Você está na página 1de 25

Por entre

o caleidoscpio
dos dias e das
noites
nos equilibramos.

Este mundo to
bonito, to cheio de
cores, formas, sons
e sabores, que
encantam
nossos sentidos.

Ver fundamental
para compreender.

H os que
contemplam
a vida apenas
pela superfcie;
E h os que buscam
sondar
profundidades.

O que leva
um poeta a,
contrapondo-se
dureza do mundo,
insistir em
escrever versos?
Jos Castello

A cada nova manh,


qual a fora-motriz
que nos impele
para fora da cama?

No caleidoscpio das
noites e dos dias,
lograremos
contemplar as cores
e as formas da
Bondade,
da Compaixo

No balano das horas,


quo frequentemente
recordamos que tudo
mais, salvo
o Amor,
fenece?
Que
nada,
seno
a Compaixo,
prospera,

Com que
frequncia nos
recordamos
de que a vida,
esta rotina
de relgios e
calendrios,
ligeiro se esvai,
rapidamente
voa?

A foto ao lado
foi tirada
na praia de
Deauville,
na Frana,
em 1925.

Noventa anos
passados, todos
os que nela
aparecem
deste mundo j
partiram para
sempre.

Nomes, vozes,
olhares, sonhos
e silncios
para sempre
apagados pela
fora suprema
da passagem
do tempo.

Daqui a noventa
anos, igualmente,
a Humanidade
inteira ter sido
renovada.
Quo
frequentemente
recordamos que a
vida terrena passa
ligeiro feito um
sopro?

Quem parte do
mundo nada leva,
salvo os jardins
porventura
cultivados.

As rosas do Amor,
os lrios da
Generosidade.

O Silncio
importante;
A Pausa
importante;
O cio
contemplativo
importante.

Meditar
essencial,
pois algumas
perguntas no

Somos a fina
espuma branca
que repousa
sobre a onda
por um instante.

Somos gota
dgua,
somos gro de
areia.

E na nossa
insignificncia
somos unidos, de
alguma maneira
misteriosa,
com o Mar, que
transborda
grandeza
e majestade.

O ninho
o corpo;
A ave,
a alma.

O ninho
o corpo;
A ave,
a alma.

Formatao: um_peregrino@hotmail.com