Você está na página 1de 3

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA

INSTITUTO DE LETRAS E LINGUÍSTICA

Estágio Supervisionado de Língua Portuguesa I

Plano de Aula

Professores: Micheli Machado e Thiago Martins

Público Alvo: 8° ano do ensino fundamental II

Conteúdo: Leitura e produção de texto: Quadrinhos

Materiais necessários: Quadro e pincel

Objetivos gerais:

Folhas impressas

Incentivar o aluno a prática da leitura e estimular a criatividade para a criação de desenhos e textos.

Objetivos específicos

Ser capaz de criar hipóteses no decorrer da leitura

Compreender a estrutura do texto “quadrinho”

Refletir sobre o conteúdo do texto

Saber produzir um quadrinho

Sensibilização:

A aula começará com o professor perguntando aos alunos se eles conhecem quadrinhos ou gibi. Esperando uma resposta positiva, será perguntado que tipo de quadrinhos eles gostam. Em seguida faça mais alguns questionamentos:

a) Quais são as características dos quadrinhos?

b) É possível tratar de questões sociais nos quadrinhos?

c) Vocês conhecem algum quadrinho que trate de alguma questão social como racismo, violência, preservação do meio ambiente, etc.?

d) Conhecem um quadrinista brasileiro famoso chamado Maurício de Sousa?

Esperando uma resposta negativa, será explicado quem é Maurício de Sousa e quais os seus trabalhos mais famosos.

Texto de apoio:

Mauricio de Sousa nasceu no Brasil, numa pequena cidade do estado de São Paulo, chamada Santa Isabel. Foi em outubro de 1935.

Criou uma série de tiras em quadrinhos com um cãozinho e seu dono Bidu e Franjinha e ofereceu o material para os redatores da Folha. As historietas foram aceitas, o jornalismo perdeu um repórter policial e ganhou um desenhista.

perdeu um repórter policial e ganhou um desenhista. Essa passagem deu-se em 1959. Nos anos seguintes,
perdeu um repórter policial e ganhou um desenhista. Essa passagem deu-se em 1959. Nos anos seguintes,

Essa passagem deu-se em 1959. Nos anos seguintes, Mauricio criaria outras tiras de jornal Cebolinha, Piteco, Chico Bento, Penadinho e páginas tipo tabloide para publicação semanal - Horácio, Raposão, Astronauta - que invadiram dezenas de publicações durante 10 anos.

- que invadiram dezenas de publicações durante 10 anos. Para a distribuição desse material, Mauricio criou
- que invadiram dezenas de publicações durante 10 anos. Para a distribuição desse material, Mauricio criou

Para a distribuição desse material, Mauricio criou um serviço de redistribuição que atingiu mais de 200 jornais ao fim de uma década.

Daí chegou o tempo das revistas de banca. Foi em 1970, quando Mônica foi lançada já com tiragem de 200 mil exemplares. Foi seguida, dois anos depois, pela revista Cebolinha e nos anos seguintes pelas publicações do Chico Bento, Cascão, Magali, Pelezinho e outras.

Durante esses anos todos, Mauricio desenvolveu um sistema de trabalho em equipe que possibilitou, também, sua entrada no licenciamento de produtos.

Seus trabalhos começaram a ser conhecidos no exterior e em diversos países surgiram revistas com a Turma da Mônica.

Mas chegou a década de 80 e a invasão dos desenhos animados japoneses.

Mauricio ainda não tinha desenhos para televisão. E perdeu mercados.

Resolveu enfrentar o desafio e abriu um estúdio de animação a Black & White com mais de 70 artistas realizando 8 longas-metragens. Estava se preparando para a volta aos mercados perdidos, mas não contava com as dificuldades políticas e econômicas do país. A inflação impedia projetos a longo prazo (como têm que ser as produções de filmes sofisticados como as animações), a bilheteria sem controle dos cinemas que fazia evaporar quase 100% da receita, e o pior: a lei de reserva de mercado da informática, que nos impedia o acesso à tecnologia de ponta necessária para a animação moderna.

tecnologia de ponta necessária para a animação moderna. Mauricio, então, parou com o desenho animado e
tecnologia de ponta necessária para a animação moderna. Mauricio, então, parou com o desenho animado e

Mauricio, então, parou com o desenho animado e concentrou-se somente nas histórias em quadrinhos e seu merchandising, até que a situação se normalizasse. O que está ocorrendo agora.

Consequentemente, voltam os planos de animação e outros projetos.

E dentre esses projetos, após a criação do primeiro parque temático (o Parque da Mônica, no Shopping Eldorado, em São Paulo, seguido do Parque da Mônica do Rio de Janeiro) Mauricio prevê a construção de outros, inclusive no exterior.

As revistas vendem-se aos milhões, o licenciamento é o mais poderoso do país e os estúdios se preparam para trabalhar com a televisão.(Retirado do site

http://www.monica.com.br/mauricio-site/ consultado dia 23/06/2013 às 23:00h)

Em seguida será entregue para os alunos uma cópia do quadrinho da Turma da Mônica intitulado “Uma história que precisa ter fim”. Primeiramente será pedido que os alunos façam a leitura silenciosa do quadrinho. Depois passe um questionário de compreensão do texto:

1-

Do que se trata a história exibida no quadrinho?

2-

Explique o título: “Uma história que precisa ter fim”.

3-

Você considera a temática apresentada no quadrinho importante? Por quê?

4-

Você acredita que foi importante o apoio dos pais de Zélio para que ele pudesse

parar de usar drogas? Por quê? 5- E se Zélio não tivesse se livrado das drogas, como você acha que seria o futuro dele?

Depois que os alunos tiverem respondido as questões de compreensão do texto, será pedido para eles pegarem o texto novamente e o professor fará a leitura em voz alta com os alunos, espera-se que a leitura em voz alta faça com que os alunos assimilem melhor o texto.

Terminada a leitura, será pedido aos alunos que pensem novamente na quinta pergunta do questionário e em seguida será proposto que os alunos criem um quadrinho com os mesmos personagens da turma da Mônica, mas com um final alternativo. Os alunos serão estimulados com algumas hipóteses que serão lançadas a eles: “E se algém da turminha tivesse aceitado a droga que Zélio estava oferecendo?”, “E se Zélio não tivesse conseguido largar as drogas?”, “E se os pais de Zélio não o tivesse apoiado?”

A avaliação das aulas se dará a partir da reflexão dos alunos a respeito da leitura e produção do texto.

REFERÊNCIAS:

PIETRI, Émerson de. Práticas de leitura e elementos para a atuação docente. Rio de Janeiro: Lucerna, 2007.

http://www.monica.com.br/mauricio-site/ consultado dia 23/06/2013 às 23:00h

ANEXOS:

consultado

Interesses relacionados