4 | U Prìmeìro de [aneìro quinIa·Ieira, 27 de SeIembro de 2û12

cµìnìoc
O REGRESSO
Com a morte de Fernäo de Magalhäes, teve que assumir o comando
da expediçäo, o espanhol Mestre Juan Sebastian Elcano.
Como a nau Concepcion, estava com um número muito reduzido de
homens para a tripular, resolveram incendia-la, e prosseguiram com
as outras naus para chegar às Molucas, onde obtiveram o seu supri-
mento de especiarias. A Trinidad teve que ali permanecer para reparos,
e a °Victoria"
encontrar navios portugueses. A Trinidad, apos os reparos tentou seguir uma rota
etornar às Molucas
onde seus tripulantes foram aprisionados pelos portugueses que haviam chegado. A
nau °Victoria" dobrou o Cabo da Boa Esperança em 1322, fez escala em Cabo Verde,
-
to de S. Lúcar de Barrameda, com apenas 18 homens na tripulaçäo.
Uma única nau tinha completado a circum-navegaçäo do globo ao alcançar Sevilha
em 6 de Setembro de 1322. Juan Sebastian Elcano, a restante tripulaçäo da expediçäo
de Magalhäes, e o último navio da frota, regressaram assim decorridos três anos apos
a partida.
Estava completado um feito notabilíssimo, para o qual muito contribui o nosso
navegado
näo lhe perdoaram o facto de ter servido o imperador Carlos V, que também era Rei de
Espanha, depois de ter sido dispensado pelo rei D.Manuel. A culpa näo foi pois dele,
mas de quem näo acreditou nele. E até de enaltecer que tenha conseguido montar uma
expediçäo daquela envergadura num país que näo era o seu. Ele representou um grupo
de portugueses que projectaram o seu saber para fora das fronteiras, e nunca deixou
de ser português. Foi graças a ele que Portugal esteve no início da globalizaçäo.
Cronologia das principais datas. (OBS: FM-Fernäo Magalhäes)
-
da de D. Francisco de Almeida.
Afonso de Albuquerque, na conquista de
Malaca.
4 - Foi ferido em combate, em
Azamor (Marrocos); novamente em Lis-
boa, D. Manuel recusou-lhe o aumento na
tença.
e-
sentar a Carlos V o seu plano de alcançar
as °Ilhas das Especiarias" pelo Ocidente.
Este acto viria a criar-lhe problemas com
o nosso rei D.Manuel I, que o interpretou
à patria.
-
gem de circum-navegaçäo; alcançou a baía
da Guanabara.
fez invernada na baía de S. Juliäo; dominou
um motim; atravessou o Estreito e alcançou
descobriu o arquipélago das Filipinas, pen-
sando que se tratava das Molucas e aí, FM
foi morto em combate.
que tinha assumido o comando da expedi-
çäo, concluiu a primeira viagem de circum-
navegaçäo.
-
pulaçäo original do Trinidad, regressaram
IxIMrIx4 \I4crM M4xIIIM4 0r cIxc0M
\4\rc4(4c Iarte z ccne|n·ac
RUI FALEIRO e FRANCISCO FALEIRO
- COSMÓGRAFOS.
Rui Faleiro tornou-se notavel na ciência nautica, dedicando-se ao estudo
das longitudes, e além desse calculo, tera sido o primeiro cosmografo a es-
tudar o magnetismo terrestre.
da terra, sendo de boa prudência os mareantes seguirem sempre com terra
navio, resultando daí o nome de bombordo, isto é, o lado do navio donde era bom avistar-
se a terra. Primeiro com o astrolabio, depois com o sextante, os marinheiros passaram a
calcular as latitudes, e a internar-se mais no oceano
Socio e mestre de Fernäo de Magalhäes, Rui Faleiro planeou com ele a viagem que se propu-
nham fazer às ricas ilhas Molucas. Esta viagem marítima viria a resultar na primeira de circum-
navegaçäo, à volta da Terra. Nunca se conseguiu apurar de qual dos dois foi a iniciativa.
A convite de Fernäo de Magalhäes, os irmäos Faleiro tinham-se instalado em Sevilha
no ano seguinte a viagem, convencido de que tal empresa näo ia contra as clausulas do
Tratado de Tordesilhas.
Esta situaçäo ajuda a patentear como a ciência nautica portuguesa continuava bem à
frente, podendo dizer-se que, os progressos marítimos de Espanha, eram feitos com base
na técnica e ciência portuguesa.
Rui Faleiro esteve assim com Magalhäes na preparaçäo desta grande operaçäo, o que lhe
valeu, inclusivamente, a prisäo num Portugal que näo perdoava a quem fosse ao estrangei-
ro transmitir ou promover conhecimentos nauticos.
Enquanto Magalhäes era navegador e soldado, com varios anos de trabalhos, Rui Falei-
na Serra da Estrela, Covilhä, e nunca viajara nem possuía dotes militares nem de audacia
de aventureiro.
Ainda em 1318, o rei espanhol elevou-os a
Comendadores da Ordem de Santiago.
Sobre a viagem, enquanto as tarefas de
Magalhäes respeitavam à armaçäo da frota,
o recrutamento da tripulaçäo e a provisäo de
armas, equipamentos e víveres, as de Faleiro
-
Na armada näo seguiu Rui Faleiro, o mais
certo por se encontrar doente, ou devido ao
seu génio irascível, que mais tarde o levaria à
loucura. Ao regressar à patria foi preso, pelo
facto de ao tempo, as leis portuguesas serem
severas para com aqueles que abandonassem
o País, levando segredos ou irem colaborar no
por que fosse, Rui Faleiro acabou por ser sol-
to a pedido do rei espanhol, voltando de novo
para Sevilha. Pouco tempo depois enlouque-
espanhol, uma tença, e ao cuidado de seu ir-
mäo Francisco. Este, em 1323, publicou em
Sevilha o °Tratado de la Esfera y de la Arte
de Marear", no qual expos os conhecimentos
do seu irmäo.
Ruy Faleiro tera morrido em 1344, deixan-
do o seu nome ligado à ciência nautica, que
permitiu as viagens de longo curso.
Com a intervençäo de portugueses, tinha-
se assim sido escrita, com sangue, suor, e lagri-
mas, mais uma grande pagina da epopeia da
nossa Patria, Naçäo Valente e Imortal.
*Criador da petição Metro
para a Trofa
Henrìque coyctto`

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful