Criminalidade da Internet

Vulnerabilidade dos sistemas de informática a) Facilidade do acesso b) Falta de sistema seguro 1. Custo 2. Rapidez na divulgação da tecnologia 3. Conduta da vítima 2. Incremento da criminalidade a) Cifra negra b) Caráter transnacional (aplicabilidade da lei penal) c) Imaterialidade do procedimento d) Escassez de denúncia
1. e)

Dificuldade de identificação

Criminalidade da Internet
3. Delito de informática a) Princípio da legalidade b) Bem jurídico: informação informatizada.

Crimes na Internet
1. Conceito. 2. Características:

a) Transnacionalidade
b) Universalidade c) Ubiquidade

Crimes na Internet
3. Crime de Divulgação de pornografia infantil pela internet.
a) Mandado de criminalização – Art. 227 § 4º

CF. b) Lei 11829/08 – modificou ECA.

 Art. vídeo ou outro registro que contenha cena de sexo explícito ou pornográfica envolvendo criança ou adolescente:  Pena – reclusão. . 241-A. transmitir. disponibilizar. fotografia. publicar ou divulgar por qualquer meio. inclusive por meio de sistema de informática ou telemática. distribuir. e multa. de 3 (três) a 6 (seis) anos. trocar. Oferecer.Crimes na Internet  Divulgação de pornografia infantil.

a) Sujeito ativo Proprietário ou usuário 3. Sujeito passivo Art. Tipo Objetivo Forma vinculada Mera conduta . 1. 4.Crimes na Internet Objetividade jurídica Dignidade sexual da criança ou adolescente. 1. 2º ECA.

Consumação e Tentativa 7. .Crimes na Internet 5. Tipo subjetivo Forma: dolo 6.Do Tipo: “cena de sexo explícito ou pornográfico” – art. 241.E.

oficialmente notificado. cenas ou imagens de que trata o caput deste artigo. deixa de desabilitar o acesso ao conteúdo ilícito de que trata o caput deste artigo. .Crimes na Internet  § 1o Nas mesmas penas incorre quem:  I – assegura os meios ou serviços para o armazenamento das fotografias. cenas ou imagens de que trata o caput deste artigo. o acesso por rede de computadores às fotografias.  § 2o As condutas tipificadas nos incisos I e II do § 1o deste artigo são puníveis quando o responsável legal pela prestação do serviço.  II – assegura. por qualquer meio.

109.Crimes na Internet 1. Convenção Internacional sobre criança – Decreto-legislativo 99710/90. V CF/88.289 . art. Caráter internacional Precedente no STF HC 86. 4. a) b) c) d) Armazenar Sítio que disponibiliza Pena Competência do juízo: Justiça estadual ou federal. 3. 2.

Crimes na Internet 5. sob a relatoria da ministra Maria Thereza de Assis Moura. A localização do provedor de internet no qual as imagens estão armazenadas não interfere na determinação do juízo que vai processar a ação judicial. ou seja. A decisão é inédita no STJ. no local onde está o computador que envia as imagens ilícitas. As conclusões são da Terceira Seção do Superior Tribunal de Justiça (STJ). Fundamento no Artigo 70 CPP (aplicação da regra geral). Competência do foro STJ. Processo sobre pedofilia na internet deve ser julgado pelo Juízo do local de onde saíram os arquivos ilícitos A consumação do crime de publicação de imagens de pornografia infantil na internet ocorre no ato do encaminhamento das imagens pelo agente que comete o delito. .

§ 2º . quando a comunicação é feita por: . vídeo ou outra forma de registro que contenha cena de sexo explícito ou pornográfico envolvendo criança ou adolescente. possuir ou armazenar. 240. § 1º .Não há crime se a posse ou o armazenamento tem a finalidade de comunicar às autoridades competentes a ocorrência das condutas previstas nos arts. fotografia. Pena: reclusão de 1 a quatro anos e multa.241 e 241-A a 241-C. por qualquer meio.Crimes na Internet: Posse de Pornografia Infantil  Art. 241-B: Adquirir.A pena é diminuída de 1 a 2/3 se de pequena quantidade o material a que se refere o caput deste artigo.

entre suas finalidades institucionais. § 3º . e o encaminhamento de notícia dos crimes referidos neste parágrafo. Ministério Público ou ao Poder judiciário. o recebimento.As pessoas referidas no § 2º deste arquivo deverão manter sob sigilo o material ilícito referido.Crimes na Internet I – agente público no exercício de suas funções. legalmente constituída. . o processamento. III – representantes legais ou funcionários responsáveis de provedor de acesso ou serviço prestado por meio de rede de computadores. II – membro de entidade. até o recebimento do material relativo à notícia feita à autoridade policial. que inclua.

Crime permanente: possuir e armazenar 6. condicionante (§ 3º). 2º ECA. . 1. 4.Crimes na Internet Objetividade jurídica Dignidade sexual da criança ou adolescente. mas cabe tentativa: adquirir. Sujeito ativo: proprietário ou usuário 3. 1. Art. Causa de exclusão da ilicitude. Tipo Objetivo Forma vinculada Mera conduta. Sujeito passivo. 5.

adquire. 1.Crimes na Internet: Simulação de Pornografia Infantil Art. . Pena: reclusão 1 a 3 anos e multa. disponibiliza. distribui. 241-C – Simular a participação de criança ou adolescente em cena do sexo explícito ou pornográfica por meio de adulteração. vídeo ou qualquer outra forma de representação visual. § Único: incorre nas mesmas penas quem vende. Sujeito ativo: qualquer pessoa. publica ou divulga por qualquer meio. montagem ou modificação de fotografia. 1. possui ou armazena o material produzido na forma do caput deste artigo. expõe à venda. Objetividade jurídica Dignidade sexual da criança ou adolescente.

montagem ou modificação. 3. c) Único crime dentro do mesmo contexto.: compra desse material na internet. § Único: vende. publica ou divulga. disponibiliza. b) Interpretação analógica. a) Não há crime armazenamento para finalidade de comunicar. Tipo subjetivo a) dolo: vontade e consciência de simular. b) Obs. Tipo objetivo a) Forma vinculada: simular por meio de adulteração. . expõe à venda.Crimes na Internet 2. distribui. 4.

e multa. Nas mesmas penas incorre quem: I – facilita ou induz o acesso à criança de material contendo cena de sexo explícito ou pornográfica com o fim de com ela praticar ato libidinoso. instigar ou constranger. com o fim de com ela praticar ato libidinoso: Pena – reclusão. 241-D: Aliciar. Parágrafo único. . criança. por qualquer meio de comunicação. II – pratica as condutas descritas no caput deste artigo com o fim de induzir criança a se exibir de forma pornográfica ou sexualmente explícita. de 1 (um) a 3 (três) anos. assediar.Crimes na Internet: Aliciamento Infantil Art.

d) Constranger: compelir. Objetividade jurídica: dignidade adolescente. 217-A) . sexual da criança ou 2. forçar ou obrigar.Crimes na Internet 1. e) Crime de forma vinculada e mera conduta f) Tipo subsidiário do crime de estupro de vulnerável (art. c) Instigar: estimular ou incitar. b) Assediar: insistir inoportunamente. Tipo Objetivo: a) Aliciar: atrair e seduzir.

Erro de tipo Delito putativo 6. (art. Sujeito ativo: qualquer pessoa 4. Tipo Subjetivo  Dolo    Finalidade especial: “com o fim de praticar ato libidinoso”. Sujeito passivo: criança.Crimes na Internet 3. Tentativa . 2º). 5.

1.Crimes na Internet I . Material pornográfico 2. Finalidade especial: “com o fim de praticar ato libidinoso.facilita ou induz o acesso à criança de material contendo cena de sexo explícito ou pornográfica com o fim de com ela praticar ato libidinoso. Criança 4. Verbos: facilitar ou induzir. 3. .

