Você está na página 1de 75

Ensino Superior

3- Volume de Sólidos
Amintas Paiva Afonso
Cálculo 2
Sólidos de Revolução
Sólidos de Revolução
Sólidos de Revolução
Sólidos de Revolução
Dados um plano a, uma reta r desse plano e uma região R do
plano a inteiramente contida num dos semi-planos de a
determinado por r, vamos considerar o sólido de revolução
gerado pela rotação da região R em torno da reta r.
Para isso usaremos ainda seções transversais e tomaremos
como eixo orientado o eixo de rotação (a reta r).
Introdução:
a
Volume de Sólidos
Volume de Sólidos
Volume de um sólido
quando é conhecida a
área de qualquer secção
transversal.
Exemplo 1:
Usando o Cálculo Integral, mostre que o volume de uma pirâmide
reta de base quadrada - sendo b a medida da aresta da base e h a
altura da pirâmide – é
Colocando o sistema de eixos de modo que o eixo y seja perpendicular
à base da pirâmide reta, passando pelo centro, temos:
.
3
1
2
h b
Para cada corte transversal na altura h - y,
temos que a secção obtida é um quadrado,
paralelo à base, cuja área é (2x)
2
.
Examinando o corte longitudinal ao lado,
por semelhança de triângulos, podemos
escrever:
e daí
Volume de Sólidos
Volume de Sólidos
2x
Volume de Sólidos
Volume de Sólidos
Exemplo 1:
Logo, o volume da pirâmide é dado por:
e daí
2 2
4 ) 2 ( ) ( x x y A · ·
Exemplo 2:
Usando o Cálculo Integral, mostre que o volume de um cilindro
reto, de altura h e cuja base é um círculo de raio r, é V = πr
2
h.
Colocando o sistema de eixos de modo que a origem do sistema esteja
no centro da base do cilindro e o eixo x seja perpendicular à base do
cilindro, temos:
Para cada corte transversal na altura x, temos
que a secção obtida é um círculo, paralelo à
base, cuja área é πr
2
.
Logo, o volume do cilindro é dado por:
Volume de Sólidos
Volume de Sólidos
h
Sólidos de Revolução
Sólidos de Revolução
Exemplo 3: Considere a região delimitada por , o eixo x e
as retas x = -a e x = a, sendo girada ao redor do eixo x. O sólido
originado é uma esfera de raio a. Mostre que seu volume é .
O volume da esfera gerada é:
Sólidos de Revolução
Sólidos de Revolução
Exemplo 3:
Exemplo 4:
Usando o Cálculo Integral, mostre que o volume de um cone reto,
de altura h e cuja base é um círculo de raio r, é V = πr
2
h/3.
Colocando o sistema de eixos de modo que a origem do sistema esteja
no vértice do cone e o eixo x seja perpendicular à base do cone, temos:

Volume de Sólidos
Volume de Sólidos
Exemplo 4:
Para cada corte transversal na altura x, temos que a secção obtida é
um círculo, paralelo à base, cuja área é πy
2
.
Examinando o corte longitudinal ao lado, por semelhança de triângulos,
podemos escrever:
e daí ou seja, a área de cada secção transversal é.
Logo, o volume do cilindro é dado por:

Volume de Sólidos
Volume de Sólidos
Sólidos de Revolução
Sólidos de Revolução
Exemplo 5: Seja o triângulo R, dado na figura abaixo. Calcular o volume do
cone gerado pela rotação de R em torno do eixo OY.
Para cada y ∈ [0, 1] a seção transversal ao eixo OY é um círculo gerado
pela rotação do segmento horizontal de comprimento x. Logo, possui área
A = πx
2
e o volume do cone é igual a:
Usando semelhança de triângulos temos:
Portanto:
Sólidos de Revolução
Sólidos de Revolução
Exemplo 6: Seja a região R do plano limitada pela curva y = -x
2
+ 1 e o
eixo OX. Determinar o volume do sólido obtido com a rotação de R em
torno do eixo de OX.
A intersecção da curva com o eixo OX é dada por: -x
2
+ 1 = 0.: x
2
= 1.: x = ± 1.
Para cada x ∈ [-1, 1] a seção transversal ao eixo OX é um círculo gerado pela
rotação do segmento vertical de comprimento y. Logo, possui área A = πy
2
e o
volume do sólido é igual a:
Portanto:
y
Sólidos de Revolução
Sólidos de Revolução
Exemplo 7: Seja a região R do plano limitada pelo eixo OY e pelas curvas
Determinar o volume do sólido obtido com a rotação
de R em torno do eixo de OY.
Na figura temos representada a região R.
Como R é simétrica em relação OY, uma das
duas regiões R
1
ou R
2
girando em torno de
OY gera todo o sólido. Vamos considerar a
região R
1.
Para cada y ∈ [1/4, 4] a seção transversal
ao eixo OY é um círculo gerado pela rotação
do segmento horizontal de comprimento x.
Logo, possui área A = πx
2
e o volume do
sólido é igual a:
Sólidos de Revolução
Sólidos de Revolução
Exemplo 7:
Portanto:
Sólidos de Revolução
Sólidos de Revolução
Exemplo 8: Seja a ciclóide de equações paramétricas
8.1. Esboce a curva.
Usando as derivadas obteremos a curva abaixo.
Sólidos de Revolução
Sólidos de Revolução
8.2. Seja R a região do plano limitada pela
ciclóide e pela reta y = -1. Determinar
uma expressão em integrais que
represente o volume do sólido obtido com
a rotação de R em torno do eixo de OX.
Seja a função y = f(x) tal que seu
gráfico é a ciclóide. Para cada x ∈ [-4π,
0] a seção transversal ao eixo OX é um
anel circular de raio interno igual a 1 e raio
externo igual a y. Logo possui área igual a:
A = πy
2
- π.1
2
= πy
2
- π e o volume do sólido é igual a:
Sólidos de Revolução
Sólidos de Revolução
Substituindo x em função de t na integral anterior temos:
Sólidos de Revolução
Sólidos de Revolução
8.3. Determinar uma expressão em integrais que represente o volume
do sólido obtido com a rotação de R em torno da reta x = 1.
Sejam as funções x
1
= x
1
(y) e x
2
= x
2
(y), funções cujos gráfico são
respectivamente os arcos da ciclóide obtidos para t ∈ [π , 2π ] e para
t ∈ [0, π ]. Para cada y ∈ [-5 , -1] a seção transversal ao eixo OY
é um anel circular de raio externo respectivamente é 1 - x
1
e 1 – x
2
.
Sólidos de Revolução
Sólidos de Revolução
Logo, a seção transversal tem área A = π(1- x
1
)
2
- π(1- x
2
)
2
e o volume do sólido é igual a:
Substituindo y em função de t nas integrais acima temos:
Sólidos de Revolução
Sólidos de Revolução
Exemplo 9: Calcular o volume do sólido gerado pela rotação, em torno do
eixo OY, do círculo de raio 1 e centro em (4,0).
Tomemos as equações paramétricas do círculo:
Sejam x
1
= x
1
(y) e x
2
= x
2
(y), funções cujos gráfico são respectivamente
os semi–círculos obtidos para t ∈ [-π/2, π/2] e para t ∈ [π/2, 3π/2].
Para cada y ∈ [-1 , 1] a seção transversal ao eixo OY é um anel circular
de raios externo e interno respectivamente iguais a x
1
(y) e x
2
(y). Logo, a
seção transversal tem área A = π .x
1
2
- π x
2
2
e o volume do sólido é igual
a:
Volume de Sólidos
Volume de Sólidos
ou usando simetria
Substituindo por t temos:
Nesses problemas observamos que temos um sólido compreendido
entre dois planos paralelos e que é conhecida a área da secção
transversal obtida por um plano qualquer paralelo aos planos
inicialmente dados, então o volume do sólido é dado por
Examinando o corte longitudinal ao lado, por semelhança de triângulos,
podemos escrever:
conforme a secção transversal seja perpendicular ao eixo x ou y,
respectivamente.
Volume de Sólidos
Volume de Sólidos
ou
Essa é uma primeira maneira de encontrarmos o volume de um
sólido, quando a área de qualquer secção transversal é conhecida.
Volume de Sólidos
Volume de Sólidos
Volume de um sólido de
revolução, obtido pela
rotação em torno ao eixo x
- ou y - de um conjunto A.
Sólidos de Revolução
Sólidos de Revolução
Sólidos de Revolução
Sólidos de Revolução
Cálculo do volume
Seja f uma função contínua num intervalo [a,b], sendo f(x) ≥ 0 para
todo x, tal que a ≤ x ≤ b. Considere o conjunto A, delimitado pelo
eixo x, o gráfico de f e as retas x
1
= a e x
2
= b.
A
x
1
=a x
2
=b
B
Seja B o sólido obtido através da rotação do conjunto A em torno do
eixo x:
Sólidos de Revolução
Sólidos de Revolução
Cálculo do volume
Considerando uma partição P do intervalo [a,b]: P = {a = x
0
, x
1
, x
2
, ...,
x
n
= b}, tal que a = x
0
< x
1
< x
2
< ... < x
n
= b, seja:
Sólidos de Revolução
Sólidos de Revolução
Cálculo do volume
- Seja ainda ∆x
i
= x
i
– x
i-1
o comprimento do intervalo [x
i-1
, x
i
].
- Para cada intervalo [x
i-1
, x
i
], escolhemos um ponto qualquer c
i
.
- Para cada i, i = 1, ..., n, construímos um retângulo R
i
, de base ∆x
i
e
altura f(c
i
).
- Fazendo cada retângulo R
i
girar em torno do eixo dos x, o sólido de
revolução obtido é um cilindro, cujo volume é dado por:
[ ]
i i
base
x c f V
altura A V
∆ ·
·
. ) (
.
2
π
Sólidos de Revolução
Sólidos de Revolução
Cálculo do volume
A soma dos volumes dos n cilindros, que representaremos por V
n
, é
dada por:

·
∆ ·
∆ + + ∆ + ∆ ·
n
i
i i n
n n n
x c f V
x c f x c f x c f V
1
2
2
2
2
2 1
2
1
)] ( [
)] ( [ ... )] ( [ )] ( [
π
π π
Sólidos de Revolução
Sólidos de Revolução
Cálculo do volume
– A medida que n cresce muito e cada ∆x
i
torna-se muito pequeno,
a soma dos volumes dos n cilindros aproxima-se do que
intuitivamente entendemos como o volume do sólido B.
Definição

Seja y = f(x) uma função contínua não negativa em [a,b]. Seja R
a região sob o gráfico de f de a até b. O volume do sólido B,
gerado pela revolução de R em torno do eixo x, é definido por:

·
→ ∆
∆ ·
n
i
i i
x máx
n
x c f V
i
1
2
0
)] ( [ lim π
Sólidos de Revolução
Sólidos de Revolução
Cálculo do volume

A soma que aparece no slide anterior pode ser substituída pelo
símbolo de integral, uma vez que a função é contínua no intervalo e o
limite existe. Logo:

Vamos analisar agora o volume de alguns sólidos
em certas situações especiais.
A
x
1
=a x
2
=b
B
dx x f V
b
a
n

·
2
)] ( [ π
Sólidos de Revolução
Sólidos de Revolução
Sólidos de Revolução
Sólidos de Revolução
Sólidos de Revolução
Sólidos de Revolução
Quando a função f(x) é negativa em alguns pontos de [a,b].
- A fórmula do volume permanece válida, pois |f(x)| = (f(x))
2
.
(b)
(a)
O sólido gerado pela rotação da figura (a)
é o mesmo gerado pela rotação da figura (b).
(b)
Sólidos de Revolução
Sólidos de Revolução
Exercício 1: Se f(x) = x
2
, determine o volume do sólido gerado pela
revolução, em torno do eixo x, da região sob o gráfico de f no
intervalo [1, 2].
De acordo com a definição: dx x f V
b
a

·
2
)] ( [ π
Sólidos de Revolução
Sólidos de Revolução
Exercício 2: Se f(x) = x
2
+ 1, determine o volume do sólido gerado ela
revolução, em torno do eixo x, da região sob o gráfico de f no
intervalo [-1, 1].
- De acordo com a definição:
dx x f V
b
a

·
2
)] ( [ π
15
56
1
3
2
5
1
1
3
2
5
1
3
2
5
1
) 1 2 (
] 1 [
1
1
3 5
1
1
2 4
1
1
2 2
π
π
π
π
π
·
1
]
1

