F

o
r
m
a
t
o
:

1
3
7
m
m

x

1
9
0
m
m
Terrômetro digital
• Manual de uso
• Especificações técnicas
GU-1267
NAC090240


3















MTD-20KWe
Terrômetro digital


Manual de uso










GU-1267
© 2008 MEGABRAS. Todos os direitos reservados.
Manual de uso impresso no Brasil


4






































5
Índice
Índice ___________________________________________________________ 5
1. Descrição ______________________________________________________ 6
2. Instruções de operação ___________________________________________ 7
2.1. Funções do controle do painel __________________________________ 7
2.2. ¹ Bornes___________________________________________________ 8
3. Alimentação ____________________________________________________ 8
3.1. ¹ Verificação do estado da bateria ______________________________ 8
3.2. ¹ Fonte de alimentação _______________________________________ 8
3.3. Carga da bateria _____________________________________________ 9
4. Escalas de medição _____________________________________________ 10
5. Realizando medições ____________________________________________ 10
5.1. Medição de resistência de tomada de terra _______________________ 10
5.2. Medição das tensões espúrias _________________________________ 11
5.3. Medição da resistividade específica - Método de Wenner ____________ 12
6. Alarme acústico ________________________________________________ 16
7. Influência da resistência de tomada de terra das estacas auxiliares ________ 16
8. Considerações especiais sobre a medição da resistência de tomada de terra 17
9. Verificação da calibração _________________________________________ 19
10. Especificações técnicas _________________________________________ 21
11. Termo de Garantia _____________________________________________ 24




















6
1. Descrição
O terrômetro digital MTD-20KWe permite medir resistências de
aterramento e resistividade do terreno, alem das tensões espúrias
provocadas pelas correntes parasitas no solo.

As principais aplicações deste equipamento são a verificação da
resistência de aterramento de prédios, instalações industriais,
hospitalares e domiciliares, pára-raios, antenas, subestações, etc. A
medição da resistividade permite avaliar a estratificação do terreno para
otimizar a engenharia dos sistemas de aterramento mais complexos. O
seu elaborado sistema de filtros ativos e passivos outorga-lhe uma
elevada imunidade às interferências elétricas, permitindo obter medições
confiáveis em presença de altas tensões parasitas, como as que
costumam achar-se em algumas áreas urbanas e na proximidade de
subestações de transformação.

Possui um sinal sonoro que informa ao operador quando a corrente
injetada no terreno é insuficiente para realizar a medição. Este alarme
evita que, pelo fato desta situação não se advertir, informem-se valores
de resistências não válidos. Por seu amplo intervalo de medição (desde
0,01 Ω até 20 kΩ), este equipamento permite ensaios confiáveis em todo
tipo de terreno, inclusive naqueles de resistividade muito alta. A utilização
do instrumento é muito simples, com leitura direta em um visor de 3½
dígitos de alta visibilidade, até mesmo com pleno sol.

Este terrômetro alimenta-se mediante uma bateria interna recarregável,
evitando assim o custo da troca periódica de pilhas, que se torna
altamente significativo com o decorrer do tempo. O carregador é
inteligente, controlado por microprocessador, e pode ser alimentado por
meio da fonte fornecida, ou a partir de qualquer bateria de automóvel de
12 V. O gabinete é robusto, de fácil e seguro transporte, com nível de
proteção IP54. É adequado para operar em condições geográficas e
ambientais adversas, com temperaturas extremas em regiões frias ou
tropicais, e nas elevadas alturas das áreas de montanha, apresentando
um ótimo desempenho nos trabalhos de campo.


7
2. Instruções de operação
2.1. Funções do controle do painel



@ Display de 3½ dígitos onde são exibidos os valores das medições
© Led do Carregador de bateria
© Borne H (EC)
© Borne S (ET)
© Borne ES (EXT)
© Borne E (EXC)
® Botão pulsador de Start (Inicio)
© Seleção de Função
R (3 poles) = Resistência (3 estacas)
V = Voltímetro CA
ρ (4 poles) = Resistividade (4 estacas)
© Entrada da Fonte de alimentação
G Seleção de Escala
G Botão Battery (Bateria)



8
2.2. ¹ Bornes
Borne E (EXC) verde - Eletrodo de retorno de corrente
Borne ES (EXT) preto - Segundo eletrodo de tensão
Borne S (ET) azul - Eletrodo de tensão, ou sonda
Borne H (EC) vermelho - Injeção de corrente

A nomenclatura E - ES - S - H é a recomendada atualmente pela IEC.
A nomenclatura EXC - EXT - ET - EC é a utilizada tradicionalmente nos
terrômetros Megabras, mantida para facilitar a transição.

Com a chave seletora de Função © na posição R (medição de
resistência de tomada de terra), os bornes E e ES estão curto-circuitados
internamente. O borne ES não é utilizado neste tipo de medição.


3. Alimentação
O MTD-20KWe pode realizar medições alimentado pela bateria interna,
mediante fonte externa para 90 - 240 V~ (fornecida com o equipamento)
ou a partir de uma bateria de 12 V (de automóvel ou similar).

3.1. ¹ Verificação do estado da bateria
Antes de iniciar o ensaio, utilizando como alimentação a bateria interna, é
necessário verificar se a mesma possui carga suficiente para realizar
medições de maneira correta. Para tanto, pressione o botão Battery G.
Caso o valor exibido no display for inferior a 1000, a bateria necessita ser
recarregada. Somente realize medições através da bateria se o nível de
carga estiver igual ou superior a 1000. A checagem do estado da
bateria pode ser realizada a qualquer instante, mesmo durante uma
medição.

3.2. ¹ Fonte de alimentação
A fonte de alimentação fornecida é universal, por isso pode ser
conectada a redes C.A. de qualquer tensão (entre 90-240 V~). É utilizada
tanto para recarregar a bateria como para operação do equipamento com
alimentação direta da rede.