2. 218: Induzir alguém menor de 14 (catorze) anos a satisfazer a lascívia de outrem: 1. assediar.pratica as condutas descritas no caput deste artigo com o fim de induzir criança a se exibir de forma pornográfica ou sexualmente explícita. Art. . 1. Diferença: a) Conduta: Induzir para satisfação da lascívia b) Sujeito passivo: menor de 14 anos. c) Finalidade: satisfação da lascívia própria ou de outrem.Crimes na Internet II . Sujeito passivo: criança. Conduta: aliciar. 3. instigar e constranger. Finalidade: induzir criança a se exibir de forma pornográfica.

c) Menor de 18 anos. . d) Por meio eletrônico. e) Hediondo – aumenta 1/3. 244-B a) Verbos: corromper ou facilitar b) Finalidade: praticar infração penal ou induzir a praticar. Art.Crimes na Internet 1.

assedia e instiga ou constrange adolescente a se exibir de forma pornográfica? R. pode configurar o crime de Corrupção de menor para o cometimento da infração penal de Estupro de vulnerável (art. a) . 146 CP). Até 14 anos. o fato é atípico. Pode configurar o crime do art. c) Facilita ou induz adolescente o acesso a material pornográfico com o fim de praticar ato libidinoso? R. 218-A). pode configurar o crime de Satisfação da lascívia (art. o fato é atípico. Constrangimento ilegal (art. A partir dos 15 anos. 217-A). Até 14 anos. A partir dos 15 anos. 1. d) Aliciar. 241-B do ECA.Crimes na Internet Perguntas: Constrange adolescente com o fim de cometer ato libidinoso? R. b) Alicia adolescente com o fim de cometer ato libidinoso? R.

R. Se for maior de 15 anos. R.Crimes na Internet e) Caso o adulto pratique sexo em webcam para criança ou adolescente? Sendo criança e a finalidade é praticar futuramente ato libidinoso com ela. pode configurar o crime do art. 218-A. Inciso I. . será o crime de 241-D. R. o fato é atípico. Se for maior de 12 e menor de 14 anos.

Com esse entendimento.Crimes na Internet 1. . que se dá onde o bem é subtraído da vítima. sem autorização do titular da conta é do juízo do local da consumação do delito de furto. Subtração de senha para realizar saques. para duas contas localizadas no Estado de Goiás. Competência furto A competência para julgar subtração de dinheiro de conta-corrente por meio de transferência via internet. saindo de sua esfera de disponibilidade. a Terceira Seção do Superior Tribunal de Justiça (STJ) declarou competente a Justiça Federal gaúcha para apurar a transferência eletrônica na conta de uma agência da Caixa Econômica Federal (CEF) de Porto Alegre (RS). (Furto mediante fraude ou Estelionato?). 2.

Competência estelionato As compras realizadas por meio da internet com a utilização de cartões e dados de terceiros equiparam-se a estelionato. nessa situação a empresa é induzida a entregar. voluntariamente. e não a furto mediante fraude.Crimes na Internet 2. devem ser processados pela justiça no local onde se obtém a vantagem ilícita. Para o Superior Tribunal de Justiça (STJ). as mercadorias objeto do crime. Por isso. .

CC 40. local em que se fixa a competência. Assim. Rel. segundo as quais se pretendia infligir-lhes mal injusto se não providenciassem valores. julgado em 10/3/2004. Mensagens Eletrônicas. não há como entender existir mera tentativa punível. pois o crime se consumou no local em que os ofendidos receberam os e-mails e deles tomaram conhecimento. Extorsão. . As vítimas foram constrangidas mediante mensagens eletrônicas ameaçadoras enviadas pela internet. Min. mostrando-se sem influência o de onde foram enviadas as mensagens.569-SP. o que levou as vítimas a ofertar a notícia-crime ao Ministério Público. José Arnaldo da Fonseca.Crimes na Internet Extorsão Terceira Seção: Competência.

a) Não admite b) Admite c) Fluxo .: Três correntes: (Violação de email). 10 da lei 9296/96 (tipo penal específico). b) objeto: comunicação telefônica. a) verbo: interceptar – violar e captar.Crimes na Internet Art. informática e telemática Obs.

