ao NTEP
- Critérios para análise da defesa e do recurso
- Alterações do sistema SABI
Nexo Técnico Epidemiológico Previdenciário

SEGURO ACIDENTE DO TRABALHO

● 1, 2 ou 3% incidentes sobre a remuneração paga pela


empresa a seus empregados e trabalhadores
avulsos, conforme ramo de atividade econômica

• Acréscimo de 6, 9 ou 12% para financiamento da


aposentadoria especial
Nexo Técnico Epidemiológico Previdenciário

Fator Acidentário de Prevenção - FAP

• Multiplicador sobre alíquota do SAT

• CID como fonte primária de informação

• Não declaratório (operacionalização automática)


Nexo Técnico Epidemiológico Previdenciário

FAP = [ 0,5000 ; 2,000


]

CNAE
grau leve 1%  0,5% a 2%
1%

560 CNAE
3.500.000 empresas
CNAE
grau médio 2%  1% a 4 %
2%

CNAE
grau grave 3%  1,5% a 6 %
3%
Nexo Técnico Epidemiológico Previdenciário

As Dimensões consideradas no
FAP
Probabilística 
Freqüência.
eventos

FAP

dias R$ pagos

Social  Gravidade Econômica 


Custo.
Nexo Técnico Epidemiológico Previdenciário

Nexo Técnico Previdenciário

● Comunicação de Acidente do Trabalho - CAT

• Perfil Profissiográfico Previdenciário - PPP

• Vistorias
Nexo Técnico Epidemiológico Previdenciário

Nexo Técnico Epidemiológico Previdenciário - NTEP

● Abordagem coletiva

• Nexo Presumido ( CID x CNAE )

• Inversão do ônus da prova


Nexo Técnico Epidemiológico Previdenciário

Instrução Normativa

• A Perícia Médica do INSS caracterizará tecnicamente o


acidente do trabalho mediante o reconhecimento do
nexo entre o trabalho e o agravo.

Agravo = lesão, doença, transtorno de saúde, distúrbio,


disfunção ou síndrome de evolução aguda, subaguda ou
crônica, de natureza clínica ou subclínica, inclusive
morte, independentemente do tempo de latência.
Nexo Técnico Epidemiológico Previdenciário

Considera-se estabelecido o nexo entre o trabalho e o


agravo sempre que se verificar nexo técnico
epidemiológico entre a atividade preponderante da
empresa e a entidade mórbida motivadora da
incapacidade, relacionada na Classificação
Internacional de Doenças em conformidade com o
disposto na Lista B do Anexo II do Regulamento

• Matriz NTEP ( CID x CNAE )

• Lista B (Doença profissional ou do trabalho )


Nexo Técnico Epidemiológico Previdenciário

A inexistência de nexo técnico epidemiológico


não elide o nexo entre o trabalho e o agravo,
cabendo à perícia médica a caracterização
técnica do acidente do trabalho, podendo:

• Ouvir testemunhas,
• Solicitar as demonstrações ambientais da
empresa,
• Efetuar pesquisa ou realizar vistoria do local
de trabalho
• Solicitar o Perfil Profissiográfico
Previdenciário - PPP (diretamente ao
empregador)
Nexo Técnico Epidemiológico Previdenciário

A perícia médica do INSS poderá deixar de


aplicar, o NTEP quando dispuser de
informações ou elementos circunstanciados e
contemporâneos à exposição ou à situação
administrativa do segurado que evidenciem a
inexistência do nexo causal entre o trabalho e o
agravo.

Mediante decisão fundamentada


•Justificar parecer
Nexo Técnico Epidemiológico Previdenciário

- A empresa poderá requerer ao INSS, a não


aplicação do NTEP aos agravos que repute não
possuírem nexo causal com o trabalho exercido
por seus trabalhadores,

- A Agência da Previdência Social - APS


mantenedora do benefício informará ao
segurado sobre a contestação da empresa,
para, querendo, impugná-la, no prazo de 15 dias
da ciência da contestação
Nexo Técnico Epidemiológico Previdenciário

Prazo para apresentação do requerimento:

• Desde a data da entrada do pedido de benefício


sempre que for do seu conhecimento o diagnóstico do
agravo à saúde do trabalhador.

• Até quinze dias após a data para a entrega da GFIP

• Até quinze dias da data em que a empresa tomar


ciência da decisão da perícia médica do INSS do nexo
causal entre o trabalho e o agravo
Obs: O resultado será disponibilizado para consulta pela empresa
via internet
Nexo Técnico Epidemiológico Previdenciário

• A análise do requerimento e das provas produzidas será


realizada pela Perícia Médica do INSS

• Juntamente com o requerimento, a empresa deverá


apresentar documentação probatória, contendo evidências
circunstanciadas e tempestivas à exposição do segurado,
produzidas no âmbito das demonstrações do gerenciamento
dos riscos fisicos, químicos, biológicos, mecânicos e
psicoergonômicos

• A empresa deverá demonstrar que gerencia adequadamente


o ambiente de trabalho, eliminando e controlando os agentes
nocivos à saúde e à integridade física dos trabalhadores.
Nexo Técnico Epidemiológico Previdenciário

A existência ou não de riscos ambientais em níveis ou


concentrações que prejudiquem a saúde ou a
integridade física do trabalhador será comprovada pela
empresa mediante a apresentação dos seguintes
documentos, dentre outros:

•PPRA (NR9)
•PGR (NR22)
•PCMAT (NR 18)
•PCMSO (NR7)
•Análise ergonômica do trabalho (NR17)
•LTCAT
•PPP
•CAT
Nexo Técnico Epidemiológico Previdenciário

• Da decisão do requerimento cabe recurso, com efeito,


suspensivo, ao CRPS.

• A interposição do recurso não prejudica o pagamento


regular do benefício.

• A Perícia médica do INSS procederá a transformação do


benefício concedido enquanto o recurso estiver pendente de
decisão.

• A apresentação do requerimento de não aplicação do NTEP,


no prazo estabelecido, é condição necessária para o
posterior recurso ao CRPS.

• A APS quando da elaboração das contra-razões ao recurso


deverá apontar essa situação antes do encaminhamento do
recurso ao CRPS
Nexo Técnico Epidemiológico Previdenciário

Aplicação do NTEP

• Benefícios requeridos a partir de 1º de abril de 2007.

• Segurados periciados após 1º de abril de 2007

• Recursos tempestivos do segurado visando a


transformação de benefício previdenciário em
acidentário, ainda não analisados pela Perícia Médica,
ainda que impetrados antes do dia 1º de abril de 2007.

Obs: Aos benefícios em manutenção aplica-se a regra


anterior, tendo em vista que a eventual prorrogação do
benefício decorre da incapacidade para o trabalho e não
da natureza do benefício.
Nexo Técnico Epidemiológico Previdenciário

A Perícia Médica do INSS, quando constatar indícios


de culpa ou dolo por parte do empregador em relação
aos benefícios por incapacidade por esta concedidos
deverá oficiar à Procuradoria Federal Especializada –
INSS, instruindo-a com as evidências e demais meios de
prova colhidos, notadamente quanto aos programas de
gerenciamento de riscos ocupacionais, para as
providencias cabíveis, inclusive, para ajuizamento de
ação regressiva
Nexo Técnico Epidemiológico Previdenciário

Quando a Perícia Médica do INSS constatar desrespeito à


normas de segurança e saúde do trabalhador, fraude ou
simulação na emissão de documentos de interesse da
Previdência Social por parte do empregador ou de seus
prepostos, deverá produzir relatório circunstanciado da
ocorrência e encaminhá-lo, juntamente com as evidências e
demais meios de prova colhidos, à Procuradoria Federal
Especializada – INSS para conhecimento e providências
pertinentes, inclusive, quando cabíveis, representações ao
Ministério Público e/ou a outros órgãos da Administração
Pública encarregados da fiscalização ou controle da atividade.
Nexo Técnico Epidemiológico Previdenciário

FLUXO ATENDIMENTO PERICIAL

4. Identificar segurado

2. Confirmar Data do Último dia Trabalhado – DUT


(se requerido pela internet)

3. Consultar informações sobre requerente:


• Vínculos
• Benefícios anteriores
• Requerimentos indeferidos
• Data afastamento do trabalho
• CAT
Nexo Técnico Epidemiológico Previdenciário

FLUXO ATENDIMENTO PERICIAL

4. Realizar anamnese:
- Doença atual ( início, tratamentos, evolução, etc...)
- Histórico laboral ( riscos ocupacionais, exposição a
agentes nocivos, tempo de exposição, etc...)
- Relatórios, atestados, resultados de exame
( registrar dados do emissor)

5. Executar exame clínico:

- Registrar os dados positivos e os dados negativos


relevantes.
Nexo Técnico Epidemiológico Previdenciário

FLUXO ATENDIMENTO PERICIAL

6. Firmar diagnóstico
- Se divergente do informado pelo médico assistente
registrar no campo “Considerações sobre parecer”
fundamentando a decisão)

7. Concluir sobre a capacidade laborativa fixando Data


do Início da Doença-DID e Data do Início da
Incapacidade-DII (quando couber);
- Solicitar, quando necessário, informações ao médico
assistente, médico do trabalho, etc...;
Nexo Técnico Epidemiológico Previdenciário

8. Verificar NTEP
CID confirmado pela Matriz do NTEP –
Obs.: havendo discordância justificar emitindo parecer
fundamentado em campo próprio; e selecionar uma das
opções:
I - Não há evidência / indícios de exposição a risco ergonômico (biomecânico e de
organização do trabalho).
II - Não há evidência / indícios de exposição a risco químicos.
III- Não há evidência / indícios de exposição a de risco biológico
IV - Não há evidência / indícios de exposição a risco físico.
V - Não há evidência / indícios de exposição a risco mecânico (específico de acidentes
de trabalho).
VI - Tempo entre o início da função/trabalho e o início da doença (DID) é
insuficiente para gerar a moléstia de origem ocupacional..
VII- A queixa descrita não é compatível com lesão ocupacional.
VIII- O segurado informa que a lesão não ocorreu no trabalho.
Nexo Técnico Epidemiológico Previdenciário

FLUXO ATENDIMENTO PERICIAL

CID não confirmado pela Matriz do NTEP porém consta na


Lista B, Anexo II do Decreto 3048/99
- Selecionar agente nocivo
Ex.:
II - Angiossarcoma do fígado - Arsênio e seus compostos
(C22.3) arsenicais (X48.-; X49.-;
Z57.5) (Quadro I)
- Cloreto de Vinila (X46.-; Z57.5)
(Quadro XIII)

III - Neoplasia maligna do - Cloreto de Vinila (X46.-; Z57.5)


pâncreas (C25.-) (Quadro XIII)
- Epicloridrina (X49.-; Z57.5)
- Hidrocarbonetos alifáfitos e
aromáticos na Indústria
do Petróleo (X46.-; Z57.5)
Nexo Técnico Epidemiológico Previdenciário

FLUXO ATENDIMENTO PERICIAL

9. Verificar nexo técnico (doença ocupacional, acidente


do trabalho ou não existe nexo)

10. Estimar prazo para recuperação da capacidade

11. Concluir o exame emitindo considerações sobre o


parecer
Nexo Técnico Epidemiológico Previdenciário

FLUXO ATENDIMENTO PERICIAL

9. Verificar nexo técnico (doença ocupacional, acidente


do trabalho ou não existe nexo)

10. Estimar prazo para recuperação da capacidade

11. Concluir o exame emitindo considerações sobre o


parecer
Nexo Técnico Epidemiológico Previdenciário

FLUXO ATENDIMENTO PERICIAL

9. Verificar nexo técnico (doença ocupacional, acidente


do trabalho ou não existe nexo)

10. Estimar prazo para recuperação da capacidade

11. Concluir o exame emitindo considerações sobre o


parecer
Nexo Técnico Epidemiológico Previdenciário

FLUXO ATENDIMENTO PERICIAL

9. Verificar nexo técnico (doença ocupacional, acidente


do trabalho ou não existe nexo)

10. Estimar prazo para recuperação da capacidade

11. Concluir o exame emitindo considerações sobre o


parecer
Nexo Técnico Epidemiológico Previdenciário

FLUXO ATENDIMENTO PERICIAL

9. Verificar nexo técnico (doença ocupacional, acidente


do trabalho ou não existe nexo)

10. Estimar prazo para recuperação da capacidade

11. Concluir o exame emitindo considerações sobre o


parecer
Nexo Técnico Epidemiológico Previdenciário

FLUXO ATENDIMENTO PERICIAL


Parecer Fundamentado

9. Verificar nexo técnico (doença ocupacional, acidente


do trabalho ou não existe nexo)

10. Estimar prazo para recuperação da capacidade

11. Concluir o exame emitindo considerações sobre o


parecer
Nexo Técnico Epidemiológico Previdenciário

FLUXO ATENDIMENTO PERICIAL

9. Verificar nexo técnico (doença ocupacional, acidente


do trabalho ou não existe nexo)

10. Estimar prazo para recuperação da capacidade

11. Concluir o exame emitindo considerações sobre o


parecer