Você está na página 1de 40

Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul - UNIJUI

-

Modelos de Democracia
David Held, BH: Paideia, 1987
Desenvolvido por Laila L. F. Poppe – Bolsista Unijui Professor Orientador: Dejalma Cremonese

Modelo Clássico

Grécia:  Democracia Direta  Escravismo  Platão  Aristóteles  Péricles

Modelo Medieval

Santo Agostinho
Desejo pela Cidade Celestial Santo Tomás de Aquino

Modelo Renascentista:

Reforma Protestante  Novo Mundo  Maquiavel  Hobbes (O Leviatã)  Locke (Cidadania)  Liberalismo: - Revolução Inglesa - Direitos Naturais

O Federalista Benthan e Mill: .Liberalismo  Proteção dos Governantes Democracia deve proteger contra a opressão e a depredação nas mãos daqueles funcionários que ela emprega para sua defesa    .Separação dos poderes Madison: . Montesquieu: .

Participação .Democracia Direta  John Stuart Mill: .Defensor da democracia . Rousseau : .Crítica ao Estado Absolutista .Contra o Estado agigantado e intervencionista .Contrato Social .Liberdade Individual .

as desigualdades sociais.  Rompimento com as tradições liberais e liberaldemocrática  Classes e conflitos de classe (competição de um sobre o outro)  . Karl Marx Engels Crítica ao Estado Liberal “neutro” e da economia de mercado livre  Condenam a concentração de riqueza.

uns vivem as custas dos outros  Os donos dos meios de produção formam a classe dominante ou governante tanto econômica quanto politicamente  As relações são de dominação e exploração (conflito – luta de classes)  .As divisões de classes só surgem com o excedente (superávit): .

Mais valia:  Extração da produção superavitária  Valor gerado pelos trabalhadores no processo produtivo acima e além de seus salários e apropriados pelos donos do capital.  Superestrutura – Os burgueses capitalistas Donos do meio de Produção  Fábrica  Tecnologia  .

Infra-estrutura – Proletariado  Trabalhadores  Assalariados  Sem propriedade .

valores e práticas que servem aos interesses de grupos e das classes dominantes  Socialistas Utópicos:  Saint-Simon  Fourier  Owen  . como o último estágio para o comunismo Ideologia: sistema de crenças. O modo de produção burguês ou capitalista.

.  Burocracia para Marx: corpo de funcionários estatais. como sendo “uma sociedade particular e fechada dentro do Estado”.  Defende a propriedade privada dos meios de produção.  Preserva os interesses gerais da burguesia em nome do interesse público.  O Estado: Defende os interesses da classe economicamente dominante.

do processo de seu trabalho. dos demais humanos e de suas capacidades fundamentais.  Comunismo:  Todos os remanescentes das classes terão desaparecidos e. com eles. a base de todos os conflitos  Não haverá propriedade privada  Lei e ordem desaparecerão  .Alienação: situação no qual a massa da população é afastada dos frutos do seu trabalho.

Anti.Pregam a utilização do Estado contra os interesses do capital.  Ortodoxo  Marxistas – leninistas: .partidária .estatais .Pregam a ausência do Estado  Pluralistas  Poulantzas: .Estado representativo é uma “força repressora especial”  .Neo Marxismo:  Libertistas  Mattick : .Anti.

 Max Weber (1964 – 1920) Joseph Schumpeter (1883 – 1946)  Pouco espaço para a participação democrática e o desenvolvimento coletivo.  Conceitos restritos de democracia  Democracia como meio de escolher pessoas encarregadas da tomada de decisões e de colocar alguns limites a seus excessos.  .

sindicatos.  O Estado é uma relação de homens dominando homens.  Weber e a questão do Estado  O Estado teve a capacidade de monopolizar o uso legítimo da violência dentro de um dado território. O Estado. partidos políticos. universidades e hospitais. mas também empreendimentos industriais.Weber:  Elitismo competitivo  Weber e a burocracia  Todas as formas de organização em grande escala. Uma relação apoiada por meio de violência legítima (Política como vocação)  .

o qual é legitimado (sustentado) por uma crença na justificabilidade e/ou legalidade deste monopólio  .Weber e a Legitimidade:  O Estado baseia-se em um monopólio de coerção física.

dos delegadores pelos delegados. Michels Lei de Ferro da Oligarquia “ Uma organização que gera dominação dos eleitores pelos eleitos.” (143) . Quem diz organização. dos mandantes pelos mandatários. diz oligarquia.

de discriminar entra diferentes linhas políticas e capaz apenas de fazer algum tipo de escolha entre um possível líder e outro. (p.Weber e a “emotividade” das massas:  O eleitorado é considerado como incapaz. em termos gerias. 143)   Weber: Defensor da tradição liberal democrática clássica. .

Schumpeter:  Elitismo competitivo  Segue a teoria de Weber (economia e sociedade)  Democracia realista  Contrário as tendências da teoria política desde a época clássica (excesso de especulações)  Contra a democracia participativa de Rousseau e Marx  .

155)  . 151)  Rejeição explícita da “doutrina clássica da democracia” (p.A participação excessiva da “demos” é perigosa  Democracia como método político: uma estrutura institucional para chegar a decisões políticas (p. 15)  Democracia é uma estrutura institucional para gerar e legitimar a liderança (p.

3) Democracia como simples voto individual e da escolha não refletida.   Democracia como um mero procedimento . desinteressados. alienados e apáticos (Vitullo. p. Democracia como um método de seleção de líderes por parte de um conjunto de cidadãos desinformados.

Schumpeter – Povo  “o povo” é nada além de “produtos de governos”. um mecanismo para selecionar “os homens capazes de tomar decisões”  O papel do eleitor é confinado a aceitar ou recusar um “patrão” ou outro. (p.  . 159)  Schumpeter ataca a teoria clássica da democracia.

 . os únicos participantes são os membros de elites política em partido e em instituições públicas.Schumpeter – Participação  No sistema democrático de Schumpeter.

 Os Pluralistas: “Política de Grupos” Anos 50 e 60  Muitos centros de poder  Expoente: Robert Dahl – um dos primeiros e mais proeminentes expoentes dos pluralismo”  Poliarquia .

 O poder está disperso em toda sociedade. é crucial para que o processo democrático possa ser sustentado e para que os cidadãos consigam promover seus objetivos.  Há uma necessidade de grupos ativos de vários tipos e tamanhos. . o poder não é hierárquico e estruturado de forma competitiva. Há vários centros de poder. -  Pluralistas Trumam Dahl Versão Clássica Na proposta pluralista.

 Almond e Verba: The Civic Culture ( 1963)  Estudo sobre atitudes políticas. .

Muitos centros de poder: representando diferentes interesses  Grupos de interesse  Organizações Comerciais  Sindicatos  Partidos políticos  Grupos étnicos  Estudantes  Funcionários de prisões  Instituto de mulheres  Grupos de religiões  .

ou governante.  .“Estado na sociedade capitalista” . há uma classe dominante.Neomarxistas e a questão do Estado  Ralph Miliband .O Estado não é um árbitro neutro dos interesses sociais (p. nas sociedades do ocidente contemporâneo. 187)  Argumentos: a) Que. . que possui e controla os meios de produção.Um Estado que preserva um certo grau de poder político livre de interesses de classes imediatos.

188)  Instituições estatais e o capitalismo:  As instituições estatais funcionam como “um elemento compromissado de importância crucial para a manutenção e defesa da estrutura de poder e privilegia inerente ao . 188) . capitalismo” (p.b) Que ela tem estreitos laços com poderosas instituições. universidade e mídia (p. o exército. especialmente nas “posições de comando” (p. entre as quais estão os partidos políticos... 187) c) Que ela tem uma representação desproporcionada nos níveis de aparato estatal.

189)  O poder é a capacidade de concretizar interesses de classe  Claus Offe: o Estado tem um “interesse” geral em facilitar o processo de acumulação capitalista (p.Poulantzas:  O Estado é simplesmente um “Estado Capitalista” (um Estado determinado pelo poder de classe) (p. 191)  . 189)  Crítico neomarxista de Miliband  Estado é uma arena de conflitos e cessa a “condensação das forças de classes” (p.

 Estado de Bem-Estar Social “Social Democracia” Estado intervencionista Keynesiano  pós II Guerra Mundial  Democracia Legal (Nova Direita)  Democracia Participativa (Nova Esquerda) .

(Cultura empacotada) produzida pela mídia de massa . 207)  . O fim da ideologia: Marcuse .que tipo de vida gostaria de criar para si mesmos (p.(despolitização) .

juntamente com o Estado Mínimo (p.Reagan  .Tatcher Defenderam o afastamento do Estado .Nova Direita (ou Neo-liberalismo) (ou neo conservadorismo)  Vida política e vida econômica é uma questão de liberdade e iniciativas individuais (Hayek e Nozick)  Defendem uma sociedade de laissez-faire ou de livre mercado. 220)  Extensão do Mercado  Surge no final dos anos 70 e inicia nos anos 80 .

Anarquia.Perigos na dinâmica da “democracia das massas” contemporâneas .Defesa da pessoa (individuo) .Apenas os indivíduos podem julgar o que desejam .Defesa do Estado Mínimo .  Nova Direita  Robert Nozick: . Estado e Utopia (1974) .

 Friedrich Hayek: .226) . 225)  Mercado Livre  Democracia Liberal (p.Defende uma sociedade de livre mercado e de um Estado mínimo (p. 224) .Se a democracia significa a vontade irrestrita da maioria ele não é um democrata (p.

 Posições Marxistas Democracia Participativa (Nova Esquerda)  Pateman (1970)  Macpherson (1977)  Poulantzas  É o contra-modelo a “democracia legal” da direita .

232) . sem uma luta livre de opiniões.   Rosa acreditava na democracia representativa.B. Macpherson Defende mais uma democracia participativa. a vida morre em todas as instituições públicas” (p. sem liberdade irrestrita de imprensa e de assembléia. 231) M. Combinações entre partidos competitivos e organizações de democracia direta (p. Luxemburgo (da mesma forma que Poulantzas): “Sem eleições gerias.

 Pateman A democracia participativa engendra o desenvolvimento humano. reduz o senso de distanciamento dos centros de poder. aumenta o senso de eficácia política. nutre uma preocupação com problemas coletivos (p. 233) .

242) . eles deixam as coisas como estão. 242) Nova Esquerda  Certos meios e metas sociais e coletivas são desejáveis (p. econômica e ética que são individualistas (p.   Envolvimento com a política:  Os apáticos: não escapam à política... 241) Nova Direita:  Ligado as metas de liberdade e igualdade a doutrinas política. (p.

8..8.80 . 008/0.8 5   4.5E9.854J9.20394. 8../4.5.432.6:0843/.884.48.8209.  0.54J9.08 5  .8/0-07/.8 84/080E.424 0894  5  4. ./0./:..42..409.3.709./../4:973.4./00 :...86:07/.. 0794820480209..2.89.2 54J9.0F9.483408..