Você está na página 1de 33

Centro de Ciências Biológicas e da Saúde

Campus de Tucuruí
Curso de Graduação em Enfermagem
Disciplina: Enfermagem em CTI

Assistência de
Enfermagem em AVC
e Hipertensão na UTI

Carlos André Reis


O Cérebro
Fisiologicamente,
o cérebro é
envolvido por
camadas, que lhe
dão proteção
chamadas
meninges. A mais
extensa é a dura-
mater, a seguir
vem a aracnóide
e a pia-mater.
Carlos André Reis
Acidente Vascular Cerebral
O AVC é entendido como uma
dificuldade, de gravidade variada,
de fornecimento de sangue e seus
constituintes a uma determinada
área do cérebro, determinando o
sofrimento ou morte desta (neste
caso, chamado infarto) e,
conseqüentemente, perda ou
diminuição das respectivas
funções. Carlos André Reis
Acidente Vascular Cerebral
É mais freqüente em pessoas cujas
artérias estão comprometidas pela
idade ou pela pressão arterial
elevada. (SILVA & SILVA, 2004)

Carlos André Reis


Acidente Vascular Cerebral
Etiologia

 trombose, embolia cerebral, isquemia


cerebral, hemorragia cerebral.

Carlos André Reis


Acidente Vascular Cerebral
Tipos
 AVC hemorrágico: quando há ruptura
de um vaso sangüíneo no tecido
cerebral.

 AVC isquêmico: quando há redução


do fluxo sanguíneo para uma área do
tecido cerebral.

Carlos André Reis


Acidente Vascular Cerebral
Fatores de risco
 Hipertensão
 Coronariopatia
 ICC
 Hipertrofia do VE
 Colesterol elevado
 Obesidade
 Diabetes
 Fumo
 Abuso de álcool

Carlos André Reis


Acidente Vascular Cerebral
Manifestações clínicas
 Motoras: hemiparesia, hemiplegia, ataxia,
disartria, disfagia.
 Sensoriais: parestesia
 Visuais: hemianopsia homônima, diplopia
 Verbais: afasia
 Cognitivos: perda de memória, diminuição
da atenção, concentração, raciocínio
precário
 Emocionais: perda de autocontrole,
instabilidade, diminuição da tolerância,
depressão, medo e isolamento.
Carlos André Reis
Prováveis seqüelas associadas
com o AVC
AVC em hemisfério esquerdo
 Hemiplegia ou hemiparesia à direita
 Lentificação ou comportamento
inseguro
 Defeito no campo visual direito
 Disfagia global, de expressão ou de
recepção
 Alta frustração

Carlos André Reis


Prováveis seqüelas associadas
com o AVC
AVC em hemisfério direito
 Hemiplegia ou hemiparesia à
esquerda
 Déficit de percepção espacial
 Déficit de entendimento e bom senso
 Déficit de atenção
 Comportamento impulsivo
 Déficit em campo visual

Carlos André Reis


Exames realizados em um
paciente com AVC
Exames laboratoriais de sangue, urina,
líquido cefalorraquiano (líquor)
Avaliação cardíaca e pulmonar,
eletrocardiograma, ecocardiograma,
radiografia do tórax;
Exames de imagem do crânio (cérebro),
tomografia computadorizada,
ressonância nuclear magnética,
angiografia cerebral;
Outros exames: ultrassonografia das
artérias carótidas e vertebrais, etc
Carlos André Reis
Tratamento
clínico e
cirúrgico

Carlos André Reis


O paciente na UTI

Carlos André Reis


Tratamento na UTI
Diminuir o edema cerebral
Diminuir o volume do LCR
Restrição hídrica
Drenagem do LCR
Administração de diuréticos e
corticóide
Diminuição da demanda
metabólica
Carlos André Reis
Pontos a serem avaliados
Identificação da topografia da
lesão;
Identificação da natureza da lesão;
Identificação da tendência da
evolução do paciente. (CINTRA et al,
2008)

Carlos André Reis


Parte do tecido cerebral sofre
isquemia irreversível.
Foco do tratamento inicial: salvar a
área ao redor.

Carlos André Reis


Intubação orotraqueal
 Indicação: quando há perda ou
diminuição do nível de consciência e
do controle da musculatura
orofaríngea.

Carlos André Reis


Ventilação mecânica
 Hiperventilação: só indicada quando
houver aumento da pressão
intracraniana.

Carlos André Reis


Em caso de aneurismas
 Procedimento cirúrgico: clipagem de
artéria ou drenagem do hematoma.
 Após isso, repouso no leito e sedado
com midazolam; com laxativos,
antieméticos, antitussígenos,
anticonvulsivantes.

Carlos André Reis


Hipertensão
A HAS é comum durante e após os
AVC.
Alguns autores não aconselham
uma diminuição da pressão arterial
sistêmica rapidamente, pois os
hipertensos crônicos desenvolvem
uma auto regulação circulatória
cerebral ajustada para níveis
pressóricos altos; é recomendável
manter os níveis PAS entre
160/170 mmHg e PAD entre
Carlos André Reis
Assistência de
Enfermagem

Carlos André Reis


Assistência de enfermagem

Em caso de hipertensão intracraniana,


elevar a cabeceira da cama até no
máximo 30°.
Aplicação da escala de Glasgow;
Manutenção da integridade da boca e da
córnea

Carlos André Reis


Assistência de enfermagem

Carlos André Reis


Assistência de enfermagem

Monitorização
hemodinâmica;
 SPO2
 FC
 FR
 Pulso
 PA (monitor mais a
verificação normal)
 T
Carlos André Reis
Assistência de enfermagem

Movimentação passiva dos


membros;
Cuidados nas alterações de
temperatura;
Prevenção de infecções.

Carlos André Reis


Assistência de enfermagem

Sondagem vesical
 SVD
Sondagem nasogástrica
 Aberta (conectada a uma bolsa
coletora)
 Fechada

Carlos André Reis


Assistência de enfermagem

Controle do balanço hídrico


 Intervalo: 2/2 hs
 Infusões venosas
 Urina / secreções

Carlos André Reis


Assistência de enfermagem
Assistência ventilatória
 Mecânica
• Entubação orotraqueal
• Entubação endotraqueal
 Macronebulização

Carlos André Reis


Assistência de enfermagem

Melhorar perfusão tecidual


Manter vias aéreas desobstruídas
Obter eliminação urinária e
intestinal dentro dos padrões
normais
Reduzir riscos de infecções por
procedimentos invasivos.

Carlos André Reis


Assistência de enfermagem
Atentar para exames solicitados
Evolução
Visita diária de enfermagem
 Exame físico
• Respiração (desmame)
• Circulação
• Controle de infecção
• Necessidade de aspiração
• Eliminações fisiológicas
• Necessidades orais (alimentação)

Carlos André Reis


Conclusão
Por seu estado crítico e complexo, o
paciente com AVC necessita da atuação
de uma equipe interdisciplinar.
Além disso, ficou evidente mais uma
vez a grande missão da enfermagem:
prevenção. E nesse caso específico de
afecção neurológica (AVC) é suficiente
medidas como o controle de pressão
arterial e adoção de uma alimentação
adequada, o que favorece a redução de
riscos.
Carlos André Reis
Referências
CINTRA, Eliane de Araújo; NISHIDE, Vera
Médice; NUNES, Wilma Aparecida.
Assistência de enfermagem ao paciente
gravemente enfermo. 2. ed. São Paulo:
Atheneu, 2008.
SILVA, Carlos Roberto Lyra da; SILVA, Roberto
Carlos Lyra da. Dicionário Compacto de
Enfermagem. São Caetano do Sul: Difusão
Editora, 2004.

Carlos André Reis


Obrigado!

Carlos André Reis