9
3.3. Carga da bateria
Este equipamento possui um carregador de bateria interno, com circuito
inteligente, microprocessado, que ajusta a carga de bateria aos
parâmetros otimizados para garantir a máxima vida útil. É alimentado
mediante fonte externa ou a partir de uma bateria de automóvel de 12 V.

Para carregar a bateria, conecte o equipamento à energia elétrica. Após
alguns instantes, o indicador luminoso Carregador da bateria © piscará
nas cores verde e vermelho durante um segundo. Neste espaço de
tempo, o carregador verifica o estado inicial da bateria selecionando
assim os parâmetros otimizados da carga. Depois, o led Carregador da
bateria © ficará aceso com luz vermelha até completar a carga, quando
o indicador passará a luz verde e permanecerá assim até que o
equipamento seja desligado da energia. Se durante a carga da bateria o
equipamento for utilizado para fazer medições, a carga ficará
momentaneamente interrompida, retornando ao processo de carga ao
finalizar as medições.

Luz verde e vermelha

Avaliação do estado inicial da bateria ao ligar a
fonte, durante um segundo.
Luz vermelha permanente Bateria em carga.
Luz vermelha intermitente Indica problema de carga da bateria.
Luz verde permanente Carga finalizada com êxito. Bateria OK.

Nota: A bateria perde parte de sua carga estando armazenada. Por isso, antes de
utilizar o equipamento pela primeira vez, ou depois de algum tempo sem uso, é
necessário recarregar a bateria. Devido ao tipo de bateria recarregável que utiliza,
este equipamento não apresenta “efeito memória” e pelas características
inteligentes do carregador, não existem restrições para iniciar uma carga tantas
vezes quanto forem necessárias. Quando o carregador detecta que a bateria está
completamente carregada, passa ao estado de Flote de forma automática,
protegendo-a de sobrecargas.





10
4. Escalas de medição
Este equipamento possui 4 escalas de medição:

ESCALA UNIDADE RESOLUÇÃO DE LEITURA
0 - 20.00 Ω 0,01
0 - 200.0 Ω 0,1
0 - 2.000 Ω 1
0 - 20 kΩ 0,01


5. Realizando medições

5.1. Medição de resistência de tomada de terra
1. Crave no terreno duas estacas auxiliares, a estaca de corrente E3 e a
estaca de tensão E2, e conecte-as através dos cabos fornecidos, aos
bornes H(EC) © e S(ET) © respectivamente. O borne E(EXC) © deve
ser conectado a tomada de terra cuja resistência se quer medir (E1)
com o cabo de 5 m (ver fig. 01).







11
2. Selecione a posição R(3 pole) na chave de Função ©.
3. Selecione a posição de 20KΩ na chave de Escala G e mantenha
pressionada a tecla de Start ®. Se o valor da resistência for menor
que 2 kΩ, selecione a escala mais adequada, elegendo-a em ordem
decrescente.

Se soar o alarme acústico, significa que existe alguma anormalidade
nas conexões das estacas que impede a corrente de medição circular
(eventualmente, a razão pode ser uma resistência de difusão
exageradamente elevada na estaca de corrente). Revise a instalação
para corrigir o erro (ver o item 6).

Se aparecer um número 1 na posição do dígito mais significativo
significa que o valor medido é maior que o valor máximo da escala
selecionada (Overrange). Nesse caso deve-se selecionar a escala
imediatamente superior até encontrar uma leitura válida (isto não será
possível se a resistência medida for maior que 20 kΩ).




5.2. Medição das tensões espúrias
1. Para verificar a existência e medir as tensões espúrias presentes no
terreno, as estacas devem ser mantidas cravadas no terreno e
conectadas ao equipamento como indicado na fig. 1.
2. Selecione a posição V na chave de Função © e mantenha
pressionada a tecla pulsadora Start ®. O display indicará a tensão
C.A. existente entre a tomada de terra e a estaca E2, até 200 V.









12
5.3. Medição da resistividade específica - Método
de Wenner
1. Crave no terreno quatro estacas, bem alinhadas e com separação
constante D, como está indicado na fig. 2. Nesta medição, a distância
entre as estacas é crítica, já que interfere no cálculo da resistividade.
2. Selecione a posição ρ(4 pole) na chave de Função © e conecte as
estacas como está indicado na fig. 2.



3. Pressione a tecla Start ® e encontre a escala mais adequada.
4. Para obter o valor da resistividade média do terreno deve-se aplicar a
equação de Wenner que, em sua forma simplificada, é:

ρ = 2 π R D

onde:
ρ = valor da resistividade média do terreno.
π = 3,14159
R = valor indicado no display.
D = distância entre as estacas, expressada em metros.




13
É obtido assim a resistividade média do terreno desde a superfície
até uma profundidade igual a distância D entre as estacas.
Realizando diversas medições com diferentes distâncias entre as
estacas obtêm-se a informação requerida para determinar a
estratificação do terreno por métodos gráficos ou mediante a
utilização de um software adequado. As distâncias geralmente
adotadas são 1 m, 2 m, 4 m, 8 m, 16 m. Para realizar a medição com
D = 16 m, os cabos podem ser distribuídos como está indicado na
fig. 3.



5. A forma simplificada da equação de Wenner pode ser aplicada
sempre que a profundidade de penetração de cada estaca for
desprezível quando comparada com a distância D. Esta condição
pode ser difícil de cumprir quando D for pequeno, pela necessidade
de assegurar um bom contato da estaca com o terreno.










14
6. Neste caso deve-se aplicar a forma completa da equação:


onde:
ρ = Resistividade específica do terreno
D = Distância entre estacas (separação)
p = Profundidade de penetração das estacas auxiliares
R = Valor indicado no display

Quando D >> p obtêm-se a forma simplificada.

7. Para avaliar adequadamente a resistividade de um terreno, as
medições devem cobrir toda a área a ser ocupada e influenciada pelo
sistema de tomada de terra. A norma NBR 7117 recomenda que
efetuem-se medições de resistividade em, pelos menos, cinco pontos
para uma área de até 10.000 m
2
, dispostos como na fig. 4. Para o
ponto central devem ser necessários dois conjuntos de medições
(cada conjunto de medição com suas respectivas separações de
estacas de 1 m, 2 m, 4 m, 8 m, 16 m).

Áreas maiores podem ser divididas em áreas de 10.000 m
2
cada uma
e realizar medições em 5 pontos como indicado na fig. 4. Também no
caso de geometrias diferentes, sempre existirá a possibilidade de
circunscrever um retângulo e proceder como no caso anterior.










15







16
6. Alarme acústico
O terrômetro MTD-20KWe possui um circuito de alarme acústico para
evitar registros de medições falsas. Se por qualquer razão, a corrente for
inferior ao valor requerido para realizar a medição, ou se não circula
corrente entre H(Ec) © e E(Exc) ©, o circuito de alarme é ativado e gera
um sinal audível intermitente. Estando no campo durante uma medição,
ao ouvir o som do “bip” intermitente, o operador deve revisar as conexões
dos cabos nas estacas e nos bornes do terrômetro, assim como a
continuidade dos cabos (eventualmente, um cabo pode estar cortado).
Se não for encontrada nenhuma anomalia nas conexões ou nos cabos,
deve-se levar em consideração a possibilidade de que a resistividade do
terreno seja anormalmente elevada provocando uma resistência de
difusão excessivamente alta das estacas auxiliares. Essa resistência
pode melhorar regando abundantemente com água as estacas auxiliares,
ou colocando várias estacas interconectadas. Também deve-se revisar o
estado da bateria. Para verificar o funcionamento do alarme, basta
conectar o equipamento com o circuito de corrente aberto (os bornes
H(Ec) © e E(Exc) © desconectados).


7. Influência da resistência de tomada de
terra das estacas auxiliares
A resistência de entrada do circuito voltimétrico (do medidor de
resistência) é de 20.000 Ω. Por isso, sempre que a resistência de tomada
de terra da sonda for menor que 1.000 Ω o erro adicional provocado por
este efeito é desprezível (menos de 5%).

A estaca de corrente pode possuir uma resistência de até 5.000 Ω, sem
afetar a medição e sem provocar um erro considerável.








17
8. Considerações especiais sobre a
medição da resistência de tomada de terra
No método normalmente utilizado para medir a resistência de difusão de
uma tomada de terra (TDT), são utilizadas duas estacas como eletrodos
auxiliares. Na figura 1, D1 é a distância entre a TDT E1 e o eletrodo de
corrente E3, enquanto que D2 é a distância entre a TDT e a sonda E2. A
corrente gerada pelo terrômetro circula pela TDT e o eletrodo de
corrente, e mede-se a tensão entre a TDT e a sonda E2. O valor de R é
obtido como o quociente da tensão e da corrente.

Na fig. 5 está representado de forma gráfica o perfil de potencial com
relação a TDT na zona compreendida entre esta e o eletrodo de corrente,
assumindo que a distância entre esses pontos seja suficiente para que
suas respectivas “zonas de influência” não apresentem sobreposição.
Denomina-se “zona de influência” a área próxima de cada eletrodo na
qual observa-se um gradiente de potencial significativo. Fora desta zona
o potencial é constante (patamar de potencial entre os pontos A e B da
fig. 5).

Para obter uma medição válida da resistência de TDT é necessário
afastar a estaca auxiliar de corrente o suficiente para que se cumpra a
condição de não-sobreposição das zonas de influência, e a estaca de
tensão (sonda) deve estar cravada na zona do patamar de potencial.
Como referência é possível adotar o critério de considerar que o raio de
cada zona de influência é da ordem de 3 vezes a maior dimensão do
eletrodo.

O cumprimento adequado desta condição deve ser verificado realizando-
se três medições sucessivas da resistência de TDT mantendo a posição
da estaca de corrente porém deslocando a estaca de tensão ± 2 metros
entre as medições (pontos L, M, e N). Se as três medições apresentarem
o mesmo resultado (dentro do erro especificado do terrômetro) a medição
deve ser considerada correta. Do contrário, deve-se aumentar
significativamente a distância até a estaca de corrente e repetir o
processo.


18




Em geral, as dimensões da TDT são maiores que as da estaca auxiliar
de corrente porque o diâmetro de sua zona de influência também é
maior. Por isso a sonda deve cravar-se mais próxima da estaca de
corrente que a TDT para cumprir a condição requerida. Normalmente
adota-se uma distância de 62% como primeira aproximação. Deve-se
levar em conta que quando se mede a resistência de TDT de sistemas de
grande tamanho (ex. malhas extensas de subestações) são requeridas
distâncias que podem chegar a centenas de metros para cumprir a
condição. A literatura técnica descreve métodos aproximados que
permitem reduzir estas distâncias com resultados válidos. Todas estas
considerações se referem a aspectos físicos essenciais do processo de
medição, que se aplicam a todos os terrômetros, e não dependem do
fabricante ou tecnologia utilizada.







19
9. Verificação da calibração
Para obter uma comprovação da calibração do equipamento, deve-se
utilizar resistências padrão adequadas, com a devida certificação. Com
uma resistência padrão de 10,0 Ω é possível realizar uma comprovação
rápida da calibração do equipamento em seu ponto de maior interesse.
Conecte os 4 bornes do terrômetro à resistência padrão, como indicado
na fig. 6.



Seguindo o procedimento:
• A chave seletora de Função © deve estar na posição ρ (4 pole).
• A chave de Escala G deve estar na posição de 20,00 Ω
• Pressione a tecla pulsadora de Battery G para verificar o estado de
carga da bateria. Se o display indicar um valor inferior a 1000 a bateria
deve ser recarregada ou deve-se utilizar uma alimentação externa.
• Pressione a tecla pulsadora Start ®. Ao término de 5 segundos, o
display deve indicar um valor compreendido entre 9,60 e 10,40 Ω
• Se isto não ocorrer, a exatidão do equipamento está fora de sua
especificação e deve ser ajustado por um laboratório capacitado.
• Para evitar erros provocados pelas resistências próprias dos cabos e
suas conexões, deve ser utilizado uma conexão de 4 fios (fig. 6), com o
terrômetro em sua função de medição de ρ(4 pole). O erro máximo
admissível segundo a escala é:

Escala Erro máximo permitido
0 - 20,00 kΩ ±(2% do valor medido + 0,2 kΩ)
0 - 2000 Ω ±(2% do valor medido + 20 Ω)
0 - 200 Ω ±(2% do valor medido + 2 Ω)
0 - 20 Ω ±(2% do valor medido + 0,2 Ω)


20
Se a resistência padrão possuir um valor superior a 100 Ω, as
resistências dos cabos e contatos são desprezíveis, portanto pode-
se utilizar a configuração indicada na fig. 7, com a chave seletora de
Função © na posição de R(3 pole).





























21
10. Especificações técnicas

Aplicação : Medição de resistências de aterramento (com 3
bornes), resistividade do solo (com 4 bornes) e
tensões presentes no terreno.
Método de medição de
resistência
: O terrômetro injeta no terreno uma corrente
estabilizada eletronicamente, e mede com alta
precisão a tensão que aparece no terreno pela
circulação dessa corrente através da resistência de
difusão do aterramento. A leitura de R é direta, no
display.
Imunidade às
perturbações
: A freqüência de operação cumpre com a equação:


Onde:
fg = freqüência da corrente gerada pelo terrômetro
n = número inteiro.
fi = freqüência industrial.
O cumprimento desta equação implica que a
freqüência de operação não coincide com nenhuma
harmônica da freqüência industrial. Isso permite,
mediante o emprego de filtros adequados, eliminar o
efeito das correntes parasitas presentes nos
terrenos estudados.
Funcionamento como
voltímetro
: Na função voltímetro o equipamento opera como
voltímetro convencional de c.a. permitindo verificar a
presença e medir as tensões geradas pelas
correntes parasitas.
Escalas de medição : Resistências: 0-20 Ω; 0-200 Ω; 0-2.000 Ω e 0-20 kΩ
Tensão: 0-200 V∼
Exatidão : Medição de resistências:
± (2% da leitura + 1% do fundo de escala)

Medição de tensão:
± (2% da leitura + 1% do fundo de escala)
Resolução de leitura : 0,01 Ω na medição de resistência.
0,1 V na medição de tensão.


22
Potência e corrente de
saída
: Opera com potência de saída inferior a 0,5 W e com
corrente inferior a 15 mA (pico à pico)
Verificação do estado da
bateria
: Permite comprovar o estado de carga da bateria nas
condições normais de uso
Alarme acústico : Adverte o operador no caso de existirem anomalias
no circuito de corrente que dificultem a obtenção de
um resultado confiável.
Alimentação : Mediante bateria recarregável interna, bateria
externa de 12 V, ou pela rede (90-240 V∼ 50/60 Hz)
através da fonte fornecida.
Carregador de bateria : Circuito inteligente, microprocessado, ajusta a carga
de bateria aos parâmetros otimizados para garantir a
máxima vida útil. Se alimenta mediante fonte externa
para 90-240 V∼ 50/60 Hz (fornecida com o
equipamento) ou a partir de uma bateria de
automóvel de 12 V.
Temperatura de operação : -10°C a 50°C
Temperatura de
armazenamento
: -25°C a 65°C
Umidade : 95% UR (sem condensação)
Peso do equipamento : Aprox. 2,3 kg
Dimensões : 221 x 189 x 99 mm


23
Acessórios : 4 Estacas (50 cm, sextavadas, “Cooperweld”,
banhadas em cobre 254 microns).
1 Extrator de estacas.
1 Fonte de alimentação do carregador de bateria,
para rede de 90 - 240 V~.
1 Cabo de conexão para alimentar o carregador
com uma bateria externa de 12 V (de automóvel
ou similar).
1 Carretel com cabo de 40 m.
1 Carretel com cabo de 20 m.
1 Carretel com cabo de 20 m.
1 Cabo curto de 5 m.
1 Cabo curto de 5 m para conexão à tomada de
terra a medir.
1 Marreta.
1 Trena.
1 Manual de uso.




O fabricante se reserva o direito de modificar as especificações ou o design
do produto sem aviso prévio.

















24
11. Termo de Garantia
A MEGABRAS INDÚSTRIA ELETRÔNICA LTDA., assegura ao
proprietário / consumidor do MTD-20KWe, garantia contra qualquer
defeito de material ou de fabricação que ele possa apresentar no prazo
de 02 (dois) anos, contados a partir da data de aquisição pelo primeiro
comprador / consumidor, aquisição esta feita em revendedor autorizado
de nossos produtos ou diretamente com a MEGABRAS Ltda., exceto a
bateria recarregável que tem 06 (seis) meses de garantia.

A MEGABRAS restringe sua responsabilidade à substituição das peças
defeituosas, desde que, a critério de seu departamento técnico, se
constate falha em condições normais de uso. A mão de obra e
substituição de peças com defeitos de fabricação, em uso normal do
aparelho, serão gratuitas dentro do período de garantia. A MEGABRAS
declara a garantia nula e sem efeito caso este aparelho sofrer qualquer
dano provocado por acidentes, agentes da natureza, uso em desacordo
com o manual de instruções, por ter sido ligado a rede elétrica imprópria
ou sujeita a perturbações excessivas, no caso de apresentar sinais de
violação do lacre, ou ainda ajustado ou consertado por pessoas não
autorizadas pela MEGABRAS. Também será considerada nula a
garantia se este certificado ou Nota Fiscal de compra, apresentar rasuras
ou modificações.

A MEGABRAS obriga-se a prestar os serviços acima referidos, tanto os
gratuitos como os remunerados, somente em sua fábrica na cidade de
São Paulo. O proprietário / consumidor, será portanto, o único
responsável pelos riscos e despesas de transporte do aparelho à fábrica
(ida e volta).

Limitação de responsabilidade
A responsabilidade por mau funcionamento do equipamento fica limitada
a aplicação da garantia nos términos antes indicados. O fabricante não
assume responsabilidade por eventuais prejuízos derivados do uso ou da
impossibilidade de uso do equipamento, tal como acidentes em campo,
perda de lucros, etc.



25
Anotações





































26
Anotações

































MTD-20KWe
Terrômetro digital

Manual de uso

GU-1267 © 2008 MEGABRAS. Todos os direitos reservados. Manual de uso impresso no Brasil

3

4 .

1. Verificação do estado da bateria ______________________________ 8 3. Medição das tensões espúrias _________________________________ 11 5. Medição da resistividade específica .3.2. Influência da resistência de tomada de terra das estacas auxiliares ________ 16 8. Escalas de medição _____________________________________________ 10 5. Bornes___________________________________________________ 8 3. Alarme acústico ________________________________________________ 16 7. Funções do controle do painel __________________________________ 7 2.Método de Wenner ____________ 12 6.1.2. Especificações técnicas _________________________________________ 21 11.2. Instruções de operação ___________________________________________ 7 2. Fonte de alimentação _______________________________________ 8 3. Considerações especiais sobre a medição da resistência de tomada de terra 17 9. Alimentação ____________________________________________________ 8 3. Verificação da calibração _________________________________________ 19 10. Realizando medições ____________________________________________ 10 5. Termo de Garantia _____________________________________________ 24 5 .3. Medição de resistência de tomada de terra _______________________ 10 5.Índice Índice ___________________________________________________________ 5 1.1. Carga da bateria _____________________________________________ 9 4. Descrição ______________________________________________________ 6 2.

alem das tensões espúrias provocadas pelas correntes parasitas no solo. com temperaturas extremas em regiões frias ou tropicais. Este terrômetro alimenta-se mediante uma bateria interna recarregável. Possui um sinal sonoro que informa ao operador quando a corrente injetada no terreno é insuficiente para realizar a medição. Descrição O terrômetro digital MTD-20KWe permite medir resistências de aterramento e resistividade do terreno. Este alarme evita que. É adequado para operar em condições geográficas e ambientais adversas. antenas. pelo fato desta situação não se advertir. As principais aplicações deste equipamento são a verificação da resistência de aterramento de prédios. etc. permitindo obter medições confiáveis em presença de altas tensões parasitas. 6 . Por seu amplo intervalo de medição (desde 0. e pode ser alimentado por meio da fonte fornecida. até mesmo com pleno sol. subestações. informem-se valores de resistências não válidos. de fácil e seguro transporte. pára-raios. instalações industriais. com leitura direta em um visor de 3½ dígitos de alta visibilidade. A medição da resistividade permite avaliar a estratificação do terreno para otimizar a engenharia dos sistemas de aterramento mais complexos. hospitalares e domiciliares. apresentando um ótimo desempenho nos trabalhos de campo. como as que costumam achar-se em algumas áreas urbanas e na proximidade de subestações de transformação. O gabinete é robusto. que se torna altamente significativo com o decorrer do tempo. e nas elevadas alturas das áreas de montanha. evitando assim o custo da troca periódica de pilhas. controlado por microprocessador. A utilização do instrumento é muito simples.01 Ω até 20 kΩ). ou a partir de qualquer bateria de automóvel de 12 V. O seu elaborado sistema de filtros ativos e passivos outorga-lhe uma elevada imunidade às interferências elétricas. O carregador é inteligente.1. este equipamento permite ensaios confiáveis em todo tipo de terreno. inclusive naqueles de resistividade muito alta. com nível de proteção IP54.

2. Funções do controle do painel Display de 3½ dígitos onde são exibidos os valores das medições Led do Carregador de bateria Borne H (EC) Borne S (ET) Borne ES (EXT) Borne E (EXC) Botão pulsador de Start (Inicio) Seleção de Função R (3 poles) = Resistência (3 estacas) V = Voltímetro CA ρ (4 poles) = Resistividade (4 estacas) Entrada da Fonte de alimentação Seleção de Escala Botão Battery (Bateria) 7 . Instruções de operação 2.1.

mantida para facilitar a transição. Somente realize medições através da bateria se o nível de carga estiver igual ou superior a 1000. Com a chave seletora de Função na posição R (medição de resistência de tomada de terra). Verificação do estado da bateria Antes de iniciar o ensaio. A nomenclatura EXC . O borne ES não é utilizado neste tipo de medição.H é a recomendada atualmente pela IEC. Caso o valor exibido no display for inferior a 1000. 8 . de qualquer tensão (entre 90-240 V~). ou sonda Injeção de corrente Borne E (EXC) verde Borne ES (EXT) preto Borne S (ET) azul Borne H (EC) vermelho A nomenclatura E .1. mediante fonte externa para 90 .2.EC é a utilizada tradicionalmente nos terrômetros Megabras.2. mesmo durante uma medição. a bateria necessita ser recarregada. utilizando como alimentação a bateria interna. é necessário verificar se a mesma possui carga suficiente para realizar medições de maneira correta. 3. por isso pode ser conectada a redes C. 3.ES .ET . Para tanto. Fonte de alimentação A fonte de alimentação fornecida é universal. Alimentação O MTD-20KWe pode realizar medições alimentado pela bateria interna. É utilizada tanto para recarregar a bateria como para operação do equipamento com alimentação direta da rede.240 V~ (fornecida com o equipamento) ou a partir de uma bateria de 12 V (de automóvel ou similar). Bornes Eletrodo de retorno de corrente Segundo eletrodo de tensão Eletrodo de tensão.2.S .A. A checagem do estado da bateria pode ser realizada a qualquer instante. 3.EXT . pressione o botão Battery . os bornes E e ES estão curto-circuitados internamente.

9 . Indica problema de carga da bateria. Neste espaço de tempo. Nota: A bateria perde parte de sua carga estando armazenada. antes de utilizar o equipamento pela primeira vez. o led Carregador da bateria ficará aceso com luz vermelha até completar a carga. retornando ao processo de carga ao finalizar as medições. este equipamento não apresenta “efeito memória” e pelas características inteligentes do carregador.3. Devido ao tipo de bateria recarregável que utiliza. Depois. protegendo-a de sobrecargas. não existem restrições para iniciar uma carga tantas vezes quanto forem necessárias. Carga finalizada com êxito. Carga da bateria Este equipamento possui um carregador de bateria interno. Para carregar a bateria. Quando o carregador detecta que a bateria está completamente carregada. Por isso. durante um segundo. o carregador verifica o estado inicial da bateria selecionando assim os parâmetros otimizados da carga. Após alguns instantes. ou depois de algum tempo sem uso. quando o indicador passará a luz verde e permanecerá assim até que o equipamento seja desligado da energia. conecte o equipamento à energia elétrica. passa ao estado de Flote de forma automática.3. o indicador luminoso Carregador da bateria piscará nas cores verde e vermelho durante um segundo. Se durante a carga da bateria o equipamento for utilizado para fazer medições. que ajusta a carga de bateria aos parâmetros otimizados para garantir a máxima vida útil. com circuito inteligente. a carga ficará momentaneamente interrompida. microprocessado. É alimentado mediante fonte externa ou a partir de uma bateria de automóvel de 12 V. é necessário recarregar a bateria. Bateria em carga. Luz verde e vermelha Luz vermelha permanente Luz vermelha intermitente Luz verde permanente Avaliação do estado inicial da bateria ao ligar a fonte. Bateria OK.

Escalas de medição Este equipamento possui 4 escalas de medição: ESCALA UNIDADE RESOLUÇÃO DE LEITURA 0 .20 Ω Ω Ω kΩ 0. a estaca de corrente E3 e a estaca de tensão E2.200. 01). 10 .4.00 0 .1 1 0. Realizando medições 5.1.2.01 0. e conecte-as através dos cabos fornecidos.01 5. aos bornes H(EC) e S(ET) respectivamente. Crave no terreno duas estacas auxiliares.000 0 . O borne E(EXC) deve ser conectado a tomada de terra cuja resistência se quer medir (E1) com o cabo de 5 m (ver fig.0 0 . Medição de resistência de tomada de terra 1.20.

Selecione a posição V na chave de Função e mantenha pressionada a tecla pulsadora Start . até 200 V. 1.2. as estacas devem ser mantidas cravadas no terreno e conectadas ao equipamento como indicado na fig.A. Selecione a posição de 20KΩ na chave de Escala e mantenha pressionada a tecla de Start . Se aparecer um número 1 na posição do dígito mais significativo significa que o valor medido é maior que o valor máximo da escala selecionada (Overrange). significa que existe alguma anormalidade nas conexões das estacas que impede a corrente de medição circular (eventualmente. selecione a escala mais adequada. Nesse caso deve-se selecionar a escala imediatamente superior até encontrar uma leitura válida (isto não será possível se a resistência medida for maior que 20 kΩ). Selecione a posição R(3 pole) na chave de Função .2. 5. Medição das tensões espúrias 1. 3. 2. elegendo-a em ordem decrescente. Revise a instalação para corrigir o erro (ver o item 6). a razão pode ser uma resistência de difusão exageradamente elevada na estaca de corrente). 11 . Se soar o alarme acústico. Se o valor da resistência for menor que 2 kΩ. O display indicará a tensão C. existente entre a tomada de terra e a estaca E2. Para verificar a existência e medir as tensões espúrias presentes no terreno.

expressada em metros. 2. Crave no terreno quatro estacas. Pressione a tecla Start e encontre a escala mais adequada. é: ρ=2πRD onde: ρ = valor da resistividade média do terreno. a distância entre as estacas é crítica.3. Medição da resistividade específica . 3. 2. 4. Nesta medição.14159 R = valor indicado no display. 2. bem alinhadas e com separação constante D. já que interfere no cálculo da resistividade.Método de Wenner 1. Selecione a posição ρ(4 pole) na chave de Função e conecte as estacas como está indicado na fig.5. como está indicado na fig. π = 3. 12 . Para obter o valor da resistividade média do terreno deve-se aplicar a equação de Wenner que. D = distância entre as estacas. em sua forma simplificada.

pela necessidade de assegurar um bom contato da estaca com o terreno. 13 . Esta condição pode ser difícil de cumprir quando D for pequeno. 16 m. A forma simplificada da equação de Wenner pode ser aplicada sempre que a profundidade de penetração de cada estaca for desprezível quando comparada com a distância D. 2 m. 5. Realizando diversas medições com diferentes distâncias entre as estacas obtêm-se a informação requerida para determinar a estratificação do terreno por métodos gráficos ou mediante a utilização de um software adequado. 3. As distâncias geralmente adotadas são 1 m. os cabos podem ser distribuídos como está indicado na fig. Para realizar a medição com D = 16 m. 4 m.É obtido assim a resistividade média do terreno desde a superfície até uma profundidade igual a distância D entre as estacas. 8 m.

pelos menos. 4. dispostos como na fig. Para avaliar adequadamente a resistividade de um terreno. Áreas maiores podem ser divididas em áreas de 10. cinco pontos para uma área de até 10. Também no caso de geometrias diferentes. Neste caso deve-se aplicar a forma completa da equação: onde: ρ = Resistividade específica do terreno D = Distância entre estacas (separação) p = Profundidade de penetração das estacas auxiliares R = Valor indicado no display Quando D >> p obtêm-se a forma simplificada. 8 m. 14 . 2 m. Para o ponto central devem ser necessários dois conjuntos de medições (cada conjunto de medição com suas respectivas separações de estacas de 1 m.6. 4 m.000 m2. as medições devem cobrir toda a área a ser ocupada e influenciada pelo sistema de tomada de terra. A norma NBR 7117 recomenda que efetuem-se medições de resistividade em. sempre existirá a possibilidade de circunscrever um retângulo e proceder como no caso anterior.000 m2 cada uma e realizar medições em 5 pontos como indicado na fig. 16 m). 4. 7.

15 .

000 Ω. um cabo pode estar cortado). sempre que a resistência de tomada de terra da sonda for menor que 1. Estando no campo durante uma medição. o operador deve revisar as conexões dos cabos nas estacas e nos bornes do terrômetro. Alarme acústico O terrômetro MTD-20KWe possui um circuito de alarme acústico para evitar registros de medições falsas. Se não for encontrada nenhuma anomalia nas conexões ou nos cabos. 7.6. basta conectar o equipamento com o circuito de corrente aberto (os bornes H(Ec) e E(Exc) desconectados). a corrente for inferior ao valor requerido para realizar a medição. Influência da resistência de tomada de terra das estacas auxiliares A resistência de entrada do circuito voltimétrico (do medidor de resistência) é de 20. 16 . sem afetar a medição e sem provocar um erro considerável. ao ouvir o som do “bip” intermitente. Se por qualquer razão. Também deve-se revisar o estado da bateria. o circuito de alarme é ativado e gera um sinal audível intermitente. assim como a continuidade dos cabos (eventualmente.000 Ω. Essa resistência pode melhorar regando abundantemente com água as estacas auxiliares. Por isso.000 Ω o erro adicional provocado por este efeito é desprezível (menos de 5%). Para verificar o funcionamento do alarme. ou se não circula corrente entre H(Ec) e E(Exc) . A estaca de corrente pode possuir uma resistência de até 5. ou colocando várias estacas interconectadas. deve-se levar em consideração a possibilidade de que a resistividade do terreno seja anormalmente elevada provocando uma resistência de difusão excessivamente alta das estacas auxiliares.

Na fig. e N). Considerações especiais sobre a medição da resistência de tomada de terra No método normalmente utilizado para medir a resistência de difusão de uma tomada de terra (TDT). Como referência é possível adotar o critério de considerar que o raio de cada zona de influência é da ordem de 3 vezes a maior dimensão do eletrodo. 5). e mede-se a tensão entre a TDT e a sonda E2. D1 é a distância entre a TDT E1 e o eletrodo de corrente E3. O cumprimento adequado desta condição deve ser verificado realizandose três medições sucessivas da resistência de TDT mantendo a posição da estaca de corrente porém deslocando a estaca de tensão ± 2 metros entre as medições (pontos L. Se as três medições apresentarem o mesmo resultado (dentro do erro especificado do terrômetro) a medição deve ser considerada correta. assumindo que a distância entre esses pontos seja suficiente para que suas respectivas “zonas de influência” não apresentem sobreposição. e a estaca de tensão (sonda) deve estar cravada na zona do patamar de potencial. O valor de R é obtido como o quociente da tensão e da corrente. Fora desta zona o potencial é constante (patamar de potencial entre os pontos A e B da fig. A corrente gerada pelo terrômetro circula pela TDT e o eletrodo de corrente. Do contrário. 17 . M. são utilizadas duas estacas como eletrodos auxiliares. deve-se aumentar significativamente a distância até a estaca de corrente e repetir o processo. enquanto que D2 é a distância entre a TDT e a sonda E2.8. Na figura 1. Denomina-se “zona de influência” a área próxima de cada eletrodo na qual observa-se um gradiente de potencial significativo. 5 está representado de forma gráfica o perfil de potencial com relação a TDT na zona compreendida entre esta e o eletrodo de corrente. Para obter uma medição válida da resistência de TDT é necessário afastar a estaca auxiliar de corrente o suficiente para que se cumpra a condição de não-sobreposição das zonas de influência.

Por isso a sonda deve cravar-se mais próxima da estaca de corrente que a TDT para cumprir a condição requerida. as dimensões da TDT são maiores que as da estaca auxiliar de corrente porque o diâmetro de sua zona de influência também é maior. malhas extensas de subestações) são requeridas distâncias que podem chegar a centenas de metros para cumprir a condição. Todas estas considerações se referem a aspectos físicos essenciais do processo de medição. e não dependem do fabricante ou tecnologia utilizada. que se aplicam a todos os terrômetros. Deve-se levar em conta que quando se mede a resistência de TDT de sistemas de grande tamanho (ex. 18 . A literatura técnica descreve métodos aproximados que permitem reduzir estas distâncias com resultados válidos.Em geral. Normalmente adota-se uma distância de 62% como primeira aproximação.

• Para evitar erros provocados pelas resistências próprias dos cabos e suas conexões. 6. deve-se utilizar resistências padrão adequadas. • A chave de Escala deve estar na posição de 20. Verificação da calibração Para obter uma comprovação da calibração do equipamento.00 kΩ 0 . Conecte os 4 bornes do terrômetro à resistência padrão.60 e 10.2000 Ω 0 .0 Ω é possível realizar uma comprovação rápida da calibração do equipamento em seu ponto de maior interesse. O erro máximo admissível segundo a escala é: Escala 0 . como indicado na fig.20 Ω Erro máximo permitido ±(2% do valor medido + 0. Com uma resistência padrão de 10.40 Ω • Se isto não ocorrer.9. 6). Se o display indicar um valor inferior a 1000 a bateria deve ser recarregada ou deve-se utilizar uma alimentação externa. a exatidão do equipamento está fora de sua especificação e deve ser ajustado por um laboratório capacitado. com a devida certificação. Ao término de 5 segundos. o display deve indicar um valor compreendido entre 9.00 Ω • Pressione a tecla pulsadora de Battery para verificar o estado de carga da bateria.20. • Pressione a tecla pulsadora Start . com o terrômetro em sua função de medição de ρ(4 pole).2 kΩ) ±(2% do valor medido + 20 Ω) ±(2% do valor medido + 2 Ω) ±(2% do valor medido + 0.2 Ω) 19 . deve ser utilizado uma conexão de 4 fios (fig.200 Ω 0 . Seguindo o procedimento: • A chave seletora de Função deve estar na posição ρ (4 pole).

portanto podese utilizar a configuração indicada na fig. 20 . as resistências dos cabos e contatos são desprezíveis. com a chave seletora de Função na posição de R(3 pole). 7.Se a resistência padrão possuir um valor superior a 100 Ω.

000 Ω e 0-20 kΩ Tensão: 0-200 V∼ : Medição de resistências: ± (2% da leitura + 1% do fundo de escala) Medição de tensão: ± (2% da leitura + 1% do fundo de escala) Resolução de leitura : 0. : O terrômetro injeta no terreno uma corrente estabilizada eletronicamente.a. Escalas de medição Exatidão 21 . : Resistências: 0-20 Ω. resistividade do solo (com 4 bornes) e tensões presentes no terreno.1 V na medição de tensão. e mede com alta precisão a tensão que aparece no terreno pela circulação dessa corrente através da resistência de difusão do aterramento. O cumprimento desta equação implica que a freqüência de operação não coincide com nenhuma harmônica da freqüência industrial.01 Ω na medição de resistência. 0-200 Ω. eliminar o efeito das correntes parasitas presentes nos terrenos estudados. A leitura de R é direta. mediante o emprego de filtros adequados. permitindo verificar a presença e medir as tensões geradas pelas correntes parasitas.10. 0-2. Isso permite. Especificações técnicas Aplicação : Medição de resistências de aterramento (com 3 bornes). : A freqüência de operação cumpre com a equação: Método de medição de resistência Imunidade às perturbações Onde: fg = freqüência da corrente gerada pelo terrômetro n = número inteiro. fi = freqüência industrial. Funcionamento como voltímetro : Na função voltímetro o equipamento opera como voltímetro convencional de c. 0. no display.

: Circuito inteligente.3 kg : 221 x 189 x 99 mm 22 .Potência e corrente de saída : Opera com potência de saída inferior a 0. ou pela rede (90-240 V∼ 50/60 Hz) através da fonte fornecida. : Mediante bateria recarregável interna. microprocessado. ajusta a carga de bateria aos parâmetros otimizados para garantir a máxima vida útil. 2.5 W e com corrente inferior a 15 mA (pico à pico) Verificação do estado da : Permite comprovar o estado de carga da bateria nas bateria condições normais de uso Alarme acústico : Adverte o operador no caso de existirem anomalias no circuito de corrente que dificultem a obtenção de um resultado confiável. Alimentação Carregador de bateria Temperatura de operação : -10°C a 50°C Temperatura de armazenamento Umidade Peso do equipamento Dimensões : -25°C a 65°C : 95% UR (sem condensação) : Aprox. bateria externa de 12 V. Se alimenta mediante fonte externa para 90-240 V∼ 50/60 Hz (fornecida com o equipamento) ou a partir de uma bateria de automóvel de 12 V.

23 . 1 Manual de uso.240 V~. 1 Extrator de estacas. 1 Carretel com cabo de 40 m. 1 Cabo curto de 5 m. para rede de 90 . sextavadas. “Cooperweld”. 1 Carretel com cabo de 20 m. 1 Trena.Acessórios : 4 Estacas (50 cm. 1 Cabo de conexão para alimentar o carregador com uma bateria externa de 12 V (de automóvel ou similar). 1 Carretel com cabo de 20 m. 1 Cabo curto de 5 m para conexão à tomada de terra a medir. 1 Fonte de alimentação do carregador de bateria. banhadas em cobre 254 microns). 1 Marreta. O fabricante se reserva o direito de modificar as especificações ou o design do produto sem aviso prévio.

por ter sido ligado a rede elétrica imprópria ou sujeita a perturbações excessivas. ou ainda ajustado ou consertado por pessoas não autorizadas pela MEGABRAS. Termo de Garantia A MEGABRAS INDÚSTRIA ELETRÔNICA LTDA. tal como acidentes em campo. tanto os gratuitos como os remunerados.. o único responsável pelos riscos e despesas de transporte do aparelho à fábrica (ida e volta). serão gratuitas dentro do período de garantia. Também será considerada nula a garantia se este certificado ou Nota Fiscal de compra. em uso normal do aparelho. exceto a bateria recarregável que tem 06 (seis) meses de garantia. perda de lucros. Limitação de responsabilidade A responsabilidade por mau funcionamento do equipamento fica limitada a aplicação da garantia nos términos antes indicados. A mão de obra e substituição de peças com defeitos de fabricação. A MEGABRAS obriga-se a prestar os serviços acima referidos. aquisição esta feita em revendedor autorizado de nossos produtos ou diretamente com a MEGABRAS Ltda. etc. desde que. 24 . no caso de apresentar sinais de violação do lacre. A MEGABRAS declara a garantia nula e sem efeito caso este aparelho sofrer qualquer dano provocado por acidentes. O proprietário / consumidor. somente em sua fábrica na cidade de São Paulo. O fabricante não assume responsabilidade por eventuais prejuízos derivados do uso ou da impossibilidade de uso do equipamento. A MEGABRAS restringe sua responsabilidade à substituição das peças defeituosas. a critério de seu departamento técnico. apresentar rasuras ou modificações. será portanto. garantia contra qualquer defeito de material ou de fabricação que ele possa apresentar no prazo de 02 (dois) anos. contados a partir da data de aquisição pelo primeiro comprador / consumidor. uso em desacordo com o manual de instruções.. se constate falha em condições normais de uso. assegura ao proprietário / consumidor do MTD-20KWe. agentes da natureza.11.

Anotações 25 .

Anotações 26 .

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful