P. 1
Portas de Madeira

Portas de Madeira

|Views: 823|Likes:
Publicado porPatrícia Braga

More info:

Published by: Patrícia Braga on May 06, 2012
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as DOC, PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

07/15/2013

pdf

text

original

1

PORTAS DE MADEIRA
BRAGA, Patrícia Oliveira Graduanda em Desenho Industrial- UFMA

patiolibra@hotmail.com

Resumo A proposta deste trabalho é uma pesquisa a respeito das portas de madeira. Para tanto foram realizadas análises de fontes bibliográficas e de dados levantados na internet. Como resultado foram encontradas informações sobre as características específicas das portas de madeira, o material, seus diversos tipos, dimensões e normas que regulamentam a sua produção. Palavras-chave: Portas. Madeira. Características. Dimensões

Abstract The purpose of this paper is a survey about the wood doors. Therefore, we analyzed literature sources and data collected on the Internet. As a result information was found on the specific characteristics of wooden doors, the material, its various types, sizes and regulations governing its production. Keywords: Doors. Wood. Characteristics. Dimensions

2

1. Introdução Nas tentativas iniciais do homem em produzir um ambiente em que pudesse se abrigar, já havia a delimitação de uma abertura por onde este podia entrar ou sair desse ambiente. A partir do momento em que este não só começa a procurar um abrigo das intempéries, mas também a buscar a proteção desse ambiente interno de invasores, surge a porta. Segundo FERNANDES (2004, p.22), essas primeiras moradias humanas eram caracterizadas pela presença de uma pequena abertura, que era preenchida por um pedaço de madeira, que permitia a entrada e saída das pessoas e era denominada como porta. Hoje, no projeto de uma edificação, a porta não deve ser vista apenas como fechamento dos cômodos mais comuns, quartos e banheiros, ou como algo que delineia os limites entre o público e o privado. A porta é um recurso amplo de delimitação de espaços e alternância de usos dos ambientes, que ao longo dos tempos e do desenvolvimento da tecnologia dos materiais, tem ganhado diversas facetas e interpretações, tanto por conta do uso de materiais diversos como também do design. Mas, apesar de toda essa variedade de materiais, um dos principais tipos de portas que ainda podemos encontrar no mercado é a porta de madeira. Daí a ABIMCI (2004, p.1) considerar como portas as peças de madeira que giram por dobradiças ou correm sobre trilhos, com a finalidade de fechar abertura em parede que permite entrada ou saída para algum ambiente.

2. Portas de madeira

As principais madeiras usadas na produção de portas são o cedro. parte mais importante do tronco das árvores e arbustos lenhosos. canela vinhática. peroba rosa. mantendo. mineralizado. Sendo um material naturalmente resistente e relativamente leve. podendo ser encontrada tanto na forma natural (serrada ou beneficiada) ou na forma transformada (compensado. reconstituído. imbuia. mogno. apesar do aparecimento dos materiais sintéticos. uma imensidade de usos diretos e servindo de matéria-prima para múltiplos outros produtos. é (ver figura 3): . texturas e granulometrias. Figura 2: Madeiras de diferentes cores. é frequentemente utilizado para fins estruturais e de sustentação de construções. assim como das de madeira. laminado.1 A madeira A madeira é um material orgânico produzido a partir do tecido formado pelas plantas lenhosas. pinus e Jacarandá. peroba do campo. papel. Fonte: Wikipedia Figura 1: Um tronco de madeira Fonte: Google 2.2 Características A composição clássica das portas em geral. É proveniente do lenho. a madeira foi um dos primeiros materiais a ser utilizado pela humanidade. A madeira é um dos materiais mais utilizados em arquitectura e engenharia civil. Tal diferenciação determina os usos da madeira. constituído de polímeros naturais.3 2. plástico). tornando difícil o estabelecimento de classificações genéricas. este material apresenta grande diversidade em suas características. Dada à diversidade das espécies que produzem madeiras. Pela sua disponibilidade e características.

4 1) Batente ou marco. pvc ou vidro) responsável pela vedação da parede. ou outro material) que está preso junto à abertura na parede e permite a fixação da folha. 3) Guarnição ou alizar – elemento responsável por esconder o encontro do batente com a parede. quando a porta está "fechada". Normalmente uma chapa lisa (de madeira. É fixada no batente por dobradiças ou pivô. externo ou interno. vidro ou alumínio e são indicadas para qualquer ambiente.peça que gira. pvc. dependendo da necessidade. maçanetas e puxadores para a manipulação e fechadura para trancar. 2) Folha . Quando é do tipo que corre. nos variados materiais. alumínio. ou não.3 Classificação: Figura 4: porta simples Figura 3. Ideal para ambientes internos. com apenas uma folha. Tem a largura da parede ou medida padrão de 15 cm ou 25 cm.ou ainda trilhos para portas de correr -. que abrem de acordo com a preferência do morador. O sistema deslizante substitui as portas com dobradiças tradicionais. pode ficar fora da área do batente. que demandam um espaço . corre ou articula. Podem ser feitas de madeira. metal.São os perfis retangulares (de madeira. Costuma ser confundida com a porta propriamente dita. 2. 4) Ferragens – dobradiças ou pivôs que fazem a porta girar . as portas podem ser classificadas como as seguintes: • Fonte: mapeca Porta de uma folha ou simples: São as portas mais comuns. (figura 4) • Porta de correr: Podem ter de duas a cinco folhas.composição das portas Fonte: ABNT De acordo com seu desenho.

cada cômodo pode sofrer várias mudanças sem a necessidade de nova reforma. As portas de correr também podem ser aplicadas para dividir ambientes. como cozinhas e banheiros . é Figura 7: porta sanfonada Fonte: eurodivisal indicada para ambientes pequenos.5 Figura 5: porta de correr mínimo para que sejam abertas. As portas sanfonadas podem ser aplicadas em escritórios. • Pivotante: Esse tipo de modelo está muito em alta atualmente. normalmente. e são indicadas para entradas principais ou varandas. não precisa ser aberta para fora ou para dentro. Além da praticidade no manuseio. (figura 7) • Articulada: Também conhecida como porta-camarão. Assim. como banheiros e lavanderias de apartamentos. pois economiza espaço e possibilita um tipo de abertura muito diferente das outras. O uso mais comum tem sido nas casas de praia. pois enrola quando é puxada e. O material mais comum para esse tipo de porta é a madeira. O material mais comum para esse tipo de porta é a madeira. da mesma forma que algumas janelas. sem separá-los por definitivo. as portas corridas podem ser portáteis e de fácil colocação. oferece acesso a higienização até nas partes mais difíceis como nas dobras. (figura 5) • Fonte: weiku. mas muito frequente em escritórios. habitações. Outro benefício das portas rolantes é a facilidade na limpeza. O material mais comum é o PVC. As divisórias feitas por portas deslizantes transformam o ambiente em espaços multiuso. portanto. hotéis. sendo que Figura 6: porta pivotante Fonte: mapeca duas delas abrem para fora. Pouco usada em domicilios. Este tipo de porta não necessita de calha no pavimento. para entradas principais. espaços comerciais ou outros locais que necessitem de ser divididos. pelo modelo moderno e por combinar com o estilo veraneio. (figura 6) • Sanfonada: Ideais para ambientes pequenos. e sua indicação é. Por ser um objetivo totalmente removível e leve em relação às portas tradicionais. pois possui um eixo deslocado que permite abertura até 180 graus.net Porta-balcão: Geralmente com quatro folhas.

branco. Seu diferencial em relação à sanfonada é o tipo de material com que é feita. as portas podem ter suas superfícies: • • • Revestidas com lâminas de madeira. Com impressão (como nos móveis). Figura 8: porta articulada Fonte: eucla Figura 9: porta semi-sólida. mogno. curupixá ou imbuia. Com acabamento nas cores.6 de apartamentos. (figura 8) De acordo com sua forma construtiva as portas podem ser (figura 9): • • • • • Porta Sarrafeada. porta maciça e porta colméia Fonte: Escola Politécnica da USP De acordo com os padrões de acabamento. Porta Maciça. se tornando uma opção muito elegante. Porta Semi-Sólida. Porta Colméia. tauari. além de prática. Porta Sólida.4 Tipos: . 2. Muito util tambem como divisória ou para armário. que pode ser até mesmo madeira com vidro.

pois se ao iniciar a produção dos perfis a madeira ainda estiver verde. ela continuará o seu processo de secagem. mas não estragam com tanta facilidade e podem durar a vida toda. Depois a madeira deverá passar por um tratamento anti-séptico que a protegerá . que são um pouco mais caras. Figura 10: portas de madeira maciça Fonte: google Figura 11: portas de madeira compensada Fonte: google 2. mas não são tão resistentes quanto às de madeira maciça. podendo sofrer deformações irreversíveis. são mais comuns.7 Existem dois tipos de portas de madeira: compensadas e maciças.5 Processos de Fabricação de madeira maciça No processo de fabricação a madeira deve estar seca. A primeira etapa do processo de fabricação é quando ocorre o corte que dará forma aos perfis. além de mais baratas. As primeiras.

Em contrapartida a secagem artificial é realizada em estufas a qualquer época do ano. Com as peças acabadas. 1) Aquisição de Matéria-Prima: a principal matériaprima é a madeira de folhosas tropicais recém-serrada. Antes do processo de secagem a madeira serrada verde é classificada. a madeira é entregue sem proteção superficial e a pintura ou o envernizamento definitivo é feito após a instalação. e fabricação propriamente dita. 2) Processo de Secagem: pode ser realizada por dois processos: natural ou artificial. sendo bastante aplicado em função de redução de custos. o processo industrial de fabricação de portas maciças compreende as seguintes fases: aquisição da matéria-prima. O tratamento da madeira é feito pela imersão total das peças em tanques que contenham os produtos químicos que irão dar proteção. com menor tempo de secagem. devido à sua tonalidade e alta resistência.8 de ataques de insetos e microorganismos. processo de secagem. Após receber o tratamento. inicia-se o processo de montagem e colagem das portas. 3) Fabricação de Portas Maciças Primeiramente as tábuas secas são processadas em uma plaina desengrossadeira. Segundo a Abimci. Ao chegar na obra. objetivando uniformizar a espessura do material e permitir a identificação de . as peças passam por máquinas que eliminam possíveis deformações dando o acabamento desejado aos perfis de madeira. A secagem natural ou ao ar livre é mais usada na época em que a temperatura é mais alta e a umidade relativa do ar mais baixa. de acordo com suas dimensões e classe de qualidade.

onde é conferido um perfil diferenciado para a peça. livre de ação solar e de umidade. Somente após de processadas na plaina moldureira as peças são destopadas. as tábuas das são refiladas para e/ou plaina reaproveitamento refiladas são desclassificadas para uma simplesmente para definir a largura das peças. Por sua vez. Eventualmente. e . sempre com três apoios. destopo. Durante o processo de destopo são eliminados defeitos das peças. como por exemplo. Após a operação de uniformização da espessura. embaladas e armazenadas para posterior expedição. maravalha. Excedentes de resíduos podem ser comercializados. limpo. Para o armazenamento o produto deve ser colocado em local aberto. As peças encaminhadas moldureira. As peças transversais do quadro das portas são ainda processadas em uma respigadeira para preparação do encaixe (macho). as peças longitudinais do quadro das portas são processadas em uma furadeira para preparação do encaixe (fêmea).9 defeitos nas peças. serragem. entre outros são empregados para geração de energia térmica (estufas). as peças são ainda furadas para fixação de dobradiças e puxadores. Na plaina moldureira é conferido o perfil e o acabamento superficial das peças. sendo definida a dimensão final da peça (comprimento). Os resíduos gerados durante o processo produtivo. sobre estrados de madeira planos e nivelados. As peças transversais superiores do quadro das portas podem ainda ser processadas em uma tupia. Armazenado em posição horizontal. As peças acabadas são empilhadas.

Além de aplicar produtos selantes para impermeabilizar e evitar intempéries e também verniz fosco ou brilhante. bem como os trabalhos artesanais. limpeza e manutenção: A aplicação de acabamento em portas de madeira ajuda na conservação e embeleza o ambiente. dando a falsa impressão de que a porta e a peça usinada sejam uma única peça. couro ou derivado.6 Acabamentos. 2. ou contornando as extremidades da porta. dentre elas: 1) Com molduras ou filetes fixados nas superfícies das portas imitando algum desenho. fixando na madeira qualquer tipo de tecido. 3) Outra opção é fabricar a peça (almofada) de maneira que possa fixá-la no centro da porta (sobreposta). transformando-se em verdadeiras obras de arte. 2) Em centros de usinagem ou em tupias (superiores ou portáteis).10 coberto com plástico ou lona plástica as primeiras portas de cada pilha. Em portas de madeira de lei pode-se apenas lixar e passar cera de carnaúba e lustra-móveis para conservar. retira-se o material necessário para dar a impressão de alto ou baixo relevo. O processo de fabricação de portas de madeira almofadadas pode ser realizado de diversas maneiras. onde a máquina usina a peça. . Também há a possibilidade de se trabalhar com a almofada. fazendo um enchimento abaixo do material. onde as almofadas são esculpidas na madeira.

12. pois filtram os raios ultravioletas. com o uso de um pano umedecido em aguarrás e mofo. a aplicação deve ser feita com pincéis e com suavidade. ácido muriático ou água oxigenada. Para clarear a madeira aplica-se cloro. poeira.001/09 Portas de Madeira para Edificação – Parte 1: Terminologia. recomenda-se a aplicação de vernizes que tenham absorvedores de raios ultravioletas. extrato de nogueira ou cera de carnaúba escurecem a madeira. pois o excesso pode causar manchas na superfície da madeira. Betume. Em portas de madeira com acabamento natural usadas em ambientes externos. A manutenção após a pintura com esmalte pode ser feita limpando-se a porta de madeira regularmente com pano úmido e detergente neutro. Para criar um aspecto perolado pode-se usar a aplicação de laca.5 Dimensões- são regulamentadas pela NBR 31:000. 2.11 Para pintura utiliza-se tintas de látex acrílico. Simbologia e Padronização . com um pano umedecido em solução de água sanitária. Contudo. esmaltes ou verniz pigmentado a base de anilina diluída. Na limpeza de portas de madeira em geral pode-se remover manchas de óleo ou graxa com solvente.

12 Figura 12: Dimensionamento e as tolerâncias dimensionais para o kit porta Dimensões padronizadas para as folhas de portas internas. de entrada e externas: .

parafusos ou grapas. . Em caso de emprego de kit porta resistentes ao fogo a utilização destes mecanismos de fixação e respectivas dimensões padronizadas são compulsórias. de entrada e externas O dimensionamento e as tolerâncias dimensionais para os vãos de porta são apresentados considerando o material empregado na fixação da porta ao vão da parede: espuma expansiva de poliuretano (PU).13 Figura 13: dimensões padronizadas para as folhas de portas internas. observando o padrão do kit porta. Figura 14: Dimensionamento e tolerância dimensionais dos vãos de porta O dimensionamento e as tolerâncias dimensionais para os vãos de porta fixada com parafuso e/ou grapas devem atender ao especificado no Figura 15.

14 Figura 15: O dimensionamento e as tolerâncias dimensionais para os vãos de porta fixada com parafuso e/ou grapas Figura 16: Variação dimensional em relação às dimensões nominais da folha de porta. .

15 Figura 17: Desvios de forma e planicidade das faces da folha de porta .

16 Figura 18: Dimensões dos marcos para padrões Figura 19: Variação dimensional dos montantes e travessas do marco .

17 Figura 20: Dimensões dos alizares planos Figura 21: Dimensões mínimas das dobradiças .

6 Vantagens e Desvantagens .18 Figura 22: Dimensões mínimas das fechaduras para os padrões de folhas de porta Figura 23: Dimensões mínimas das dobradiças 2.

Além disso. Se mesmo assim ocorrer a infestação de cupins. que ajudam a compor o visual no ambiente em que forem colocadas. classificação e métodos de ensaio.19 As portas de madeira podem ser utilizadas para todas as áreas. Mesmo com essas qualidades.001/09 Portas de Madeira para – Parte 1: Terminologia. esses danos podem ser prevenidos e até retardados com um bom acabamento. Além disso.define os termos adotados para portas destinadas a edificações. . 2. tanto internas quanto externas. • NBR 31:000. temos as seguintes normas regulamentadoras: • • NBR 6492 Representação de projetos de arquitetura NBR 14913/08 Fechadura de embutir – Requisitos. a água pode danificar esse tipo de porta. Simbologia e Edificação Padronização. pois existe a possibilidade de estufar e apodrecer a madeira. no que diz respeito a portas de madeira.7 Normas Regulamentadoras: No Brasil. portas de qualidade apresentam resistência natural a cupins e costumam ser preparadas contra esses insetos durante sua produção. diferente de outros materiais. na limpeza.Parte 2: Requisitos e Classificação. Contudo. que pode corroer o material. por conta de sua durabilidade e resistência. devem-se aplicar inseticidas com pincel ou com injeção. bem como a simbologia e a padronização a serem empregadas quando da especificação de portas de edificações • Projeto 31:000.12. São ótimas em questão de segurança.002/09 Portas de Madeira para Edificação . um grande empecilho é a fragilidade da madeira em relação ao cupim. esteticamente podem ser produzidas em diversos modelos.12. Entretanto.

20 • Projeto 31:000.12.Solicitação Leve (light duty): baixa freqüência de uso e manuseio cuidadoso (portas internas e de entrada em hall com antecâmara em áreas de pouco movimento tais como residências) • Classes 2 a 3 .12.003/09 Portas de Madeira para Edificação . indo da classe 1 até a classe 3 ou 4. Existe a classe 0 (zero) para qualificação do produto quando alguns requisitos não são exigidos. Na Europa.004/09 Portas de Madeira para Edificação . • Projeto 31:000. não existe uma especificação única da comunidade européia para portas e janelas. e segue as seguintes orientações quanto ao uso das portas focando as solicitações relativas aos esforços de uso (EN 1192:2000): • Classes 1 a 2 .12. As classes de desempenho são crescentes conforme o aumento da exigência dos requisitos.Guide to specifying performance requirements for hinged or pivoted doors. Essa norma. hospitais e outras áreas de grande afluência de público) .Parte 4: Requisitos de desempenho adicionais. por exemplo: residências e áreas internas de escritórios) • Classes 3 a 4 .Parte 5: Instalação.Parte 3: Métodos de ensaio.Solicitação Média (médium duty): média freqüência de uso e manuseio normal (portas internas e externas em áreas de pouco tráfego.005/09 Portas de Madeira para Edificação . • Projeto 31:000.Solicitação Pesada (heavy duty): alta freqüência de uso e manuseio descuidado (shopping centers. podendo cada país reservar-se o direito de especificar as classes de desempenho para cada aplicação. é derivada do projeto de norma britânico DD 171:1987 .

Dicionário Visual de Arquitetura.21 • Classe 4 . Fluxograma de produção de portas de madeira maciça. Ernest.K.NEUFERT. 2ª ed.12.br/casa/servicos/escolha-a-porta-idealpara-a-sua-casa/n1237508143643. 1943. 4ª ed. . Belo Horizonte: Edições Engenharia e Arquitetura. normas e prescrições sobre construção.NBR 31:000. . Porto alegre: 2004. Celso. Simbologia e Padronização.FERNANDES.MONTENEGRO. Alexandre Guella. Desenho Arquitetônico. São Paulo: 1976. . Vol. dimensões de edifícios. Sanatiel de Jesus (Org. 2001. Gildo A. Artigo Técnico Nº 22 – Julho 2004 .). Francis D. 2010.. distribuição e programa de necessidades.) 3.com. Esquadrias residenciais em madeira: contextualização de variáveis para realização de projetos. Materiais IndustriaisDesenho Industrial. instalações. A arte de projetar em Arquitetura. 1981. DEDET/ UFMA. 2 .São Paulo: Edgard Blucher. escolas etc..Solicitação Severa (severe duty): freqüentemente exposta ao uso de forma violenta (acessos a depósitos feito por empilhadeiras.CARDÃO.ig.: princípios.São Paulo: Martins Fontes.001 Portas de Madeira para Edificação – Parte 1: Terminologia.ABIMCI – ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DA INDÚSTRIA DE MADEIRA PROCESSADA MECANICAMENTE. -http://delas. Técnica da construção. . Referências .html . locais e utensílios.CHING.PEREIRA. .

br/engenhariacivil/107/imprime31699.Análise crítica da normatização nacional de portas de madeira in http://revistatechne.asp .22 .html .http://www.br/arq5661/Aberturas/materiais.arq.com.ufsc.

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->