Você está na página 1de 56

DESENHO TÉCNICO

Professor: Alexandre Bôscaro França

•TÓPICOS
- Escalas - Normas Utilizadas em Desenho Técnico

- Técnicas de Esboço a Mão Livre
- Vistas Ortográficas - 1º e 3º Diedros

•ESCALAS:

O desenho técnico projetivo terá sempre uma relação entre distância
gráfica (D) e distância natural (N). Esta relação é chamada de escala de desenho e é normalizada pela norma NBR 8196.

•ESCALAS:

•NORMAS UTILIZADAS EM DESENHO TÉCNICO:

-1947 Londres - Organização Internacional de

Normalização

(Internacional

Organization

for

Standardzation - ISO)

- Brasil - ABNT NBR em consonância com as normas internacionais aprovadas pela ISO

•NORMAS UTILIZADAS EM DESENHO TÉCNICO: • • • • • • • • • NBR 5984 NBR 6402 NBR 10647 NBR 10068 NBR 10582 NBR 13142 NBR 8402 NBR 8403 NBR 10067 • • • • • • • • • NBR 8196 NBR 12298 NBR 10126 NBR 8404 NBR 6158 NBR 8993 NBR 6409 NBR 7191 NBR 11534 .

•NORMAS UTILIZADAS EM DESENHO TÉCNICO: • NBR 10647 – Norma Geral Define os termos empregados em desenho técnico. • NBR 10068 – Folha de desenho.desenho preliminar e definitivo) entre outros. . Lay-out e Dimensões Padroniza o tamanho das folhas utilizadas em desenho técnico. Tipo de desenho quanto aspéctos geométricos (projetivos e não projetivos). grau de elaboração (esboço.

•NORMAS UTILIZADAS EM DESENHO TÉCNICO: • NBR 8403 – Definição de Traços e Linhas .

.

• NBR 8196 –Desenho Técnico – Emprego de Escalas .•NORMAS UTILIZADAS EM DESENHO TÉCNICO: • NBR 13142 – Dobramento de Folhas Define os métodos para dobramento de folhas A desde o formato A0 até o tamanho das dimensões do formato A4. • NBR 8402 – Execução de Caracteres para Escrita em Desenhos Técnicos Visa a uniformidade e legibilidade para evitar prejuizos na clareza do desenho e evitar a possibilidade de interpretações erradas.

.•TÉCNICAS DE ESBOÇO A MÃO LIVRE: . .Desenhos Definitivos: São os desenhos preliminares corrigidos.Esboço a Mão Livre: Primeiros desenhos que dão inicio a viabilização das idéias.Desenhos Preliminares: Atualmente elaborados em computador. é o estágio final para execução do projeto. . corresponde ao estágio intermediário dos estudos.

•TÉCNICAS DE ESBOÇO A MÃO LIVRE: PROJEÇÃO ORTOGONAL: .

.•TÉCNICAS DE ESBOÇO A MÃO LIVRE: Projeção de superfície paralela ao plano de projeção Superfície perpendicular ao plano de projeção Arestas resultantes das interseções de superfícies.

•TÉCNICAS DE ESBOÇO A MÃO LIVRE: .

•TÉCNICAS DE ESBOÇO A MÃO LIVRE: .

•TÉCNICAS DE ESBOÇO A MÃO LIVRE: .

•TÉCNICAS DE ESBOÇO A MÃO LIVRE: .

•TÉCNICAS DE ESBOÇO A MÃO LIVRE: .

•TÉCNICAS DE ESBOÇO A MÃO LIVRE: G H D B I F C A E G D I E F H B A C .

•TÉCNICAS DE ESBOÇO A MÃO LIVRE: REPRESENTAÇÃO DE ARESTAS OCULTAS: .

Deve-se evitar o aparecimento de linhas tracejadas.Para tentar omiti-las.•TÉCNICAS DE ESBOÇO A MÃO LIVRE: . deve-se mudar a posição da vista de frente. .Evitar o aparecimento não significa omiti-las . .

•TÉCNICAS DE ESBOÇO A MÃO LIVRE: EXEMPLO: .

•TÉCNICAS DE ESBOÇO A MÃO LIVRE: EXERCÍCIO: .

Buscar as perfeições dos traços.Aplicar corretamente as normas e convenções de representação. .Desenvolver o sentido de proporcionalidade.•TÉCNICAS DE ESBOÇO A MÃO LIVRE: ELABORAÇÃO DE ESBOÇOS: . . -Ter rigor nas proporções. .

vistas excessivamente próximas ou afastadas umas das outras. • Esboçar com traço leve e fino o lugar de cada projeção. tiram as clareza e dificultam a interpretação do desenho. . •A escolha da distância entre as vistas é importante porque. observando que as distâncias entre as vistas devem ser visualmente iguais.•TÉCNICAS DE ESBOÇO A MÃO LIVRE: TRAÇADO DAS PROJEÇÕES: • Analisar previamente qual a melhor combinação de vistas que representa a peça. de modo que não apareça ou que apareça o menor número possível de linhas tracejadas.

• Desenhar em cada vista. . trabalhando simultaneamente nas três vistas. com traços definitivos (contínuo e forte) os contornos de cada vista. com traços medios. • Com o mesmo traço. acentuar em cada vista os detalhes visiveis. as linhas tracejadas correspondeentes às arestas invisiveis.• Desenhar • Reforçar os detalhes resultantes das projeções ortogonais. • Conferir cuidadosamente o desenho resultante. • Apagar as linhas de guias feitas no início do desenho.

•TÉCNICAS DE ESBOÇO A MÃO LIVRE: .

•TÉCNICAS DE ESBOÇO A MÃO LIVRE: .

•TÉCNICAS DE ESBOÇO A MÃO LIVRE: .

•TÉCNICAS DE ESBOÇO A MÃO LIVRE: EXERCÍCIO: Traçar as projeções frontal. superior e lateral esquerda da peça abaixo em uma escala de 2:1. 28 mm 10 mm 32 mm 22 mm .

•TÉCNICAS DE ESBOÇO A MÃO LIVRE: REPRESENTAÇÃO DE SUPERFÍCIES INCLINADAS: • Superfície perpendicular a um dos planos de projeção e inclinada em relação aos outros planos: .

•TÉCNICAS DE ESBOÇO A MÃO LIVRE: EXEMPLOS: .

•TÉCNICAS DE ESBOÇO A MÃO LIVRE: • Superfície projeção: inclinada em relação aos três planos de .

•TÉCNICAS DE ESBOÇO A MÃO LIVRE: EXEMPLO: .

.•TÉCNICAS DE ESBOÇO A MÃO LIVRE: EXERCÍCIO: Traçar as projeções frontal. superior e lateral esquerda da peça abaixo em uma escala de 3 1/3:1.

. enquanto nos outros dois planos a projeção resultante é um segmento de reta.•TÉCNICAS DE ESBOÇO A MÃO LIVRE: REPRESENTAÇÃO DE SUPERFÍCIES CURVAS: No plano paralelo à superfície. a projeção resultante mantém a forma e a verdadeira grandeza do círculo.

mas for perpendicular em relação a um deles.•TÉCNICAS DE ESBOÇO A MÃO LIVRE: Se uma superfície circular não apresenta paralelismo com nenhum dos três planos de projeção. Projeção auxiliar . as projeções resultantes terão dimensões em função do ângulo de inclinação da superfície.

.•TÉCNICAS DE ESBOÇO A MÃO LIVRE: A partir das projeções ortogonais dos planos circulares executase com facilidade as projeções ortogonais de corpos cilíndricos.

•TÉCNICAS DE ESBOÇO A MÃO LIVRE: LINHAS DE CENTRO: • Nos desenhos que aparecem superfícies curvas. rasgos e partes cilíndricas existentes nas peças. é utilizado um novo tipo de linha. . composta de traços e pontos que é denominada linha de centro. • É a partir das linhas de centro que se faz a localização de furos. • Estas linhas também são usadas para indicar os eixos em corpos de rotação e também para assinalar formas símétricas secundárias.

•TÉCNICAS DE ESBOÇO A MÃO LIVRE: .

•TÉCNICAS DE ESBOÇO A MÃO LIVRE: EXEMPLOS: .

•TÉCNICAS DE ESBOÇO A MÃO LIVRE: REPRESENTAÇÃO DE ARESTAS COINCIDENTES: • Quando na tomada de vista. . ocorre uma sobreposição de arestas (superfícies coincidentes). representa-se aquela que está mais próxima do observador. em um determinado sentido de observação.

. superior e lateral esquerda da peça abaixo em uma escala de 2:1.•TÉCNICAS DE ESBOÇO A MÃO LIVRE: EXERCÍCIO: Traçar as projeções frontal.

3 º e 4º DIEDROS. e denominados 1º. 2º. • Consiste no prolongamento dos planos verticais e horizontais além de suas interseções. • Os quatro angulos ângulos são numerados no sentido anti-horário.•SISTEMA DE PROJEÇÕES ORTOGONAIS: 1º e 3º Diedros • Idealizado por Gaspar Monge no século XVIII. .

Inglaterra e Japão. já nos EUA. . pode-se através de figuras planas. • Para facilitar o exercício da engenharia normalizar esta linguagem a nível internacional. •No Brasil o sistema mais utilizado é o do 1º diedro.•SISTEMA DE PROJEÇÕES ORTOGONAIS: 1º e 3º Diedros • Através dos princípios da geometria descritiva. representar figuras espaciais utilizando o rebatimento de qualquer um dos quatro diedros. poderá aparecer desenhos representados no 3º diedro. foi necessário • Foi fixada a utilização somente do 1º e 3º DIEDRO: sistema de projeções ortogonais pelo 1º e sistema de projeções ortogonais pelo 3º DIEDRO.

•SISTEMA DE PROJEÇÕES ORTOGONAIS: 1º e 3º Diedros DIFERENÇAS BÁSICAS: • 1º DIEDRO O objeto a ser representado deverá estar entre o observador e o plano de projeção. . • 2º DIEDRO O plano de projeção deverá estar entre o objeto a ser representado e o observador.

•6 – Vista Posterior – mostra a projeção do objeto vista por trás.mostra a projeção do objeto vista de cima. • 3 – Vista Lateral Esquerda ou Perfil – mostra a projeção do objeto visto pelo lado esquerdo. .•SISTEMA DE PROJEÇÕES ORTOGONAIS: 1º e 3º Diedros 1º DIEDRO •1 – Vista de Frente ou Elevação – mostra a projeção frontal do objeto. – Vista Inferior – mostra a projeção do objeto visto pelo lado de baixo. •4 •5 – Vista Lateral Direita ou Perfil – mostra a projeção do objeto visto pelo lado direito. • 2 – Vista Superior ou Planta .

•SISTEMA DE PROJEÇÕES ORTOGONAIS: 1º e 3º Diedros 1º DIEDRO A padronização dos sentidos de rebatimento dos planos de projeção garante que no 1º DIEDRO as vistas sempre terão as mesmas posições relativas. • A vista de baixo fica em cima. . •A vista da direita fica à esquerda. • A vista da esquerda fica à direita. • A vista de cima fica em baixo.

a superior e a lateral esquerda. • Quando dois lados definem bem a forma da peça. . considera-se a peça em sua posição de trabalho ou de equilíbrio. escolhe-se o de maior comprimento.•SISTEMA DE PROJEÇÕES ORTOGONAIS: 1º e 3º Diedros 1º DIEDRO • A escolha das vistas deve ser feito para evitar ao máximo o aparecimento de linhas tracejadas e não pode dar margem a dupla interpretação do objeto. • Normalmente. • Comumente •O no primeiro diedro as vistas preferenciais são a frontal. toma-se como frente o lado que melhor define a forma da peça. ponto de partida para determinar as vistas necessárias é escolher o lado da peça que será considerado como frente.

•SISTEMA DE PROJEÇÕES ORTOGONAIS: 1º e 3º Diedros 1º DIEDRO EXEMPLO: Melhor escolha Pior escolha .

•SISTEMA DE PROJEÇÕES ORTOGONAIS: 1º e 3º Diedros 1º DIEDRO EXERCÍCIO: Traçar as projeções frontal. superior e lateral esquerda no 1º diedro da peça abaixo em uma escala de 1:2. .

•3 – Vista Lateral Direita ou Perfil – mostra a projeção do objeto visto pelo lado direito. •6 – Vista Posterior – mostra a projeção do objeto vista por trás.•SISTEMA DE PROJEÇÕES ORTOGONAIS: 1º e 3º Diedros 3º DIEDRO •1 – Vista de Frente ou Elevação – mostra a projeção frontal do objeto. • 2 – Vista Superior ou Planta .mostra a projeção do objeto vista de cima. • 4 – Vista Lateral Esquerda ou Perfil – mostra a projeção do objeto visto pelo lado esquerdo. . •5 – Vista Inferior – mostra a projeção do objeto visto pelo lado de baixo.

puxa as projetantes do objeto para o • A vista de cima fica em cima.•SISTEMA DE PROJEÇÕES ORTOGONAIS: 1º e 3º Diedros 3º DIEDRO plano. . •A vista da direita fica à direita. O plano de projeção precisa ser transparente e o observador por trás do plano de projeção. • A vista da esquerda fica à esquerda. • A vista de baixo fica em baixo.

•SISTEMA DE PROJEÇÕES ORTOGONAIS: 1º e 3º Diedros COMPARAÇÃO ENTRE OS DIEDROS 1º 3º .

EXEMPLO: .

EXEMPLO: .

!  .