ANÁLISE DO IMPACTO DAS ATIVIDADES LABORAIS NA QUALIDADE DE VIDA DOS FUNCIONÁRIOS DO SETOR DE ENFERMAGEM DA UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA (UTI

) DO HOSPITAL GOVERNADOR CELSO RAMOS
ACADÊMICAS: Camila Pereira Velho Daiany Marques do Amaral ORIENTADORA: Profª Esp. Juliana Jaques Vidotto

INTRODUÇÃO

Os agravos à saúde hospitalares em geral.

trabalhadores de instituições


 

Afastamento de suas atividades; Elevado o índice de absenteísmo nas instituições; Repercussões na qualidade de vida (QV) do trabalhador; Nos serviços e atendimento ao usuário. (TORRES E PINHO 2006)

INTRODUÇÃO
Conceito de Saúde:
1.

Rio e Pires (2001); Organização Mundial da Saúde (OMS) (PEREIRA, 2002); Delgado (2005).

2.

3.

INTRODUÇÃO
OIT

ERGONOMIA

ENFERMAGEM

ERGONOMIA HOSPITALAR

INTRODUÇÃO

O setor de enfermagem necessita receber apoio e acompanhamento de profissionais especializados;
Desenvolvimento de programas de prevenção e manutenção da QV e redução das doenças ocupacionais; O referido trabalho questionou o impacto das atividades laborais na QV dos funcionários do setor de enfermagem da UTI do HGCR;

.OBJETIVOS  Objetivo Geral: Avaliar o impacto das atividades laborais na QV dos funcionários do setor de enfermagem da Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do Hospital Governador Celso Ramos (HGCR).

quanto à sua qualidade de vida.OBJETIVOS  Objetivos Específicos Identificar as atividades laborais cuja execução gera desconforto físico aos funcionários do setor de enfermagem da UTI do HGCR. Verificar a percepção dos funcionários do setor de enfermagem da UTI do HGCR. Identificar as principais queixas álgicas durante a jornada de trabalho. .

.  Haddad (2000).  Baú (2005).  Spiller et al (2008).  Cecagno et al (2003).EMBASAMENTO TEÓRICO Qualidade de Vida X Qualidade de Vida no Trabalho  Pereira (2008).

EMBASAMENTO TEÓRICO Ergonomia e sua relação com as Doenças Ocupacionais Profissionais de enfermagem Exposição a fatores de risco Condições inadequadas de trabalho LER / DORT (MENDES E CASAROTTO. TORRES e PINHO. 2006) . 1998.

EMBASAMENTO TEÓRICO O Trabalho e o setor de enfermagem Enfermeiros Técnicos de enfermagem Auxiliar de enfermagem .

a pesquisa descritiva está interessada em descobrir e observar fenômenos.PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS Delineamento do Estudo  Este estudo caracterizou-se por uma pesquisa do tipo descritiva e exploratória. procurando descrevê-los.  Segundo Rudio (2000). classificá-los e interpretálos. .

 . SC. Florianópolis. seja graduação. na UTI do HGCR. nível técnico ou auxiliar. Período: Setembro a outubro de 2009.PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS Delimitação do Estudo  População alvo: Funcionários que possuíam formação em Enfermagem.

Funcionários da UTI do HGCR. Que concordaram em participar da pesquisa e assinar o Termo de Consentimento Livre e Esclarecido (TCLE).PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS Delimitação do Estudo  Critérios de Inclusão: Ambos os sexos.      . Todas as faixas etárias. Graduação ou nível técnico e auxiliar em Enfermagem.

ou   . Qualquer outro fator de impedimento compreensão para realização da entrevista.PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS Delimitação do Estudo  Critérios de Exclusão: Presença de doença mental.

  . adaptado pelas pesquisadoras de Di Lascio (2003).PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS Instrumento e Procedimentos de Coleta de Dados  Triagem Inicial dos sujeitos. Aplicação do instrumento para avaliação do Impacto das atividades laborais à QV dos sujeitos selecionados. Determinação dos participantes.

Variáveis relacionadas ao perfil do profissional. onde os assuntos foram distribuídos aleatoriamente. Condições para o desenvolvimento e satisfação profissional. Condições humanas para o trabalho.PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS Instrumento e Procedimentos de Coleta de Dados  Instrumento de pesquisa: Constituído por 26 perguntas.     .

PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS Procedimentos para análise dos dados  Os dados foram organizados e tabulados em forma de planilha eletrônica. por meio do programa Microsoft Excel (Microsoft CorporationTM).  . Os resultados foram registrados em tabelas em que se pode notar a freqüência absoluta (número absoluto de respostas) e a freqüência relativa (valores percentuais).

RESULTADOS E DISCUSSÃO  Dos 40 funcionários selecionados inclusão. 31 responderam o instrumento de pesquisa. critérios de  Termo de consentimento livre e esclarecido.  .

RESULTADOS E DISCUSSÃO  O maior contigente dos profissionais está concentrado em técnico de enfermagem (51. onde a maioria eram do sexo feminino (77.71%).42%). com faixa etária de 40 a mais anos (38.61%). .

RESULTADOS E DISCUSSÃO  Martins (1999): constituiu também de técnicos de enfermagem a maior parte da sua equipe de pesquisa.  . já Guerrer e Bianchi (2008) obtiveram uma maioria com menos de 40.1%). Quanto a faixa etária. Reisdorfer (2002) apresentou resultados semelhantes com média de 40 anos.   Já Oler et al (2005): houve predominância de auxiliares. O estudo de Ferrarezi et al (2006) obteve quase a totalidade de enfermeiros do sexo feminino (97.

RESULTADOS E DISCUSSÃO Carga horária semanal 20 18 Funcionários 16 14 12 10 8 6 4 2 0 de 20h a de 30h a de 40 a de 50 a de 60 a mais menos de 30h menos de 40h menos de 50h menos de 60h Horas de trabalho Outros Locais Neste Local .

RESULTADOS E DISCUSSÃO  Na pesquisa de Ferrarezi (2006) verificou-se que 75% de sua amostra trabalhavam entre 10 e 12 horas diárias. 2002). podendo afetar a saúde e o estado psicológico (CECAGNO et al.  . A longa jornada de trabalho interfere diretamente nas relações sociais dos indivíduos.

52%) relataram ter uma boa saúde. .28%) informaram que sua saúde física ou problemas emocionais interferiram em suas atividades sociais. a maioria (64.RESULTADOS E DISCUSSÃO  Quanto à percepção de sua saúde. Porém. grande parte dos trabalhadores (61.

2000).RESULTADOS E DISCUSSÃO  No estudo de Lino (2004) a grande maioria dos profissionais envolvidos na pesquisa relataram que suas atividades profissionais interferem em sua vida particular.5% dos entrevistados dizem que esta ocorre de maneira negativa. ter amigos e manter um bom relacionamento social com outras pessoas também são situações que interferem na qualidade de vida (LENTZ et al. Conviver com a família. sendo que 36.  .

13% .81% Funcionários 35.RESULTADOS E DISCUSSÃO Presença de dor no último mês 12 10 25.68% 16.48% 8 6 12.90% 4 2 0% 0 Nenhuma Muito leve Leve Moderada Grave Muito grave Intensidade da dor 9.

RESULTADOS E DISCUSSÃO Interferência da dor no trabalho 6.29% 9.58% De maneira alguma Um pouco Moderadamente 61.45% 22.68% Bastante .

O trabalho é multifacetado.58%).   . 2008). dividido e submetido a alguma diversidade de cargos que são geradores de desgaste. A pesquisa de Lino (2004) mostrou que quase 50% dos trabalhadores tiveram falta no serviço em virtude desses problemas. MIRANDA e STANCATO. 2008.RESULTADOS E DISCUSSÃO  Minoria necessitou de afastamento (22. devido ao risco ao qual os profissionais de saúde estão expostos (GUERRER e BIANCHI.

