Você está na página 1de 11

CAMPUS DA SAUDE E DO DESPORTO

Dorothea Orem Enfermeira

Prof. Luis Pedro

Publica sobre a prtica e o ensino da enfermagem desde os anos 50; Orem explica o auto-cuidado como uma necessidade humana e a enfermagem como um servio humano; Deu nfase preocupao especial da enfermagem que a necessidade do ser humano tem de ter aces de auto-cuidado continuamente para manter a vida e a sade ou para recuperar de doena ou de leses.

Definio.
Desempenho ou a prtica de actividades que os indivduos realizam em seu beneficio para manter a vida, a sade e o bemestar.
O auto cuidado usado como sinnimo de cuidado de si prprio.

Objectivo : Assistir os doentes nas suas necessidades de auto-cuidado e permitir o retorno ao auto-cuidado

Formalizou a teoria do deficit do auto cuidado da enfermagem comum a teoria geral composta pelas trs sub-teorias relacionadas que se seguem:

1.

Teoria do auto cuidado;

(Representa o conceito de auto cuidado e como ele se relaciona com o individuo)


1.

Teoria do deficit no auto cuidado;


Teoria dos sistemas de enfermagem.

(observa-se quando existe necessidade da enfermagem)


1.

(identifica-se como os profissionais podem oferecer ajuda nas necessidades de auto cuidado)

sua obra identifica trs tipos relacionados com o auto-cuidado :

de

sistemas

1)

Totalmente compensatrio (fazer pelo doente); Parcialmente compensatrio ( ajudar o doente a fazer por si prprio); De apoio - educao (ajudar o doente a prender a fazer por si).

2)

3)

Sugere

que os profissionais de sade partilhem algumas funes com outros prestadores de cuidados de sade.

O OBJECTIVO DO TCNICO DE REABILITAO:

compreender o potencial individual melhorando o auto cuidado atravs

da execuo das AVS e AIVD.

So as que realizamos todos os dias, para fazer face s necessidades mais elementares do nosso quotidiano e participarmos na sociedade em que estamos inseridos.

Banho;

Higiene pessoal;
Mobilidade e transferncias; Vestir, despir e calar;

Controlo vesical e intestinal;


Alimentao.

Ensinar

da mesma maneira, seguir os mesmos passos e usar:


os mesmos termos; gestos adicionais; a mesma sequncia; frases curtas; repetir vrias vezes.

Incluir

o doente e os familiares na adopo dos procedimentos e tomada de decises.

As Actividades Instrumentais de Vida Dirias (AIVD) exploram um nvel mais complexo de funcionalidade. Estas descrevem as actividades necessrias para a adaptao ao ambiente, dando nfase s actividades

comunitrias, sendo mais influenciadas cognitivamente.

Capacidade para usar telefone; Capacidade para fazer compras, Preparar refeies; Cuidar da casa; Responsabilidade pela prpria medicao; Habilidade para lidar com o dinheiro; Gesto de assuntos econmicos;

Você também pode gostar