Fato novo 2. Sujeito passivo diverso Natureza jurídica: notitia criminis .Crimes na Internet  Encontro fortuito a) Segundo grau 1.

. 136.Crimes na Internet  Prazo: a) Só uma prorrogação b) Indeterminado c) 60 dias – art. § 1º e 2º CF.

Crime plurilocal – local da consumação. 138 CP). . 140 CP). Calúnia (art.Crimes na Internet 3. 42 da lei de imprensa 1. Difamação (art. a) b) c) d) e) Email Competência Art. 73 CPP. Aplicação da regra do art. 139 CP) e Injúria (art. 2.

Competência: Crime contra a honra: COMPETÊNCIA. Min. .625-DF. deve-se fixar a competência do juízo pelo local onde ocorreu a impressão. aplicam-se. a competência fixase em razão do local onde foi concluída a ação delituosa. em princípio. lastreada em orientação do STF. CRIMES CONTRA HONRA. do STJ: CC 29. de acordo com o art.A Seção entendeu. Assim. Rel. Arnaldo Esteves Lima. quais sejam. 5. julgado em 12/5/2010. Precedentes citados do STF: ADPF 130-DF. 138 e seguintes do CP e o art. o art. CC 106. as normas da legislação comum. indiferente a localização do provedor de acesso à rede mundial de computadores ou sua efetiva visualização pelos usuários. nos crimes contra a honra praticados por meio de publicação impressa em periódico de circulação nacional. DJe 6/11/2009. que a Lei de Imprensa (Lei n. ou seja.886-SP.250/1967) não foi recepcionada pela CF/1988. nos crimes contra a honra. Logo. 70 do CPP.Crimes na Internet STJ . onde se encontra o responsável pela veiculação e divulgação das notícias. uma vez que se trata do primeiro lugar onde as matérias produzidas chegaram ao conhecimento de outrem. 69 e seguintes do CPP. DJ 1º/2/2008. INTERNET. Quanto aos crimes contra a honra praticados por meio de reportagens veiculadas na Internet.

da qual o Brasil é signatário.00.  Processo Penal. Art. Crime contra a honra de menor praticado via internet. Crime contra a honra de menor por meio da internet. II.000910-9/TO Relator Convocado: Juiz Federal César Jatahy Fonseca Julgamento: 12/5/2009) . I. Competência da justiça federal. Tendo em vista existir convenção internacional. 16 da Convenção sobre os direitos da criança. Recurso em sentido estrito.43. 109. a competência para julgar o presente feito é da Justiça Federal. Recurso em Sentido Estrito 2009. Recurso provido. (TRF1. que trata de crime praticado contra a honra de menor cujo resultado tenha se dado no estrangeiro.Crimes na Internet 3. V. Art. da CF/88.

c) Objeto: sistema de informações ou banco de dados da administração. fornecimento ou empréstimo.Crimes na Internet 8. Art. Art. 9. . 325 § 1º a) Crime próprio b) Verbo: permite ou facilita por meio de atribuição. 325 CP – Violação de Sigilo funcional a) b) c) Crime próprio Verbo: revelar Objeto: fato secreto.

18) Prazo de proteção (art. expor á venda. adquire. original ou cópia de obra. 26. c) Violação por meio de distribuir. Obs.Crimes na Internet 10. aluga. Não precisa de registro (art. artística e científica. vender. (§ 2º) . 41).: programa de software – art. tem em depósito. 184 § 3º CP). 22) Proteção sobre obra literária. a) Violação de direitos autorais e conexos (art. VI da lei 9610/98 - b) Violação com intuito de lucro direto ou indireto (§ 1º). “Crime de Pirataria com uso da rede mundial de computadores” (art.

ondas ou qualquer outro sistema.Finalidade específica: Intuito de lucro direito ou indireto. Crime permanente. (art.Meio: cabo. 530-G CPP. .Crimes na Internet d) Repressão da cyberpirataria (comércio ilegal de obras intelectuais por vias tecnológicas). satélite. 186 CP). 46) f) Efeito decorrente da sentença – art. e) Excludente de ilicitude. g) Ação penal (art. . . fibra ótica.