Fonseca (2009) observou maior acometimento em membros inferiores (65.   . com predominância na região lombar. pescoço e membros.RESULTADOS E DISCUSSÃO  Quando questionados ao local da referida dor.6%). Oler et al (2006) descreveram as dores de cabeça. a coluna foi a região mais afetada (40%).

55% .RESULTADOS E DISCUSSÃO Esforço físico durante as atividades laborais. 6.45% Sim Não 93.

RESULTADOS E DISCUSSÃO  As atividades laborais indicadas com maior grau de dificuldade na execução foram: Mudança de decúbito (17. Mobilização do paciente (11.92%). . 2. 4.39%). Transporte e/ou transferência do paciente (13.72%). 1.46%). Banho no leito (16. 3.

LEITÃO e FERNANDES.  . 2008).RESULTADOS E DISCUSSÃO  Os trabalhadores de enfermagem em UTI desenvolvem muitas atividades que exigem esforço físico. 2004. Atividades laborais que causam mais acidentes – UNICAMP: levantamento e/ou transferência de peso excessivo. 2002). danificando sua saúde (NISHIDE e BENATTI. podendo levar estes a sentirem dores musculares e articulares. banho no leito e transporte de equipamentos e macas (SILVA e MARZIALE.

61% Sim .RESULTADOS E DISCUSSÃO Prática de atividade física 48.39% Não 51.

2000.  A prática regular de atividade física tem grande importância. 61% dos indivíduos não possuem o hábito de realizar algum exercício físico. 2005). No Brasil 29% a 97% da população dos adultos estão expostos à baixos níveis de atividade física (TASSIANO et al.RESULTADOS E DISCUSSÃO  Na pesquisa de Di Lascio (2003).  . pois previne lesões no ambiente de trabalho e proporciona uma boa qualidade de vida (ARAÚJO e ARAÚJO. 2007). FREITAS et al.

  .RESULTADOS E DISCUSSÃO  De acordo com o tempo de profissão.8% dos trabalhadores tinham mais de 5 anos de trabalho. 61. Para Schmidt (2004). sendo que 9 indivíduos trabalham em duas instituições. a maioria exercem suas funções há 9 ou mais anos. Em Pereira e Bueno (1997) predominou o tempo de serviço acima de 10 anos.

RESULTADOS E DISCUSSÃO Percepção dos funcionários quanto ao conceito do Hospital pela população 38.71% Sim 19 Não 12 61.29% .

1996). onde 98% dos funcionários acreditam que seu hospital é bem conceituado. Uma empresa bem conceituada é determinada por sua capacidade de satisfazer as exigências de qualidade no mercado e oferecer qualidade de vida aos funcionários (MOLLER.RESULTADOS E DISCUSSÃO  Di Lascio (2003) apresentou quase uma unanimidade.  .

gerando satisfação no trabalho e melhoria da qualidade de vida do trabalhador (Lino. a maioria dos trabalhadores se consideravam insatisfeitos (41.   .3%) relatavam não estar satisfeitos com a remuneração salarial. Stumm et al (2009) mostra que a maioria dos profissionais de enfermagem (73.RESULTADOS E DISCUSSÃO  De acordo com a satisfação salarial. A recompensa monetária age como motivadora de maior eficiência e produtividade.94%). 2004).

 . 87. influenciando a qualidade da assistência prestada aos pacientes (SCHMIDT e DANTAS. 2006). A satisfação profissional indica a qualidade de vida no trabalho. 21 funcionários mostraram-se satisfeitos. satisfação (67.RESULTADOS E DISCUSSÃO  Quando questionados sobre profissional.74%)  Em estudo de Schmidt (2004).4% dos trabalhadores sentiram-se satisfeitos com o tipo de atividade que realizam em seu trabalho.

e    Interferência nas atividades sociais normais. queixas desconforto físico e emocional. Resultam em insatisfação. álgicas. Realizam muitas tarefas que exigem de esforço físico e grande carga horária de trabalho. .CONSIDERAÇÕES FINAIS  As atividades exercidas pelos profissionais estudados interferem na qualidade de vida.

CONSIDERAÇÕES FINAIS Adequação nas condições de trabalho e cuidados pessoais Redução do impacto produzido pelas atividades laborais Melhora no desempenho e satisfação profissional Promoção de bem estar geral e melhor qualidade de vida .

 .SUGESTÕES Sugerimos a realização de novos estudos enfatizando mudanças possíveis nas condições de trabalho oferecidas aos funcionários. com posterior análise da intensidade dos impactos laborais.

. saúde e qualidade de vida relacionada à saúde em adultos. n. G. Avaliação do padrão do sono dos profissionais de enfermagem dos plantões noturnos em unidades de terapia intensiva. 461-493. São Paulo. Revista Brasileira de Medicina do Esporte. abr. M. Ergonomia e as atividades ocupacionais da equipe de enfermagem. BAÚ. Intervenção ergonômica e fisioterápica como fator de redução de queixas músculo-esqueléticas em bancários. In: AGUINALDO.1. E. I. 12. J. S. 137-150. n. G. Trabalho de conclusão de curso. Isto é trabalho de gente? Vida. D. pág. Afastamento do trabalho na enfermagem: ocorrências com trabalhadores de um hospital de ensino. Porto Alegre. D.6. v. 2000. 2006. Z. A. Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Revista Escola de Enfermagem da Universidade de São Paulo. et al.. 1998. p. São Carlos. Z. V. L. S. Einsten. R.177-183.11. v. 2005. Rev. et al. V. 1994. BARBOZA. A. AZEVEDO. de. S. et al. 2008. Rio de Janeiro. BARBOZA. C. ARAÚJO. ARAÚJO. et al. p.32.. v. A. até namorar fica difícil: uma história de lesões por esforços repetitivos. SOLER. set. KITAMURA.49-55. Agora. V. M. AUGUSTO. In: BUSCHINELLI. p.6. n. de. n. S. 2008. . 2. A. Aptidão física. Stress. doença e trabalho no Brasil. Campinas: IPES Editorial. (Mestrado profissionalizante em engenharia) . C. S. Revista Latino Americana de Enfermagem. Trabalho e Qualidade de Vida./out. n. N. p.1. Um olhar sobre as LER/DORT no contexto clínico do fisioterapeuta.. Brasileira Fisioterapia. A.3. Qualidade de Vida e fadiga Institucional.Escola de engenharia. G. Petrópolis: Vozes.296-301. ROCHA L. ASSUNÇÃO.REFERÊNCIAS         ALEXANDRE.5. 2003. B. p. v. 2005.84-90.. T. M.

C. Revista Decidir.org.corensc. v. et al.8. de 25 de junho de 1986. 2. p. 3. I. 2ed. Cogitare Enfermagem. p. CECAGNO. ______. Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Qualidade de vida e o trabalho sob a ótica do enfermeiro. 2005. 1998. Acesso em: 30 jul.. janeiro/junho 2003. G. L. 1997. A. CODO. Rio de Janeiro: Ideas. R. v. Curitiba. Dispõe sobre a regulamentação do exercício da Enfermagem e dá providências.365 – 370. Ribeirão Preto. OLIVEIRA.Escola de engenharia.34-38. São Paulo: Makron Books. n. (Mestrado profissionalizante em engenharia) .ª edição. São Paulo. 8. Trabalho de conclusão de curso. C. Cogitare Enfermagem. de. L. LER – Lesões por Esforços Repetitivos. BULHÕES. 2002. M. 1994.498.Escola de enfermagem de Ribeirão Preto. Satisfação profissional do enfermeiro. M. Disponível em: <http://www. Gerenciando Pessoas. C. DELGADO.54-59. da. Dissertação (Mestrado em enfermagem) . n. Curitiba. 2005. CHIAVENATO. v. W. Riscos do trabalho de enfermagem. . 1996. Felicidade é sinônimo de Produtividade. 1998. Nursing. Perfil epidemiológico do adoecimento dos profissionais de um hospital universitário. Aspectos ergonômicos na organização do trabalho da equipe de enfermagem de uma UTI adulto.1. 7. Porto Alegre. Decreto-lei nº 7. ______.2008. Satisfação de uma equipe de enfermagem quanto a profissão e emprego num hospital do sul do estado do Rio Grande do Sul. B. DEL CURA. COSTA. I. agosto 2005. D. Universidade de São Paulo. n.br/Empresa2/lei7498. 4ª edição. M. ALMEIDA.htm>. São Paulo: junho.REFERÊNCIAS           BRASÍLIA. 87. 1994. p.

2006. Belo Horizonte: SIEXBRASIL.conesul. Acesso em: 19 de junho de 2008.scielo..55. Acessado em: 22 de outubro de 2009. A qualidade de vida no trabalho: perspectivas além da ginástica laboral no HC/UFMG. Levantamento de problemas ergonômicos na enfermagem de um hospital em Porto Alegre. 2005. N. H. v. R. L. M. A. S. . Madaleine. Distúrbios músculo-esqueléticos em trabalhadores de enfermagem. Anais.. M. Gramado. V.htm>. Modelo para análise da qualidade de vida no trabalho dos profissionais dos serviços de enfermagem em hospital pediátrico. Universidade Federal de Santa Catarina.6. R. M.. Apostila. A. Percepção do estresse entre enfermeiros que atuam em terapia intensiva. 2001. FONSECA.Programa de pós graduação em Engenharia da Produção. n. E. M.br/pdf/ape/v19n3/a09v19n3. Acta Paulista de Enfermagem. (Mestrado em saúde.310-315. A.pdf>. PR. 131 f. GUIMARÃES. 2003. B. L.. A. 2005. n. R.REFERÊNCIAS         DI LASCIO.19. FERRAREZZI. Anais. In: XI CONGRESSO BRASILEIRO DE ERGONOMIA. p.3. 2003. Lesão por Esforços Repetitivos.. et al. FREITAS. ESTRIN-BEHAR. 2009. Porto Alegre: ABERGO/LOPP/PPGEP/UFRGS. junho de 1998. G. Dissertação. Salvador. Florianópolis. FONSECA. V. p. In: 8˚ ENCONTRO DE EXTENSÃO DA UFMG. Dissertação (Mestrado em engenharia de produção) . da R.com. Disponível em: <www.1-8. Revista Brasileira de Medicina. v. DINIZ. Paris: Editions Estem. Disponível em: <www. F. Universidade Federal da Bahia. CARVALHO. G. A. DUTRA. Introdução à ergonomia. 2000.. 2001.br/~lfonseca/ler. KMITA. Unioeste. 2009. ambiente e trabalho) Faculdade de medicina da Bahia. Ergonomie Hospitalière: théorie et pratique. Belo Horizonte. 1996. FERREIRA...

br/scielo. 2009. 1998. n. 1998. M. Revista Escola de Enfermagem USP. Cuidado e Saúde. A. v. Revista Espaço para a Saúde. Caracterização do estresse nos enfermeiros de unidades de terapia intensiva.55-63.4. I. Saúde Ocupacional: Analisando os riscos relacionados à equipe de enfermagem numa unidade de terapia intensiva. R. São Paulo: Atlas. v. Acesso em: 12 de outubro de 2008. São Paulo: Atlas. L.1. Rio de Janeiro. Ciência. F. p.1.scielo. C. M. ERDMANN. O sofrimento psíquico em trabalhadores de UTI interferindo no seu modo de viver a enfermagem.1.8. Londrina.355-362. W.. LEITÃO. GUERRER...7. n. L. L. C. 2005. DE. 5ª edição. Dimensionamento da equipe de enfermagem da UTI-adulto de um hospital ensino. Acesso em: 04 de agosto de 2008. GUIMARÃES.476-484. São Paulo. C.portalbvsenf.75-88. FILHO. ed. L. INOUE. n. p. R. 2000.11.14.usp. L. J. jun./dez. C. Revista Brasileira de Epidemiologia. n.br/scielo. MATSUDA. p. Qualidade de vida dos profissionais de enfermagem. A.php?script=sci_arttext&pid=S010435522006000100015&lng=es&nrm=iso>.42. Revista eletrônica de enfermagem.3. E. P.eerp. v. RAMOS. 2008. out. HADDAD. KOTLER.REFERÊNCIAS          GIL. M. Antonio Carlos. G. GOMES. I. IIDA. I.. n. n. 3. FERNANDES. Fatores ergonômicos de risco e de proteção contra acidentes de trabalho: um estudo de caso-controle. São Paulo: Edgard Blücher. et al. Disponível em: <http://www. Como elaborar projetos de pesquisa. K. F. 2006. M. São Paulo. 1991. D. L. v.php?pid=S1415790X2005000300010&script=sci_arttext>. p. 2008. BIANCHI. A.2. Revista Enfermagem UERJ. v. . Disponível em: <http://www. T. Administração de marketing. v. Ergonomia: Projeto e Produção.2.

v. M. A. v. S. MAIA. J. Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção. 1999. v.Programa de pós-graduação em engenharia de produção. (Doutorado) . n. C. 2001. BARNEWITZ. LIMA. A. p. Universidade Federal de Santa Catarina./set. mar. Tese.8.. Florianópolis.REFERÊNCIAS        LEMOS. n. B. M. H.2. Dissertação (Mestrado em engenharia de produção) . Fisioterapia em Movimento. J. 2004.. J. da C.2. O profissional de enfermagem e a qualidade de vida: uma abordagem fundamentada nas dimensões propostas por Flanagan. Universidade Federal de Santa Maria. Análise ergonômica das posturas assumidas pelas enfermeiras do hospital universitário de Santa Maria em tarefas realizadas frente aos leitos. . Revista Latino Americana de Enfermagem. MAGALHÃES. n. Análise ergonômica do trabalho do enfermeiro na unidade de terapia intensiva: proposta para a minimização do estresse e melhoria da qualidade de vida no trabalho. J..4. A.21. prazer e dor no trabalho de enfermagem. A. n. M. C. Universidade de São Paulo.3. p. C. G. Ribeirão Preto.Departamento de enfermagem médico-cirurgica da Escola de Enfermagem. LENTZ. 1998. CASTRO.20-30. M. JUCHEM. et al. Transições. p.5-18. L. Em que os Distúrbios Osteomusculares Relacionados ao Trabalho (DORT) se diferenciam das Lesões por Esforços Repetitivos (LER). 1999. Revista de Administração de Empresas. jul. R. v. Qualidade de vida e satisfação profissional de enfermeiras de unidades de terapia intensiva. 2000. LINO. [ca. 173f. ESTHER. jul.X.41. 1999]. B. LÉO. Porto Alegre.92-101. J. 2000.. R. COURY H. São Paulo. A. Primary Nursing: Adaptando um novo modelo de trabalho no serviço de enfermagem cirúrgica do Hospital de Clínicas de Porto Alegre. Revista Gaúcha Enfermagem..

/dez.83-91. M. dezembro 2000. MOSER. P. C.8. Revista Fisioterapia e Pesquisa. Riscos à Saúde de Equipe de Enfermagem em Unidade de Terapia Intensiva: Proposta de Abordagem Integral da Saúde. Revista Latino Americana de Enfermagem. Revista Latino Americana de Enfermagem. M. p.6. v./dez. 1999./dez. MAURO. H. v. n.. CARVALHO. R. C. p. C. Curitiba. v.. p. J. n. v. C. M..6. set. et al. v.89-97. .. São Paulo. Revista Brasileira de Terapia Intensiva. C. janeiro 1998. O. Qualidade de vida e trabalho: o cenário atual da enfermagem numa Unidade de Terapia Intensiva (UTI).8. Texto Contexto Enfermagem. É. São Paulo: Pioneira. Trabalho de enfermagem hospitalar: uma visão ergonômica. H. Revista Fisioterapia. 20. KERBIG. MIYAMOTO. J. ROBAZZI. Gramado: ABERGO. MARZIALE. n. STANCATO.6. A. CUPELLO. J. MARZIALE. 2006.128-146. Jan. MIRANDA. n. F.127-132. 2001. P. Tratamento fisioterápico em Distúrbios Osteomusculares Relacionados ao Trabalho: um estudo de caso. CASAROTTO R. 1999.1. Condições ergonômicas do trabalho da equipe de enfermagem em unidade de internação de cardiologia.. p. MENDES.99-117.1. v.REFERÊNCIAS          MARTINS. v. O trabalho de enfermagem e a ergonomia. Y.. Ribeirão Preto. 10 ed.1. p. Anais. L.19. out.2. K. E. T.3. L. p. n.124-127. A. 2008. J. M. O conceito de saúde e seus desdobramentos nas várias formas de atenção à saúde do trabalhador. Ribeirão Preto. A.4. n. MOLLER.. Florianópolis. jul. 1996..5. 1998. O lado humano da qualidade. Fisioterapia preventiva atuando na ergonomia e no stress no trabalho. de. Fisioterapia em Movimento. D. n./Mar. P. S.

.102-110. (Mestrado) . A arte do cuidar do cuidador. C. Notas sobre enfermagem: o que é e o que não é. n. R. 2007.REFERÊNCIAS          MOSER.20. R. M. F. M.4. Fisioterapia em Movimento. São Paulo. Fisioterapia no Trabalho: Saúde x Trabalho. p. 2001.12. NASCIMENTO. A. São Paulo: LTr. OLIVEIRA.38.89-97.. Qualidade de vida dos trabalhadores de enfermagem de unidades de terapia intensiva./dez. Escola Nacional de Saúde Pública. I. ZANEI. OLIVEIRA. Curitiba. S.Fundação Oswaldo Cruz. D. BENATTI. Tese (Conclusão do curso de enfermagem) . F. dos S. p. Metodologia cientifica. 2005. 2000. v. C. N.LER/DORT no Centro de Referência em Saúde do Trabalhador do Espírito Santo . Rio de Janeiro: Taba Cultural. out. et al.. v. V. S. O conceito de saúde e seus desdobramentos nas várias formas de atenção à saúde do trabalhador. p.. A.2. A abordagem das lesões por esforços repetitivos/distúrbios osteomoleculares relacionados ao trabalho . NIGHTINGALE. G.406-414. S. PASCHOA.19. Arquivos de Ciências da Saúde.3. Y. 2004. Curitiba. S. v. 2006. planejamento e técnicas de pesquisa: uma visão holística do conhecimento humano. 2005. 1989. MORAES. NISHIDE. v. n.CRST/ES. KERBIG. V. 2005. n. Qualidade de vida da equipe de enfermagem do centro cirúrgico. F..Centro Universitário Campos de Andrade. n. Riscos ocupacionais entre trabalhadores de enfermagem e de uma unidade de terapia intensiva.4. . Tese. Regina Márcia Rangel de./jun. Acta Paulista de Enfermagem.305-310. Revista da Escola de Enfermagem da Universidade de São Paulo. M. M. 2000. A. São Paulo: Cortez. abr. OLER. WHITAKER. OLIVEIRA. p. C.

2 ed. S. 5º Congresso Internacional de Ergonomia e Usabilidade de Interfaces Humano-Tecnologia: Produtos. Ambiente Construído. Universidade Federal de Santa Catarina. Dissertação (Mestrado) Programa de pós-graduação em educação física.5. Epidemiologia: Teoria e Prática. Revista Latino Americana de Enfermagem. E.. 3. Ergonomia: fundamentos da prática ergonômica. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan. REISDORFER. 2005. R. T. 2001. R. L. Ribeirão Preto. out. M. S. Petrópolis: Vozes.4. 2000. PEREIRA.REFERÊNCIAS         PEREIRA. 2002. Introdução ao projeto de pesquisa cientifica. Dissertação (Mestrado em engenharia de produção) . 1999. C. ed. Informação. ed. V. In: 5º ERGODESIGN. BUENO. PIRES. P. R. 2002. 2008. Florianópolis. Universidade Federal de Santa Catarina. RUDIO. G.Departamento de Engenharia de Produção e Sistemas.. Rio de Janeiro. Franz Victor. F. São Paulo. PEREIRA. E. L. Lazer – um caminho para aliviar as tensões no ambiente de trabalho em UTI: uma concepção da equipe de enfermagem. 3. Transporte. RIBEIRO. 1997. Condicionantes organizacionais relacionada à atuação do enfermeiro no trabalho: Uma abordagem ergonômica. SP: Atlas. Qualidade de vida e condições de trabalho de professores de educação básica do município de Florianópolis – SC. Pesquisa social: métodos e técnicas. 28. São Paulo: LTr. J. do. RIO. M. v. 2005. DINIZ. Apreciação Ergonômica na Enfermaria da Clínica Cirúrgica em um Hospital. RICHARDSON. R. . ed. M. M. n. G.

F. v. C. et al. Atividade física em adolescentes brasileiros: uma revisão sistemática.35-39. Qualidade de vida. atuantes em unidades do bloco cirúrgico. n. v. M. et al. P. 54-60. D. M. A. STUMM. Revista Brasileira de Cineantropometria e Desempenho Humano.1.55-60./mar. G.8. C.20. DANTAS. DYNIEWICZ. P. SLOMP. Curitiba. n. O adoecimento da equipe de enfermagem e o absenteísmo doença. 2008. P.45-52. M. n. D. R./mar. n. M. et al. p. Qualidade de vida e qualidade de vida no trabalho de profissionais de enfermagem atuantes em unidades do bloco cirúrgico.88-95. 2009. R. 2002.1. jan. A. SILVA. Qualidade de vida de profissionais de saúde em hospital universitário. MARZIALE. 2007. jan. E. v. R.REFERÊNCIAS        SCHMIDT. S. n. M. P. Porto Alegre. p. M. Ribeirão Preto..14. Revista Latino Americana de Enfermagem. D.1.. p. p. S. p. S. TRELHA. Ciências. 2006. sob a ótica da satisfação. p.140-155. . Revista Textos e Contextos./fev.1. M.9. estresse e repercussões na assistência: equipe de enfermagem de uma unidade de terapia intensiva.1. Dissertação (Mestrado em Enfermagem) . 2007. 2004. jan.13. R. Cuidados e Saúde. Florianópolis. jan. SCHMIDT. F./jun.. Ribeirão Preto. SPILLER. Análise de posturas e movimentos de operadores de checkout de supermercado. v.. A. Universidade de São Paulo. Qualidade de vida no trabalho dos profissionais de enfermagem. n. TASSITANO. H. v. Fisioterapia em movimento.1.Escola de enfermagem de Ribeirão Preto.1. C. Cogitare Enfermagem. v.

O. p.. M.1.15. A. E. Quality of working life: what is it? slon management. 1973. Massachusetts. 1987. Comunicação em Ciências da Saúde. D. v. São Paulo: FTD/OBORÉ. v. Sloan Management Rview. R. WALTON.207-215.17. n. L. PINHO. Causas de afastamento dos trabalhadores de enfermagem em um hospital do Distrito Federal.11-21. n. p.   .REFERÊNCIAS  TORRES. WISNER. Por Dentro do Trabalho.3. 2006.

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful