HEMODERIVADOS

UNIVERSIDADE CATÓLICA DO SALVADOR ORIENTADORA: VERA FRÓES

COMPONENTES • • • • GABRILEA GOMES NAIARA SANTOS RAYANE VANESSA THAIANA SALOMÃO .

O QUE SÃO? • Hemoderivados são medicamentos derivados do sangue. mais especificamente do plasma contido no sangue .

Para que serve? • Os hemoderivados servem para o tratamento de doenças graves como: • Hemofilia • Doença de Von Willebrand • Coagulopatias raras • Imunodeficiência primária • Síndrome da Imunodeficiência Adquirida (AIDS) .

Lista de Hemoderivados • Os quatros hemoderivados de base. que fazem parte da lista de medicamentos essenciais da Organização Mundial de Saúde (OMS) são a: • • • • albumina imunoglobulinas poli-específicas (imunoglobulinas normais) concentrados de Fator VIII da coagulação concentrados de Fator IX da coagulação .

• Além destes. que podem ser classificados em três grandes grupos: FONTE: Centro de Gestão e Estudos Acadêmicos . hoje existem cerca de vinte diferentes tipos de hemoderivados disponíveis no mercado mundial.

FONTE: Centro de Gestão e Estudos Acadêmicos .

FONTE: Centro de Gestão e Estudos Acadêmicos .

Administração de Hemoderivados Transfusão sanguínea • É de responsabilidade do profissional de enfermagem a administração de sangue e hemoderivados. a conferência da requisição de transfusão. as conferências dos dados das bolsas de sangue. • É contra-indicada a administração concomitante de hemoderivados e medicações . bem como a assistência ao cliente no atendimento pré. intra e pós-transfusional. a conferência de prontuário e a identificação do cliente.

COMPLICAÇÕES TRANSFUSIONAIS .

formulários e identificação do receptor.COMPLICAÇÕES TRANSFUSIONAIS CONDUTAS • Interromper imediatamente a transfusão e comunicar o médico responsável pela transfusão • Manter acesso venoso com solução salina a 0. • Avaliar se ocorreu a reação e classificá-la. . • Verificar sinais vitais e observar o estado cardiorrespiratório. • Manter o equipo e a bolsa intactos e encaminhar este material ao serviço de hemoterapia. Verificar à beira do leito.9%. se o hemoderivado foi corretamente administrado ao paciente desejado. a fim de adequar a conduta específica. • Verificar todos os registros.

e sepse relacionada à transfusão. • Registrar as ações no prontuário do paciente. • NOTA 2: Em casos de reação urticariforme ou sobrecarga circulatória. TRALI. • Se existir a possibilidade de algumas destas reações supracitadas. não é necessária a coleta de amostra pós transfusional.• Avaliar a possibilidade de reação hemolítica. . assim como amostra de sangue e/ou urina para o laboratório clinico quando indicado pelo médico. • NOTA 1: As amostras devem ser colhidas preferencialmente de outro acesso que não aquele utilizado para a transfusão. situações nas quais são necessárias condutas de urgência. anafilaxia. coletar e enviar uma amostra pós transfusional junto com a bolsa e os equipos (garantir a não-contaminação dos equipos) ao serviço de hemoterapia.

tempo de infusão (não ultrapassar 4h) • Certificar-se da permeabilidade do acesso venoso calibroso. velocidade.Cuidados de Enfermagem Antes da administração • Conferir os dados da requisição de sangue com os do prontuário • Certificar-se da tipagem sanguínea • Certificar-se da história transfusional pregressa do paciente e ocorrência de reações adversas • Certificar-se do consentimento informado do paciente assinado • Acompanhar e orientar o paciente a respeito do procedimento • Verificar os SSVV e anotá-los para estabelecer parâmetros iniciais • Certificar-se da prescrição médica: tipo de hemoderivado. quantidade a ser administrada. .

Cuidados de Enfermagem Durante a administração • Realizar a infusão com a bolsa em temperatura ambiente – Não cobri-la. nem aquecer em banho-maria • Anotar no prontuário o início da infusão e o nº da bolsa do hemoderivado • Infundir o hemoderivado em equipo próprio • Observar rigorosamente o cliente nos 15 min iniciais • Administrar o hemoderivado lentamente .

Cuidados de Enfermagem Após a administração • Desconectar o equipo do acesso venoso.9% • Descartar a bolsa em local adequado • Verificar os SSVV e anotar no prontuário • Anotar o término da infusão no prontuário • Observar atentamente o paciente nos primeiros 15 minutos após o término da transfusão . lavando-o com SF 0.

2011 . Ministério da Saúde. • ASSREUY. Margotto. Hemoderivados. 2006. 2ª Edição. Goiânia. • BORGES. Mara Helena. Brasília: Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à saúde.REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS • Brasil. 2004. Rotinas de Enfermagem. Assistência ao Recém-nascido de Risco. Samiro. editado por Paulo R.

709.#493.7.:4# ../4547!.02 43.$./48 7.274 8889H3.## $ # $ W 7.7./0 $0.74994  /4    W  #$ .4#0./4/0 #8.4 0/9.8 389F74/.8J.8/031072.8./0 024/07.  ./09034 8.003./0    W $$#& $.F2 3.389F74/...$.

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful