Você está na página 1de 32
MsC. Niamey Granhen Brandão da Costa Psicóloga – CRP 00236/10 Centro de Ciências Biológicas e da

MsC. Niamey Granhen Brandão da Costa Psicóloga – CRP 00236/10

Centro de Ciências Biológicas e da Saúde/UNAMA Faculdade de Psicologia/UFPA

Definição de Bullying

BULLYING: palavra de origem inglesa

Bully:

Como substantivo significa valentão, tirano;

• Como verbo significa brutalizar, tiranizar, amedrontar.

Definição de Bullying BULLYING: palavra de origem inglesa Bully: • Como substantivo significa valentão, tirano; •

Definição

Definição dede Bullying

Bullying

“É

um

conjunto

de

atitudes

agressivas,

intencionais e repetitivas que ocorrem sem motivação evidente, adotado por um ou mais alunos contra outro(s), causando dor, angústia e sofrimento” (FANTE, 2005, p. 28 e 29).

Comportamentos que

Comportamentos

que

podem

podem ser

ser manifestação

manifestação

dede Bullying

Bullying

“Insultos, intimidações, apelidos cruéis,

gozações que magoam profundamente, acusações injustas, atuação de grupos que hostilizam, ridicularizam e infernizam a vida de outros alunos levando-os à exclusão, além de danos

físicos, morais e materiais

...

2005, p. 29).

(FANTE,

Portanto, não são brincadeiras da

Implicações

mp caç

es

Biopsicossociais

Biopsicossociais

Implicações mp caç es Biopsicossociais Biopsicossociais  Baixa auto-estima;  Reduzida capacidade de auto-expressão;  Depressão;
Implicações mp caç es Biopsicossociais Biopsicossociais  Baixa auto-estima;  Reduzida capacidade de auto-expressão;  Depressão;

Baixa auto-estima; Reduzida capacidade de auto-expressão; Depressão; Pensamentos de vingança; Dificuldades de aprendizagem; Queda no rendimento escolar;

 Dificuldade de socialização que pode se estender ao longo da vida;  Aumento do número
 Dificuldade de socialização que pode se estender ao longo da vida;  Aumento do número
 Dificuldade de socialização que pode se estender ao longo da vida;  Aumento do número

Dificuldade de socialização que pode se estender ao longo da vida;

Aumento do número de alunos envolvidos com uso de drogas;

Aumento do porte de armas dentro das escolas; Agressividade;

Supervalorização obtenção de poder;

da

violência

como

forma

de

Estimulação da

deliquência e indução de outras

formas de violência.

OO caso

caso abaixo

abaixo ilustra

ilustra uma

uma ocorrência

ocorrência dede

bullying:

bullying:

A aluna Clara, da 5ª série, foi vítima de alguns colegas por muito tempo, porque não gostava de brincar. Era ridicularizada constantemente, sendo chamado de “gorducha” nas aulas de educação física. Isso a ofendia sobremaneira, levando-a a abrigar pensamentos suicidas, mas antes queria encontrar uma arma e matar muitos dentro da escola(FANTE, 2005, p.33).

Portanto precisamos estar atentos para a ocorrência do fenômeno, suas causas, formas de prevenção e superação !

 

Algumas

   

estatísticas:

   

Segundo

o

Departamento de Justiça

dos

Estados

Unidos,

uma

em

cada quatro crianças sofre

bullying

por

outra

na

escola

no

período de um mês;

Estudos

indicam

que dois terços dos

atacantes

em

37

episódios

de

tiroteios

em

escolas

cometeram

seus

crimes

como

 

vingança

em

razão

das

constantes

perseguições que sofriam por parte de seus

colegas;

A

provocação e o bullying estão no topo da lista

dos

fatores que desencadeiam intenções de suicídio.

Caracterizando

Caracterizando osos

envolvidos

envolvidos

Vítima:

Típica:

sofre

as

conseqüências

dos

comportamentos

agressivos

dos

outros,

sem

defesa;

Provocadora: provoca e atrai reações agressivas contra as quais não consegue lidar com eficiência;

Agressora: pelos maus-tratos sofridos.

Caracterizando

Caracterizando osos

envolvidos

envolvidos

Agressor

Bullies: vitimiza os mais fracos; ele sente uma necessidade imperiosa de dominar e subjugar os outros, de se impor mediante o poder e a ameaça e de conseguir aquilo a que se propõe.

Espectador

É aquele que presencia o bullying,

porém não

o sofre

nem o pratica.

Adota a Lei do Silêncio.

Como Identificar?

Como

Identificar? Vítima

Vítima

Isolado;

Raramente possui amigos;

Desleixo escolares;

gradual

nas

tarefas

Regressa

da

escola

com

as

roupas rasgada ou sujas e com

o material escolar danificado;

 

Apresenta

machucados

de

forma não-natural;

Como Identificar? Vítima  Apresenta desculpas para faltar às aulas;  Perde constantemente os seus pertences;
Como Identificar? Vítima
 Apresenta
desculpas
para
faltar às aulas;
 Perde
constantemente
os
seus pertences;
 Pede para mudar de sala ou
de escola;
 Apresenta
contrariado,
aspecto
triste
deprimido, aflito, infeliz ou
tem medo de voltar sozinho
da escola;
 Pede dinheiro extra à família
ou furta

Como Identificar? Agressor

Faz brincadeira ou gozações, além de rir de modo desdenhoso e hostil;

Coloca apelidos; faz ameaças, dá ordens, domina e subjuga;

Pega

materiais

dos

outros

colegas,

sem

consentimento e sem justificar sua origem;

Desleixo gradual nas tarefas escolares;

Regressa da escola com as roupas amarrotadas e com ar de superioridade;

Apresenta atitude hostil, desafiante e agressiva;

Costuma resolver seus problemas, valendo-se da sua força física e/ou psicológica.

IMPORTANT E Os atos de Bullying:  São produzidos de forma repetitiva num período prolongado de

IMPORTANT

E

IMPORTANT E Os atos de Bullying:  São produzidos de forma repetitiva num período prolongado de

Os atos de Bullying:

São produzidos de forma repetitiva num período prolongado de tempo contra uma mesma vítima;

Apresentam uma relação de desequilíbrio

de poder

,

o

que

dificulta a

defesa da

vítima; Ocorrem sem motivações evidentes; São comportamentos deliberados e

Por

Por que

que praticam

praticam

Bullying

Bullying??

Reproduzem o modelo que aprenderam e/ou sofreram da família;

Foram vítimas de Bullying; Necessidade de intimidar;

ESTRATÉGIAS DE INTERVENÇÃO, PREVENÇÃO E SUPERAÇÃO

A intolerância, a ausência de parâmetros que orientem a convivência pacífica e a falta de habilidade para resolver os conflitos são algumas das principais dificuldades detectadas no ambiente escolar. Atualmente, a matéria mais difícil da escola não é a Matemática ou a Biologia; a convivência, para muitos alunos e de todas as séries, talvez seja a matéria mais difícil de ser aprendida.”

ESTRATÉGIAS DE INTERVENÇÃO, PREVENÇÃO E SUPERAÇÃO “ A intolerância, a ausência de parâmetros que orientem a

(FANTE, 2005, p.50)

Iniciativas antibullying, por onde começar?

Redução do comportamento agressivo: a responsabilidade também é nossa!

ESTRATÉGIAS DEDE INTERVENÇÃO

ESTRATÉGIAS

INTERVENÇÃO ,,

PREVENÇÃO EE SUPERAÇÃO

PREVENÇÃO

SUPERAÇÃO

Comunidade escolar e educacional

conscientização

consequências

bullying.

da

do

existência

e

comportamento

Capacitação dos profissionais da

educação identificação, distinção e

diagnóstico do fenômeno.

Aliança

Escola

&

Família

DE DE INTERVENÇÃO ESTRATÉGIAS , , E E SUPERAÇÃO PREVENÇÃO  Comunidade escolar e educacional

transmissão de valores humanos:

solidariedade e respeito.

Ensino de habilidades de diálogo, cooperação e tolerância.

Serviço de denúncia:

Uma outra medida que a escola pode adotar é o dique-denúncia, ou seja, dispor de um telefone por meio do qual a vítima possa denunciar o seu agressor. Dessa forma, alguém vinculado à escola pode reservar algumas horas por dia para atender o aluno e dar-lhe orientações, assim como para a família e os professores também. Caso não haja possibilidade de um dique-denúncia, a escola pode viabilizar um endereço de internet, um email ou mesmo uma caixa de sugestões à disposição de todos.

Servi ç o de den ú ncia:  Uma outra medida que a escola pode adotar

Estatuto contra o bullying:

Baseando-se em pactos ou princípios de convivência, sugere-se a elaboração de um estatuto contra o bullying ou contra a violência, centrado em direitos e deveres para toda a comunidade escolar, além das devidas sanções, levando em conta os direitos humanos de igualdade e respeito de todos. O estatuto deverá ser desenvolvido pelos próprios alunos e nunca imposto pela escola.

PROGRAMA EDUCAR

PROGRAMA

EDUCAR PARA

PARA AA PAZ

PAZ

Proposta psicopedagógica desenvolvida em São José do Rio Preto (SP) desde 2004 de autoria de Cleo Fante.

Objetivos:

conscientização do fenômeno e suas consequências, assim como suas possíveis causas e emoções despertadas;

desenvolvimento

da

capacidade

de

aprendizagem de valores humanos;

empatia, tolerância e

• comprometimento com o bem-estar comum na escola.

PROGRAMA EDUCAR

PROGRAMA

EDUCAR PARA

PARA AA PAZ

PAZ

Etapa A – Conhecimento da realidade escolar 1º passo: conscientização e compromisso; 2º passo: investigação da realidade escolar.

EDUCAR PROGRAMA PARA A A PAZ Etapa A – Conhecimento da realidade escolar 1º passo:

Etapa B – Modificação da realidade escolar 1º passo: adoção de estratégias de intervenção e prevenção; 2º passo: novo diagnóstico da realidade escolar.

PROGRAMA EDUCAR

PROGRAMA

EDUCAR PARA

PARA AA PAZ

PAZ

Esquema de etapas e passos para a

implantação e desenvolvimento:

Etapa A – Conhecimento da realidade escolar

1º passo: conscientização e comprometimento

• reflexões sobre as diversas formas de violência escolar; • escolha da comissão e do coordenador do programa; • escolha do tutor de cada turma.

EDUCAR PROGRAMA PARA A A PAZ Esquema de etapas e passos para a implantação e
EDUCAR PROGRAMA PARA A A PAZ Esquema de etapas e passos para a implantação e

PROGRAMA EDUCAR

PROGRAMA

EDUCAR PARA

PARA AA PAZ

PAZ

Etapa A – Conhecimento da realidade escolar

2º passo: investigação da realidade escolar

investigação

(observações,

anotações,

aplicação

de

instrumentos); • divulgação dos indicadores e confecção de material explicativo; • jornada sobre violência e apresentação do diagnostico escolar.

EDUCAR PROGRAMA PARA A A PAZ Etapa A – Conhecimento da realidade escolar 2º passo:

PROGRAMA EDUCAR

PROGRAMA

EDUCAR PARA

PARA AA PAZ

PAZ

Etapa

escolar

B

Modificações da realidade

1º passo: adoção de estratégias de intervenção e prevenção

•A- Estratégias gerais:

  • - medidas de supervisão e observação: os alunos solidários;

  • - serviço de denúncia;

  • - encontros semanais para avaliação.

•B- Estratégias individuais:

  • - redação: “Minha vida escolar” e “Minha vida familiar”;

  • - entrevista pessoal e em grupo com vítimas e agressores.

PROGRAMA EDUCAR

PROGRAMA

EDUCAR PARA

PARA AA PAZ

PAZ

C- Estratégias em sala de aula:

  • - estatuto contra o bullying;

  • - desenvolvimento das estratégias;

  • - projetos solidários;

  • - investigações semanais.

• D- Estratégias familiares:

  • - encontros com pais e tutores;

  • - orientações sobre convivência familiar;

  • - grupo de pais solidários.

PROGRAMA EDUCAR

PROGRAMA

EDUCAR PARA

PARA AA PAZ

PAZ

2º passo: novo diagnóstico da

realidade escolar

escolar;

investigação

da

nova

realidade

apresentação

do

diagnóstico

à

comunidade educativa; • revisão e manutenção do programa.

Bullying - Palavras Machucam”

Obrigada!

Obrigada!

Bullying.

Referências

Referências

Disponível

na

World

Wide

Web:

CALHAU, L. B. Criminalidade, infância e a Psicologia. Jornal Hoje em Dia, Belo Horizonte, Minas Gerais, 01.12.06, página 02. Também disponível no site www.novacriminologia.com.br (visitado em 15 de Maio de 2009)

FANTE, violência

C.

Fenômeno

Bullying:

nas escolas

e educar para

Verus, 2005. MIDDELTON-MOZ,

J.

e

ZAWADSKI,

como

prevenir a

a paz. Campinas:

M.

L. Bullying:

estratégias de sobrevivência para crianças e adultos;

tradução Roberto Cataldo Costa. Porto Alegre: Artmed.

2007

Portal

da Família.

Disponível na Word Wide Web:

Filmes

Filmes Interessantes

Interessantes

Filmes Filmes Interessantes Interessantes “Lucas: um intruso no formigueiro” “A voz do coração” “Duas horas e

“Lucas: um intruso no formigueiro”

Filmes Filmes Interessantes Interessantes “Lucas: um intruso no formigueiro” “A voz do coração” “Duas horas e

“A voz do coração”

Filmes Filmes Interessantes Interessantes “Lucas: um intruso no formigueiro” “A voz do coração” “Duas horas e
Filmes Filmes Interessantes Interessantes “Lucas: um intruso no formigueiro” “A voz do coração” “Duas horas e

“Duas horas e trinta e sete minutos”.

Sites interessantes

Sites

interessantes

Sites interessantes Sites interessantes  <a href=www.bullying.com.br  www.pucrs.br/mj/bullying.php " id="pdf-obj-30-14" src="pdf-obj-30-14.jpg">

Obrigada!

Obrigada!