¸

,
_

¸
¸
− −

,
_

¸
¸
+ + ·
1
]
1

¸

+ + ·
+ + ·
+ ·





x x x
dx x x
dx x V
Sólidos de Revolução
Sólidos de Revolução
Exercício 3: Seja f(x) = sen x, x ∈ [a, b]. Calcule o volume do sólido
gerado pela rotação do gráfico de f, ou seja pela rotação da região
delimitada pelo eixo x, o gráfico de f e as retas x = 0 e x = π.
O volume do sólido é dado por:

0
π
0
π
C
4
2x sen
2
x
x sen
2
+ − ·


·
π
π
0
2
dx x sen V
2 4
0
2 4
2
2
2
0
0
2
π π
π π π
π
π
·

,
_

¸
¸
− ·
1
]
1

¸

− · ·

x sen x
dx x sen V
Integral Indefinida
Sejam as identidades trigonométricas:
2
cos2x 1
x cos
2
cos2x 1
x sen
2 2
+
·

·
Assim,
∫ ∫ ∫ ∫
− ·

· dx cos2x
2
1
dx
2
1
dx
2
cos2x 1
dx x sen
2
1
]
1

¸


1
]
1

¸

+
·
+
2
sen2x
2
1
1 0
x
2
1
1 0
C u sen
2
1
du u cos
2
1
dx cos2x
dx
2
du
2
dx
du
2x u
dx cos2x
+ ·
·
· ⇒ ·
·
∫ ∫

C
4
2x sen
2
x
x sen
2
+ − ·

Revisão
INTEGRAÇÃO DE POTÊNCIAS QUADRÁTICAS DAS
FUNÇÕES TRIGONOMÉTRICAS SEN(X) E COS(X)
Sólidos de Revolução
Sólidos de Revolução
Quando, ao invés de girar ao redor do eixo dos x, a região A
gira em torno do eixo dos y.
- Neste caso, temos: dy y g V
d
c
)] ( [
2

· π
Sólidos de Revolução
Sólidos de Revolução
Sólidos de Revolução
Sólidos de Revolução
Exercício 4: Calcule o volume do sólido que se obtém por rotação da
região limitada por y = x
3
, y = 0 e x = 1 em torno do eixo y.
Sólidos de Revolução
Sólidos de Revolução
Exercício 5: Considere a região do plano delimitada pelo eixo x, o
gráfico de y = √x, para 0 ≤ x ≤ 2, sendo girada primeiro ao redor do
eixo x e depois ao redor do eixo y. Calcule o volume dos dois sólidos
gerados.
a) A região do plano delimitada pelo eixo x, o gráfico de , para
é girada ao redor do eixo x:
O volume do sólido é dado
por:

0
2
0 2
Sólidos de Revolução
Sólidos de Revolução
Exercício 5:
b) A região do plano delimitada pelo eixo x, o gráfico de , para
é girada ao redor do eixo y:
O volume do sólido é dado por:

√2
0
√2
0
( )
∫ ∫
·
2
0
4
2
0
2
2
dy y dy y
Sólidos de Revolução
Sólidos de Revolução
Exercício 5:
b) A região do plano delimitada pelo eixo x, o gráfico de , para
é girada ao redor do eixo y:
O volume do sólido é dado por:

√2
0
√2
0
Sólidos de Revolução
Sólidos de Revolução
Exemplo 6: Calcule o volume de um sólido de revolução obtido pela
rotação ao redor do eixo x da região compreendida pelo gráfico de y
= √x e y = 1/x, no intervalo [1/2, 3]. Calcule também o volume do
sólido obtido ao girar a mesma região ao redor do eixo y.
a)
1
1
1/2
3
S
1
S
2
V
1
V
2
Sólidos de Revolução
Sólidos de Revolução
Logo, o volume do sólido é:
Efetuando os últimos cálculos, temos:
Exemplo 6:
Sólidos de Revolução
Sólidos de Revolução
Exemplo 6:
b)
1
1
1/2
3
S
1
S
2
Sólidos de Revolução
Sólidos de Revolução
Nesse caso, o volume do sólido gerado, calculado pelo método das
cascas, é:
Efetuando os últimos cálculos, temos:
Sólidos de Revolução
Sólidos de Revolução
Quando a região A está entre os gráficos de duas funções
f(x) e g(x) de a até b:
Supondo f(x) ≥ g(x), para qualquer x que pertença ao intervalo
[a, b], o volume do sólido B, gerado pela rotação de R em torno
do eixo x, é dado por:
[ ] [ ] { } dx x g x f x V
b
a
) ( ) ( ) (
2 2

− · π
[ ] [ ]
2 2
) ( ) ( ) ( x g x f x A π π − ·
Volume de Sólidos
Volume de Sólidos
[ ] [ ] { } dx x g x f x V
b
a
) ( ) ( ) (
2 2

− · π
[ ] [ ]
2 2
) ( ) ( ) ( x g x f x A π π − ·
Sólidos de Revolução
Sólidos de Revolução
Sólidos de Revolução
Sólidos de Revolução
Sólidos de Revolução
Sólidos de Revolução
Sólidos de Revolução
Sólidos de Revolução
Exercício 6: Calcule o volume do sólido que se obtém por rotação da região
limitada por x
2
= y - 2, 2y - x - 2 = 0 e x = 0 em torno do eixo x.
Sólidos de Revolução
Sólidos de Revolução
Exercício 7: Calcular o volume do sólido gerado pela rotação, em
torno do eixo dos x, da região limitada pela parábola
e pela reta
De acordo com a definição: dx x g x f V
b
a

− ·
2 2
)] ( [ )] ( [ π
dx x x V } )] 5 (
2
1
[ )] 13 (
4
1
{[
2 2 2
1
3
+ − − ·


π
) 13 (
4
1
2
x y − ·
) 5 (
2
1
+ · x y
dx
x x x x
V ]}
4
25
4
10
4
[ )]
16 16
26
16
169
( {[
2 4 2
1
3
+ + − + − ·


π
dx
x x x x
V ]}
16
100 40 4 26 169
{[
1
3
2 4 2


− − − + −
· π
dx
x x x
V ]
16
69 40 30
[
1
3
2 4


+ − −
· π
Sólidos de Revolução
Sólidos de Revolução
Exercício 7:
dx x x x V ) 69 40 30 (
16
1
3
2 4


+ − − ·
π
) 3 ( ) 1 ( | 69
2
40
3
30
5 16
1
3
2 3 5
− − ·

,
_

¸
¸
+ − − ·

F F x
x x x
V
π
·

,
_

¸
¸
+ − − ·

1
3
2 3
5
| 69 20 10
5 16
x x x
x
V
π

,
_

¸
¸
− + − − − −

,
_

¸
¸
+ − − · ) 3 ( 69 ) 3 ( 20 ) 3 ( 10
5
) 3 (
69 20 10
5
1
16
2 3
5
π
V
1
]
1

¸

,
_

¸
¸
− − +

,
_

¸
¸
+ − · 207 180 270
5
243
69 30
5
1
16
π
V
1
]
1

¸

,
_

¸
¸
+ + + · 117
5
243
39
5
1
16
π
V
Sólidos de Revolução
Sólidos de Revolução

,
_

¸
¸
+ · 156
5
244
16
π
V

,
_

¸
¸
+
·
5
780 244
16
π
V
80
1024
5
1024
16
π π
·

,
_

¸
¸
· V
Exercício 7:
Sólidos de Revolução
Sólidos de Revolução
Sólidos de Revolução
Sólidos de Revolução
Exercício 8: A região limitada pela parábola cúbica y = x
3
, pelo eixo
dos y e pela reta y = 8, gira em torno do eixo dos y. Determinar o
volume do sólido de revolução obtido. De acordo com a definição:
dy y g V
d
c
. )] ( [
2

· π
dy y V . ] [
8
0
2
3

· π
dy y V .
8
0
3
2

· π
) 0 ( ) 8 ( |
5
3
.
8
0
3
5
F F y V − · · π
5
96
5
32 . 3
5
) 2 ( 3
5
8 3
0 ) 8 .(
5
3
3
3 5
3 5
3
5
π π
π
π π
· · ·
· · − · V
Sólidos de Revolução
Sólidos de Revolução
Quando a rotação se efetua ao redor de uma reta paralela a
um dos eixos coordenados.
a b
y = f(x)
A
dx L x f V
b
a
] ) ( [
2

− · π
Se o eixo de revolução
for a reta y = L, temos:
L
Sólidos de Revolução
Sólidos de Revolução
Quando a rotação se efetua ao redor de uma reta paralela a
um dos eixos coordenados.
c
d
y = f(x)
A
Se o eixo de revolução
for a reta x = M, temos:
M
dy M y g V
d
c
] ) ( [
2

− · π
Sólidos de Revolução
Sólidos de Revolução
Volume de Sólidos
Volume de Sólidos
Volume de um sólido pelo
método dos invólucros
cilíndricos.
Sólidos de Revolução
Sólidos de Revolução
Cálculo do volume
Podemos imaginar o sólido como sendo constituído por cascas
cilíndricas.
O volume de cada uma das
cascas é dado por:
ou ainda, colocando e ,

Sólidos de Revolução
Sólidos de Revolução
Cálculo do volume
Seja f uma função contínua num intervalo [a,b], com a ≤ x < b.
Considere o conjunto A, delimitado pelo eixo x, o gráfico de f e as
retas x
1
= a e x
2
= b.
Suponhamos que a região gira ao redor do eixo y, gerando um
sólido D, cujo volume queremos calcular.
onde
indica o raio de cada invólucro
e indica sua altura.
Sólidos de Revolução
Sólidos de Revolução
Exercício 10: Através do método dos invólucros cilíndricos encontre
o volume do sólido gerado pela rotação da região do plano
delimitada pelo eixo x, o gráfico de y = √x , para 0 ≤ x ≤ 2, ao redor
do eixo y.
Usando o método dos invólucros cilíndricos, temos:

Sólidos de Revolução
Sólidos de Revolução
Exemplo 11: Encontre o volume do sólido obtido pela rotação da
região compreendida entre os gráficos de y = x
3
e y = x, para 0 ≤ x ≤
1, ao redor do eixo y.
As duas funções se encontram
nos pontos (0,0) e (1,1).
O volume do sólido pode ser
calculado pelo método das
cascas e, portanto, é igual a:
Sólidos de Revolução
Sólidos de Revolução
Exemplo 12: Calcule o volume do sólido obtido pela rotação, em
torno ao eixo x, do conjunto de todos os pontos (x, y) tais que 0
≤ x ≤ y e x
2
+ y
2
≤ 2.
Sólidos de Revolução
Sólidos de Revolução
Inicialmente, para obter a região do plano, assinalada na primeira
figura, precisamos encontrar a intersecção da reta com a
circunferência, sendo x ≥ 0:
Logo, x = 1:
Assim, a variação de x ocorre no intervalo e o volume procurado é
dado por:
Sólidos de Revolução
Sólidos de Revolução
Exemplo 13: Calcule o volume do sólido obtido pela rotação, em
torno ao eixo x, do conjunto x
2
+ (y – 2) ≤ 1.
Após a rotação, obtemos o seguinte sólido, que é denominado toro.
Sólidos de Revolução
Sólidos de Revolução
Inicialmente, a região pode ser encarada como delimitada pelos
gráficos das funções:
Logo, a integral que nos fornece o volume do sólido será:
Sólidos de Revolução
Sólidos de Revolução
Vamos calcular o mesmo volume pelo método dos invólucros
cilíndricos:
Vamos encontrar primeiramente as primitivas da integral:

Sólidos de Revolução

Sólidos de Revolução
Introdução: Dados um plano a, uma reta r desse plano e uma região R do plano a inteiramente contida num dos semi-planos de a determinado por r, vamos considerar o sólido de revolução gerado pela rotação da região R em torno da reta r.
a

Para isso usaremos ainda seções transversais e tomaremos como eixo orientado o eixo de rotação (a reta r).

Volume de Sólidos Volume de um sólido quando é conhecida a área de qualquer secção transversal. .

y. paralelo à base. temos: Para cada corte transversal na altura h . temos que a secção obtida é um quadrado.sendo b a medida da aresta da base e h a altura da pirâmide – é 1 b 2 h. podemos escrever: e daí 2x . cuja área é (2x)2. por semelhança de triângulos. Examinando o corte longitudinal ao lado.Volume de Sólidos Exemplo 1: Usando o Cálculo Integral. mostre que o volume de uma pirâmide reta de base quadrada . 3 Colocando o sistema de eixos de modo que o eixo y seja perpendicular à base da pirâmide reta. passando pelo centro.

o volume da pirâmide é dado por: .Volume de Sólidos Exemplo 1: e daí A( y ) = ( 2 x) 2 = 4 x 2 Logo.

mostre que o volume de um cilindro reto. temos: Para cada corte transversal na altura x. o volume do cilindro é dado por: . h Logo. de altura h e cuja base é um círculo de raio r. é V = π r2h. cuja área é π r2.Volume de Sólidos Exemplo 2: Usando o Cálculo Integral. paralelo à base. temos que a secção obtida é um círculo. Colocando o sistema de eixos de modo que a origem do sistema esteja no centro da base do cilindro e o eixo x seja perpendicular à base do cilindro.

o eixo x e as retas x = -a e x = a. sendo girada ao redor do eixo x. Mostre que seu volume é . O sólido originado é uma esfera de raio a. O volume da esfera gerada é: .Sólidos de Revolução Exemplo 3: Considere a região delimitada por .

Sólidos de Revolução Exemplo 3: .

Volume de Sólidos Exemplo 4: Usando o Cálculo Integral. mostre que o volume de um cone reto. temos: . Colocando o sistema de eixos de modo que a origem do sistema esteja no vértice do cone e o eixo x seja perpendicular à base do cone. é V = π r2h/3. de altura h e cuja base é um círculo de raio r.

Examinando o corte longitudinal ao lado. a área de cada secção transversal é. podemos escrever: e daí ou seja. paralelo à base. Logo.Volume de Sólidos Exemplo 4: Para cada corte transversal na altura x. cuja área é π y2. o volume do cilindro é dado por: . por semelhança de triângulos. temos que a secção obtida é um círculo.

Para cada y ∈ [0. possui área A = πx 2 e o volume do cone é igual a: Usando semelhança de triângulos temos: Portanto: . Calcular o volume do cone gerado pela rotação de R em torno do eixo OY . Logo.1] a seção transversal ao eixo OY é um círculo gerado pela rotação do segmento horizontal de comprimento x .Sólidos de Revolução Exemplo 5: Seja o triângulo R . dado na figura abaixo.

A intersecção da curva com o eixo OX é dada por: -x 2 + 1 = 0 . Para cada x ∈ [-1. 1] a seção transversal ao eixo OX é um círculo gerado pela rotação do segmento vertical de comprimento y . Logo.: x = ± 1 .: x 2 = 1 .Sólidos de Revolução Exemplo 6: Seja a região R do plano limitada pela curva y = -x 2 + 1 e o eixo OX . Determinar o volume do sólido obtido com a rotação de R em torno do eixo de OX . possui área A = πy 2 e o volume do sólido é igual a: y Portanto: .

Vamos considerar a região R 1 . Para cada y ∈ [1/4. Como R é simétrica em relação OY . Na figura temos representada a região R .Sólidos de Revolução Exemplo 7: Seja a região R do plano limitada pelo eixo OY e pelas curvas Determinar o volume do sólido obtido com a rotação de R em torno do eixo de OY . uma das duas regiões R 1 ou R 2 girando em torno de OY gera todo o sólido. 4] a seção transversal ao eixo OY é um círculo gerado pela rotação do segmento horizontal de comprimento x . Logo. possui área A = πx 2 e o volume do sólido é igual a: .

Sólidos de Revolução Exemplo 7: Portanto: .

Esboce a curva.Sólidos de Revolução Exemplo 8: Seja a ciclóide de equações paramétricas 8. . Usando as derivadas obteremos a curva abaixo.1.

π e o volume do sólido é igual a: .12 = πy2 .2. 0] a seção transversal ao eixo OX é um anel circular de raio interno igual a 1 e raio externo igual a y . Determinar uma expressão em integrais que represente o volume do sólido obtido com a rotação de R em torno do eixo de OX . Logo possui área igual a: A = πy2 .π. Seja a função y = f(x) tal que seu gráfico é a ciclóide. Para cada x ∈ [-4π. Seja R a região do plano limitada pela ciclóide e pela reta y = -1 .Sólidos de Revolução 8.

Sólidos de Revolução Substituindo x em função de t na integral anterior temos: .

Sejam as funções x 1 = x 1 (y) e x 2 = x 2 (y) . funções cujos gráfico são respectivamente os arcos da ciclóide obtidos para t ∈ [π . -1] a seção transversal ao eixo OY é um anel circular de raio externo respectivamente é 1 . Para cada y ∈ [-5 . . π ] .x 1 e 1 – x 2 .Sólidos de Revolução 8.3. Determinar uma expressão em integrais que represente o volume do sólido obtido com a rotação de R em torno da reta x = 1 . 2π ] e para t ∈ [0.

Sólidos de Revolução Logo.π(1.x 2 ) 2 e o volume do sólido é igual a: Substituindo y em função de t nas integrais acima temos: .x 1 ) 2 . a seção transversal tem área A = π(1.

Logo. π/2] e para t ∈ [π/2.π x 2 2 e o volume do sólido é igual a: .x 1 2 . do círculo de raio 1 e centro em (4. em torno do eixo OY . 1] a seção transversal ao eixo OY é um anel circular de raios externo e interno respectivamente iguais a x 1 (y) e x 2 (y) .0) . Para cada y ∈ [-1 . funções cujos gráfico são respectivamente os semi–círculos obtidos para t ∈ [-π/2. a seção transversal tem área A = π . 3π/2] .Sólidos de Revolução Exemplo 9: Calcular o volume do sólido gerado pela rotação. Tomemos as equações paramétricas do círculo: Sejam x 1 = x 1 (y) e x 2 = x 2 (y) .

Volume de Sólidos ou usando simetria Substituindo por t temos: .

Volume de Sólidos
Nesses problemas observamos que temos um sólido compreendido entre dois planos paralelos e que é conhecida a área da secção transversal obtida por um plano qualquer paralelo aos planos inicialmente dados, então o volume do sólido é dado por
ou Examinando o corte longitudinal ao lado, por semelhança de triângulos, podemos escrever: conforme a secção transversal seja perpendicular ao eixo x ou y, respectivamente. Essa é uma primeira maneira de encontrarmos o volume de um sólido, quando a área de qualquer secção transversal é conhecida.

Volume de Sólidos

Volume de um sólido de revolução, obtido pela rotação em torno ao eixo x - ou y - de um conjunto A.

Sólidos de Revolução

Seja B o sólido obtido através da rotação do conjunto A em torno do eixo x: A B x1=a x2=b . sendo f(x) ≥ 0 para todo x. tal que a ≤ x ≤ b.Sólidos de Revolução Cálculo do volume Seja f uma função contínua num intervalo [a. delimitado pelo eixo x. o gráfico de f e as retas x1 = a e x2 = b.b]. Considere o conjunto A.

Sólidos de Revolução Cálculo do volume Considerando uma partição P do intervalo [a.b]: P = {a = x0. x2.. . seja: . tal que a = x0 < x1 < x2 < ... < xn = b... x1. xn = b}.

Sólidos de Revolução Cálculo do volume . .Para cada i.∆xi .Fazendo cada retângulo Ri girar em torno do eixo dos x.. escolhemos um ponto qualquer ci. xi].altura 2 V = π [ f (ci )] ..Seja ainda ∆xi = xi – xi-1 o comprimento do intervalo [xi-1 . .Para cada intervalo [xi-1 . . de base ∆xi e altura f(ci). cujo volume é dado por: V = Abase . n. o sólido de revolução obtido é um cilindro.. i = 1. construímos um retângulo Ri. . xi].

.. é dada por: Vn = π [ f (c1 )] 2 ∆x1 + π [ f (c2 )]2 ∆x2 + . que representaremos por Vn. + [ f (cn )]2 ∆xn Vn = π ∑[ f (ci )]2 ∆xi i =1 n .Sólidos de Revolução Cálculo do volume A soma dos volumes dos n cilindros.

Sólidos de Revolução Cálculo do volume – A medida que n cresce muito e cada ∆xi torna-se muito pequeno. gerado pela revolução de R em torno do eixo x.b]. Definição – Seja y = f(x) uma função contínua não negativa em [a. é definido por: Vn = lim π ∑ [ f (ci )]2 ∆xi máx∆xi →0 i =1 n . a soma dos volumes dos n cilindros aproxima-se do que intuitivamente entendemos como o volume do sólido B. Seja R a região sob o gráfico de f de a até b. O volume do sólido B.

Logo: A B x1=a x2=b Vn = π ∫ [ f ( x)] dx 2 a b – Vamos analisar agora o volume de alguns sólidos em certas situações especiais. uma vez que a função é contínua no intervalo e o limite existe. .Sólidos de Revolução Cálculo do volume – A soma que aparece no slide anterior pode ser substituída pelo símbolo de integral.

Sólidos de Revolução .

Sólidos de Revolução .

(a) O sólido gerado pela rotação da figura (a) é o mesmo gerado pela rotação da figura (b). pois |f(x)| = (f(x))2.A fórmula do volume permanece válida.b]. . (b) (b) .Sólidos de Revolução Quando a função f(x) é negativa em alguns pontos de [a.

b 2 De acordo com a definição: V = π [ f ( x)] dx a ∫ .Sólidos de Revolução Exercício 1: Se f(x) = x2. da região sob o gráfico de f no intervalo [1. determine o volume do sólido gerado pela revolução. 2]. em torno do eixo x.

1]. b . determine o volume do sólido gerado ela revolução.Sólidos de Revolução Exercício 2: Se f(x) = x2 + 1. da região sob o gráfico de f no intervalo [-1.De acordo com a definição: V = π ∫ [ x + 1] dx 2 2 −1 1 V = π ∫ [ f ( x)]2 dx a = π ∫ ( x 4 + 2 x 2 + 1)dx −1 1 1 5 2 3 1 = π  x + x + x 3 5  −1  1 2   − 1 2  56π = π  + + 1 −  − − 1 =  5 3   5 3  15 . em torno do eixo x.

O volume do sólido é dado por: V =π ∫ π 0 sen 2 x dx x sen 2x − +C 2 4 0 π 0 π sen 2 x = ∫ V =π ∫ π 0 2  x sen 2 x  π 0 π sen 2 x dx = π  −  =π 2 − 4 = 2 4 0 2   π . ou seja pela rotação da região delimitada pelo eixo x. b]. Calcule o volume do sólido gerado pela rotação do gráfico de f. x ∈ [a.Sólidos de Revolução Exercício 3: Seja f(x) = sen x. o gráfico de f e as retas x = 0 e x = π .

1 − cos2x 2 cos 2 x = 1 + cos2x 2 sen 2 x dx = ∫ ∫ 1 − cos2x 1 1 dx = ∫ dx − ∫ cos2x dx 2 2 2 1  x 0+1  1  sen2x  =  −  2  0 + 1 2  2   sen 2 x = ∫ x sen 2x − +C 2 4 u = 2x du du =2 ⇒ = dx dx 2 1 cos2x dx = cos u du 2 1 = sen u + C 2 ∫ cos2x dx ∫ ∫ .Integral Indefinida Revisão INTEGRAÇÃO DE POTÊNCIAS QUADRÁTICAS DAS FUNÇÕES TRIGONOMÉTRICAS SEN(X) E COS(X) Sejam as identidades trigonométricas: sen 2 x = Assim.

ao invés de girar ao redor do eixo dos x.Neste caso. temos: V = π [ g ( y )]2 dy c ∫ d .Sólidos de Revolução Quando. . a região A gira em torno do eixo dos y.

Sólidos de Revolução .

. y = 0 e x = 1 em torno do eixo y.Sólidos de Revolução Exercício 4: Calcule o volume do sólido que se obtém por rotação da região limitada por y = x3.

o gráfico de . a) A região do plano delimitada pelo eixo x. para é girada ao redor do eixo x: O volume do sólido é dado por: 0 2 0 2 .Sólidos de Revolução Exercício 5: Considere a região do plano delimitada pelo eixo x. o gráfico de y = √ x. Calcule o volume dos dois sólidos gerados. para 0 ≤ x ≤ 2. sendo girada primeiro ao redor do eixo x e depois ao redor do eixo y.

para O volume do sólido é dado por: ∫ (y ) 2 0 2 2 dy = ∫ 2 0 y 4 dy .Sólidos de Revolução Exercício 5: b) A região do plano delimitada pelo eixo x. o gráfico de é girada ao redor do eixo y: √2 0 √2 0 .

Sólidos de Revolução Exercício 5: b) A região do plano delimitada pelo eixo x. para O volume do sólido é dado por: . o gráfico de é girada ao redor do eixo y: √2 0 √2 0 .

no intervalo [1/2.Sólidos de Revolução Exemplo 6: Calcule o volume de um sólido de revolução obtido pela rotação ao redor do eixo x da região compreendida pelo gráfico de y = √x e y = 1/x. 3]. a) S1 1 1/2 1 S2 3 V1 V2 . Calcule também o volume do sólido obtido ao girar a mesma região ao redor do eixo y.

Sólidos de Revolução Exemplo 6: Logo. temos: . o volume do sólido é: Efetuando os últimos cálculos.

Sólidos de Revolução Exemplo 6: b) S1 1 1/2 1 S2 3 .

calculado pelo método das cascas. o volume do sólido gerado.Sólidos de Revolução Nesse caso. temos: . é: Efetuando os últimos cálculos.

o volume do sólido B. para qualquer x que pertença ao intervalo [a. b]. é dado por: A( x) = π [ f ( x)] − π [ g ( x)] 2 2 V ( x) = π { [ f ( x)] ∫ b a 2 − [ g ( x)] 2 } dx . gerado pela rotação de R em torno do eixo x.Sólidos de Revolução Quando a região A está entre os gráficos de duas funções f(x) e g(x) de a até b: Supondo f(x) ≥ g(x).

Volume de Sólidos A( x) = π [ f ( x)] − π [ g ( x)] 2 2 V ( x) = π ∫ { [ f ( x)] − [ g ( x)] } dx b 2 2 a .

Sólidos de Revolução .

Sólidos de Revolução .

Sólidos de Revolução .

x . .Sólidos de Revolução Exercício 6: Calcule o volume do sólido que se obtém por rotação da região limitada por x2 = y .2.2 = 0 e x = 0 em torno do eixo x. 2y .

da região limitada pela parábola y = (13 − x 2 ) 1 y = ( x + 5) e pela reta 2 4 De acordo com a definição: V = π ∫ [ f ( x)]2 − [ g ( x)]2 dx 1 1 V = π {[ (13 − x 2 )]2 − [ ( x + 5)]2 } dx 4 2 −3 b ∫ 1 a 169 26 x 2 x 4 x 2 10 x 25 V = π {[( − + )] − [ + + ]} dx 16 16 16 4 4 4 −3 ∫ 1 1 169 − 26 x 2 + x 4 − 4 x 2 − 40 x − 100 V = π {[ ]} dx 16 −3 ∫ ∫ 1 x 4 − 30 x 2 − 40 x + 69 V =π [ ] dx 16 −3 .Sólidos de Revolução Exercício 7: Calcular o volume do sólido gerado pela rotação. em 1 torno do eixo dos x.

Sólidos de Revolução Exercício 7: V = π ( x 4 − 30 x 2 − 40 x + 69) dx ∫ 16 −3 1 π  x 5 30 x 3 40 x 2 V=  − − + 69 x  | = F (1) − F (−3)  5  −3 16  3 2  1 π  x5 3 2 V =  − 10 x − 20 x + 69 x  | =  −3 16  5   5  π 1   (−3) 3 2  V =  − 10 − 20 + 69  −  − 10(−3) − 20(−3) + 69(−3)   16  5   5  1 π  1   − 243  V =  − 30 + 69  −  + 270 − 180 − 207  16  5   5  V= π  1 243  + 39 + + 117   16  5 5   .

Sólidos de Revolução Exercício 7: V = π  244 + 156    16  5  π  244 + 780  V=   16  5  π  1024  1024π V=  = 16  5  80 .

Sólidos de Revolução .

.

.

y | = F (8) − F (0) 5 0 3π V= 5 5 .Sólidos de Revolução Exercício 8: A região limitada pela parábola cúbica y = x3. pelo eixo dos y e pela reta y = 8. Determinar o volume do sólido de revolução obtido.32 96π = = = 5 5 5 .dy 0 8 2 3 3π 3 (25 ) 3 3π .(8) 3 5 8 3 V = π ∫ [3 y ] . gira em torno do eixo dos y. De acordo com a definição: V = π ∫ [ g ( y )]2 .dy c d 3 V = π .dy 2 0 8 3π 3 85 −0= = 5 V = π ∫ y .

Se o eixo de revolução y = f(x) for a reta y = L.Sólidos de Revolução Quando a rotação se efetua ao redor de uma reta paralela a um dos eixos coordenados. temos: L a A V = π [ f ( x) − L]2 dx a ∫ b b .

temos: d y = f(x) V = π [ g ( y ) − M ]2 dy c ∫ c M .Sólidos de Revolução Quando a rotação se efetua ao redor de uma reta paralela a um dos eixos coordenados. d A Se o eixo de revolução for a reta x = M.

Sólidos de Revolução .

Volume de Sólidos Volume de um sólido pelo método dos invólucros cilíndricos. .

O volume de cada uma das cascas é dado por: ou ainda. .Sólidos de Revolução Cálculo do volume Podemos imaginar o sólido como sendo constituído por cascas cilíndricas. colocando e .

o gráfico de f e as retas x1 = a e x2 = b. gerando um sólido D.Sólidos de Revolução Cálculo do volume Seja f uma função contínua num intervalo [a. cujo volume queremos calcular. . onde indica o raio de cada invólucro e indica sua altura. delimitado pelo eixo x. Considere o conjunto A. Suponhamos que a região gira ao redor do eixo y. com a ≤ x < b.b].

temos: . para 0 ≤ x ≤ 2. Usando o método dos invólucros cilíndricos.Sólidos de Revolução Exercício 10: Através do método dos invólucros cilíndricos encontre o volume do sólido gerado pela rotação da região do plano delimitada pelo eixo x. o gráfico de y = √x . ao redor do eixo y.

0) e (1. As duas funções se encontram nos pontos (0. para 0 ≤ x ≤ 1. ao redor do eixo y.Sólidos de Revolução Exemplo 11: Encontre o volume do sólido obtido pela rotação da região compreendida entre os gráficos de y = x3 e y = x.1). portanto. O volume do sólido pode ser calculado pelo método das cascas e. é igual a: .

em torno ao eixo x. y) tais que 0 ≤ x ≤ y e x2 + y2 ≤ 2. .Sólidos de Revolução Exemplo 12: Calcule o volume do sólido obtido pela rotação. do conjunto de todos os pontos (x.

precisamos encontrar a intersecção da reta com a circunferência. sendo x ≥ 0: Logo. a variação de x ocorre no intervalo e o volume procurado é dado por: . assinalada na primeira figura. para obter a região do plano.Sólidos de Revolução Inicialmente. x = 1: Assim.

em torno ao eixo x. Após a rotação.Sólidos de Revolução Exemplo 13: Calcule o volume do sólido obtido pela rotação. do conjunto x2 + (y – 2) ≤ 1. que é denominado toro. obtemos o seguinte sólido. .

Sólidos de Revolução Inicialmente. a região pode ser encarada como delimitada pelos gráficos das funções: Logo. a integral que nos fornece o volume do sólido será: .

Sólidos de Revolução Vamos calcular o mesmo volume pelo método dos invólucros cilíndricos: Vamos encontrar primeiramente as primitivas da integral: .

$O/48/0#0..4:4 07.J./. 547         0   02 94734 /4 04  .4 /.4:20 /4 8O/4 6:0 80 4-9F2 547 749. 704 29.4  .:0 4 .

       - 0 .7E-4.42 . /0134 '  6  1  (    ( /     '  6    (    ( </        '  6      .4 02 94734 /4 04 /48  /. 709.47/4 . 749.4:20 /4 8O/4 07./4 50..4  .J.:..    (        (</  '  6                (</          ' 6  (/   . 50./. 5. 704 29.7 4 .4:4 07.        0 50.$O/48/0#0.

$O/48/0#0.4  '  6         /   6         '     6        '                    6     '   6 '  ' 6                             .J.4:4 07.

4  '  6     ' ' 6     6    6     .4:4 07.$O/48/0#0.J.

4:4 .$O/48/0#0.

.

.

/0134 / '  6    ( / .    7.4:20 /4 8O/4 /0 70.    504 04 /48  0 50.. 50.$O/48/0#0.4:4 07. 709.7 4 .47/4 .42 .4:4 4-9/4 0 .-.   '  6        6 '   6          '  6   ( /  6      6  6      '  6  /    . 02 94734 /4 04 /48  090723. 5.J.. .4   704 29./.7E-4.

4 80 0109:../48 &661963 6 1  69. . 5.4:4 ":. .7. .447/03.46: -   '  6  1  ( / . :2 /48 048 .9. - .0. 749.4 70/47 /0 :2.$O/48/0#0. . 709.3/4 .

5. .4 80 0109:.0. .  . :2 /48 048 . 749.4 70/47 /0 :2.. 709.4:4 ":.9. .46: / '  6     ( /  1  . .447/03.$O/48/0#0./48 /  &661963 6 69.7.3/4 .

4:4 .$O/48/0#0.

'4:20/0$O/48 '4:20/0:28O/4504 2F94/4/483.48 .748 .O:.J3/7.

:2.8..4:4 E.8...3/.$O/48/0#0..3..7 4 8O/4 .8 .. /.8 .3/4 0 ./4 547 4:.8 F /.:4 /4 .43899:J/4 547 .J3/7.4:20 /0 .8 . ..424 803/4 .4:20 !4/0248 2./.44.

3:2 3907.:4 .439J3:.248 6:0 .74 0 3/..4:20 6:070248 .O:.4/0. 704 7.3.4 .4 70/47 /4 04  07.7 43/0 3/. ./..8   .4:20 $0.:..4 /0 1 0 ..47.3/4 :2 8O/4  . 0   - $:543.. 1 :2. A   - 438/070 4 .8 709.$O/48/0#0.. 1:34 ./4 504 04  4 7E1. -( ..9:7.:4 /4 . .42 .8:.4:4 E.43:394  /029.

$O/48/0#0. 504 04  4 7E1.4:20 /4 8O/4 07.748 .4   97.748.4 /. 704 /4 5.34 /029.4:4 07.J.48 90248 .O:.3/442F94/4/483. A  A  ././4 50.43970 4 .4 /0   b 5.4 70/47 /4 04  &8.O:.J3/7.F8 /4 2F94/4 /48 3. 749.48 03.J3/7.7..

7.:.81:3088003.4:20/48O/454/0807 .4 /.394 F:. 704 . 03970 48 7E1..80 5479.4257003//. .$O/48/0#0./45042F94/4/.2 348543948 0    .. 749.4:20 /4 8O/4 4-9/4 50..4:4 0254  3.48 /0    0    5.4 70/47 /4 04  8/:.8 .4397. A  A  ...43970 4 .8.

4:20 /4 8O/4 4-9/4 50. 749.$O/48/0#0.4:4 0254  .8 6:0 A  A  0   A  .4 02 94734 .43:394 /0 94/48 48 543948   9..4 04  /4 .:0 4 .

7.4:20574. 803/4  K  44    882 . . 3./..8./4F /.$O/48/0#0. 4-907 ..4397.7. 1:7.:3107H3. 57207.404. ./4547 .248 03. 709.4:4 3.. 390780... 570.883. 704 /4 5.7 .7.4/04.34 .42 ..4770343907.:7.4 /.20390 5.

:0 4 . 749.$O/48/0#0.4:20 /4 8O/4 4-9/4 50.749.43:394    A  5O8.4:4 0254  ./49474 ..4 02 94734 .4 04  /4 .4 4-90248480:3908O/4 6:0F/03423.

4:20/48O/4807E ./.7.8 1:308 44 .3907... 5048 7E1. 704 54/0 807 03.424 /029.$O/48/0#0.20390 .4:4 3. ./.48 /.6:034814730.04.

3907.7 4 20824 .4397.J3/7.248 .85729.8/.48 '...$O/48/0#0..24803. .4:20 504 2F94/4 /48 3.O:.20390.757207.4:4 '.748 .:.