Você está na página 1de 20

Cálculo Numérico

Cálculo Numérico Integração Numérica Profs.: Bruno C. N. Queiroz J. Antão B. Moura José Eustáquio R.
Cálculo Numérico Integração Numérica Profs.: Bruno C. N. Queiroz J. Antão B. Moura José Eustáquio R.
Cálculo Numérico Integração Numérica Profs.: Bruno C. N. Queiroz J. Antão B. Moura José Eustáquio R.
Cálculo Numérico Integração Numérica Profs.: Bruno C. N. Queiroz J. Antão B. Moura José Eustáquio R.
Cálculo Numérico Integração Numérica Profs.: Bruno C. N. Queiroz J. Antão B. Moura José Eustáquio R.

Integração Numérica

Profs.: Bruno C. N. Queiroz J. Antão B. Moura José Eustáquio R. de Queiroz

Joseana Macêdo Fechine

Maria Izabel C. Cabral

DSC/CCT/UFCG

2

Integração Numérica
Integração Numérica
  • Em determinadas situações, integrais são

difíceis, ou mesmo impossíveis de se resolver

analiticamente.

  • Exemplo: o valor de f(x) é conhecido apenas em

alguns pontos, num intervalo [a, b]. Como não se conhece a expressão analítica de f(x), não é possível calcular

b

f ( x)dx

a

  • Forma de obtenção de uma aproximação para a integral de f(x) num intervalo [a, b] Métodos Numéricos.

3

Integração Numérica
Integração Numérica
  • Idéia básica da integração numérica substituição da função f(x) por um polinômio que a aproxime razoavelmente no intervalo [a, b].

  • Integração numérica de uma função f(x) num intervalo [a,b] cálculo da área delimitada por essa função, recorrendo à interpolação polinomial, como, forma de obtenção de um polinômio p n (x).

3 Integração Numérica  Idéia básica da integração numérica  substituição da função f(x) por um

4

Integração Numérica
Integração Numérica
  • As fórmulas terão a expressão abaixo:

 

b

 

a

x

i

f x dx

(

)

(

A f x

0

[a,b],i

0 1

,

,

0

)

,n

(

A f x

1

1

)

...

(

A f x

n

n

),

  • Fórmulas de integração (fórmulas de quadratura):

   

n

 

I

n

(

f

)

(

A f x

i

i

)

x 0

  • ,

,

  • x n

- pontos conhecidos, pertencentes ao intervalo [a, b]

(nós de integração).

 

A 0 ,

  • ...

, A n - coeficientes a determinar, independentes da função f (x)

(pesos).

5

Integração Numérica
Integração Numérica
  • O uso desta técnica decorre do fato de:

    • por vezes, f(x) ser uma função muito difícil de integrar, contrariamente a um polinômio;

    • conhecer-se o resultado analítico do integral, mas, seu cálculo é somente aproximado;

    • a única informação sobre f(x) ser um conjunto de pares ordenados.

6

Integração Numérica
Integração Numérica

Métodos de integração numérica mais utilizados

  • Fórmulas de Newton-Cotes Fechadas

    • Regra dos Trapézios, x 0 =a e x n =b.

    • Regra 1/3 de Simpson

  • Fórmulas de Newton-Cotes Abertas

    • os x i têm de pertencer ao intervalo aberto de a até b

  • 7

    Regra dos Trapézios
    Regra dos Trapézios
    • Regra dos Trapézios Simples - consiste em considerar um polinômio de primeiro grau que aproxima uma função f(x), ou seja, n=1.

    • Este polinômio terá a forma y=a 0 + a 1 x e trata-se da equação que une dois pontos: a=x 0 e b=x 1 .

    7 Regra dos Trapézios  Regra dos Trapézios Simples - consiste em considerar um polinômio de

    8

    Regra dos Trapézios Simples
    Regra dos Trapézios Simples

    Área do trapézio: A=h . (T+t) /2

    • h - altura do trapézio

    • t - base menor

    • T - base maior

    De acordo com a figura:

    • h= b a = x 1 x 0

    • t = f(b) = f(x 1 )

    • T = f(a) = f(x 0 )

    8 Regra dos Trapézios Simples Área do trapézio : A=h . (T+t) /2  h -
    • Logo,

    x 1 h f ( x)dx    f x ( )  f x
    x
    1
    h
    f ( x)dx
    f x
    (
    )
    f x
    (
    )
    0
    1
    2
    x
    0

    9

    Regra dos Trapézios Simples
    Regra dos Trapézios Simples
    • Intervalo [a, b] relativamente pequeno

      • aproximação do valor do integral é aceitável.

    • Intervalo [a, b] de grande amplitude

      • aproximação desfasada.

      • pode-se subdividi-lo em n sub-intervalos, e em cada um a

    função é aproximada por uma função linear.

    • A amplitude dos sub-intervalos será h=(b-a)/n .

    • A integral no intervalo é dado pela soma dos integrais definidos pelos sub-intervalos.

    • Regra dos trapézios simples aplicada aos sub-intervalos.

    • Uso da Regra dos Trapézios Composta (Repetida): soma da área de n trapézios, cada qual definido pelo seu sub-intervalo.

    10

    Regra dos Trapézios Composta
    Regra dos Trapézios Composta
    • Intervalo [a, b] de grande amplitude.

    • Soma da área de n trapézios, cada qual definido pelo seu sub-intervalo.

    10 Regra dos Trapézios Composta  Intervalo [a, b] de grande amplitude.  Soma da área

    11

    Regra dos Trapézios Composta
    Regra dos Trapézios Composta
    • Fórmula:

    x m h h f x dx  ( )  f x ( ) 
    x
    m
    h
    h
    f x dx 
    (
    )
    f x
    (
    )
    f x
    (
    )
    f x
    (
    )
    f x
    (
    )
    0
    1
    1
    2
    2
    2
    x
    0
    h
    ...
    f x
    (
    )
    f x
    (
    )
    N
     1
    N
    2
    • Só os termos f(x 0 ) e f(x n ) não se repetem, assim, esta fórmula pode ser simplificada em:

    x N h  f x dx  ( )  f x ( ) 
    x
    N
    h
    f x dx 
    (
    )
    f x
    (
    )
    2
    f x
    (
    )
    f x
    (
    )
    ...
    f x
    (
    )
    f x
    (
    )
    0
    1
    2
    N
     1
    N
    2
    x
    0

    12

    Regra dos Trapézios 4 2  / 1 2 Exemplo: Estimar o valor de  (
    Regra dos Trapézios
    4
    2
     /
    1 2
    Exemplo: Estimar o valor de
    (
    1
    x
    )
    dx

    0

    • Regra dos Trapézios Simples - 2 pontos (x 0 =0.0 e x 1 =4.0) I=y0+y1=2x(1.00000+0.24254) = 2.48508

    • Regra dos Trapézios Composta - 3 pontos (x 0 =0.0,x 1 =2.0,x 2 =4.0) I=y 0 +2y 1 +y 2 =1x(1.00000+2x0.44722+ 0.24254) =
      2.1369

    • Regra dos Trapézios Composta - 9 pontos I=(0.5/2)x(y 0 +2y 1 +2y 2 +2y 3 +2y 4 +2y 5 +2y 6 +2y 7 +y 8 ) =2.0936

    A aproximação para 9 pontos é melhor, dado que o valor real é 2.0947.

    x

    y=(1+x²) -1/2

    0.0

    1.00000

    0.5

    0.89445

    1.0

    0.70711

    1.5

    0.55475

    2.0

    0.44722

    2.5

    0.37138

    3.0

    0.31623

    3.5

    0.27473

    4.0

    0.24254

    13

    Regra dos Trapézios
    Regra dos Trapézios

    Erro da Regra dos Trapézios simples

    E(f)=I(f)-T(f)=I(f)-I(p1)=I(f-p1)

    • T(f) - valor da integral obtida pela regra dos trapézios.

    • I(f) - valor da integral obtida pela integração de f(x).

    14

    Regra dos Trapézios
    Regra dos Trapézios
    • Erro da Regra dos Trapézios simples

    E( f ) = I ( f ) - T ( f ) = I ( f ) - I ( p 1 ) = I ( f - p 1 )

    • Da fórmula do erro de interpolação temos f (x) - p 1 (x) = f [ a, b, x ] ( x - a ) ( x - b )

    • Como ( x - a ) ( x - b ) não muda de sinal no intervalo [a, b] pode-se aplicar o Teorema do Valor Médio para Integrais e obtém-se:

    b b f a b x x  , ,   a x  
    b
    b
    f a b x x
    ,
    ,
    
    a x
    
    b dx
    f a b 
    ,
    ,
    (
    x
    a x
    )(
    b dx
    )
    a
    a
    para um certo ξ
    ]a, b[

    15

    Regra dos Trapézios
    Regra dos Trapézios

    Erro da Regra dos Trapézios Simples

    • Supondo que f é C 2 [a, b], obtém-se a fórmula do erro:

    3 3 ( b  a ) h E ( f )   f ´´(
    3
    3
    (
    b
    a
    )
    h
    E ( f )
     
    f
    ´´(
    )
     
    f 
    ´´(
    ),
    para um certo
    ]a, b[
    12
    12

    Erro da Regra dos Trapézios Composta

    h 3 3 N h N  1 N  E f    
    h
    3
    3
    N
    h N  1
    N
    E f  
    N
    i  1
    i  1

    (

    )

    12

    f

    ´´()

    i

     

    12 N

    f

    ´´()

    i

     

    E f  

    N

    (

    )

    N

    i

    1

    h

    3

    f

    ´´(

     

    i

    )

    Nh f ´´(

    3

    i

    )

    12

    12

    • Aplicando o Teorema do Valor Médio à média das 2 as derivadas, obtém-se:

    16

    Regra dos Trapézios f  ´´( ) Não é possível calcular exatamente ,  i
    Regra dos Trapézios
    f 
    ´´(
    )
    Não é possível calcular exatamente
    ,
    i

    visto que não se conhece o ponto . Quando for possível, calcula-se um limitante superior para o erro.

    • Tem-se:

    E ( f )  

    N

    Nh f ´´(

    3

     i
    i

    )

    12

    • Sendo f´(x) contínua em [a, b] então existe

    • Assim

    M

    2

    máx f x

    [

    xa b

    ,

    ]

    ´´(

    )

    3 Nh M 2 E TR  12
    3
    Nh M
    2
    E TR 
    12

    17

    Regra dos Trapézios
    Regra dos Trapézios

    1

    • Exemplo: Seja

    I

    e dx

    x

    ,

    0

    calcule uma aproximação para I usando a Regra dos

    Trapézios Simples. Estime o erro cometido.

    x 1 h f ( x)dx    f x ( )  f x
    x
    1
    h
    f ( x)dx
    f x
    (
    )
    f x
    (
    )
    0
    1
    2
    x
    0

    h

    b

     

    a

    1

     

    0

    1

    I

    1

    0

    e dx

    x

    1

    2

    e

    0

    e

    I

    1

    0

    e dx

    x

    1 859141

    ,

    18

    Regra dos Trapézios
    Regra dos Trapézios

    Estimativa do erro cometido:

    E

    TR

    ( )

    1

    3

    12

    e

    Portanto :

    ,

    (

    0 1

    , )

    1 E  máx TR x  [ 0 1 , ] 12 e  1
    1
    E
    máx
    TR
    x
     [
    0 1
    ,
    ]
    12
    e 
    1
    e
    x
    máx
    x  0 , 1
    [
    ]

    e

    • x 0 226523

    ,

    19

    Regra dos Trapézios 1 Exemplo: Seja x ,  I  e dx  0
    Regra dos Trapézios
    1
    Exemplo: Seja
    x
    ,
    I
    e dx
    0

    calcule uma aproximação para I usando 10 subintervalos e a Regra dos Trapézios Composta. Estime o erro cometido.

    x N h  f x dx  ( )  f x ( ) 
    x
    N
    h
    f x dx 
    (
    )
    f x
    (
    )
    2
    f x
    (
    )
    f x
    (
    )
    ...
    f x
    (
    )
    f x
    (
    )
    0
    1
    2
    N
     1
    N
    2
    x
    0

    [0,1] subdivididos em 10 subintervalos com h

    0,1

    I

    1

    0

    e dx

    x

    0 , 1

    2

    e

    0

    2

    e

    0 1

    ,

    2

    e

    0 2

    ,

    ...

    2

    e

    0 8

    ,

    2

    e

    0 9

    ,

    e

    I

    1

    0

    e dx

    x

    1 719713

    ,

    20

    Regra dos Trapézios
    Regra dos Trapézios

    Estimativa do erro cometido:

    E

    TR

    10

    (

    , )

    0 1

    3

    12

    e

    Portanto :

    ,

    (

    , )

    0 1

    0 01 , E  máx TR x  [ 0 1 , ] 12 e
    0 01
    ,
    E
    máx
    TR
    x
     [
    0 1
    ,
    ]
    12
    e 
    1
    e
    x
    máx
    x  0 , 1
    [
    ]

    e

    • x 0 00227

    ,