Você está na página 1de 18

Coopmista

Alunas:Celi Angela Maran Kvya Mara F. G. Coelho Fernando F. Gomes Thiago A. Dias Disciplina: Estgio Supervisionado IV Professora:Gisele Rodrigues da Silva
Ipatinga 2009

COOPMISTA
Cooperativa Mista dos Produtores Rurais de Conselheiro Pena. Fundada em 22 de junho de 1956. Fbrica de produtos de laticnios com industrializao de todo leite recebido pela empresa.

Produtos - diMinas

Queijos, requeijo, manteiga e doce de leite. Distribudos para algumas cidades de Minas Gerais, So Paulo, Esprito Santo, Rio de Janeiro e Bahia.

O leite utilizado na fbrica fornecido pelos cooperados. Anlises laboratoriais so realizadas aps o recebimento das amostras. Todo o leite pasteurizado.

Produo
Plataforma de recepo: Teste do alizarol. Amostra encaminhada ao laboratrio de rotina. Pasteurizao: Garantir esterilidade.

Queijos:
Minas, prato, mussarela e parmeso. Tanques com temperatura controlada; Adio do fermento, coalho, cloreto de clcio e corante.

Laboratrio de rotina

Anlise do leite. Cooperados possuem nmero de registro da amostra de leite. Pesquisa de fraude: aditivos no leite.

Testes:
Crioscopia; 2. Teste do Alizarol; 3. Anlise da densidade e temperatura; 4. Anlise da gordura; 5. Anlise da acidez (Dornic); 6. Anlise da fosfatase alcalina. 7. Anlise de presena de antibitico
1.

Laboratrio de Controle de Qualidade

Anlises fsico-qumicas e microbiolgicas dos alimentos. Anlise de soro e dreno. Anlise das salmouras. Anlise das mos dos funcionrios. Anlise do mofo ambiente. pH das amostras.

Estao de Tratamento da gua

Toda gua utilizada na fbrica coletada do Rio Doce. Adio de Sulfato de Alumnio e Cloro. Formao de precipitados. A gua filtrada armazenada e distribuda.

1. 2.

3.
4.

Anlises: Dureza da gua; pH; Cloretos; Alcalinidade.

Estao de Tratamento de
Efluentes
A gua utilizada pela fbrica tratada antes da sua devoluo ao rio. Retirada de resduos. Formao de polmeros. Separao da parte lquida. gua bombeada para o rio.

Concluso
O estgio supervisionado IV, proporcionou a oportunidade de vivenciar o cotidiano de uma Industria de laticnios, e a possibilidade de no somente aplicar e aprimorar os conhecimentos adquiridos durante a vida academica, mas de adicionar a eles, a experincia pratica de todas as atividades realizadas na Industria de Laticinios.

Referncias Bibliogrficas

EVANGELISTA, Jos. Alimentos: um estudo abrangente. So Paulo: Atheneu, 2002. EVANGELISTA, Jos. Tecnologia de alimentos. 2. ed. So Paulo: Atheneu, 2005. SALINAS, Rolando D. Alimentos e nutrio: introduo bromatologia. 3. ed. Porto Alegre: ArtMed, 2002. SILVA, Dirceu Jorge; QUEIROZ, Augusto Csar de. Anlise de alimentos: mtodos qumicos e biolgicos. 3. ed. Viosa: UFV, 2002.

Você também pode gostar