Você está na página 1de 35

Capítulo 6

Organização

Administração: teoria e prática no contexto brasileiro — © 2008 Pearson Prentice Hall

Fundamento da Organização
4 Funções Administrativas São vistas como esforços interligado no processo de racionalização possibilitando o alcance de objetivos do limites individuais

 PLANEJAMENTO
 ORGANIZAÇÃO  DIREÇÃO  CONTROLE
Administração: teoria e prática no contexto brasileiro — © 2008 Pearson Prentice Hall

2

Organização – Função da Administração
 Planejamento – Se define o que quer!  Organização – Estabelece o que fazer!

 Objetivo Final: Criar condições para objetivos estratégicos possam ser alcançados.

 Fayol: Organizar é constituir duplo organismo, material e social da empresa
Administração: teoria e prática no contexto brasileiro — © 2008 Pearson Prentice Hall

3

que determina quem tem autoridade sobre quem.Definição de Organização  Função da administração que distribui tarefas e recursos pelos membros da empresa. e quando e onde se devem tomar decisões. Administração: teoria e prática no contexto brasileiro — © 2008 Pearson Prentice Hall 4 .

 DIVIDIR: Pressupostos básicos da existência das Organizações. atividades e recursos organizacionais a fim de permitir melhor coordenação.  COORDENAR: Utilização de Mecanismos que buscam a colaboração entre os vários departamentos .  INTEGRAR: Agrupamento e associação das tarefas.Objetivos Globais.O Processo de Organização  Organização como um PROCESSO DE DECISÃO. Administração: teoria e prática no contexto brasileiro — © 2008 Pearson Prentice Hall 5 .

Organização  4 Administração: teoria e prática no contexto brasileiro — © 2008 Pearson Prentice Hall 6 .

Surpreendentemente. Administração: teoria e prática no contexto brasileiro — © 2008 Pearson Prentice Hall 7 . apesar de todas as mudanças que se verificaram nas sociedades contemporâneas.Elementos do Processo de Organização Os conceitos e princípios básicos do processo de organização foram formulados no inicio do século XX por autores como Fayol e Weber. muitos desses princípios ainda oferecem contribuições importantes para o entendimento do processo de organização.

Administração: teoria e prática no contexto brasileiro — © 2008 Pearson Prentice Hall 8 . elas devem ser divididas em atividades pequenas e simples. de modo a permitir que os trabalhadores se especializem em sua execução e. assim sejam mais produtivos. para que essas tarefas sejam realizadas de forma eficiente.Especialização do Trabalho As organizações realizam um conjunto amplo de tarefas. Um dos mais importantes princípios administrativos advoga que.

cuja missão é dirigir todas as atividades para que elas cumpram harmoniosamente as respectivas missões. Administração: teoria e prática no contexto brasileiro — © 2008 Pearson Prentice Hall 9 . A Pluralidade de funções imposta pela escialização do trabalho exige o desdobramento da função de comando.Cadeia de Comando Outra consequência do principio da divisão do trabalho é a diferenciação vertical dentro da organização.

quando o administrador tem poucos subordinados. sua amplitude de controle é grande. Administração: teoria e prática no contexto brasileiro — © 2008 Pearson Prentice Hall 10 .Amplitude de Controle O conceito de amplitude de controle decorre da distribuição de autoridade e responsabilidade e mede o numero de pessoas subordinadas a um administrador. Quando o administrador tem muitos subordinados. Ao contrario. sua amplitude de controle é pequena.

Assim. Administração: teoria e prática no contexto brasileiro — © 2008 Pearson Prentice Hall 11 .Poder e Estrutura Organizacional As estruturas organizacionais tem como propósito controlar as atividades da empresa e são compostas para que o indivíduos se conformem as exigências da organização. a base da estrutura organizacional reside no exercício do poder.

Administração: teoria e prática no contexto brasileiro — © 2008 Pearson Prentice Hall 12 .Tipos de Autoridade na Organização A autoridade é uma forma de poder e um conceito estreitamente relacionado com a estrutura organizacional. Desde Weber vimos que a autoridade se fundamenta em regras e normas estabelecidas por um regulamento reconhecido e aceito por todos os membros da organização.

é denominada autoridade de assessoria. grupos ou indivíduos que apóiam os gestores de linha.Tipos de Autoridade na Organização • Autoridade de Linha – È aquela tipica dos gestores diretamente responsáveis. Administração: teoria e prática no contexto brasileiro — © 2008 Pearson Prentice Hall 13 . • Autoridade de Assessoria – a autoridade dos departamentos. com aconselhamento e assistência em áreas especificas. por alcançar os objetivos da organização. em toda a cadeia de comando.

Administração: teoria e prática no contexto brasileiro — © 2008 Pearson Prentice Hall 14 . – Departamentalização por Cliente. – Departamentalização por Área Geográfica. – Departamentalização por Processo. – Departamentalização por Produto.Departamentalização: Tipos de Departamentalização: – Departamentalização Funcional.

.Ambiente Interno. .Centralização e Descentralização: Fatores que influenciam na decisão entre centralização e descentralização: . Administração: teoria e prática no contexto brasileiro — © 2008 Pearson Prentice Hall 15 .Tamanho.Ambiente Externo.

Centralização: Vantagens: . Administração: teoria e prática no contexto brasileiro — © 2008 Pearson Prentice Hall 16 . Maior demora nas decisões. Desvantagens: -Desmotivação dos subordinados. .Decisões mais consistentes.Maior uniformidade.

Perda na uniformidade. .Decisões mais adaptadas às condições locais.Canais de comunicação mais dispersos.Maior agilidade e flexibilidade. Administração: teoria e prática no contexto brasileiro — © 2008 Pearson Prentice Hall 17 . . Desvantagens: .Descentralização: Vantagens: .

Formalização: Fatores que afetam o grau de formalização: -Tecnologia. -Processo Decisório. -Tradição. Administração: teoria e prática no contexto brasileiro — © 2008 Pearson Prentice Hall 18 .

Administração: teoria e prática no contexto brasileiro — © 2008 Pearson Prentice Hall 19 .  Existem 3 tipos de estruturas: Funcional.  Normalmente começam com a FUNCIONAL. Caso existam demandas ambientais que pressionam ao longo de duas ou mais dimensões. reestruturam para DIVISIONAL. Quando se tornam mais complexas. divisional e matricial. adotam a estrutura MATRICIAL.Desenho Estrutural das Organizações  Conjunto de decisões sobre os elementos estruturais analisados anteriormente. com o propósito de definir uma estrutura adequada à estratégia organizacional e ao ambiente da organização.

 Administrador geral responsável pelo todo. operações entre outros.Estrutura Funcional  Agregação de tarefas de acordo com a função organização – marketing. abaixo dele. finanças. cada integrante do primeiro escalão hierárquico é especializado e responsável por uma função específica normalmente uma área funcional. e. Administração: teoria e prática no contexto brasileiro — © 2008 Pearson Prentice Hall 20 . recursos humanos. Atividades supervisionadas verticalmente.

facilita a coordenação e comunicação das áreas funcionais. facilita o controle e direção dos administradores do topo. visão limitada dos objetivos organizacionais.  Desvantagens: Difícil comunicação e coordenação entre funções.Estrutura Funcional  Vantagens: Aperfeiçoamento de funcionários. Administração: teoria e prática no contexto brasileiro — © 2008 Pearson Prentice Hall 21 .

 Produz melhores resultados quando a empresa enfatiza a satisfação dos clientes.Estrutura Divisional  Quando as empresas começam a diversificar seus produtos.  Produtos ou linhas de produtos ou.  Organizadas em relação aos resultados. por área geográfica.  Recursos localizados em cada divisão. então. Administração: teoria e prática no contexto brasileiro — © 2008 Pearson Prentice Hall 22 . mercados e suas tecnologias são criados departamentos(divisões).

Estrutura Divisional  Vantagens: Maior proximidade com o cliente. melhor distribuição de riscos para a organização. alto nível de desempenho. concorrência por recursos. Administração: teoria e prática no contexto brasileiro — © 2008 Pearson Prentice Hall 23 .  Desvantagens: interesses do setor se sobrepõem aos interesses organizacionais.

permitindo extrair o maximo da divisão do trabalho. quando a equipe de uma organização matricial agrupa funcionários das áreas funcionais da organização por um período determinado.  Agrega especialistas em cada área funcional. Administração: teoria e prática no contexto brasileiro — © 2008 Pearson Prentice Hall 24 .Estrutura Matricial  Modelo híbrido que procura conjugar as vantagens da estrutura funcional com o melhor da estrutura divisional.  Usada geralmente para lidar com projetos que precisam de equipes multidisciplinares temporárias.  Autoridade dual (dois chefes).

Administração: teoria e prática no contexto brasileiro — © 2008 Pearson Prentice Hall 25 . melhorar a eficiência. com isso.Estrutura Matricial Vantagens  Potencializa as vantagens decorrentes da estrutura funcional e da estrutura divisional.  Permite maior flexibilidade e adaptabilidade da organização ao ambiente mutável.  Promove o conflito construtivo entre os membros da organização.  pode reduzir a multiplicação e a dispersão de recursos e.  Facilita a cooperação interdisciplinar entre departamentos.

Estrutura Matricial Desvantagens  Dificulta a coordenação em razão da autoridade dual. relacionamento e maturidade Administração: teoria e prática no contexto brasileiro — © 2008 Pearson Prentice Hall 26 . que pode causar frustração e confusão.  Exige competências.  Muita dificuldade para apurar responsáveis por problemas.  Perda excessiva de tempo em reuniões para discutir problemas e solucionar conflitos. com potenciais focos de conflito e desequilibrios de poder entre os dois lados da matriz.  Trata-se de uma forma estrutural complexa.

 Organização por redes de recursos mais diversificada. o capitalismo impos novas demandas as organizaçoes.  Flexibilidade e capacidade de inovação. maiores quantidades com maior qualidade.  Administração: teoria e prática no contexto brasileiro — © 2008 Pearson Prentice Hall 27 . com fronteiras menos perceptiveis do que estruturas tradicionais e hierarquicas.Estruturas em rede Estruturas em rede  Em uma nova era.

Estruturas em rede Vantagens  Maior flexibilidade e adaptabilidade a ambiente complexo e volátil.  Administração: teoria e prática no contexto brasileiro — © 2008 Pearson Prentice Hall 28 .  Redução de gastos devido baixa necessidades de supervisão e niveis hierarquicos. motivador para se trabalhar.  Potencializa a rapidez de respostas  Estimula desenvolvimento de competitividade a escala global.  Ambiente desafiador.

Administração: teoria e prática no contexto brasileiro — © 2008 Pearson Prentice Hall 29 .  Inexistência de um controle ativo por causa da dispersão de unidades.Estruturas em rede Desvantagem  Dificuldade de apurar responsaveis por alguma situação ou problema.  Possibilidade de perda de uma parte importante da estrutura (falencia de um parceiro)  Dificuldade de desenvolvimento de uma cultura organizacional forte.

Comparação das diferentes formas estruturais  A estrutura organizacional é uma ferramenta que o administrador usa para mobilizar esforços individuais e coletivos de forma eficaz e eficiente. Administração: teoria e prática no contexto brasileiro — © 2008 Pearson Prentice Hall 30 . não significa que os objetivos e ações serão um sucesso.  Por mais perfeita que seja uma estrutura organizacional. estabelecendo o contexto para a ação.

Valoriza e incentiva o conhecimento e as competências de seus funcionários. trabalha com previsão e tem aversão a riscos. Seguem a filosofia da eficiência. Administração: teoria e prática no contexto brasileiro — © 2008 Pearson Prentice Hall 31 . é regulamenta e rígida.  O Orgânico: Tem como característica de organização ágeis e leves.  O mecanista: Tem como foco a hierarquia. capazes de responder de forma rápida e criativa aos desafios ambientais.Modelo de Organização  Existem dois tipos ideais de modelos de Organização. as relações são informais e impessoais.

Características estruturais Modelo mecanista:  Tarefas bem definidas e elevada especialização do trabalho.com muitos níveis hierárquicos.  Departamentalização funcional.  A comunicação funcional. fazendo uso de cadeia de comando.  Decisões centralizadas na cúpula da organização. Administração: teoria e prática no contexto brasileiro — © 2008 Pearson Prentice Hall 32 .  Hierarquia clara de controle e coordenação.  A comunicação é vertical e formal.  Prevalece a hierarquia nas relações internas.  Estruturas verticais.

com muitas regras e procedimentos. Administração: teoria e prática no contexto brasileiro — © 2008 Pearson Prentice Hall 33 . com redefinição contínua de tarefas baseadas no conhecimento.  Prioriza-se o desempenho de cada função.  Os membros devem lealdade à organização e obediência aos superiores. Modelo Orgânico:  Reduzida especialização do trabalho.Características estruturais  Elevada formalização.

Administração: teoria e prática no contexto brasileiro — © 2008 Pearson Prentice Hall 34 .Características estruturais  Sistema estratificado de acordo com o nível de conhecimento especializado – tecnocracia.  A comunicação é informal e ajustadas as necessidades.  Oa laços internos são fluidos e estão em permanente mudança.  Estruturas horizontais e achatadas  Equipes de trabalho multifuncionais.

A estrutura depende da tecnologia: A natureza da atividade e o uso do conhecimento influenciam a estrutura Produção por unidade: Produção de bens customizados ou lotes pequenos.Condicionantes da estrutura organizacional A estrutura segue a estratégia: A estrutura é apenas um meio para realizar os objetivos. A estrutura se adapta ao ambiente: O grau de dinamismo e a complexidade do ambiente exigem diferentes modelos estruturais. logo deve estar alinhada com a estratégia. Produção em massa: Produção de bens padronizados em grande quantidade. A estrutura se ajusta ao tamanho: À medida que a organização cresce ela precisa adequar sua estrutura Administração: teoria e prática no contexto brasileiro — © 2008 Pearson Prentice Hall 35 . Produção por processo: Produção em processo contínuo.