333A CP) a) b) c) d) Bem jurídico: administração pública Sujeito ativo: servidor público ou terceirizado. Elemento subjetivo: dolo específico. Inserção de dados falsos em sistema de informática. 11. Modificação ou alteração não autorizada de sistema de informações: a) Bem jurídico: administração pública . Ação penal pública incondicionada.Crimes na Internet 10. (art.

. c) Tipo subjetivo: dolo natural.Crimes na Internet b) Sujeito ativo: servidor público (obs.: não precisa ser autorizado). e) Causa de aumento de pena: causa prejuízo para administração pública. f) Ação penal pública incondicionada.

Crimes na Internet g) Causa de exclusão da ilicitude .§ 4º h) Ação penal pública condicionada (art. 12 da lei n. b) Bem jurídico: obra intelectual (direito autoral) . IV CP). i) Prazo decadencial – 6 meses do cometimento do fato. utilitário e periféricos. 186. 12. Software ( art. 9609/98) a) Conceito: software é sistema operacional necessário para inicialização e funcionamento de máquina.

: a titularidade independe de registro. será de exclusividade do empregador contratante. nos seguintes casos: 1. d) Salvo estipulação em contrário. Obs. mas o órgão responsável é o INPI – Instituto nacional de propriedade industrial.Crimes na Internet c) Sujeito passivo: titular sobre os direitos autorias de programa de computador ou pessoas físicas ou jurídicas detentoras do direito de exploração econômica da obra. . Desenvolvido durante a vigência do vínculo empregatício ou estatutário.

equipamento.  Sem utilização de material. . recursos. e) São exclusivos do empregado:  Sem relação de contrato de trabalho. segredos industriais e de negócios. Atividade de empregado. instalação. Prazo de 50 anos a contar do primeiro dia do ano subseqüente ao da sua publicação ou criação. informações tecnológicas. Decorra da própria natureza dos encargos concernentes ao vínculo.Crimes na Internet 2. 3. f) Proteção da titularidade 1.

h) Tipo objetivo  Violar – infringir ou transgredir.: co-autoria.: engloba cópia para uso próprio. (reproduzir.( excludente de culpabilidade) . funcionário. adaptar. i) Sujeito ativo: aquele que viola. obs. diretor de empresa.Crimes na Internet g) Contrato de licença ou documento fiscal de aquisição. distribuir. modificar e utilizar)  Obs.

(reprodução para fins de comércio e comercialização). . Excludentes de violação a) Reprodução em um só exemplar.Crimes na Internet j) Pena – menor potencial ofensivo. a) Pena 14. desde que se destine á cópia de salvaguarda ou armazenamento eletrônico. hipótese em que o exemplar original servirá de salvaguarda. 12 § 1º e 2º. de cópia legitimamente adquirida. Art. 13.

mantendo suas características. d) Integração de um programa. ou de limitação de forma alternativa para sua expressão. para fins didático. da observância de preceitos normativos e técnicos. c) Ocorrência de semelhança de programa a outro. desde que identificado o programa e o titular dos direitos respectivos.Crimes na Internet b) Citação parcial do programa. . quando se der por força das características funcionais de sua aplicação. preexistente.

c) 1. Contencioso: Não admite corpo de delito indireto.Crimes na Internet 15. Busca e apreensão determinada pelo Juiz com dois peritos. Ação penal a) b) Em regra: ação penal privada. 2. 3. . Na ação pública: autoridade policial pode realizar apreensão. Exceto: prejuízo de entidade de direito público ou gerar sonegação fiscal. 4. Laudo apresentado dentro de 3 dias. perda de arrecadação tributária ou crime contra a ordem tributária.

Crimes na Internet 16. Dano moral. .

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful