Você está na página 1de 62

Tecnologias Informáticas

10º Ano

Módulo 2 – 1ª Parte

Bárbara Soares Tecnologias Informáticas - Módulo 2 1


Márcia Gomes
Motherboard

É uma placa electrónica onde estão ligados todos os


dispositivos que fazem parte do hardware

Bárbara Soares
Tecnologias Informáticas - Módulo 2 2
Márcia Gomes
Tipos de Motherboard

AT – Advanced Tecnology
(12 Contactos)
ATX – Advanced Tecnology Extend
(20 Contactos)
ATX 12 volts
(20+4+6) Contactos

Bárbara Soares
Tecnologias Informáticas - Módulo 2 3
Márcia Gomes
Esquema

Bárbara Soares
Tecnologias Informáticas - Módulo 2 4
Márcia Gomes
Motherboard

O Item A mostra o local onde o processador deve ser


colocado. Também conhecido como socket, esse encaixe não
serve para qualquer processador, mas sim para um modelo
(ou para modelos) específico.

Esquema
Bárbara Soares
Tecnologias Informáticas - Módulo 2 5
Márcia Gomes
Motherboard

Item B – Bancos de memória


RAM

Item C – Slots de expansão -


onde ligamos placas adicionais
como placas vídeo, som, modem,
rede etc.

Quanto mais slots de


expansão o computador tiver
mais recursos poderão ser
acrescentados.
Esquema
Bárbara Soares
Tecnologias Informáticas - Módulo 2 6
Márcia Gomes
Slots de Expansão

ISA – Industry Standard Arquitecture

PCI – Peripheral Component Interconect

AGP – Acelerated Graphics Port

AMR – Audio Modem Riser

CNR – Conection Network Riser

PCIE – Peripheral Component Interconect Express

Esquema
Bárbara Soares
Tecnologias Informáticas - Módulo 2 7
Márcia Gomes
Motherboard

Item D – Conector da fonte de alimentação - local onde


deve-se encaixar o cabo da fonte que leva energia eléctrica à
placa-mãe.

Fonte AT e ATX

Item E – Controladoras

IDE (Integrated Device Electronics)

FDC (Floppy Disk Controler)

EIDE (Enhanced Integrated Device Electronics)

Esquema
Bárbara Soares
Tecnologias Informáticas - Módulo 2 8
Márcia Gomes
Motherbord

Item F – Bios e pilha

Bios (Basic Input Output System) Onde

configuramos todo o hardware, activar,

desactivar componentes. Avisa-nos de

avarias.

Pilha de Litium - Fornece energia à Bios

para não perder as configurações do

Hardware

Esquema
Bárbara Soares
Tecnologias Informáticas - Módulo 2 9
Márcia Gomes
Motherboard

Item G – Portas

Porta DIM

Porta PS/2

Porta série

Porta paralelas

Porta USB

Porta FireWire

Esquema
Bárbara Soares
Tecnologias Informáticas - Módulo 2 10
Márcia Gomes
Motherboard

Item H – Furos de encaixe

Item I – Chipset – Controla o funcionamento da motherboard

Nort Bridge I2  Controla a parte da motherboard onde se

encontra o CPU, memórias e placa Gráfica.

South Bridge I1  Controla a parte sul da motherboard

onde se encontram as slots de expansão, BIOS, IDE, etc.

Esquema
Bárbara Soares
Tecnologias Informáticas - Módulo 2 11
Márcia Gomes
LED´S (Luzinhas)

Onde ligamos as luzes e os botões da caixa

HD-LED – Luz do pisco

PW – LED – Luz do Power

BT-RST – Botão Reiniciar

BT-PW – Botão de ligar (on/off)

SPK – Coluna

Esquema
Bárbara Soares
Tecnologias Informáticas - Módulo 2 12
Márcia Gomes
Unidade de Processamento

É considerado o cérebro do computador, a função deste é


descodificar e processar instruções que lhe são pedidas, tem também
a função de comandar tudo dentro do PC.

Velocidade de Relógio (Hz) – Velocidade de processamento.

Registos internos – Número de bits que o processador trabalha de


cada vez.

Barramento de Dados – Número de bits que são transportados de e


para o exterior de cada vez.

Bárbara Soares
Tecnologias Informáticas - Módulo 2 13
Márcia Gomes
Esquema de Von Neumam

CPU

Unidade de
controlo

Unidade Aritmética
e Lógica

Dispositivos Dispositivos
de Leitura Memória de Escrita

Bárbara Soares
Tecnologias Informáticas - Módulo 2 14
Márcia Gomes
CPU (Esquema de Von Neumam)

ALU (Unidade lógica e aritmética)

Neste unidade são efectuados os cálculos; operações aritméticas


(Somas, subtracções, etc.) e lógicas (operações de comparação).

UC (Unidade de controlo)
Controla, directa ou indirectamente, toda a maquina.

Bárbara Soares
Tecnologias Informáticas - Módulo 2 15
Márcia Gomes
CPU (Estrutura Básica)

Unidade de ligação com o BUS


Cache
Unidade de Pré-escolha

FDC
Unidade de paginação Unidade de segmentação

UC

Unidade de descodificação

Registos ALU
Bárbara Soares
Tecnologias Informáticas - Módulo 2 16
Márcia Gomes
CPU (Estrutura Básica)

Unidade de memória Cache

Memória rápida que armazena os dados mais requisitados pelo

processador.
Unidade de Pré-escolha

Requisita a memória cache uma lista de instruções a executar,

pronta a passá-las à unidade de descodificação.


Unidade de Descodificação

Tem como função a descodificação das instruções e informações.

Bárbara Soares
Tecnologias Informáticas - Módulo 2 17
Márcia Gomes
CPU (Estrutura básica)

Unidade de Virgula Flutuante

Auxilia o processador na realização de operações matemáticas mais


complexas
Unidade de Segmentação e Unidade de paginação

Conversão dos endereços lógicos, contidos nos programas, em


endereços físicos
Unidade de ligação com o bus
Comunicar com o exterior através dos barramentos
Unidade de registos

Memórias internas onde estão armazenados temporariamente,


dados e resultados.

Bárbara Soares
Tecnologias Informáticas - Módulo 2 18
Márcia Gomes
Cooler

Conjunto de um dissipador (Metal) + Ventoinha

É um elemento metálico (bom condutor de calor) que está


associado ao processador e que, em contacto com o ar, liberta o
calor excessivo. Para aumentar o poder de dissipação deste
elemento, utilizam-se ventoinhas

Bárbara Soares
Tecnologias Informáticas - Módulo 2 19
Márcia Gomes
Barramento ou Bus

Sistema de canais ou fios condutores por onde circulam os


dados entre CPU, memória RAM, etc.

Existem três tipos de barramentos:

– Barramento de Dados (onde circulam os dados que o CPU

vai buscar à memória RAM ou a dispositivos de I/O)

– Barramento de endereços (O acesso aos dados que o CPU

necessita é feito pelo envio de endereços)

– Barramento de controlo (Sinais eléctricos que controlam os

dispositivos)
Bárbara Soares
Tecnologias Informáticas - Módulo 2 20
Márcia Gomes
Portas

As portas são tomadas na face posterior da caixa do computador,


à qual se ligam dispositivos de entrada e saída e que estão
directamente ligadas à motherboard.

Tipos

Porta DIM

Porta PS/2

Porta série

Porta paralelas

Porta USB

Porta FireWire
Bárbara Soares
Tecnologias Informáticas - Módulo 2 21
Márcia Gomes
Porta DIM

Porta de 5 pinos, e a ela eram ligados

os teclados de computadores da

geração Intel 80486, por exemplo.

Como se tratava apenas de ligação

para teclados existia só uma porta

destas na motherboard. Nos

equipamentos mais recentes, os

teclados são ligados às portas PS/2

Bárbara Soares
Tecnologias Informáticas - Módulo 2 22
Márcia Gomes
Porta PS/2

Também designadas por mini-DIM de

6 pinos.

Os teclados e os ratos actuais, são na

maior parte ligados através destes

conectores.

Nas motherboards actuais existem

duas portas deste tipo.

Bárbara Soares
Tecnologias Informáticas - Módulo 2 23
Márcia Gomes
Porta Série

Uma porta série baseia-se na norma RS-232.

Esta norma define múltiplas características eléctricas, sendo a

mais importante o facto de definir a transmissão em série,

que significa que existe apenas em canal por onde os sinais

são transmitidos um a seguir ao outro.

Estas portas são também designadas por COM1 e COM2. As

motherboards possuem uma ou duas portas deste tipo.

Bárbara Soares
Tecnologias Informáticas - Módulo 2 24
Márcia Gomes
Porta Paralela

Uma porta paralela obedece à norma


Centronics.

Ao contrário da porta série, em portas


paralelas o sinal eléctrico é enviado
em simultâneo e, como tal, tem um
desempenho superior.

Esta porta é vulgarmente utilizada


para ligar impressoras e scanners.
Tem 25 pinos em duas filas.

Bárbara Soares
Tecnologias Informáticas - Módulo 2 25
Márcia Gomes
Porta USB

• Esta porta está ligada ao barramento USB

da motherboard e utiliza as potencialidades

do mesmo.

• Permite conectar periféricos fora da caixa do

computador, sem a necessidade de instalar

placas e reconfigurar o sistema.

• Os dispositivos USB podem ser ligados ou

desligados com o computador em

funcionamento.

Bárbara Soares
Tecnologias Informáticas - Módulo 2 26
Márcia Gomes
Porta FireWire

• A porta FireWire assenta no barramento com o mesmo


nome, representa um padrão de comunicações
recente e que tem várias características em comum
com o USB, mas traz a vantagem de ser muito mais
rápido.

• O cabo utilizado é composto por apenas três pares de


fios, dois pares para a transferência de dados e o
último para alimentação eléctrica.

• Os dispositivos FireWire podem ser conectados e


desconectados com o computador ligado.

Bárbara Soares
Tecnologias Informáticas - Módulo 2 27
Márcia Gomes
Portas

Bárbara Soares
Tecnologias Informáticas - Módulo 2 28
Márcia Gomes
Memória Central ou primária

A memória central é constituída por três tipos de

memorias distintas que são:

– Memória RAM

– Memória ROM

– Memória CACHE

Bárbara Soares
Tecnologias Informáticas - Módulo 2 29
Márcia Gomes
Memória RAM

• A sigla RAM deriva da expressão Random Access Memory, que

significa memória de acesso aleatório.

• É uma memória de leitura e escrita onde o acesso à informação é

feito aleatoriamente. É volátil, pois perde toda a informação

quando o computador é desligado.

Bárbara Soares
Tecnologias Informáticas - Módulo 2 30
Márcia Gomes
Tipos de Módulos

• Módulo DIP (Dual In-Line Package)

• Módulo SIMM de 30 contactos (Single In- Line Memory Module)

• Módulo SIMM 72 contactos

• Módulo DIMM de 168 contactos (Double In-Line Memory

Module)

• Módulo DIMM de 184 contactos

• Módulo SODIMM

Bárbara Soares
Tecnologias Informáticas - Módulo 2 31
Márcia Gomes
Tipos de Módulos

Módulo DIP
Nos PC mais antigos eram soldados directamente na Motherboard

Desvantagens, dificultava os upgrades (acrescento de memória)

Bárbara Soares
Tecnologias Informáticas - Módulo 2 32
Márcia Gomes
Tipos de Módulos

Módulo SIMM de 30 contactos

Placas de circuito impresso com chips DIP

( encaixados em sockets disponíveis na motherboard)

Módulo SIMM de 72 contactos

Bárbara Soares
Tecnologias Informáticas - Módulo 2 33
Márcia Gomes
Tipos de Módulo

DIMM de 168 contactos

A diferença entre os anteriores utiliza ambos os lados do módulo o

que justifica o seu nome (Double In-Line Memory Module)

DIMM de 184 contactos

Bárbara Soares
Tecnologias Informáticas - Módulo 2 34
Márcia Gomes
Tipos de Módulo

SODIMM de 72 a 144 contactos

Estes Módulos são utilizados em PC portáteis

Bárbara Soares
Tecnologias Informáticas - Módulo 2 35
Márcia Gomes
Tipos de Memórias

• SDRAM (Syncronous DRAM)

• RDRAM (Rambus DRAM)

• DDR (Double Date Rate)

• VRAM (Memória de vídeo, localizada em placas gráficas )

Bárbara Soares
Tecnologias Informáticas - Módulo 2 36
Márcia Gomes
SDRAM – Synchronous DRAM

Velocidade 100Mhz / 133Mhz

Tempos de acesso 5 a 15 ns

168 contactos de encaixe

Processam 64 bits de informação

DIMM

Surgiu a partir dos Pentium II até Pentium 4

Bárbara Soares
Tecnologias Informáticas - Módulo 2 37
Márcia Gomes
Rambus-RDRAM

Velocidade 400 MHz a 1,6 GHz

Tempos de acesso 3 a 10 ns

Processam 16 bits e 32 bits

168 ou 184 contactos –Nas RAM de 16 bits

242 contactos – Nas RAM de 32 bits

Pentium 4

Bárbara Soares
Tecnologias Informáticas - Módulo 2 38
Márcia Gomes
DDR Double Data Rate

Velocidade 200 MHZ (pc1600): 266 MHZ (pc2100): 333

MHZ (pc2700): 400 MHZ (pc3200): 533 MHZ (pc4800).

Tempos de acesso 2 a 8 ns.

184 contactos de encaixe.

Processam 64 bits

Bárbara Soares
Tecnologias Informáticas - Módulo 2 39
Márcia Gomes
Memória ROM (Read-Only Memory)

• A memória ROM é apenas de leitura.

• A memória ROM tem como função o armazenamento de

instruções básicas sobre o hardware do computador, tais como

rotinas de arranque, rotinas de dispositivos de hardware e todas

as instruções necessárias para que o processador reconheça e

interaja com os dispositivos de entrada e saida (Input/OutPut)

Bárbara Soares
Tecnologias Informáticas - Módulo 2 40
Márcia Gomes
Memória ROM

MaskRom

 É uma memória permanente, programada em fábrica e é

inacessível para inserir uma nova programação.

 Não é palpável, encontra-se dentro do CPU e também dentro de

qualquer Chipset.

 Fornece informações sobre o componente em que está inserida.

 É o B.I. de cada periférico interno e externo do PC.

Bárbara Soares
Tecnologias Informáticas - Módulo 2 41
Márcia Gomes
PROM

EPROM

São programas com impulsos eléctricos e desprogramas

com raios ultravioletas (Bios mais antiga)

Electronic EPROM ou FlashRom

São programas e desprogramadas com impulsos

eléctricos (Bios mais actual)

Bárbara Soares
Tecnologias Informáticas - Módulo 2 42
Márcia Gomes
Memória Cache

• A memória Cache é utilizada para o armazenamento dos


dados mais requisitados pelo processador, evitando assim,
ler ou escrever directamente na memória RAM, permitindo
uma melhor performance do sistema.
• Memória que auxilia o CPU tornando-o mais rápido

Bárbara Soares
Tecnologias Informáticas - Módulo 2 43
Márcia Gomes
Fontes de Alimentação

As fontes de alimentação são as responsáveis por distribuir

energia eléctrica a todos os componentes do computador. Por isso,

uma fonte de qualidade é essencial para manter o bom funcionamento

do equipamento, desde o padrão AT até ao padrão ATX 12Volts,

convertendo corrente alterna em corrente contínua.

Bárbara Soares
Tecnologias Informáticas - Módulo 2 44
Márcia Gomes
Fontes de Alimentação

No padrão AT e no ATX cada pino do conector recebe um valor de


tensão vindo de um fio da fonte e cada fio da fonte tem uma cor
conforme a tensão eléctrica.

Os dispositivos que compõem o computador requerem níveis


diferentes de tensão para seu funcionamento. Por isso, as fontes
de alimentação fornecem, essencialmente, quatro tipos de tensão
(em Volts - V):

Bárbara Soares
Tecnologias Informáticas - Módulo 2 45
Márcia Gomes
Fontes de Alimentação

• (5V)  Utilizada na alimentação de chips, como processadores,


chipsets e módulos de memória.

• (-5V)  Aplicada em dispositivos periféricos, como mouse e


teclado.

• (12V)  Usada em dispositivos que contenham motores, como


HDs (cujo motor é responsável por girar os discos) e drives de CD
ou DVD.

• (-12V)  Utilizada na alimentação de barramentos de


comunicação, como o antigo ISA (Industry Standard
Architecture).

Bárbara Soares
Tecnologias Informáticas - Módulo 2 46
Márcia Gomes
Fontes (Diferenças)

Fonte AT Fonte ATX


2 fichas de 6 contactos 1 ficha

Liga/Desliga através de um botão Liga/Desliga através de um botão


ON/OFF directamente ligado a ela ON/OFF ligado a motherboard

A fonte AT deixa de passar corrente A motherboard controlo funcionamento

para a Board após desligarmos o PC. da fonte

O computador pode ser desligado pelo


sistema operativo

Se pretendemos desligar o sistema


através do botão ON/OFF é necessário
premi-lo mais de 4 segundos

Bárbara Soares
Tecnologias Informáticas - Módulo 2 47
Márcia Gomes
Fonte de Alimentação ATX

Bárbara Soares
Tecnologias Informáticas - Módulo 2 48
Márcia Gomes
Controladoras

Controladoras de Hardware

– IDE (Integrated Device Electronics)

– EIDE ( Enhanced Integrated Device Electronics)

Controladoras de Software

Driver`s – Software que controla o hardware

Bárbara Soares
Tecnologias Informáticas - Módulo 2 49
Márcia Gomes
ISA

Abreviatura de Industry Standard


Architecture, ISA é um barramento para
computadores, padronizado em 1981, inicialmente
utilizando 8 bits para a comunicação, e
posteriormente adaptado para 16 bits.

ISA de 8 bits
Utilizado para a comunicação com os periféricos nos antigos
computadores XT (processadores 8088), opera a uma frequência de 8
MHz e utiliza 8 bits para comunicação, o que permite a passagem de
dados à velocidade teórica de 8 MB/s. Foi o primeiro barramento de
expansão.
Bárbara Soares
Tecnologias Informáticas - Módulo 2 50
Márcia Gomes
ISA
ISA de 16 bits
Expansão do ISA de 8 bits, para a utilização em processadores a
partir do 286. A comunicação com os periféricos utiliza palavras de 16
bits e frequência de 8 MHz, permitindo a transmissão de dados à taxa
de 16 MB/s. É um barramento do tipo partilhado, compatível com
placas ISA 8 bits.

ISA Plug and Play


Rapidamente se percebeu que o PnP era uma excelente novidade,
pois o utilizador não tem que configurar jumpers correndo o risco de
queimar a placa. Tal facilidade foi implantada para o barramento ISA.
Os slots ISA não PnP são conhecidos como Legacy ISA.
Bárbara Soares
Tecnologias Informáticas - Módulo 2 51
Márcia Gomes
PCI

Peripheral Component Interconnect


(Interconector de Componentes Periféricos) é um
elemento para conectar periféricos em
computadores baseados na arquitectura IBM PC.

Foi criado pela Intel em Junho de 1992 quando esta desenvolveu o

processador Pentium.

Tem capacidade de trabalhar a 32 ou 64 bits, oferecendo altas taxas

de transferência de dados. Uma slot PCI de 32 bits pode transferir até

132 MB/s.

Bárbara Soares
Tecnologias Informáticas - Módulo 2 52
Márcia Gomes
PCI

Suporta os recursos Plug and Play (PnP), permitindo que a placa


instalada seja automaticamente reconhecida pelo computador.

Os slots PCIs são usados por vários tipos de periféricos, como placas
de vídeo, placas de som, placas de rede, modem, adaptadores USB,
etc..

Bárbara Soares
Tecnologias Informáticas - Módulo 2 53
Márcia Gomes
AGP

A Accelerated Graphics Port (Porta Gráfica Aceleradora) é um


barramento padrão de computador (computer bus) AGP
de alta
velocidade para conectar um periférico a uma motherboard.
É geralmente utilizada para placas de aceleração gráfica.

AGP aloca dinamicamente a memória RAM do sistema para


armazenar a imagem da tela e para suportar o mapeamento de
textura, z-buffering e alpha blending.

AGP foi criada pela Intel que montou originalmente o AGP num
chipset para o Pentium II em 1997.

Bárbara Soares
Tecnologias Informáticas - Módulo 2 54
Márcia Gomes
AGP

A primeira versão do AGP, agora chamada AGP 1x, usa um


barramento de 32 bits operando a 66 MHz. Isto resulta numa AGP
máxima transferência de dados para uma slot AGP 1x de 266 MB/s.
Em comparação, um barramento PCI de 32 bits a 33MHz padrão (o
qual pode ser composto de um ou mais slots) consegue no máximo
133 MB/s.

A partir de 2003, novas versões do AGP incrementam a taxa de


transferência dramaticamente de dois a oito vezes. Versões
disponíveis incluem AGP 2x, AGP 4x, e AGP 8x.

Bárbara Soares
Tecnologias Informáticas - Módulo 2 55
Márcia Gomes
AGP

AGP
Existem ainda placas AGP Pro de vários tipos. Elas requerem
usualmente maior voltagem e algumas ocupam o espaço de duas
placas (ainda que elas se conectam a apenas um slot AGP).

Bárbara Soares
Tecnologias Informáticas - Módulo 2 56
Márcia Gomes
AMR

AMR, ou Audio/Modem Riser, é uma slot de expansão para


motherboards para processadores Pentium III, Pentium IV e AMD. AMR
Foi criada pela Intel com o intuito de disponibilizar funcionalidades
analógicas para placas de som e modems.

Fisicamente, tem duas filas de 23 pins, prefazendo um total de 46


pins. Normalmente, apresentam-se na cor castanha.

Bárbara Soares
Tecnologias Informáticas - Módulo 2 57
Márcia Gomes
AMR

Tecnologicamente, as slots AMR foram ultrapassadas pelas slots


ACR e CRM. No entanto, todas estas tecnologias acabaram por seAMR
tornar obsoletas em detrimento de componentes on-board.

Como desvantagens, o AMR elimina o lugar de uma slot PCI, não


suporta plug and play e não permite hardware de acelaração.

Bárbara Soares
Tecnologias Informáticas - Módulo 2 58
Márcia Gomes
CNR

Communications and Networking Riser, ou CNR, é uma slot


encontrada em várias motherboards para CNR
equipamentos de
comunicações.
As slots CNR eram normalmente encontradas em motherboards
para Pentium IV mas tornaram-se obsoletas em detrimento de
componentes onboard.
Fisicamente, a slot CNR tem duas filas de 30 pins, prefazendo 60
pins no total. Normalmente, apresentam-se na cor castanha.

Bárbara Soares
Tecnologias Informáticas - Módulo 2 59
Márcia Gomes
CNR

Existem duas configurações possíveis, Type A e Type B. Ambas têm


CNR
60 pins, mas com funções diferentes. CNR Type A usam interface de
rede de 8 pins, enquanto que as Type B usam o interface de 16 pins
MII bus LAN.

A Intel criou a tecnologia CNR para substituir a sua própria AMR.


Uma das vantagens é a possibilidade de utilizar a mesma slot tanto
para placas CNR como para placas PCI.

Bárbara Soares
Tecnologias Informáticas - Módulo 2 60
Márcia Gomes
PCIE

PCI Express é o padrão de slots sucessor do AGP e do PCI.


PCIE
A sua velocidade vai de x1 até x32, sendo que mesmo a versão x1
consegue ser duas vezes mais rápido que o PCI tradicional. No caso das
placas de vídeo uma slot PCI Express de x16 é duas vezes mais rápida
que uma AGP 8x.
A tecnologia PCI Express conta com um recurso que permite o uso de
uma ou mais conexões seriais, isto é, "caminhos" (também chamados de
lanes) para transferência de dados. Se um determinado dispositivo usa
um caminho, então diz-se que este utiliza o barramento PCI Express 1X,
se utiliza 4 conexões, a sua denominação é PCI Express 4X e assim por
diante. Cada lane pode ser bidirecional, ou seja, recebe e envia dados.

Bárbara Soares
Tecnologias Informáticas - Módulo 2 61
Márcia Gomes
PCIE

O PCI Express utiliza, nas suas conexões, linhas LVDS (Low Voltage
Differential Signalling). PCIE
Cada conexão usada no PCI Express trabalha com 8 bits por vez,
sendo 4 em cada direcção. A frequência usada é de 2,5 GHz, mas esse
valor pode variar. Assim sendo, o PCI Express 1X consegue trabalhar
com taxas de 250 MB por segundo, um valor bem maior que os 132
MB do padrão PCI.

Bárbara Soares
Tecnologias Informáticas - Módulo 2 62
Márcia Gomes